ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Vendas de imóveis novos tem pior desempenho desde 2004

A conjuntura econômica causa impacto na comercialização e lançamento de novos empreendimentos.

Levantamento divulgado ontem (14) pelo Secovi mostra que foram vendidas na capital, em abril, 1.182 imóveis residenciais novos

Nos primeiros quatro meses do ano, as vendas acumuladas totalizam 4.038 unidades, o menor patamar desde 2004. Nos últimos 12 anos, a média para o período ficou em 7,8 mil imóveis vendidos.
O número de abril representa, no entanto, alta de 10,5% em relação a março, quando foram comercializadas 1.070 unidades. Em comparação com abril do ano passado, o número deste ano representa queda de 46%. Naquele mês foram vendidos 2.185 imóveis residenciais.
De acordo com o Secovi, a conjuntura econômica vem causando impacto na comercialização e o lançamento de novos empreendimentos desde 2014. O sindicato acredita, entretanto, que o governo deve tomar medidas para a contenção dos gastos públicos e outras ações para ajustes econômicos, o que deve devolver a confiança ao mercado e aos consumidores. Os imóveis com preços abaixo de R$ 225 mil representaram 39,7% das vendas em abril (470 unidades, liderando o desempenho no mês). Quanto ao tamanho dos imóveis, as unidades com dois quartos significaram 61,6% das vendas (729 residências).
Desse modo, a entidade espera uma redução da tendência de queda no segundo semestre e uma recuperação do crescimento em 2017. “Com isso, o setor imobiliário poderá iniciar a superação de sua pior crise da história, com recuperação lenta e longa”, diz o vice-presidente de Incorporação do Secovi, Emilio Kallas (ABr).

Comércio: alta das vendas em abril não reverte tendência de queda

Alta temporario

Para o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, a alta de 0,5% observada na comparação mensal nos dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) divulgados pelo IBGE, mostra sinais pontuais de melhora nas vendas no varejo, mas ele alerta que ainda é cedo para falar em reversão da tendência de queda nos dados anuais, tendo em vista o cenário de recessão econômica com inflação elevada e baixa confiança dos empresários e dos consumidores.
“As vendas no varejo têm sido influenciadas negativamente pelo desaquecimento da economia, aumento do desemprego e seu impacto sobre a renda e a confiança do consumidor. Além disso, a inflação ainda acima da meta oficial continua corroendo o poder de compra da população e a taxa de juros em patamar elevado encarece as parcelas das compras financiadas, desestimulando principalmente o consumo de itens de maior valor”, explica o presidente da instituição.
Para Pellizzaro Junior, o brasileiro ainda está reticente quando o assunto é consumo. “Com a confiança do consumidor em baixa e com os bancos e comércio mais criteriosos na concessão de financiamentos, é mais fraca a evolução do crédito na economia. Além disso, o apetite do consumidor para contrair novas dívidas está em desaceleração, uma vez que há grande incerteza no ambiente econômico”, explica.
Segundo o IBGE, as vendas no varejo restrito subiram 0,5% em abril na comparação com março, mas caíram 6,7% frente ao mesmo mês do ano passado. No acumulado deste ano, a retração é de 6,9%.

Aumento das vendas foi circunstancial

Para o presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Alencar Burti, o desempenho do varejo nacional em abril, divulgado pelo IBGE, indica o aprofundamento da crise no setor nos quatro primeiros meses do ano. “Apesar da ligeira alta na variação mensal, percebem-se quedas seguidas na comparação com 2015, neste quadrimestre, realçando que o comércio varejista em 2016 está pior do que no ano passado”, diz Burti.
Ele acrescenta que a variação positiva em abril ante março foi menor do que os especialistas previam e, sobretudo, circunstancial. “Março foi uma base de comparação fraca em decorrência do feriado da Páscoa. Com isso, as vendas de abril tiveram mais espaço para crescer sobre o mês anterior. Em outras palavras, o aumento foi meramente circunstancial, provocado pelo efeito-calendário”. Por fim, Burti observa que os índices de confiança indicam leve melhora na percepção do consumidor, o que sinaliza para quedas menores do varejo nos próximos meses.

