ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Transpondo 1 temproario

Transpondo a Cortina de Ferro: relatos de viagens de brasileiros à URSS

Cenário descrito pelos viajantes permite uma compreensão plural da sociedade soviética durante a Guerra Fria

Transpondo 2 temproario

A delegação de professores estrangeiros em frente aos edifícios principais da nova Universidade de Moscou. Foto: Reprodução/Livro A Educação na URSS (1953) de Paschoal Lemme


Ivanir Ferreira/Jornal da USP

Quem se atreveria a fazer turismo na União Soviética nas décadas de 1950 e 1960, em plena Guerra Fria – período histórico de disputas estratégicas e conflitos entre os EUA e a URSS? Dos brasileiros que foram, incluindo juízes, escritores, jornalistas, professores e operários, muitos se deslumbraram com a sociedade observada, mesmo estando em um sistema político fechado; outros rechaçaram as diferenças sociais encontradas e a ausência de liberdade.

A representação que cada viajante construiu da região, quando transpôs a fronteira, variou de acordo com sua posição ideológica na época em que realizou a viagem, normalmente planejada por duas instituições estatais russas, a VOKS e a Intourist. As narrativas polifônicas fazem parte da pesquisa Transpondo a Cortina de Ferro: relatos de viagens de brasileiros à União Soviética na Guerra Fria (1951-1963), desenvolvida na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP.

Segundo Raquel Mundim Tôrres, autora do estudo, as narrativas possuem um viés historiográfico instigante e documental. Os brasileiros que viajaram para a União Soviética a lazer também tiveram uma missão política. “Compreender os trâmites de uma sociedade, observar seu cotidiano, anotar informações e dados passados pelos guias e, finalmente, se posicionar sobre o que era observado”, afirma a historiadora.

A pesquisa foi baseada em narrativas publicadas em forma de livro de homens e mulheres (trinta e três livros para cinquenta e quatro autores) dos mais diversos setores sociais: políticos, operários, escritores, jornalistas, sindicalistas, médicos, juízes, professores, jovens militantes e esposas descritas como acompanhantes de seus maridos, e que foram divididos em grupos para sistematização do estudo: comunistas, simpatizantes, anticomunistas e aqueles de ideologia não definida. Dentre os turistas, foram encontrados vários personagens ilustres, inclusive da literatura brasileira, como os escritores Jorge Amado e Graciliano Ramos, conhecidos por serem comunistas.

 Transpondo 4 temproario

Em uma fábrica de caramelos em Leningrado. Foto: Foto: Reprodução/Livro 25 dias na URSS (1954), de Olympio Fernandes Mello

Nas descrições de chegada ao país foi comum encontrar nas narrativas expressões como “novo mundo”, “paraíso terrestre” ou “inferno terrestre”, “fronteira entre dois mundos”, o que denunciava a importância e o peso da viagem para os autores, a sensação de estarem entrando em um mundo completamente diferente do que conheciam. Nos depoimentos dos viajantes “era comum encontrar diferentes impressões sobre os mesmos lugares, pessoas, tratamentos e experiências. A descrição de uma mesma cena poderia servir, inclusive, de evidência para ideologias opostas”, relata Raquel.

Ao visitarem igrejas ortodoxas e católicas, que se encontravam abertas e com poucos frequentadores, os comunistas e simpatizantes realçaram o fato de elas se encontrarem abertas, o que servia para denunciar a falsidade de notícias anticomunistas que diziam que não havia liberdade religiosa na URSS; já os anticomunistas aproveitavam para denunciar o esvaziamento de fiéis, a submissão da igreja ao Estado, como forma de demonstrar as consequências da perseguição religiosa promovida pelo governo soviético.

Raquel aponta ainda que, de forma interessante, alguns viajantes fizeram relatos que iam de encontro ao seu próprio perfil ideológico em relação às representações da então URSS. Eles “conseguiram fugir da bipolaridade e do antagonismo do imaginário da Guerra Fria”. Foi o caso do escritor Graciliano Ramos que, embora fosse membro do Partido Comunista Brasileiro (PCB), demonstrou desconfianças da hospitalidade oferecida pela VOKS e Intourist.

“Graciliano teve uma visão favorável no que diz respeito ao dia a dia das fábricas, das escolas e das fazendas coletivas soviéticas, além de também fazer elogios a Stalin como líder e defensor da classe trabalhadora, mas parecia incomodado com aspectos luxuosos de suas acomodações, com as regalias e com as gentilezas excessivas de seus guias”, diz Raquel. Já Jorge Amado foi o autor de um dos relatos mais propagandísticos e favoráveis à União Soviética, sendo inclusive um dos poucos a defender a imprensa estatal da URSS. “Jorge Amado era um escritor extremamente reconhecido na URSS, tendo algumas de suas obras já traduzidas para o russo no início da década de 1950”.

Transpondo 5 temproario

Milhões de russos, há 28 anos, em filas quilométricas, desfilam diante do corpo de Lenine, cujo túmulo, em frente ao Kremlin, na Praça Vermelha, serve de culto à Pátria. Foto: Reprodução/Livro Moscou, ida e volta (1952), de José Edmar de Oliveira Morel

Das narrativas, os anticomunistas eram a minoria – apenas cinco autores – um engenheiro e quatro jornalistas. Orlando Loreiro, que trabalhava na Folha da Tarde de Porto Alegre, juntamente com os outros companheiros de profissão, demonstrou profunda indignação com a falta de liberdade de expressão do povo soviético: “Todos os jornais, direta ou indiretamente, estavam nas mãos do próprio governo. Oficialmente, o Pravda é o jornal do Partido Comunista, o Izvestia é o órgão do governo russo, porém, todos os demais jornais soviéticos estavam subordinados a esses dois diários da imprensa comunista”, relata em seu depoimento.

O custeio das viagens dos brasileiros era feito pelo governo soviético por intermédio das agências de viagens russas – a VOKS e Intourist – que planejavam e gerenciavam o roteiro turístico a fim de levar o visitante a conhecer os “bastidores” e o cotidiano dos soviéticos. Por conta da ausência de laços diplomáticos entre Brasil e URSS entre 1947 e 1961, o convite normalmente surgia em eventos internacionais nos quais os brasileiros já tinham saído do País para participar de conferências.

 Transpondo 3 temproario

Raquel Tôrres, historiadora e autora da pesquisa. Fot: Arquivo pessoal

Em geral, as mulheres viajavam na categoria de acompanhantes ou de familiares, como foi o caso de Edy Duarte Pereira e Heloísa Helena Duarte Pereira, esposa e filha de Osny Duarte Pereira; Heloisa Ramos, esposa de Graciliano Ramos, e Zélia Gattai, esposa de Jorge Amado. As narrativas de mulheres brasileiras possibilitaram também à pesquisa algumas considerações a respeito de questões de gênero. Muitos viajantes relataram impressões de espanto ao observarem a presença da mulher soviética em diversos tipos de serviços em que as mulheres brasileiras da época não trabalhavam.

A historiadora acredita que a análise desse material possibilitou uma maior compreensão da complexidade e da diversidade dos imaginários políticos construídos sobre a União Soviética na época da Guerra Fria. “Realidades múltiplas e impossíveis de serem classificadas em apenas dois campos, através de conceitos binários como verdadeiro/falso e bom/mau.” Devido à importância do conteúdo historiográfico e pelos aspectos curiosos e inéditos da pesquisa, Raquel aposta na possibilidade de publicação de um livro voltado para o público em geral.

Mais artigos...

