Sustentabilidade inclui Ser Feliz

Falar de sustentabilidade nos dias de hoje virou coisa corriqueira, muitas vezes um jargão que empresas, pessoas e organizações adotam para rotular um “outro” jeito de fazer as coisas, operacionalizar processos ou repaginar-se via ações de marketing

Então me pergunto: será que esse “novo” jeito de nomear o mais do mesmo traz de fato felicidade, senso de propósito e realização para pessoas e organizações?

É quase como pegar uma bijuteria, dar um banho de ouro e querer vendê-la como ouro. Sabemos que bijuterias banhadas a ouro têm uma aparência bonita, brilhante e reluzente, e podem ser até confundidas com ouro, entretanto com o passar do tempo vão descascar, perder o brilho e talvez oxidar. Revelar-se-ão como são: semipreciosas, imitações ou plágio.
Tenho observado no meu dia-a-dia ações que se assemelham muito mais com bijuteria do que com joias raras, bonitas e preciosas.

Escolhas e ações realmente sustentáveis trazem em si conquistas duradouras e saudáveis. Devem estar enraizadas em valores sólidos para que se sustentem por si só. Tais conquistas só podem ser obtidas se fizerem sentido profundo para quem as escolheu.

Passamos a maior parte de nosso tempo e de nossa vida no ambiente de trabalho ou dedicados a ele, portanto não dá para ser feliz e se realizar trabalhando apenas por dinheiro ou por sobrevivência, tem que ter algo mais. Quando digo que sustentabilidade inclui Ser Feliz é porque entendo que sustentabilidade é muito mais do que meio ambiente, economia, sociedade e cultura, ela vai além; inclui a dimensão mais profunda do Ser Humano, ligada à sua auto-realização, consequentemente à felicidade. Passa por despertar, descobrir e lapidar os potenciais latentes que habita cada Ser para que ele próprio se torne a verdadeira joia, brilhante e reluzente para dar sua contribuição ao mundo de forma única, autêntica e inspiradora.
 
marina mendesMarina M. Mendes
Consultora e Coach, Mestre em Serviço Social pela PUC-SP com foco em sustentabilidade, Pós-graduanda em Psicologia Transpessoal pela Alubrat.

A busca de um sentido maior e mais profundo têm movido pessoas e aos poucos as organizações a repensarem seu papel no mundo, suas ações e seus propósitos. Algumas questões têm brotado em busca de resposta, tais como:

O que é auto-realização no trabalho?
Qual é a minha verdade?
Qual o papel do dinheiro em minha realização?
Qual espaço de expressão e criatividade tenho no trabalho que faço?
Como construo relações de trabalho saudáveis?
Como construo o mundo que desejo no meu dia-a-dia de trabalho?

Você já parou para se questionar sobre isso? Se não, aproveite para refletir e tenha uma excelente semana! Até nosso próximo encontro!!!

P.S. As questões elencadas ao final do artigo estão na página do Movimento Novo Olhar sobre as Relações de Trabalho, da qual a autora faz parte.

banner marina

 

banner js

Colabore com nossa coluna: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Para anunciar nesta coluna ligue (11) 3106-4171 e fale com Lilian Mancuso

Mais Lidas