ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Setor de saúde quer mais prazo para implantar Lei de Proteção de Dados

O setor de saúde ainda está inseguro com a implantação da Lei Geral de Proteção de Dados no país

20190418 Fuzileiros macarthur temproario

Realidade do setor de saúde é muito maior do que a lei contempla, afirmam fontes.  Foto: iStock/Uol/Reprodução

Elaine Patricia Cruz/Agência Brasil

Sancionada em agosto do ano passado, a lei prevê um tempo de transição para entrar em vigor, o que pode ocorrer em fevereiro ou agosto do ano que vem. As associações, entidades e organizações que atuam na área de saúde consideram curto esse período de adaptação à lei.

Segundo a coordenadora do grupo de trabalho de Proteção de Dados da Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), Rogéria Cruz, o setor está inseguro sobre o tem que fazer, o que pode e como fazer. "Nossa realidade é muito maior do que a lei contempla. Então, vejo o setor inseguro sobre quando [a lei] entra em vigor, inseguro se vai ter dinheiro para fazer os investimentos de que precisa, se vai ser penalizado, inseguro sobre como treinar os seus funcionários de forma adequada. O tempo é curto”, afirmou Rogéria, que participou na quarta-feira (17), de um evento na Fiesp para discutir a implicação da lei na área de saúde.

Para o diretor de Desenvolvimento Setorial da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Rodrigo Rodrigues de Aguiar, a insegurança é natural por causa das novidades trazidas pela lei. "A lei traz muitas responsabilidades e consequências para aqueles que não a cumprirem adequadamente. Além da multa, que já está prevista na lei e que é de um vulto muito impressionante de 5% do faturamento bruto das empresas, ela traz previsões de responsabilidade civil e criminal das pessoas. Então as pessoas, em geral, ficam muito preocupadas quanto à sua aplicação”.

“Temos um desafio de pensar em adequação e adaptação, seja de sistema, de processo, de mapeamento que tem que ser feito”, disse a diretora jurídica da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), Tatiane Schofield. É preciso "otimizar" o processo de adaptação e de adequação. “Esse universo é gigantesco, e a gente precisa se organizar no setor, de forma geral e coletiva, para trabalhar essas questões mais importantes agora”, acrescentou.

Entre os desafios para a implantação da lei, Rogéria destacou a questão da portabilidade e das diferenças culturais no país. Citou também as questões do direito ao esquecimento e de a pessoa chegar lá e querer revogar. "Como eu trato isso hoje? Será que tem sistema para o caso de a pessoa hoje não querer isso, querer só aquilo? O quanto estarei suscetível?”, questionou. Para ela, o que mais preocupa é a diferença cultural. "Uma territorialidade imensa, pessoas com compreensão do sistema de saúde distintas e realidades distintas. É difícil ter uma implantação tão massiva em tão curto espaço de tempo”.

 d0002a30-2e00-0137-7c00-6231c35b6685--minified temporario

Foto: ANS

A lei inclui regras sobre a coleta e o tratamento de informações de pessoas por empresas e órgãos do poder público. Pela norma, dados pessoais são informações que podem identificar alguém tais como o nome e o endereço, por exemplo. Existe ainda uma categoria chamada de “dado sensível”, que se refere a informações sobre origem racial ou étnica, convicções religiosas, opiniões políticas, saúde ou vida sexual. Registros como esses passam a ter maior nível de proteção, para evitar formas de discriminação. A lei prevê ainda que registros médicos não poderão ser comercializados.

Rogéria Cruz disse que a transparência é importante para diminuir a insegurança do setor diante da nova lei e que, inicialmente, a Autoridade Nacional de Proteção de Dados deveria atuar mais na orientação ao setor. “A grande dificuldade é essa: não sabemos onde estamos transitando. Será que o meu sistema é compatível com o de outro hospital? Então também falta transparência para a gente." Na opinião de Rogéria, para dar certo, a Autoridade precisará compreender o setor e agir no intuito de orientar, de ver que existem realidades distintas.

Rodrigo Aguiar destacou o acerto do evento de hoje, ao reunir as principais lideranças e especialistas na matéria, para discutir, debater e chegar a algum encaminhamento e conclusões. "Com isso, vamos conseguir chegar mais maduros na época da vigência da lei”. Ainda não é possível dimensionar o quanto a lei vai mudar o setor. “A lei traz conceitos novos e que não vinham sendo aplicados de forma tão robusta e substancial no setor. Mas, como é um setor que sempre tratou com dados sensíveis, já tem alguma base de preparação para começar a aprender a aplicar essa lei. Teremos dificuldades, teremos desafios, mas certamente desafios possíveis de serem enfrentados e vencidos”, afirmou.

