ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

J. B. Oliveira

Você se comunica em branco e preto?

 

 

                                                                                                                                                           * J. B. Oliveira

 

 Observando a linguagem desbotada e sem vigor usada por muitas pessoas na comunicação atual, pareceu-me oportuno reproduzir um capítulo de meu livro “Boas Dicas para Boas Falas” (JBO Editora, São Paulo, 5ª edição, 2014, a partir da página 98). Faço-o, abaixo, textualmente.

                                                      “ COLORIDO

 

Um discurso NUNCA pode ser em branco e preto!

Mesmo que se trate de um pronunciamento fúnebre, de um panegírico.

O colorido é dado pelas figuras de estilo, que cabem em qualquer situação – de alegria ou de pesar, de acordo com seu conteúdo. Essa circunstância faz lembrar uma poesia trovadoresca, que diz:

 

‘Até nas flores se veem

As diferenças da sorte:

Umas alegram a vida,

Outras enfeitam a morte!’

 

Entre os muitos tipos de figuras de estilo ou de linguagem, destacam-se as alegorias – como metáforas, parábolas, fábulas – que, de forma figurada, transmitem ensinamentos, lições, preceitos morais, princípios éticos etc.

Seu efeito prático é atenuar a aridez dos discursos, dando-lhes leveza e graça. São como janelas em um edifício. Sem elas, o prédio fica soturno, sombrio, sem respiração. Elas, entretanto, lhe dão iluminação e ventilação, tornando o ambiente mais suave, claro e agradável.

Jesus falava por parábolas, e tão bem as narrou, que continuam válidas hoje, transcorridos mais de dois mil anos. As parábolas do Bom Samaritano, do Filho Pródigo, do Grão de Mostarda, da Ceifas e dos Ceifeiros, dos Trabalhadores da Última Hora e tantas outras estão presentes tanto em sermões como em palestras, aulas e discursos ao redor do mundo!

Fábulas constituem outro tipo de alegoria. A diferença básica em relação às parábolas, é que aquelas têm como personagens seres humanos, enquanto as fábulas se referem a animais. O princípio norteador, porém, é o mesmo: histórias em cujas entrelinhas regras de conduta moral são ensinadas. Esopo (século VI antes de Cristo) e La Fontaine (1621 – 1695) foram grandes fabulistas e suas alegorias foram a sensação de milhões de pessoas que as ouviram nas escolas ou mesmo em ambientes literários.

A Cigarra e a Formiga; o Lobo e o Cordeiro; a Raposa e as Uvas; o Sapo e o Vagalume; o Incêndio na Floresta são alguns dos títulos de suas fábulas.

Há, ainda, as chamadas fábulas modernas, também válidas como forma de arejar discursos, palestras, conferências, aulas e até conversas.

Bons oradores têm sempre ilustrações para auxiliá-los na tarefa de tornar agradável sua fala.

Para demonstrar que cabem alegorias mesmo em mensagens muito formais, técnicas, sisudas por natureza, cabe narrar um caso relativamente atual.

O general João Baptista de Oliveira Figueiredo era presidente da República, e Guilherme Afif Domingos cumpria seu primeiro mandato à frente da Associação Comercial de São Paulo e da Federação das Associações Comerciais do Estado e da Confederação Nacional. A situação era difícil para o país, em consequência dos juros excessivamente elevados. Afif, tendo preparado planilha detalhada do problema, solicitou audiência ao presidente, que o recebeu em Brasília. Após expor o quadro calamitoso, concluiu com esta alegoria:

 

‘Um homem, em certo reino, foi fazer um pedido ao seu rei. Este, que estava com as duas mãos às costas, disse ao servo: ‘atenderei seu pedido se você responder corretamente a pergunta que vou lhe fazer: a ave que tenho em minhas mãos está morta ou viva?’ O que ele apresentou, na verdade, foi um dilema – situação em que não há saída favorável. Então pensou: se ele disser que a ave está morta, eu a exibo viva. Mas se disser que está viva, eu aperto seu pescoço e a mato! Não há como ele acertar. Pensando um instante, o homem respondeu: ‘Majestade, a vida da ave está em vossas mãos1’.

Guilherme Afif Domingos fechou sua fala com esta expressão: ‘Presidente Figueiredo, a vida do empresariado brasileiro está em suas mãos’”!

 

Aí está: se esse agradável recurso estilístico funcionou para o mestre Jesus, para Esopo, La Fontaine e Afif Domingos e tantos outros, certamente funcionará para você também. Experimente!

 

DICA DA DICA

Detalhe: não deixe sua fala sem cor e sem luz: insira a alegoria mais conveniente!

 

 *J. B. Oliveira, consultor de empresas, é advogado, jornalista, professor e escritor.

É membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo e da Academia Cristã de Letras.

www.jboliveira.com.br – O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Mais artigos...

  1. Pasmem: o ser humano está deixando de existir!
  2. Será que fui claro?
  3. Onde, mesmo, começa a comunicação?
  4. A redação da filhinha do ministro de Brasília...
  5. Aí vão mais frases mal...ditas!
  6. Da “Voz do Povo” à Imprensa Oficial do Estado...
  7. Mais frases mal...ditas!
  8. Qual é a forma correta: havia ou haviam?
  9. Porque os Homens não estão mais amando as Mulheres!
  10. Por que os homens dizem e as mulheres falam...
  11. AFILANDO AS FILAS!
  12. Direito de resposta
  13. Uma frase mal...dita!
  14. “Caso consigam serem os mais votados...”
  15. “O amor é forte como a morte”.
  16. Novos tempos na Política?
  17. O QUE SE ESPERA DO ADVOGADO
  18. “Eu quero é rosetar...”
  19. A importância histórica da Grafotécnica e Documentoscopia
  20. Sociedade Amigos da Cidade e o Zoneamento Urbano
  21. Influências americanas na língua italiana...
  22. Conteúdo e Forma
  23. “Toda a mulher sábia edifica a sua casa”
  24. Licitude, Moral, Ética... e algo mais!
  25. Silêncio...
  26. Verbos diferentes para seres diferentes...
  27. E “O homem do tempo”, heim?
  28. Ela o chamou pelo nome completo? Hum...!
  29. EDUCAÇÃO: OBJETIVOS E RECURSOS. E NOSSA REALIDADE
  30. O turismo descollorido
  31. Haviam ou havia?
  32. Entendeu? ... Ou quer que eu desenhe?
  33. “Aquele acentozinho enjoado chamado crase...”
  34. “O pior cego é o que não quer ver”
  35. “Fale agora ou cale-se para sempre...”
  36. “...muitas pessoas que sofrem de depressão sentem-se melhores...”
  37. É um momento 'onde' só a acusação tem vez e tem voz
  38. “Esse corretor mais atrapalha do que ajuda”!
  39. Línguas parecidas...I
  40. Os pronomes possessivos. E o comportamento dos filhos
  41. Comunicação visual: o que elas fazem. E eles não entendem...
  42. O JOVEM E A EDUCAÇÃO : UM BINÔMIO CRÍTICO
  43. Jerry Lewis, Ruy Castro e Amar e gostar...
  44. A prolixidade castigada...
  45. Pó... ou Vida?
  46. “20% das mais de 18 milhões de moedas...”
  47. Codificação e decodificação
  48. Grama: no jardim ou na balança?
  49. Uma arroba de história...
  50. Um sério RUÍDO na comunicação interpessoal...
  51. Alternativas. Na aviação e na Oratória...
  52. HÁ 39 ANOS...
  53. IMPROVISO!
  54. Recordar é viver...
  55. Variações do mesmo tema ...
  56. SAUDOSISMO... E CIVISMO!
  57. Afinal, é Este ou Esse?
  58. É PÁSCOA. ONDE ESTÃO O COELHINHO E OS OVOS?
  59. A EDUCAÇÃO E A ÉTICA
  60. Que palavra usar: Humanização ou Fragilização da lei?
  61. Comunicação e Relacionamento Humano
  62. Línguas parecidas
  63. Duas fases da PALAVRA no grupo de Cristo
  64. DUAS PERGUNTAS PERTINENTES. E PREOCUPANTES
  65. No princípio era o Verbo
  66. O PODER DA IMPRENSA LIVRE
  67. A EDUCAÇÃO E A IMPRENSA
  68. EM ORATÓRIA, É PRECISO ESTAR SEGURO!
  69. PLEONASMOS: ESCRACHADOS, DISSIMULADOS E SUTIS...
  70. Travas e entraves da comunicação
  71. A vírgula... ah! a vírgula!
  72. BENEFÍCIO, PREVIDÊNCIA E PROVIDÊNCIA...NA GRAMÁTICA
  73. DELITOS NOVOS versus LEIS ANTIGAS...
  74. Uma palavra para ser usada... com cuidado!
  75. Juizeco e Chefete...
  76. UM POUCO DO DESCALABRO EDUCACIONAL
  77. O xis da questão...
  78. Inibição! Como e porque surge!
  79. COMO ANDA SUA ORATÓRIA FAMILIAR?
  80. PREMEIO ESSE EXCECIONAL SECTOR, SEM DECECIONAR NEM INDEMNIZAR!
  81. OS DOZE TRABALHOS DE...HÍFEN!
  82. COMO É QUE É MESMO?
  83. A Polissemia e o trágico fim do guia de turismo!
  84. A QUADRA QUE ENQUADRA...
  85. PALAVRAS “DENOREX”: PARECEM ... MAS NÃO SÃO!
  86. Oratória Negocial
  87. Quando o PLURAL não é o plural do SINGULAR...!
  88. “AMANHÃ EU VÔ NUM VIM TRABALHÁ....”
  89. A velha questão do “VOCÊ”...
  90. PALAVRINHAS que dão vontade de dizer um PALAVRÃO!
  91. “AS PREPOSIÇÕES E AS CONJUNÇÕES NA GRAMÁTICA E TAMBÉM NA PRÁTICA”
  92. “AS EMPRESAS SE ADEQUAM ÀS NOVAS CONDIÇÕES”
  93. A IMPORTÂNCIA DO LAZER
  94. Agüentar tranqüilo nunca mais. Trema, trema!
  95. PLEONASMO NOS OLHOS
  96. “ESTOU CORRENDO ATRÁS DO PREJUĺZO…”
  97. UM MAGNO EQUÍVOCO
  98. SAVOIR FAIRE: COMO AS ÉPOCAS MUDAM AS PALAVRAS...
  99. BRIGADO POR QUÊ?
  100. “DIGITATORE TRADITORE”

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171