Aprendendo a ter, fazer e ser para conviver...

Cá estou na estrada voltando de férias, período no qual tive oportunidade de refletir sobre a importância de sabermos conviver com os outro e suas diferenças, e, principalmente, conosco e nossas limitações. Embora o ato de conviver seja de extrema relevância, observo o quanto geralmente não damos a devida atenção ao tema.

rebeca toyamaRebeca Toyama

“Diretora da GFAI Coaching, fundadora da Academia de Coaching Integrativo, palestrante e coach com certificação internacional em Positive Psychology Coaching e formação nacional em Coaching Ontológico e Personal Coaching com o Jogo da Transformação pelo método Self-Empowerment.
Iniciou carreira no mercado financeiro e a desenvolveu na área automobilística, possui longa experiência como empreendedora e professora universitária. É administradora de empresas, com especialização em comércio exterior, tecnóloga em processamento de dados, especialista em marketing pela Madia Marketing School e também em psicologia transpessoal e Eneagrama pela ALUBRAT. Participou do Programa de Capacitação para Resultados - da Fundação Dom Cabral.Colaboradora do livro Coaching Aceleração de Resultados e do II Tratado do Pscicologia Transpessoal.
Atualmente é associada ao IBCPF (Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros) e ao IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa) e integra o corpo docente da Universidade FENABRAVE (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), ALUBRAT(Associação Luso-Brasileira de Transpessoal) e Instituto Filantropia. Atua como coordenadora de Comitês de Governança Corporativa e organizadora da Coluna Reencantando Empresas no Jornal Empresas e Negócios.”

 

Passamos boa parte de nossas vidas nos dedicando a aprender a fazer ou ter coisas, para sermos algo. Ou, esperamos aprender a ser alguma coisa para fazer ou ter algo.
Na primeira infância iniciamos nosso APRENDER formal quando entramos na escola. Junto com a adolescência vem a necessidade de definirmos o que queremos SER. Quando adultos a necessidade de TER fica mais acentuada.
Todavia, é com a maturidade que começamos a entender que o maior desafio está no CONVIVER. Conviver com nossa família, colegas de trabalho, amigos e principalmente com nós mesmos.
Lembrando que conviver não é sobreviver, e, sim viver com o outro em equilíbrio e harmonia. Compreendendo que perfeição é uma busca, porém, talvez, ainda não faça parte de nossa espécie. E que uma boa relação depende tanto de reconhecer as qualidades do outro, como também de aceitar suas diferenças e limitações.
Enquanto fazia essa reflexão senti uma profunda gratidão por meus clientes de coaching que me mostram o quanto é grande o desafio do conviver. É, mais comum do que imaginamos, um processo iniciar tendo como objetivo APRENDER, TER ou SER algo e após algumas sessões descobrir que o desafio maior está em CONVIVER com alguém, se relacionar com o novo, colaborar com o desconhecido, acreditar em alguém, sendo que em diversas vezes esse alguém é a gente mesmo, esse novo é uma qualidade nossa e esse desconhecido é um medo que habita dentro de nós.
Enfim, abro a Coluna Reencantando Empresas desse ano desejando a todos os nossos leitores que aprendam o que for necessário para serem a melhor versão de si mesmos. E que por esse caminho façam seus sonhos se transformar em realidade. E, acima de tudo tenham um bom convívio com as pessoas que amam, começando por você mesmo...