Para ele, um dos desafios é a própria interpretação e aplicação da lei. “Como temos a previsão de uma Autoridade Nacional de Proteção de Dados, que ainda não foi constituída, ainda não sabemos como serão interpretados alguns dispositivos da lei. Por exemplo: como uma agência reguladora como a ANS vai ser enxergada pela Autoridade? Ela vai ser um dos controladores de dados, com uma série de responsabilidades, inclusive civis e criminais? Ou vai ser uma parceira da Autoridade Nacional, subsidiando-a com informações qualificadas do setor para regulação desse setor de saúde?" Ainda temos muitas dúvidas sobre como será a aplicação dessa lei, acrescentou.

Rogéria ressaltou que a lei é positiva, embora ainda haja alguns problemas a serem resolvidos. “Vai aumentar muito mais a transparência, uma necessidade que não é só do setor de saúde, mas do mundo." O setor de saúde é complexo, e não se sabe se haverá tempo para que se organize de forma a atender na totalidade a lei, acrescentou a especialista. “Hoje temos formulários, que as pessoas assinam e que não necessariamente compreendem. Acho que essa lei vai trazer a possibilidade da gente trabalhar isso”.

dados-pessoais-saude temporario 

Foto: The One Brief

Mais artigos...

  1. Livro explora os antagonismos do maior militar do século 20
  2. Microchip tem “mil e uma utilidades” na saúde e produção de energia
  3. Recessão, má gestão e comércio eletrônico afetam a venda de livros
  4. Respeito ao limite de cargas pode aumentar em até seis meses vida útil de rodovia
  5. Dança e Direitos Humanos
  6. Cadastro Positivo: o que muda para o consumidor?
  7. Em 100 dias, Bolsonaro volta atenções para política externa
  8. Casas sustentáveis são a tendência do futuro
  9. Há 100 anos, Epitacio se elegeu presidente sem estar no Brasil
  10. Cartografia é saída para indenizar pesca informal no Rio Doce
  11. Propostas buscam amenizar efeitos do clima
  12. Pesquisa indica peixes que podem ser consumidos por brasileiros
  13. Pesca fantasma ameaça quase 70 mil animais marinhos por dia no Brasil
  14. Pesquisador desenvolve roupas inteligentes inspiradas em livros de ficção científica
  15. Brasil não sabe quem são os moradores de rua
  16. Roteiro leva turistas pelos passos de Leonardo da Vinci
  17. Orixá Exu tem sua imagem desmistificada como ser do mal e assustador
  18. Aprendizagem profissional ainda é subutilizada no Brasil
  19. Forçados ao batismo, descendentes de muçulmanos lutaram para preservar cultura
  20. País mantém desde 2011 diferença de aprendizagem entre ricos e pobres
  21. Confiança do Consumidor registra 49 pontos em fevereiro, apontam CNDL/SPC Brasil
  22. Falta saneamento básico para 2 bilhões de pessoas no mundo, diz ONU
  23. Estudo vai analisar alimentação e nutrição de crianças no Brasil
  24. Campos do Jordão: epidemia de tuberculose deu origem à cidade sanatório que hoje é destino turístico
  25. Mandante é questão para 2ª fase do caso Marielle, dizem autoridades
  26. Poluição de Manaus altera funcionamento do ecossistema amazônico
  27. Bexiga, história viva das origens da cidade de São Paulo
  28. Ação do Senado a favor das mulheres vai além das leis
  29. Mulher ganha em média 79,5% do salário do homem, diz IBGE
  30. 8 de março Dia Internacional da Mulher
  31. “É importante que as pessoas não esqueçam o que aconteceu”
  32. Morte do Barão do Rio Branco fez Brasil ter dois carnavais em 1912
  33. Mangueira conta história do Brasil pela ótica dos heróis populares
  34. Rio Paraopeba tem nível de metais 600 vezes maior que o permitido
  35. Beija-Flor vai recriar seus 70 anos com fábulas na avenida
  36. Mudança climática em curso pode alterar interação ecológica entre espécies
  37. Cientistas e cartunistas se unem para divulgar ciência em quadrinhos
  38. Procuradora diz que jovens atletas são tratados como "commodities"
  39. “Navios Iluminados”, fugidios cenários de ilusão
  40. Governo determina medidas de precaução para barragens em todo o país
