Ditadura e crimes

Cena da peça “O Corpo que o Rio Levou”.

Disparado pelo assombro causado com a ascensão do conservadorismo e do fascismo no Brasil, “O Corpo que o Rio Levou” parte da necessidade de investigar e criar uma reflexão cênica sobre a permanência e a duração dos resquícios sentimentais, comportamentais e identitários dos crimes cometidos pela ditadura civil-militar dos anos 1964-1989

A montagem, do Laboratório de Técnica Dramática – LABTD, estreia dia 4. A partir de estudos de relatórios da Comissão Nacional da Verdade, O Corpo que o Rio Levou conta a história do casal Elza e Abelardo. Num Brasil de 2020, segregado por disputas políticas, ela é selecionada para ser atriz de uma peça internacional sobre a América Latina e a agência bancária onde Abelardo trabalha é alvo de um ataque da nova guerrilha. Enquanto isso, uma rádio narra um jogo de futebol da Copa de 1970. Com marçoDiego Chilio, Fredy Állan, Maria Emilia Faganello, Sofia Botelho e Sophia Castellano.

Serviço: Centro Cultural São Paulo, R. Vergueiro, 1000, tel. 397-4002. Sextas e sábados às 21h e domingos às 20h. Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia). Até 09/04.

REFLEXÃO

DEVER E TRABALHO
O compromisso de trabalho inclui o dever de associar-se a criatura ao esforço de equipe na obra a realizar.
Obediência digna tem o nome de obrigação cumprida no dicionário da realidade.
Quem executa com alegria as tarefas consideradas menores, espontaneamente se promove às tarefas consideradas maiores.
A câmara fotográfica nos retrata por fora, mas o trabalho nos retrata por dentro.
Quem escarnece da obra que lhe honorifica a existência desprestigia a si mesmo.
Servir além do próprio dever não é bajular e sim entesourar apoio e experiência, simpatia e cooperação.
Na formação e complementação de qualquer trabalho, é preciso compreender para sermos compreendidos.
Quando o trabalhador converte o trabalho em alegria, o trabalho se transforma na alegria do trabalhador.
(De "Sinal Verde", de Francisco Cândido Xavier, pelo espírito André Luiz).

Usina musical

Renata Rosa

Recém-chegada dos festivais Celtic Connections (Escócia) e Musicas del Mundo (Chile), Renata Rosa aporta na capital paulista para a apresentação de seu novo show “Encantações”, título que dá nome ao seu terceiro e último disco. Encantações é uma verdadeira usina de rabecas e percussões, drapeados cristalinos de violas de dez cordas, polifonias vocais complexas e fluidas que se erguem em espirais como as chamas de uma fogueira, deixando em primeiro plano a voz sinuosa e telúrica de Renata Rosa. Uma obra que preserva a energia de transe e uma incrível força de comunhão festiva. No palco uma reunião de talentos trilha caminhos sonoros originais. Renata Rosa (voz e rabecas) é acompanhada pelos músicos Hugo Linns (baixo, viola e vocais), Pepê da Silva (viola, violão de sete, bandola e vocais) e Amendoim (percussões e vocais), grandes parceiros da artista há 15 anos.

Serviço: Itáu Cultural, Av. Paulista, nº 149. Quinta (23) às 20h. Entrada franca.

Musical

O espetáculo “Cinderela” reconta a clássica história da jovem órfã maltratada pela madrasta e suas duas filhas, que sonha em mudar de vida encontrando assim a felicidade. Com Elisa Teles, João Lucas Martins, Liz Nunes, Ricardo O. Campos, Heitor Garcia, Joanita Costa, Letícia Fonseca, Maria Clara Rosis e Giovanna Charelli.

Serviço: Teatro Omni Corinthians, R. São Jorge, 777, Tatuapé, tel. 2095-3000. Sábados (04, 11, 18 e 25 /3) às 16h. Ingresso: R$ 40.


Infantil

Show Estralando o Rock faz uma viagem pela história do rock nacional unindo gerações.

Com o objetivo de apresentar diversas faces da música brasileira para os pequenos, a Banda Estralo apresenta os shows Estórias de Cantar (sábados, às 15h), com repertório baseado na MPB,e Estralando o Roque (domingos, às 15h), uma viagem pela história do Rock’n’Roll nacional. O set list dos shows inclui artistas brasileiros reconhecidos em todo o mundo, como Vinicius de Moraes, Marisa Monte, Arnaldo Antunes, Mutantes, Milton Nascimento e muitos outros. O grupo é composto pelos “Estralantes” Marcos Lucatelli (voz e violão), Luanda Eliza (voz e performance), Lilyan Teles (voz, performance e escaleta), Mauricio Damasceno (percuteria) e Edson Barreto “Renatinho” (baixo). Idealizado por Luanda e Marcos, os artistas criam novos arranjos para canções já consagradas.

Serviço: MorumbiShopping. Endereço: Av. Roque Petroni Junior, 1089, Jardim das Acácias. Sábados (04, 11, 18 e 25) e domingos (05, 12 e 19) às 15h. Ingressos: R$ 60 e R$ 30 (meia).

Comédia

O espetáculo “Humor Folia” reúne mais de 8 comediantes num só dia de show, com o objetivo de divertir o público e apresentar um show de qualidade com comediantes que se apresentam nos melhores palcos do Brasil. A montagem conta com o demais mestres de cerimônia e convidados: Marcos Aguena (Japa), Celso Junior (Pato Donald), Richard Sakamoto (Participação em Legendários), Jansen Serra, Thiago Zap, Ingrid Bryan, Luiz Neto, entre outros. Com Marcos Aguena, Celso Junior, Richard Sakamoto, Jansen Serra, Thiago Zap, Ingrid Bryan, Luiz Neto, entre outros.

Serviço: Teatro Raposo Shopping, Rodovia Raposo Tavares, km 14,5, Jd. Boa Vista, tel. 3732-9006. Terça (28) às 20h. Ingresso: R$ 40.