ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Banco dos Brics revela planos para encorajar empréstimos

O Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), instituição financeira multilateral estabelecida pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (Brics) em 2014, planeja quase dobrar sua carteira de empréstimos para US$ 16 bilhões neste ano e aumentar seu impacto, à medida que o banco procura ampliar suas parcerias globais de desenvolvimento e mobilizar mais capital institucional e privado.

Banco temporario

Presidente do NBD, K. V. Kamath. Foto: Divulgação

Esses anúncios foram feitos durante a 4a Reunião Anual do NBD na Cidade do Cabo, África do Sul, que reuniu autoridades governamentais de alto escalão dos países do BRICS, líderes de instituições de desenvolvimento multilaterais e nacionais, pesquisadores ilustres, banqueiros comerciais proeminentes, dirigentes do setor e representantes de organizações da sociedade civil.

"Em 2019, o banco irá desenvolver um forte ímpeto em suas operações e objetiva dobrar sua carteira de aprovação de empréstimos para cerca de US$ 16 bilhões", disse o presidente do NBD, K. V. Kamath, em seu discurso programático na 4a Reunião Anual da instituição. "O banco irá reforçar seus financiamentos em moeda forte de mercados de capitais internacionais".

Em 2018, o NBD aprovou 17 empréstimos, totalizando cerca de US$ 4,6 bilhões, elevando sua base de 13 empréstimos no valor de US$ 3,4 bilhões, até o encerramento de 2017. Isso aumentou a carteira de empréstimos total do banco para 30 projetos, no valor de
US$ 8 bilhões, até o final do ano passado (PRNewsire).

Pedidos de falência caíram 19,4% no 1º trimestre

Pedidos temporario

O setor de Serviços foi o que representou o maior percentual nos Pedidos de Falência. Foto: DC/Reprodução

Os pedidos de falência caíram 19,4% no primeiro trimestre de 2019 quando comparado com o mesmo período do ano anterior, segundo dados com abrangência nacional da Boa Vista. Mantida a base de comparação, as Falências Decretadas, Pedidos de Recuperação Judicial e Recuperação Judicial Deferida diminuíram 22,6%, 47,9% e 33,1% respectivamente.

Na comparação mensal ocorreram quedas em todas as ocorrências: Pedidos de Falência (-52,7%), Falências Decretadas (-11,8%), Pedidos de Recuperação Judicial (-61,1%) e Recuperação Judicial Deferida (-65,9%). O resultado aponta para a continuidade da tendência de queda nos pedidos de falência. Esse movimento está atrelado a melhora nas condições econômicas desde 2017, que permitiu às empresas apresentarem sinais mais sólidos nos indicadores de solvência. Entretanto, a continuidade desse processo dependerá de uma retomada mais acelerada da atividade econômica.

As pequenas empresas, por exemplo, foram responsáveis por 91,6% dos pedidos de falências e 92,8% dos pedidos de recuperação judicial. Com relação as falências decretadas e recuperação judicial decretadas, também houve predominância de ocorrências entre pequenas empresas, sendo de 96,4% e 91,4%, respectivamente. O setor de Serviços foi o que representou o maior percentual nos Pedidos de Falência (42,3%), seguidos do setor Industrial (30,1%) e do Comércio (27,5%) - (Boa Vista SCPC).

Endividamento de famílias atinge maior patamar desde 2015

Agência Brasil

O percentual de famílias brasileiras com dívidas (em atraso ou não) chegou a 62,4% em março deste ano. O índice é superior aos 61,5% de fevereiro deste ano e aos 61,2% de março do ano passado. Esse também é o maior patamar de endividamento das famílias desde setembro de 2015, segundo dados da pesquisa divulgada ontem (4) pela Confederação Nacional do Comércio (CNC).

Já as famílias inadimplentes, ou seja, aquelas que têm dívidas ou contas em atraso, ficou em 23,4% em março, acima dos 23,1% do mês anterior. Na comparação com março do ano passado (25,2%), no entanto, o indicador teve uma queda de 1,8 ponto percentual. O percentual de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso aumentou de 9,2% em fevereiro para 9,4% em março deste ano. No entanto, continuou abaixo do patamar de março do ano passado (10%).

Segundo a economista da CNC Marianne Hanson, além da recuperação gradual das concessões de crédito e do consumo das famílias, há um fator sazonal que influi nos resultados: a incidência dos gastos extras de início de ano, ocasionando uma demanda maior por empréstimos. O cartão de crédito foi apontado como o principal motivo das dívidas por 78% das famílias endividadas, seguido por carnês, para 14,4%, e, em terceiro, por financiamento de carro, para 10%.

Dados de usuários do Facebook expostos na internet

Agência Brasil

Milhões de dados de usuários do Facebook foram encontrados expostos ao público na internet, sem qualquer tipo de proteção, revelaram especialistas da empresa de cibersegurança UpGuard ontem (4). O grupo de pesquisadores descobriu dois conjuntos separados de dados, armazenados em servidores da Amazon. As informações podiam ser acessadas por qualquer pessoa, sem a necessidade de senha.

O maior bloco de dados estava vinculado à empresa mexicana Cultura Colectiva, que armazenou publicamente na nuvem mais de 540 milhões de dados de usuários coletados no Facebook, incluindo comentários, reações e nomes de perfis. O segundo conjunto de dados, ligado ao extinto aplicativo do Facebook At the Pool, era significativamente menor, mas continha, entre outros dados, fotos e senhas de 22 mil usuários.

A UpGuard acredita que as senhas eram para acessar o aplicativo, e não a conta do usuário na rede social, mas a sua divulgação coloca em risco internautas que costumam usar as mesmas senhas em várias contas, alertou a empresa. Segundo o Facebook, todas as informações expostas já estão seguras. "Uma vez alertados sobre o problema, trabalhamos com a Amazon para derrubar os bancos de dados. Temos o compromisso de trabalhar com os desenvolvedores em nossa plataforma para proteger os dados das pessoas", afirmou um porta-voz em comunicado.

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171