ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Varejo eleva, em 10 anos, representatividade no comércio

Pesquisa Anual de Comércio, divulgada ontem (27), no Rio de Janeiro, pelo IBGE, revela que o segmento varejista passou a ser o mais representativo na atividade comercial brasileira em 2017 em relação a 2008, quando o atacado era o segmento mais forte

Varejo 1 temproario

O setor do comércio ocupou 10,2 milhões de pessoas, às quais foram pagos R$ 226,7 bilhões em salários, retiradas e outras remunerações. Foto: Marcelo Camargo/ABr/EBC

Alana Gandra/Agência Brasil

O varejo respondeu por 45,5% da receita operacional líquida de R$ 3,4 trilhões do comércio nacional em 2017, contra 44,6% do setor atacadista e 9,9% do comércio de veículos, peças e motocicletas.

Segundo o técnico da Coordenação de Comércio e Serviços do IBGE, Jordano Rocha, o aumento da participação do varejo ocorreu devido à diminuição da participação do segmento de veículos, peças e motocicletas. Analisando os últimos dez anos, observa-se que o comércio varejista subiu de uma participação na receita operacional líquida de 39,6% em 2008 para 45,5% em 2017, enquanto o comércio de veículos caiu de 16% para 9,9%.

O atacado manteve-se praticamente estável. Em 2008, ele participava com 44,4% e subiu para 44,6%. A receita operacional líquida é obtida reduzindo-se da receita bruta as deduções relativas às vendas canceladas, descontos, abatimentos, impostos e contribuições, que somaram R$ 384,5 bilhões em 2017. A pesquisa revela, ainda, que 1,5 milhão de empresas registradas no país em 2017, englobando 1,7 milhão de unidades locais comerciais, registraram receita bruta de R$ 3,8 trilhões, sendo R$ 1,7 trilhão auferido pelo varejo e atacado cada, e R$ 360,6 bilhões pelo comércio de veículos, peças e motocicletas.

O setor do comércio ocupou 10,2 milhões de pessoas, às quais foram pagos R$ 226,7 bilhões em salários, retiradas e outras remunerações. O valor adicionado bruto obtido pela atividade comercial atingiu R$ 583,7 bilhões em 2017. As principais variações de aumento na receita operacional líquida foram observadas em hipermercados e supermercados (2,7 pontos percentuais), passando de 9,8% para 12,5% em dez anos; no comércio varejista de produtos alimentícios, bebidas, fumo e minimercados (2,6 pontos percentuais), de 2,2% para 4,8%; e no comércio por atacado de produtos alimentícios, bebidas e fumo (2,1 pontos percentuais), de 6,3% para 8,4%.

 Varejo 2 temproario

Empresas comerciais pagavam, em média, a seus funcionários, 1,8 salário mínimo mensal em 2017. Foto: Fernando Frazão/ABr

De acordo com a pesquisa, a maior parte, ou o equivalente a 74,3%, das 10,2 milhões de pessoas empregadas em 31 de dezembro daquele ano foram registradas no comércio varejista; 17% no comércio por atacado; e 8,7% no comércio de veículos, peças e motocicletas. "Em emprego, não houve grandes mudanças na participação de cada segmento de 2008 para 2017. O varejo continua sendo o segmento que mais empregava, entre esses três. Em 2017, ocupava cerca de três quartos do pessoal ocupado em comércio", disse Rocha.

O levantamento indica também que as empresas pagaram, em 2017, salário médio mensal de 1,8 salário mínimo, mostrando estabilidade em comparação a 2008 (1,9 salário mínimo/mês). Já a divisão por grupos de atividades revela variações significativas. Jordano informou que essa queda de 1,9 para 1,8 salário mínimo foi puxada pelo salário do comércio de veículos, peças e motocicletas que, em 2008, era de 2,3 salários mínimos e passou para 2 salários mínimos mensais, em 2017.

O salário médio mensal das empresas comerciais brasileiras foi de 1,8 salário mínimo em 2017. As regiões Sudeste e Sul apresentaram salários médios mensais acima da média (2 e 1,9 salário mínimo, respectivamente). Por outro lado, pagaram salários inferiores à média nacional as regiões Norte e Centro-Oeste (1,7 salário mínimo/mês, cada); e Nordeste, (1,4 salário mínimo).

A avaliação da participação da receita bruta de revenda das unidades da Federação nas grandes regiões brasileiras evidencia que o Pará teve a maior participação no Norte do país em 2017 (38%), contra 34,9%, em 2008. Já o Amazonas caiu de 33,6% para 25,6%. No total, o Norte do Brasil aumentou sua participação na receita bruta de revenda de 3,5% para 3,7%, em dez anos.

No Nordeste, três estados mostraram as maiores participações da receita bruta de revenda da região, sendo que a Bahia caiu de 30,3% em 2008 para 26,8%; Pernambuco e Ceará tiveram expansão de 18,4% para 20,9%; e de 15,3% para 16%, respectivamente. Nessa variável, a Região Nordeste elevou sua participação em dez anos de 14,3% para 15,7%. Os três estados nordestinos representaram 63,7% da receita bruta de revenda em 2017. Em 2008, 64%.

Já o Sudeste é caracterizado pela concentração no estado de São Paulo. Em 2017, ele representava 61,4% do total da receita bruta de revenda. Em 2008, tinha 62,4% da revenda. Outro destaque é Minas Gerais, que tinha 17,6% em 2008, e passou para 19,1%, em 2017. No Sudeste, observa-se queda na participação da receita bruta de revenda: de 53,1% para 50,5% na década encerrada em 2017.

Na Região Sul, os três estados têm participação mais uniforme, da ordem de um terço cada um para cima ou para baixo. Em Santa Catarina, foi apurada expansão de participação na variável, que passou de 24,7% para 27,6%. No Paraná, caiu de 38,9% para 37,8%, e no Rio Grande do Sul, de 36,4% para 34,6%. No Sul como um todo, a participação na receita bruta de revenda recuou de 20,3% para 20%.

No Centro-Oeste, o destaque ficou com Mato Grosso e Goiás que, juntos, representaram 67,6% da receita bruta de revenda em 2017, contra 61,5% em 2008. Mato Grosso passou de uma participação de 25,1% para 32,4%. "Aumento de 7,1 pontos percentuais", ressaltou Rocha. Goiás e o DF tiveram participação diminuída de 36,4% para 35,2% e de 23,1% para 17,3%, respectivamente. A região ampliou sua participação na receita bruta de revenda em dez anos de 8,8% para 10,1%.

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171