H.U.L.D.A

hulda 02 temproario

A narrativa da apresentação H.U.L.D.A - Cisne Negro Cia de Dança é inspirada em relatos da trajetória da criadora da Cisne Negro e seus principais bailarinos

Com título tirado das letras do nome de Hulda Bittencourt, o espetáculo é formatado em cinco blocos: H representa horizonte. U, de união, retrata a realização de Hulda ao criar a academia de dança Cisne Negro e as parcerias que garantiram o sucesso da instituição. L materializa a liberdade que Hulda se permitiu para conduzir a companhia. D de dança é a pluralidade da Cisne Negro, que não favorece apenas um estilo, mas as diversas manifestações de dança que existem. O encerramento se dá com o A que simboliza o amor e devoção de Hulda pela arte. Com, André Santana, César Dias Cirqueira, Clarissa Braga, Edson Artur, Felipe Silva, Giovanna Perez, Isabel Lima, Isabelle Dantas, Leonardo Silveira, Luiza Ginez, Mariana Paschoal, Murilo Nunes, Renato Lima e Willian Gásparo. Participações especiais: Ana Botafogo (De 21 a 23.04) e Daniela Severian (De 27 a 30/4).

Serviço: Teatro Santander, Av. Juscelino Kubitschek, 2041, Itaim Bibi, tel. 4003-1022. Quinta (27) e sexta (21 e 28) às 21h, sábado (22 e 29) às 18h e às 21h e domingo (23 e 30) às 16h e às 19h. Ingresso: R$ 100.

REFLEXÃO

TOLERA CONSTRUINDO: Quanto mais violência no mundo, em torno de todos nós, mais alta a nossa necessidade de tolerância para que se lhe reduzam os impactos destrutivos. Quanto puderes, nas áreas de ação que te digam respeito, amplia os teus investimentos de compreensão e paciência, na garantia da paz e da segurança onde estejas. Certo companheiro terá faltado ao pagamento dessa ou daquela importância que te é devida. Se não te encontras sob o domínio de necessidades prementes, compadece-te dele e aguarda mais tempo. Terá ele sofrido tribulações que desconheces. Na rua, possivelmente, alguém te dirigiu palavras injuriosas que te espancaram a sensibilidade. Silencia em oração, pedindo à divina Providência auxílio e entendimento, a benefício daqueles que te agridam. As pessoas que te insultam, com certeza se comportam sob o jugo de sofrimentos que nunca experimentaste. Determinado amigo se te atravessou na estrada, empalmando-te recurso para cuja aquisição definitiva te sacrificaste longamente. Nada reclames. Provavelmente, estará ele conturbado por débitos de resgate urgente que o fazem esquecer as alegrias e os deveres da amizade. Pessoa particularmente querida te haverá deixado a sós, na execução de compromissos assumidos. Não te revoltes e continua agindo e servindo. Semelhante criatura estará sob transtornos e dificuldades do sentimento e da vida, esperando-te a paciência e a bondade para não cair no poço da delinqüência. Compadece-te dos outros, auxilia-os quanto possas, ora e caminha adiante. Nunca retribuas mal por mal. Contribui com a tua parcela de amor para que o ódio desapareça. Se os danos por ti sofridos, nessa ou naquela situação calamitosa, forem de tão grande porte que te inclines para qualquer providencia punitiva, esquece o mal e perdoa os agravos mesmo assim, recordando que, em toda parte, se cumprem espontaneamente os processos da Justiça de Deus. (De "Atenção", de Francisco Cândido Xavier, pelo espírito Emmanuel).

Pagliacci

LaMínima

O projeto LaMínima 20 anos com várias ações para a comemoração dessa data: a estreia do espetáculo “Pagliacci”, uma mostra de repertório com apresentações de montagens marcantes da carreira do grupo (À La Carte, Luna Parke, Reprise, A Noite dos Palhaços Mudos, Rádio Variété e Classificados) e uma exposição com fotos, objetos e figurinos.

Serviço: Centro Cultural Fiesp (Ruth Cardoso), Av. Paulista, 1313, Cerqueira César, tel. 3146-7405. Quintas, sextas e sábados às 20h e aos domingos às 19h. Entrada franca. Até 02/07.

ARTE URBANA

Na programação de abril da Matilha Cultural, a rua é destaque. Com foco na arte urbana, a exposição Sentido Proibido mostra o trabalho dos artistas Felipe “Risada” e Tony “Pixotosco”. Pintando na rua há mais de 12 anos, eles convivem com o trânsito intenso da metrópole que acolhe seus desenhos. Juntos, integram os Rolinho Bros, grupo de artistas que não usam spray. Seus grifos estão espalhados pelos quatro cantos de São Paulo. Em Sentido Proibido, o ambiente de atuação invade o espaço expositivo. A tela branca dá lugar a carcaças enferrujadas de automóveis e as paredes da Matilha Cultural viram um mural síntese dos últimos cinco anos de parceria dos artistas. Engarrafamentos, buzinadas, placas, trombadas, asfalto, finas educativas e fumaça fazem parte do cardápio de quem escolheu a cidade como suporte para sua arte.

Serviço: Matilha Cultural, R. Rego Freitas, 542, tel. 3256-2636. De terça a domingo das 14h às 20h. Entrada franca, inclusive para cães.

Corpo de mulher

Cena de “Uma Vida Boa”.

Diogo Liberano dirige o drama “Uma Vida Boa” de Rafael Primot. A trama, inspirada em um caso real, enfoca um homem nascido em um corpo de mulher que enfrenta o preconceito e acaba deparando com uma tragédia. Com Amanda Mirásci, Daniel Chagas e Julianne Trevisol.

Serviço: Teatro Eva Herz, Av. Paulista, 2073, tel. 3170-4059. Quintas e sextas às 21h. Ingresso: R$ 40. Até 26/05.