  1. Falta de gestão prejudica oferta de creches
  2. Militarização de colégio público divide opiniões
  3. Extrato de jabuticaba pode prevenir doenças
  4. 1ª Previdência permitia aposentadoria aos 50 anos
  5. Projetos buscam maior rigor para o trânsito
  6. Estudo aponta fragilidade da Previdência nos estados
  7. Senadores querem política para doenças raras
  8. Livro traz críticas ao negacionismo do Genocídio Armênio
  9. Pesquisa inédita sobre refugiados no país revela boa formação escolar
  10. Senado debate aumento de rigor contra cigarro
  11. Maioria dos consumidores não sabe o quanto paga de imposto embutido nas compras
  12. Casal conta como rotina de vida mudou com adoção de irmãos
  13. A extrema direita pode chegar ao poder na União Europeia?
  14. 83 milhões de brasileiros possuem ao menos uma compra parcelada
  15. Clientes de baixa renda são os que mais reestruturam dívidas do cartão
  16. Sofrimento psíquico afeta mulheres motoristas de ônibus
  17. Magistério é o curso mais procurado pelo segmento pobre da população
  18. Conselho Federal de Medicina vê irregularidades em hospitais públicos
  19. 'Pet-terapia': Como animais e tecnologia combatem doença
  20. Há 131 anos, senadores aprovavam o fim da escravidão no Brasil
  21. Primeira senadora foi recebida com flor e poesia
  22. Governo prevê novas concessões com investimentos de R$ 1,6 trilhão
  23. Prisão domiciliar foi negado para 89,1% das mães e gestantes em SP
  24. Extinção de espécies aumenta em escala sem precedentes, alerta relatório
  25. Brasil, país do improviso e da imprevidência
  26. Pesquisa aponta que 77% dos brasileiros têm o hábito de se automedicar
  27. Um ano após desabamento, déficit habitacional ainda é realidade
  28. Sobe o número de pessoas que cuidam de parentes em 2018
  29. Crise e novo comportamento reduzem interesse dos jovens em dirigir
  30. Tese analisa a conexão entre literatos negros abolicionistas
  31. Reforma da Previdência vai gerar economia de R$ 1,236 trilhão em 10 anos, diz governo
  32. Como melhorar o ensino médio do Brasil e combater a evasão escolar?
  33. Autoexame da mama não substitui exame clínico, diz Ministério da Saúde
  34. Setor de saúde quer mais prazo para implantar Lei de Proteção de Dados
  35. Livro explora os antagonismos do maior militar do século 20
  36. Microchip tem “mil e uma utilidades” na saúde e produção de energia
  37. Recessão, má gestão e comércio eletrônico afetam a venda de livros
  38. Respeito ao limite de cargas pode aumentar em até seis meses vida útil de rodovia
  39. Dança e Direitos Humanos
  40. Cadastro Positivo: o que muda para o consumidor?
  41. Em 100 dias, Bolsonaro volta atenções para política externa
  42. Casas sustentáveis são a tendência do futuro
  43. Há 100 anos, Epitacio se elegeu presidente sem estar no Brasil
  44. Cartografia é saída para indenizar pesca informal no Rio Doce
  45. Propostas buscam amenizar efeitos do clima
  46. Pesquisa indica peixes que podem ser consumidos por brasileiros
  47. Pesca fantasma ameaça quase 70 mil animais marinhos por dia no Brasil
  48. Pesquisador desenvolve roupas inteligentes inspiradas em livros de ficção científica
  49. Brasil não sabe quem são os moradores de rua
  50. Roteiro leva turistas pelos passos de Leonardo da Vinci
  51. Orixá Exu tem sua imagem desmistificada como ser do mal e assustador
  52. Aprendizagem profissional ainda é subutilizada no Brasil
  53. Forçados ao batismo, descendentes de muçulmanos lutaram para preservar cultura
  54. País mantém desde 2011 diferença de aprendizagem entre ricos e pobres
  55. Confiança do Consumidor registra 49 pontos em fevereiro, apontam CNDL/SPC Brasil
  56. Falta saneamento básico para 2 bilhões de pessoas no mundo, diz ONU
  57. Estudo vai analisar alimentação e nutrição de crianças no Brasil
  58. Campos do Jordão: epidemia de tuberculose deu origem à cidade sanatório que hoje é destino turístico
  59. Mandante é questão para 2ª fase do caso Marielle, dizem autoridades
  60. Poluição de Manaus altera funcionamento do ecossistema amazônico
  61. Bexiga, história viva das origens da cidade de São Paulo
  62. Ação do Senado a favor das mulheres vai além das leis
  63. Mulher ganha em média 79,5% do salário do homem, diz IBGE
  64. 8 de março Dia Internacional da Mulher
  65. “É importante que as pessoas não esqueçam o que aconteceu”
  66. Morte do Barão do Rio Branco fez Brasil ter dois carnavais em 1912
  67. Mangueira conta história do Brasil pela ótica dos heróis populares
  68. Rio Paraopeba tem nível de metais 600 vezes maior que o permitido
  69. Beija-Flor vai recriar seus 70 anos com fábulas na avenida
  70. Mudança climática em curso pode alterar interação ecológica entre espécies
  71. Cientistas e cartunistas se unem para divulgar ciência em quadrinhos
  72. Procuradora diz que jovens atletas são tratados como "commodities"
  73. “Navios Iluminados”, fugidios cenários de ilusão
  74. Governo determina medidas de precaução para barragens em todo o país
  75. Agricultores familiares debatem importância da semente crioula
  76. Investigações sobre caso Marielle completam 11 meses sem conclusão
  77. Pesquisa: 5,6 milhões de brasileiras não vão ao ginecologista
  78. Especialistas associam reforma da Previdência a equilíbrio fiscal
  79. Trabalho escravo tem relação com informalidade e desemprego
  80. Amor ao carnaval e determinação impulsionam escolas mirins no Rio
  81. ESPM inaugura campus para educação executiva no Itaim Bibi
  82. Cães de centros urbanos também estão suscetíveis à leptospirose
  83. Em 4 anos, todos os terminais do país estarão sob controle da iniciativa privada
  84. Confira as maiores tragédias ambientais no Brasil e no mundo
  85. Busca por doenças raras
  86. Na saúde, governo deve enfrentar desafio de financiar o SUS
  87. Nova proposta de Previdência faz executivos repensarem aposentadoria
  88. Como o “Trem das Onze” impactou expansão metropolitana de São Paulo
  89. Especialistas veem com cautela limite de mensagens no WhatsApp
  90. Descoberta molécula que pode aperfeiçoar tratamento da insuficiência cardíaca
  91. Relação entre cintura e estatura pode indicar risco cardiovascular
  92. Relatório da Human Rights Watch diz que Brasil bateu recorde de mortes violentas em 2017
  93. Lesão no treino físico não leva a aumento de massa muscular
  94. Estagnada em 2018, pecuária de leite deve crescer este ano
  95. 6 em cada 10 brasileiros já receberam um diagnóstico de transtorno mental
  96. Esporte: um direito do cidadão ou ópio do povo?
  97. Avatar é usado por surdos em sala de aula
  98. Especialista indica as profissões que estarão em evidência em 2019
  99. Senado preserva os livros que registram posses presidenciais desde 1891
  100. O destino dos mamíferos após a extinção dos dinossauros

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171