  41. Agricultores familiares debatem importância da semente crioula
  42. Investigações sobre caso Marielle completam 11 meses sem conclusão
  43. Pesquisa: 5,6 milhões de brasileiras não vão ao ginecologista
  44. Especialistas associam reforma da Previdência a equilíbrio fiscal
  45. Trabalho escravo tem relação com informalidade e desemprego
  46. Amor ao carnaval e determinação impulsionam escolas mirins no Rio
  47. ESPM inaugura campus para educação executiva no Itaim Bibi
  48. Cães de centros urbanos também estão suscetíveis à leptospirose
  49. Em 4 anos, todos os terminais do país estarão sob controle da iniciativa privada
  50. Confira as maiores tragédias ambientais no Brasil e no mundo
  51. Busca por doenças raras
  52. Na saúde, governo deve enfrentar desafio de financiar o SUS
  53. Nova proposta de Previdência faz executivos repensarem aposentadoria
  54. Como o “Trem das Onze” impactou expansão metropolitana de São Paulo
  55. Especialistas veem com cautela limite de mensagens no WhatsApp
  56. Descoberta molécula que pode aperfeiçoar tratamento da insuficiência cardíaca
  57. Relação entre cintura e estatura pode indicar risco cardiovascular
  58. Relatório da Human Rights Watch diz que Brasil bateu recorde de mortes violentas em 2017
  59. Lesão no treino físico não leva a aumento de massa muscular
  60. Estagnada em 2018, pecuária de leite deve crescer este ano
  61. 6 em cada 10 brasileiros já receberam um diagnóstico de transtorno mental
  62. Esporte: um direito do cidadão ou ópio do povo?
  63. Avatar é usado por surdos em sala de aula
  64. Especialista indica as profissões que estarão em evidência em 2019
  65. Senado preserva os livros que registram posses presidenciais desde 1891
  66. O destino dos mamíferos após a extinção dos dinossauros
  67. Tribunais produzem vídeos para estimular adoção de crianças e adolescentes
  68. Novo governo terá R$ 3,38 trilhões para administrar em 2019
  69. O ano em que Cristiano Ronaldo abraçou a Juventus
  70. O ano que a prisão de Lula derrotou o PT
  71. Polarização e fake news marcaram eleições no Brasil
  72. Uma desnecessária operação de guerra
  73. Número de usuários de internet cresce 10 milhões em um ano no Brasil
  74. 60% dos brasileiros que economizam escolhem a poupança para guardar dinheiro
  75. Novo Mais Médicos enfrenta velhos problemas
  76. Eram os deuses jornaleiros?
  77. Mais de um século e meio depois, guerra ainda é ferida aberta no Paraguai
  78. Reforma trabalhista formalizou mais empregos, mas continua contestada
  79. Dependência econômica e fé se misturam em Abadiânia, em Goiás
  80. Professor da USP conta suas memórias da época do AI-5
  81. Senado busca desburocratizar serviços públicos
  82. Assassinato de Chico Mendes faz 30 anos
  83. Como o brasileiro vê o cumprimento das leis
  84. Ipea: 23% dos jovens brasileiros não trabalham e nem estudam
  85. “Internet dos animais” entrará em operação em 2019
  86. Divórcio demorou a chegar no Brasil_01
  87. Chesf inicia estudo com painéis solares em reservatório de Sobradinho
  88. Comércio, clima e trabalho são prioridades do Brasil na Cúpula do G20
  89. Em busca do trem perdido
  90. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens no País
  91. Tratamento com fitoterápicos aumenta na rede pública de saúde
  92. Atual modelo hospitalar deixa saúde cara e não inibe erros
  93. Brasil começa a levar imigrantes para o interior
  94. Biodiversidade é estratégica para o desenvolvimento do Brasil
  95. Brasil já teve 2 presidentes militares eleitos nas urnas
  96. Tecnologia poderá ajudar na implantação do novo Ensino Médio
  97. Inadimplência atinge 62 milhões de brasileiros e afeta 3% do crédito
  98. Encerrada há um século, Primeira Guerra extinguiu impérios
  99. Estigmas e tabus: por que o câncer de ontem não é o mesmo de hoje
  100. ONG oferece assessoria a empreendedores no Brasil

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171