ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Navios inteligentes: o novo caminho para viajar os sete mares

Timoteo Muller (*)

Desde que a humanidade rastejou dos oceanos, parece que ficou obcecada em retornar a eles

De humildes jangadas de madeira de vinhas a balsas (a vapor) do tamanho de uma cidade que transportam milhares de visitantes de cada vez, é justo dizer que, como espécie, nós já dominamos a técnica de viajar pelos oceanos. Agora, finalmente, pode ser a hora das pessoas se afastarem dos oceanos novamente.
As últimas embarcações oceânicas não têm necessidade de um capitão humano e a era dos navios auto navegáveis está se aproximando muito rapidamente. O transporte marítimo é um grande negócio: uma indústria global que vale dezenas de bilhões de dólares. Milhões de contêineres cheios de trilhões de produtos são rotineiramente transportados acima das ondas. É um grande empreendimento que exige equipes e recursos a bordo.
Atualmente, a indústria marítima está buscando reduzir o custo do transporte de carga através da tecnologia autônoma iniciada pela Rolls-Royce. A mundialmente famosa empresa de engenharia está propondo um projeto de navio autônomo que emprega câmeras HD que transmitem para equipes de vigilância em terra as tecnologias de sensores, imagens térmicas e o radar térmico. É um projeto ambicioso que combina sistemas de comunicações ponta para fabricar o navio de carga do amanhã.
Os drones agora são comuns e os carros sem motorista finalmente estão a caminho. A engenharia trouxe ao mundo os veículos autônomos, no chão e também no ar. No entanto, com dois terços do nosso planeta coberto por água, você pode ser perdoado por supor que poderíamos ter feito o mesmo mais cedo para os mares.
Estabelecendo um prazo até 2020 para produzir o primeiro navio com tripulação reduzida, a Rolls-Royce prevê mais quinze anos para aperfeiçoar o projeto de um navio autônomo totalmente funcional. Não é um prazo irracional. Embarcações menores e reduzidas já estão em uso pelas forças navais e pesquisadores - e já existem há vários anos. Então, se a tecnologia necessária já existe, por que o movimento de navegação autônomo está apenas começando?
Em primeiro lugar, há uma resistência considerável dentro da própria indústria à nova tecnologia. O transporte autônomo significa tripulações menores e, em última análise, nenhuma equipe. Talvez, compreensivelmente, haja relutância em abraçar uma evolução da indústria que leve a menos empregos. Da mesma forma, há controvérsias sobre os custos do empreendimento.
Enquanto alguns acreditam que a remessa autônoma possa ter uma economia de custo de transporte de 22%, outros colocam os custos de tripulação de um navio em apenas 6%. É difícil avaliar quão viável é realmente o investimento financeiro na tecnologia de navegação autônoma. Por último, o envio de navios não tripulados para águas cartografadas é, ironicamente, uma espécie de aventura em águas desconhecidas.
As responsabilidades por acidentes e incidentes em navios não tripulados nos sete mares é um atoleiro legal para o qual atualmente existe pouquíssima legislação. À medida que o progresso se desenvolve rapidamente na primeira viagem a navegar, os governos terão que atar quaisquer brechas legais para manter as leis à prova d’água nas raras ocasiões em que as próprias embarcações não são.
Apesar desses obstáculos, o programa autônomo está funcionando, com muitos dos principais participantes do setor a bordo. A rápida ascensão da tecnologia inteligente empurrou as possibilidades da logística para os mares apenas na última década, com o cargueiro autônomo a poucos anos de sua primeira jornada.
Contra o pano de fundo do progresso cada vez maior, as vozes discordantes podem tornar-se cada vez mais uma gota no oceano.

(*) - É gerente de vendas da Dassault Systèmes para a América Latina (www.3ds.com/pt-br).

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171