 

Mais artigos...

  1. Economia 14/06/2016
  2. Economia 11 a 13/06/2016
  3. Economia 10/06/2016
  4. Economia 09/06/2016
  5. Economia 08/06/2016
  6. Economia 07/06/2016
  7. Economia 04 a 06/06/2016
  8. Economia 03/06/2016
  9. Economia 02/06/2016
  10. Economia 01/06/2016
  11. Economia 31/05/2016
  12. Economia 26 a 30/05/2016
  13. Economia 25/05/2016
  14. Economia 24/05/2016
  15. Economia 21 a 23/05/2016
  16. Economia 20/05/2016
  17. Economia 19/05/2016
  18. Economia 18/05/2016
  19. Economia 17/05/2016
  20. Economia 14 a 16/05/2016
  21. Economia 13/05/2016
  22. Economia 12/05/2016
  23. Economia 11/05/2016
  24. Economia 10/05/2016
  25. Economia 07 a 09/05/2016
  26. Economia 06/05/2016
  27. Economia 05/05/2016
  28. Economia 04/05/2016
  29. Economia 03/05/2016
  30. Economia 30/04 a 02/05/2016
  31. Economia 29/04/2016
  32. Economia 27/04/2016
  33. Economia 26/04/2016
  34. Economia 16/04/2016
  35. Economia 21 a 25/04/2016
  36. Economia 20/04/2016
  37. Economia 19/04/2016
  38. Economia 16 a 18/04/2016
  39. Economia 15/04/2016
  40. Economia 14/04/2016
  41. Economia 13/04/2016
  42. Economia 12/04/2016
  43. Economia 09 a 11/04/2016
  44. Economia 08/04/2016
  45. Economia 07/04/2016
  46. Economia 06/04/2016
  47. Economia 05/04/2016
  48. Economia 02 a 04/04/2016
  49. Economia 01/04/2016
  50. Economia 31/03/2016
  51. Economia 30/03/2016
  52. Economia 29/03/2016
  53. Economia 25 a 28/03/2016
  54. Economia 24/03/2016
  55. Economia 23/03/2016
  56. Economia 22/03/2016
  57. Economia 19 a 21/03/2016
  58. Economia 18/03/2016
  59. Economia 17/03/2016
  60. Economia 16/03/2016
  61. Economia 15/03/2016
  62. Economia 12 a 14/03/2016
  63. Economia 11/03/2016
  64. Economia 10/03/2016
  65. Economia 09/03/2016
  66. Economia 08/03/2016
  67. Economia 05 a 07/03/2016
  68. Economia 04/03/2016
  69. Economia 03/03/2016
  70. Economia 02/03/2016
  71. Economia 01/03/2016
  72. Economia 27 a 29/02/2016
  73. Economia 26/02/2016
  74. Economia 25/02/2016
  75. Economia 24/02/2016
  76. Economia 23/02/2016
  77. Economia 20 a 22/02/2016
  78. Economia 19/02/2016
  79. Economia 18/02/2016
  80. Economia 17/02/2016
  81. Economia 16/02/2016
  82. Economia 13 a 15/02/2016
  83. Economia 12/02/2016
  84. Economia 06 a 10/02/2016
  85. Economia 05/02/2016
  86. Economia 11/02/2016
  87. Economia 03/02/2016
  88. Economia 02/02/2016
  89. Economia 30/01 a 01/02/2016
  90. Economia 29/01/2016
  91. Economia 28/01/2016
  92. Economia 27/01/2016
  93. Economia 23 a 26/01/2016
  94. Economia 22/01/2016
  95. Economia 21/01/2016
  96. Economia 20/01/2016
  97. Economia 19/01/2016
  98. Economia 16 a 18/01/2016
  99. Economia 15/01/2016
  100. Economia 14/01/2016
Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171