ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Jean Moreno (*)

A tecnologia mudou o mundo e transformou praticamente todos os setores da sociedade. Com os leilões, evidentemente, não foi diferente.

O surgimento de novas soluções e a consolidação da Internet nas últimas três décadas permitiram que esse mercado pudesse atrair um novo público-alvo e otimizar uma série de processos burocráticos. Hoje, quem não fizer uso destes recursos será superado pela concorrência e certamente perderá sua relevância no segmento.
Confira cinco mudanças que reforçam como a tecnologia moldou os leilões:

. Publicação de leilões: antigamente era preciso checar os jornais e conferir os editais abertos e as pessoas perdiam diversas oportunidades. Hoje, a situação está bem mais fácil. As próprias empresas que organizam leilões postam um calendário completo com todas as suas oportunidades oferecidas. Com filtros e cadastros, é possível até receber as melhores ofertas por e-mail ou ser impactados por anúncios na internet;

. Geração de edital: este documento é a parte mais importante de um leilão. Ele contém todas as informações referentes ao processo de negociação, incluindo valor e condição de pagamento. Sem a vantagem da tecnologia, o edital precisava ser publicado em um jornal de grande circulação na cidade ou região que iria abrigá-lo. Hoje, o edital pode ser lido e obtido facilmente na página da empresa leiloeira responsável através da Internet;

. Processo de pós-venda: a tecnologia facilitou e otimizou o procedimento do pós-venda em um leilão. Antigamente, além de ter que estar presente no local, a pessoa deveria ter toda a documentação exigida pelo edital em mãos e estar com o talão de cheque para efetuar o pagamento do bem e a comissão do leiloeiro. Com a modalidade online em alta, o usuário recebe por e-mail todas as orientações para pagamento, podendo até mesmo realizar a transação via Internet sem complicação;

. Busca de documentos: ao arrematar um lote em algum leilão, a pessoa deve tratar de todos os documentos necessários para garantir a posse do bem. Em um leilão presencial, isso é feito diretamente entre as partes envolvidas, mesmo se houver necessidade de ação judicial. Em um leilão online a responsabilidade de ir atrás dos documentos segue com o comprador, mas ele receberá todas as informações da empresa responsável pela negociação e contará com um suporte de atendimento para tirar todas as dúvidas;

. Participação democrática: no passado, um interessado em participar de um leilão deveria comparecer até o local onde estava acontecendo o pregão e atender uma série de requisitos de documentações. Hoje, isso não é mais necessário. Com um dispositivo conectado à Internet é possível participar e dar lances de onde a pessoa estiver. Isso ampliou a quantidade de participantes e deixou o processo mais transparente e simplificado.

(*) - É responsável pela área de Tecnologia da Informação da Zukerman Leilões.

Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171