ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Tratado de Versalhes marcou 'nova fase do capitalismo'

O Tratado de Versalhes foi assinado no dia 28 de junho de 1919, em Paris, na França – há exatos 100 anos, portanto -, celebrando um acordo de paz entre os países envolvidos na Primeira Guerra Mundial

Tratado 1 temproario

Rol de entrada do Palácio de Versalhes à época da assinatura do tratado. Foto: Wikimedia Commons/CC BY-SA 4.0


Claudia Costa/Jornal da USP

Ele entrou em vigor em 10 de janeiro de 1920, colocando um ponto final nas hostilidades iniciadas em 1914 entre as potências europeias, suas colônias e aliados ao redor do mundo. O tratado devolveu a paz ao continente e determinou que a Alemanha arcasse com todos os prejuízos causados pela guerra, principalmente as perdas financeiras.

Os alemães o chamaram de “Ditado de Versalhes”, já que não houve nenhuma possibilidade de o país negociar as condições para a paz definitiva, gerando um sentimento de derrota e de humilhação em toda a população alemã, além de intensa crise econômica e social. Apenas em outubro de 2010 a Alemanha quitou a dívida imposta pelo Tratado de Versalhes.

Tratado 2 temproario

Manifestação na Alemanha contra o Tratado de Versalhes, chamado pelos alemães de “Ditado de Versalhes”. Foto: Wikimedia Commons

Segundo o professor Everaldo de Oliveira Andrade, do Departamento de História da FFLCH/USP, o tratado foi assinado em uma situação peculiar, na derrota dos grandes impérios do centro – Austro-Húngaro, Alemão e Otomano. “Na verdade, o Tratado de Versalhes é parte de um conjunto de tratados. É o mais conhecido, mas houve outros tratados com outros países derrotados que impuseram uma série de dificuldades para que esses países se recuperassem rapidamente dos efeitos da Primeira Guerra Mundial”, afirma.

Para o professor, essa demora em entrar em vigor, somente seis meses depois da sua assinatura, deve-se ao período revolucionário que a Alemanha vivia. “A Revolução de 1919, pouco lembrada, é fruto direto da guerra. Foi um período de grande instabilidade, em que foram proclamados os sovietes na Alemanha, e também da morte de Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht, líderes revolucionários assassinados pelas forças da extrema direita”, relata.

Além disso, diz Andrade, há uma série de divergências entre os próprios vencedores. “Há uma insistência da França de que o tratado impusesse pesadas perdas e reparações de guerra à Alemanha, em uma tentativa de atrasar o seu desenvolvimento econômico, que já era bem superior nesse período em relação à própria França e a outros países europeus”, informa.

Segundo ele, a França, mais do que resolver a questão da guerra e conseguir a paz, buscava o revanchismo, utilizando o tratado como uma forma de impor, a longo prazo, uma derrota mais profunda ao desenvolvimento e a uma futura hegemonia econômica da Alemanha na Europa. Para o professor, “nenhum tratado de paz do vencedor contra o derrotado é justo, porque não existe guerra justa de fato”.

Em sua opinião, o Tratado de Versalhes não é um tratado de paz, e sim uma expressão de uma nova fase do capitalismo. “Uma fase de guerra e revoluções, em que há um acirramento das disputas pelo mercado mundial. Inglaterra e França buscavam aniquilar seu rival econômico, que era a Alemanha”, explica, acrescentando que o tratado representa uma fase de ruptura com uma situação anterior, em que o capitalismo ainda não havia se consolidado. “Uma fase de conflitos cada vez maiores, que vão desembocar na Segunda Guerra Mundial, e depois em outras tensões permanentes no mundo na história contemporânea”.

Segundo Andrade, não foi o tratado que levou à depressão econômica. “Já existia uma situação de crise econômica que gerou a própria guerra. São tensões que não se resolvem na Primeira Guerra e vão se refletir no futuro”, afirma. “Mas é uma crise do capitalismo, uma crise profunda que se revela na depressão econômica e na ascensão da União Soviética, em uma revolução que ocorre no meio da Primeira Guerra Mundial, em fevereiro de 1917, na Rússia, que destrói não só o império russo mas a própria república, quando é proclamado o socialismo e depois a União Soviética”, diz, informando ainda que essa crise tem um novo round em 1929, com a quebra da Bolsa de Valores de Nova York.

 Tratado 3 temproario

No dia 28 de junho de 1919, Alemanha é obrigada a assinar o Tratado de Versalhes. Foto: Wikimedia Commons

O Tratado de Versalhes, sob os auspícios do presidente norte-americano Woodrow Wilson, do primeiro-ministro britânico David Lloyd George e do primeiro-ministro francês Georges Clemenceau, instituiu a Liga das Nações, órgão internacional que atuaria como regulador da situação política do mundo, a fim de evitar futuras guerras. Apesar de ser um dos principais negociadores do tratado, o Congresso dos Estados Unidos não ratificou o documento nem aderiu à Liga das Nações, firmando um acordo bilateral com os alemães pelo Tratado de Berlim, de 1921.

A Liga fracassou porque não dispunha de um poder executivo forte, e sua dissolução oficial ocorreu em abril de 1946. Sua sucessora, a ONU, já havia iniciado suas atividades em outubro de 1945. “A Liga das Nações foi construída sobre a base de uma situação muito instável. Apesar de França, Inglaterra e Estados Unidos vencerem a guerra, a Alemanha não foi ocupada militarmente, seu exército não foi derrotado, gerando uma situação irresolvida”, comenta Andrade.

“Não havia uma base política nem um acordo com as grandes potências, o que acabou ocorrendo com a fundação da ONU, que teve a participação da União Soviética.” Como lembra o professor, a Liga das Nações não envolvia a União Soviética. “Pelo contrário, houve uma união entre países vencedores e vencidos para esmagar o Estado soviético que estava nascendo”.

O professor ainda conta que a União Soviética, após a Revolução de 1917, passou por uma guerra civil, de 1918 a 1922, e a Liga das Nações não tinha autoridade política e moral para impedir essa ação. Ele também fala sobre o papel dos Estados Unidos: “Embora o presidente Wilson defendesse uma série de pontos importantes, ele foi derrotado internamente por uma política isolacionista dos Estados Unidos nesse período, fragilizando a possibilidade de a Liga das Nações ter um resultado positivo”.

“Essa experiência tem um reflexo evidente na história das relações internacionais, porque mostrou que um tratado humilhante – contra a Alemanha, depois contra o Império Austro-Húngaro e contra o próprio Império Otomano – não favorecia a reorganização do Estado e acabava gerando uma instabilidade política maior.” Segundo o professor, de alguma maneira, o tratado acabou colaborando para uma década de 20 ainda instável. “Os efeitos do Tratado de Versalhes na crise de 1929 foram mais profundos à medida em que se colocavam obstáculos quase intransponíveis para que a Alemanha pudesse se recuperar plenamente da derrota e do caos econômico provocado pela Primeira Guerra Mundial.”

Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171