ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Intenção de Consumo das Famílias subiu 1,8% em agosto

O índice que mede a Intenção do Consumo das Famílias (ICF) teve alta de 1,8% em agosto, após cinco meses seguidos de quedas.

Petrobras temporario

Há um maior otimismo das famílias na programação dos seus gastos. Foto: Shutterstock/Reprodução

A pesquisa foi divulgada ontem (27) pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), que analisou 18 mil questionários aplicados em todas as unidades da federação. O crescimento em comparação a julho interrompeu a tendência de queda iniciada em março e aproximou o indicador do patamar de dezembro do ano passado. Em relação a agosto de 2018, houve alta de 6,8%.

Segundo a confederação, o avanço do ICF está ligado às variações positivas nos subíndices de Perspectivas de Consumo, que subiu 4%, e de Momento para Aquisição de Bens Duráveis, com alta de 2,4%. O presidente da CNC, José Roberto Tadros, avalia que há um maior otimismo das famílias na programação dos seus gastos, o que tem relação com uma possível melhora no nível de endividamento e a possibilidade dos saques nas contas do FGTS e PIS/Pasep.

Apesar da melhora, o ICF de agosto permaneceu em 91,4 pontos, abaixo do patamar de 100 pontos, o que indica um cenário de insatisfação. A última vez que ICF esteve acima dos 100 pontos foi em abril de 2015. A insatisfação das famílias com o consumo se dá principalmente no Momento para Duráveis (62,6 pontos) e no Nível de Consumo Atual (71,9 pontos). Mais alta, a Perspectiva de Consumo também permaneceu abaixo dos 100 pontos, com 91.

Os indicadores ligados à renda e ao emprego, entretanto, apresentam resultados acima dos 100 pontos, com 108,8 e 116,1, respectivamente, o que indica um quadro de mais otimismo, segundo a CNC. A estabilidade de preços e a melhora gradual do mercado de trabalho foram as causas apontadas (ABr).

Um em cada cinco inadimplentes tem entre 41 e 50 anos

Turismo temporario

No total, 40,6% da população adulta brasileira está com contas atrasadas e negativadas. Foto: serasaconsumidor/reprodução

A maior parte dos brasileiros inadimplentes tem entre 41 e 50 anos, segundo levantamento da Serasa Experian. São 12,6 milhões de pessoas, ou 20% do montante total daquelas que deixaram de honrar seus compromissos financeiros, segundo dados de junho de 2019.

Na sequência dos que têm contas atrasadas e negativadas estão os idosos (9,6 milhões), representando 15% do total. A inadimplência entre este grupo cresceu 3,5 vezes mais do que a da população como um todo entre junho de 2018 e 2019: 9,0% (8,8 milhões para 9,6 milhões) ante 2,6% (61,8 milhões para 63,4 milhões).

O número de 63,4 milhões de inadimplentes no país é o novo recorde da série histórica, iniciada em março de 2016. Na comparação com o mesmo período do ano passado, o aumento foi de 2,5%. Na análise mensal, o crescimento foi de 0,9% em comparação com os 61,7 milhões em junho/19. No total, 40,6% da população adulta brasileira está com contas atrasadas e negativadas.

Segundo Luiz Rabi, economista da Serasa Experian, "o principal motivo para as altas taxas de inadimplência permanece sendo o desemprego entre todas as faixas etárias. Apesar de um pequeno recuo nestas taxas nos últimos quatro meses, isso não significa necessariamente que as pessoas começaram a conseguir pagar suas dívidas em atraso – apenas priorizam as despesas mais básicas, como alimentação e bebidas – pressionadas pela inflação no início de 2019 – e saúde".

Com a renda reduzida, uma alternativa que encontram é a busca de um resgate financeiro por meio de seus familiares, que acabam assumindo empréstimos que comprometem a própria renda – motivo pelo qual a população idosa se torna cada vez mais inadimplente.

Fonte e mais informações: (www.serasaexperian.com.br).

Confiança da construção cresceu em agosto

Agência Brasil

O Índice de Confiança da Construção, da Fundação Getulio Vargas (FGV), cresceu 2,2 pontos de julho para agosto, chegando a 87,6 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos. Esse foi a terceira alta seguida do indicador, que atingiu seu maior patamar desde dezembro de 2014, quando havia ficado em 88,7 pontos.

A alta foi influenciada tanto pela melhora da situação corrente quanto pelas expectativas de curto prazo do empresariado da construção. O Índice da Situação Atual avançou 2,5 pontos e chegou a 77,6 pontos, maior patamar desde fevereiro de 2015 (81,4 pontos), resultado explicado em boa parte pela melhora da percepção sobre a situação atual da carteira de contratos.

Para a pesquisadora da FGV, Ana Maria Castelo, o resultado mostra que a percepção dominante entre os empresários é que o ambiente está mais favorável. Apesar disso, o Índice da Situação Atual ainda está, segundo ela, em um patamar que indica atividade baixa. Para ela, o ritmo se mostra lento e é insuficiente para alavancar a economia.

Retomada do mercado: alta de 96% em lançamentos de imóveis

O Brasil teve em abril, maio e junho de 2019 uma grande tendência de crescimento. O número de lançamentos de imóveis residenciais subiu 96% no Brasil no segundo trimestre de 2019 em relação aos três meses anteriores, segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC). Também foi registrada alta de 11,8% em comparação com o mesmo período de 2018 (2º trimestre). A constatação foi feita pelo presidente da CBIC, José Carlos Martins.

Somente no Sudeste, o aumento nos lançamentos foi de 209,5% na comparação entre os dois trimestres deste ano. Enquanto as empresas da região colocaram no mercado 6.799 casas e apartamentos entre janeiro e março, os lançamentos alcançaram, entre abril e junho, 21.044 unidades habitacionais – alta também de 35,5% em comparação com o segundo trimestre do ano passado, quando foram registrados 15.536 novos imóveis (AI/CBIC).

Recuou a inflação da construção civil

Agência Brasil

O Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M), calculado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), registrou inflação de 0,34% em agosto, abaixo da taxa de julho, que havia sido de 0,91%. O indicador acumula 3,09% no ano e 4% no período de 12 meses.

A queda da taxa de 0,91% em julho para 0,34% em agosto foi puxada pela mão de obra, cuja inflação recuou de 1,63% em julho para 0,44% em agosto. Por outro lado, os serviços e os materiais e equipamentos tiveram alta na taxa. A inflação dos serviços cresceu de 0,20% para 0,29%. A taxa dos materiais e equipamentos passou de 0,04% para 0,22%.

Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171