“Sonhos Não Envelhecem”

Cena do musical “Sonhos Não Envelhecem”.

O espetáculo “Sonhos Não Envelhecem” acontece em Atenas

O duque Teseu e a rainha Hipólita estão felizes com seu casamento que deverá acontecer dali a três dias, mas recebem uma queixa de Egeu: sua filha Hérmia, apaixonada pelo jovem Lisandro, recusa-se a casar com o escolhido do pai: Demétrio, que por sua vez é amado pela bela Helena. Hérmia deverá escolher entre casar com Demétrio ou ir para um convento. Lisandro então propõe que os dois enamorados fujam para a casa de uma tia que mora do outro lado do bosque. Lá eles poderão se casar e o pai da moça não poderá fazer mais nada contra este amor. Os dois fogem, mas são seguidos por Demétrio e Helena, embrenhando-se todos no bosque, povoado por espíritos, fadas e elfos. Com Andressa Andreatto, Beatriz Amado, Júlia Maia, Leandro Oliveira, Luiz Rodrigues, Marcos Teixeira, Miriam Madi, Tito Soffredini.

ServiçoTeatro do Núcleo Experimental, R. Barra Funda, 637, Barra Funda, tel. 3259-0898.Quintas e sextas às 21h, sábados às 16h. Ingresso: R$ 40. Até 17/12.

REFLEXÃO

FÉ EM TI: Fanatismo é torpe descaracterização da fé, exteriorizando demência da faculdade de pensar. A descrença sistemática é conflito emocional, de curso largo, a inquietar o equilíbrio da razão. O homem crê por impositivo da evolução, por hereditariedade psicológica. Nem toda crença é racional, passada pelo crivo do exame, mas também, automática, natural, em um número de pessoas, pela qual se expressa. A fé, por isso mesmo, manifesta-se de maneira natural e racional. A primeira encontra-se ínsita no homem, enquanto a outra é adquirida através do raciocínio e da lógica. A fé religiosa, pois, surge espontaneamente ou resulta de uma elaboração mental que os fatos confirmam. Virtude, portanto, conquista pessoal, descortina os horizontes amplos da vida, facultando paz e estimulando à luta. Aquisição intelectual, transforma-se em uma luz sempre acesa a conceder claridade nas circunstâncias mais complexas da vida. Seja, porém, qual for a forma em que se manifesta a tua fé, vitaliza-a com o amor, a fim de que ela se expanda na ação do bem. A fé é parte ativa da natureza espiritual do homem, cujo combustível deve ser mantido através da oração, da meditação frequente e do esforço por preservá-la. Não faças experiências-testes à tua fé. Ela estará presente nos momentos hábeis sem que se faça necessário submetê-la a avaliações. Aprende a crer nos teus valores. O homem crê por instinto, por assimilação, pela razão. Põe a tua fé em Deus e absorve a ideia do bem, pois foste criado para uma vida feliz e saudável. (De Filho de Deus, de Divaldo P. Franco, pelo Espírito Joanna de Ângelis)

Retirantes

Cena da peça “Epístola.40: carta (des)armada aos atiradores”.

Escrita a partir de memórias de moradoras da Favela do Boqueirão e do romance A hora da estrela de Clarice Lispector, a peça “Epístola.40: carta (des)armada aos atiradores” narra a saga de uma família de retirantes nordestinos, da chegada em São Paulo ao despejo da comunidade onde viviam. Com Alexandre Ganico, Andrea Aparecida Cavinato, Daniela Evelise, Dionízio Cosme do Apodi e Heitor Vallim.

Serviço: Cia. Pessoal do Faroeste, R. do Triunfo, 305, Santa Ifigênia. Sextas, sábados e segundas às 20h e aos domingos às 19h. Ingresso: Pague o quanto puder (Contribuição voluntária). Até 14/12.

Bebês

O Grupo Sobrevento apresenta espetáculo para bebês, Terra. Na peça uma mulher pisa na terra. Fazia tempo que não sentia a terra nos seus pés. Ao senti-la, lembra do carinho que brota da terra. Dela, desenterra os seus segredos, as coisas pequenas de que é feito o amor que cultivamos. Inspirada na ideia de que as crianças costumam enterrar coisas que lhes são significativas, Sandra Vargas cria um texto que fala de memória, dos laços afetivos e do amor que está dentro de todos nós e que é a base de todo ser humano. Sandra Vargas, também atriz, apresenta-se na companhia de dois músicos, que tocam, ao vivo, violão (William Guedes, que responde pela direção musical e trilha composta especialmente para o espetáculo) e violoncelo (Denise Ferrari).

Serviço: Espaço Sobrevento - Rua Coronel Albino Bairão, 42, Mooca, tel. 3399-3589. Sábados e domingos às 11h. Entrada franca. Até 11/12.

Lembranças

Fernanda Cunha

A peça “O Coração dos Homens” coloca o espectador diante da voz de uma mulher que relembra sua infância, em Porto Alegre, nos últimos anos da ditadura militar. Da rememoração de uma peça infantil, encenada em inglês para alunos de pré-escola, emerge uma reflexão que tem no sangue uma espécie de motivo condutor, sobre a violência implícita nas relações de gênero, classe e raça. Com Fernanda Cunha.

Serviço: Teatro e Bar Cemitério de Automóveis, R. Frei Caneca, 384, Consolação, tel. 2371-5783. Sextas e sábados 19h, domingos às 18h e as segundas às 20h. Ingresso: R$ 20. Até 19/12.

Mamonas

Atenção, Creuzebek: depois de rodar por diversas capitais do país, O Musical Mamonas volta a São Paulo com nova temporada. O Musical Mamonas relembra a trajetória do quinteto de Guarulhos com direção de José Possi Neto. O espetáculo tem, no texto, uma estética de brincadeira, com o objetivo de apresentar a mesma descontração e escracho que a banda demonstrava dentro e fora dos palcos. O espetáculo tem arranjos inéditos e releituras adaptadas, feitos por Miguel Briamonte, diretor musical, que também compôs canções originais e paródias com a colaboração de todo o elenco. A banda toca ao vivo sucessos como “Vira-Vira”, “Robocop Gay”, “Sabão Crá-Crá” e “Pelados em Santos”, entre outros.

Serviço: Teatro Procópio Ferreira, R. Augusta, 2823, Cerqueira César. De terça a quinta às 21h. Ingresso: R$ 60. Até 15/12.