Estreia

Cena de “BAAL.Material”.

O primeiro texto de Brecht, Baal, foi o ponto de partida para a criação de “BAAL.Material”, espetáculo da Cia Les Commediens Tropicales e do Quarteto à Deriva, que volta a ser apresentada dia 1º de dezembro

A montagem traz diversas linguagens para o palco: artes plásticas, vídeo, teatro e música circulam pelas cenas, sem hierarquia alguma entre elas. O espetáculo é composto por várias camadas, todas com igual importância para o enredo e independentes, apesar de conversarem entre si e se complementarem. Música e texto se alternam e se sobrepõem: BAAL.Material incorpora, como estrutura, a forma e a atitude de um show musical. No espaço cênico os corpos performativos dividem espaço com arbustos, obras de arte pop reproduzidas à exaustão (230 caixas inspiradas em Brillo, obra de Andy Warhol) e uma betoneira produzindo cimento, ao mesmo tempo, a cena integra a projeção ininterrupta de vídeos – feitos pelas artistas do Bruta Flor.

Serviço: Oicina Cultural Oswald de Andrade, R. Três Rios, 363, Bom Retiro, tel. 3222-2662. Quintas e sextas às 21h e sábados às 19h. Sessão extra dia 14, quarta-feira às 21h. Entrada franca. Até 16/12.

REFLEXÃO

JOIO: “Deixai crescer ambos juntos até à ceifa e, por ocasião da ceifa, direi aos ceifeiros: Colhei primeiro o joio e atai-o em molhos para o queimar”. – Jesus. (Mateus, 13:30.). Quando Jesus recomendou o crescimento simultâneo do joio e do trigo, não quis senão demonstrar a sublime tolerância celeste, no quaro das experiências da vida. O Mestre nunca subtraiu as oportunidades de crescimento e santificação do homem e, nesse sentido, o próprio mal, oriundo das paixões menos dignas, é pacientemente examinado por seu infinito amor, sem ser destruído de pronto. Importa considerar, portanto, que o joio não cresce por relaxamento do Lavrador Divino, mas sim porque o otimismo do Celeste Semeador nunca perde a esperança na vitória final do bem. O campo do Cristo é região de atividade incessante e intensa. Tarefas espantosas mobilizam falanges heróicas; contudo, apesar da dedicação e da vigilância dos trabalhadores, o joio surge, ameaçando o serviço. Jesus, porém, manda aplicar processos defensivos com base na iluminação e na misericórdia. O tempo e a bênção do Senhor agem devagarzinho e os propósitos inferiores se transubstanciam. O homem comum ainda não dispõe de visão adequada para identificar a obra renovadora. Muitas plantas espinhosas ou estéreis são modificadas em sua natureza essencial pelos filtros amorosos do Administrador da Seara, que usa afeições novas, situações diferentes, estímulos inesperados ou responsabilidades ternas que falem ao coração; entretanto, se chega a época da ceifa, depois do tempo de expectativa e observação, faz-se então necessária à eliminação do joio em molhos. A colheita não é igual para todas as sementes da terra. Cada espécie tem o seu dia, a sua estação. Eis porque, aparecendo o tempo justo, de cada homem e de cada coletividade exige-se a extinção do joio, quando os processos transformadores de Jesus foram recebidos em vão. Nesse instante, vemos a individualidade ou o povo a se agitarem através de aflições e hecatombes diversas, em gritos de alarme a socorro, como se estivessem nas sombras de naufrágio inexorável. No entanto, verifica-se apenas a destruição de nossas aquisições ruinosas ou inúteis. E, em vista do joio ser atado, aos molhos, uma dor nunca vem sozinha. Livro Vinha de Luz – F.C. Xavier (pelo espírito Emmanuel).

Pedido de socorro

Cranio  apresenta seus famosos índios azuis que ganham forma tridimensional em esculturas de até 2 metros de altura.

Nesta exposição, Cranio apresenta MAYDAY!, um pedido de socorro aos problemas da sociedade e mostra, por meio de suas obras, uma reflexão sobre a evolução do homem e dos tempos, mostrando ícones contemporâneos nos hieróglifos encontrados nas cavernas, registradas pelo personagem do artista. A exposição segue dos tempos primitivos até os dias atuais e também critica a dependência do dinheiro.

Serviço: Luis Maluf Art Gallery, R. Peixoto Gomide, 1887, Jardim Paulista. De terça a sexta das 11h às 20h e sábados das 11h às 18h. Entrada franca. Até 9/12.

“A Confissão de Leontina”

Principal escritora brasileira viva, Lygia Fagundes Telles, terá o conto “A Confissão de Leontina” adaptado para os palcos a partir de 28 de outubro. Protagonizada pelo ator Márcio Trinchinatto, a Confissão de Leontina é um conto no qual a protagonista suplica por outra chance social. Ela faz uma retrospectiva da vida, de momentos de felicidade, de amores, das traições, dos instantes de solidão e das desilusões. Reconhecendo-se mais uma habitante da grande cidade, sujeita às injustiças da vida, Leontina reconstitui o seu percurso, desde os tempos de criança em que vivia em um pacato povoado, Olho d’Água. Uma infância árdua e pobre que a obrigou a trabalhar desde pequena, mas mais feliz do que os tempos que se seguiriam.

Serviço: Teatro Viradalata, R. Apinajés, 1387, Perdizes, tel. 3868-2535. Sábado às 19h. Ingresso: R$ 40. Até 29/11.

Geminis Bee Gees

Geminis Bee Gees temporario

Criada em 1999, em Buenos Aires, a Geminis já passou por 12 países com suas turnês temáticas, recriando com máxima fidelidade os mais de 50 anos de carreira dos Bee Gees. O grupo utiliza os mesmos arranjos vocais, figurinos e inclusive o mesmo set de instrumentos que os Irmãos Gibb usavam em suas apresentações no musical Geminis Bee Gees. No Brasil, o grupo se apresentou pela primeira vez em 2011 e, desde então, percorreu 9 estados, ultrapassando a marca dos 100 shows no país, um verdadeiro recorde para um grupo internacional.

Serviço: Teatro Bradesco (Shopping Bourbon), R. Turiassú, 2100, Pompéia, tel. 3670-4100. Quarta (23) às 21h. Ingressos: De R$ 80 a R$ 150.

Tributo

André Frateschi conta que mais de 80 músicas de Bowie estão no repertório da banda, que seleciona uma série delas para o espetáculo André Frateschi & Heroes - Tributo a David Bowie. André promete um show com músicas para piano e os clássicos Ziggy Stardust, Let’s Dance, Space Oddity, China Girl e Starman. Integra também no repertório o último single lançado em vida por Bowie, Lazarus, do CD Blackstar. A faixa ganhou um videoclipe onde Bowie canta na maior parte do tempo deitado sobre uma cama de hospital. O cantor faleceu pouco tempo depois do lançamento desse single.

Serviço: Teatro Morumbi Shopping (Shopping Morumbi), Av. Roque Petroni Júnior, 1089, tel. 5183-2800. Quartas às 20h. Ingresso: R$ 50. Até 30/11.