“O Porteiro”

Considerada como uma das melhores comédias do ano pela crítica e público no Rio de Janeiro, “O Porteiro”, novo monólogo de Alexandre Lino estreia no próximo dia 6

Na peça “O Porteiro” o destaque é o humor nordestino.

Com direção de Paulo Fontenelle, que também assina o texto, montagem presta uma grande homenagem a todos os porteiros brasileiros ao contar histórias reais desses profissionais. Com muito humor nordestino, texto foi montado a partir de histórias coletadas em entrevistas a vários porteiros nordestinos que deixaram sua cidade natal em busca da realização de seus sonhos no Rio de Janeiro ou São Paulo. Personagem “Porteiro” não é novidade para Lino, pois como migrante nordestino considera que esta é uma das possibilidades reais para aqueles que buscam uma chance na “cidade dos sonhos”. Mas se na vida real ele nunca exerceu esse ofício nas artes está se tornando um especialista. Segundo Lino, é uma relação de afeto com essas pessoas, tão necessárias nas nossas vidas, que o faz nunca percebê-los da mesma forma quando vai interpretá-los. No entanto, se o ciclo de monólogos será concluído no próximo ano com um texto estrangeiro, que ator prefere não revelar, a saga de os porteiros nos palcos se despede com essa comédia.

Serviço: Teatro Jardim Sul, Av. Giovanni Gronchi, 5819, tel. 2122-4087. Sábados às 21h e domingos às 19h. Ingressos: R$ 60 e R$ 30 (meia).

REFLEXÃO

Pensamentos obsessivos
Ficar remoendo um problema cansa mais do que um dia inteiro de trabalho físico, pois pensar gasta energia, e todos nós sabemos disso.
Quem não tem domínio sobre seus pensamentos, torna-se escravo da mente e acaba gastando a energia, que poderia ser convertida em atitudes concretas, além de alimentar ainda mais os conflitos.
Não basta estar atento ao volume de pensamentos, é preciso prestar atenção à qualidade deles. Pensamentos positivos, éticos e elevados podem recarregar as energias, enquanto o pessimismo consome energia e atrai mais negatividade para nossas vidas.
Gotas de Paz.

Drama

“O Homem Que Queria Ser Livro”.

O título da peça “O Homem Que Queria Ser Livro” foi criado por Darson Ribeiro diante de um misto de história pessoal da infância e o atual momento em que vive, sempre tendo o teatro como meio de vivência. É quase um trocadilho entre “li-vro” e “li-vre”. É o teatro indo em busca do que a maioria esquece ou não sabe, que é a retomada da criança interior, no sentido humanista da ação. O espetáculo com estreia no próximo dia 5, conta com participação especial de Ney Matogrosso na gravação da canção ‘Coração de Luto’ de Teixeirinha.

Serviço: Livraria da Vila, Al. Lorena, 1731, Jardim Paulista, tel. 3062-1063. Sextas e sábados às 20h. Ingresso: R$ 60. Até 03/03.

ROCK

Uma das bandas que marcaram uma geração e inspirou a juventude de sua época, realiza um show inesquecível com a presença de Bruno Graveto e Marcão Brito, ex-membros do Charlie Brown Junior, e Marcelo Mancine, da Banda Strike. O show Somos Todos Charlie Brown marca também a inauguração do Espaço 555.

Serviço: Espaço 555, Av. São João, 555, Centro. Sexta (22) às 23h. Ingresso: R$ 80.

PASSEIO DIFERENTE

A vida das abelhas é o foco na parte cultural do passeio, as explicações são de fácil visualização e os visitantes conhecerão: LaBEErinto (onde encontrarão a Rainha das Abelhas), Trilhas Ecológicas às minas de água, Museu Apícola, Colméia Gigante, Abelha Gigante, Painéis, Observatório (enxame através de parede de vidro) e Apiário. Ainda não oferece rampas de acesso para cadeirantes e carrinhos de bebê.

Estrada da Ressaca, Km 7, Embu das Artes, tel. 4703-6460. De terça a sábado das 8h30 às 17h. Ingresso: R$ 25.


Monólogo

Inspirado na música de Beethoven, monólogo de Daniel Kronenberg fala das inquietações do artista.

Dia 10 de janeiro reestreia a peça “O Compositor Delirante”, solo escrito e interpretado por Daniel Kronenberg. O monólogo coloca em foco o artista com seus questionamentos. Numa tentativa enlouquecida de organizar sua trajetória, a personagem Beethoven trava discussões políticas, filosóficas e de ordem artística com Mozart, Haydn, Goethe e com o próprio pai, além de outras pessoas imaginárias. A surdez, a loucura e a necessidade de quebra de paradigmas são as tônicas do espetáculo, costurado pela música do compositor, que permeia toda a encenação, dando cadência e ritmo às argumentações da personagem.

Serviço: Espaço Parlapatões, Pça Franklin Roosevelt 158. Quartas e quintas às 21h. Ingressos: R$ 40 e R$ 20 (meia). Até 15/02.

Na Virada

No estilo tradicional: um palco, um microfone e ainda com o adicional de relembrarem, com muito humor, fatos relevantes de 2017. O Festival de humor que irá reunir em uma única apresentação 11 stand-up Comedians. “O projeto veio para conquistar o público que está sem opção de lazer no período próximo ao Natal e o Réveillon, uma vez que nesta época não há muitas opções de entretenimento. Em Curitiba, já na sua 4ª. edição, foi sucesso absoluto e acreditamos que não será diferente na capital paulista”, afirma o curador do festival, Marco Zenni. Nesta 3ª edição, o “Rindo na Virada” contará com elenco Vitor Sarro, André Santi, Patrick Maia, Marco Zenni, Dinho Machado, Fábio Gueré, Victor Camejo, Bruno Motta, Guto Andrade, Luiz França, e Rodrigo Fernandes.

Serviço: Teatro Gazeta, Av. Paulista, 900. Sábado (23) às 21h. Ingresso: R$ 70 e R$ 35 (meia).

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP