Contato: (11) 3043-4171

J. B. Oliveira

Onde, mesmo, começa a comunicação?

 

 

                                                                                                                                                           * J. B. Oliveira

 

 

A essa pergunta, não faltará quem responda, singelamente: na boca!

Para muitos é ai que nasce a comunicação. Basta abrir a boca, expelir o ar, modulando-o e pronto! A pessoa já está a falar...

A falar, sim. A comunicar-se, não!

Falar é ato espontâneo, solto, desassociado de responsabilidades como lógica, pertinência e coerência. Em situações especiais, pode até ser comunicação, se não houver necessidade de comprometimento mais sério com as palavras proferidas, como em um bate-papo ao estilo de “happy hour” – aqui na capital – ou “prosa de beira de fogueira”, no interior. Ou nos casos de paixão amorosa! Afinal, como há muito tempo alguém já disse: “O primeiro sintoma de amor é o último bom-senso!”

(Por isso, para os mais românticos, a comunicação começa no coração!).

Comunicação, para merecer esse nome, exige mais do que falar: demanda dizer!

Que falar e dizer são coisas diferentes, a prática do dia a dia nos mostra. Em épocas de campanha política, é comum ouvir este comentário acerca de algum candidato: “Fulano de tal fala e fala, e não diz nada”!

Em sua poesia, o próprio “rei” Roberto Carlos deixa clara a distinção entre os dois vocábulos:

 

“Eu tenho tanto pra lhe falar, mas com palavras não sei dizer...”

 

Aí estão presentes: a emoção, que fala, se exterioriza com facilidade fluidez; e a razão, que se interioriza, vai ao cérebro, e busca termos coerentes para se exprimir.

 

O que ambos os verbos têm em comum é o berço, a área de articulação!

 

No passado, seus pontos de origem eram considerados distintos e distantes: a razão teria por sede a mente, no alto da estrutura física do ser humano. Respondia pelas ações e decisões pensadas, raciocinadas. Em uma palavra: “cerebrinas”.

A emoção – dona dos sentimentos, da sensibilidade e da percepção extra-sensorial – ocuparia um espaço mais abaixo, “no lado esquerdo do peito”, como canta Milton Nascimento. Assim, portanto, era entendido o “Triângulo das Bermudas humano”: boca, mente e coração! A mente, lá em cima, raciocinava; o coração registrava as emoções e a boca verbalizava o resultado dessa operação!

 

Só que não!

 

A partir do surgimento e desenvolvimento das neurociências, em associação com a implantação de equipamentos de alta tecnologia computacional, como ressonância magnética e tomografia computadorizada, tornou-se possível aprofundar o estudo do cérebro humano. O resultado disso foi a constatação de que o coração estava, há séculos, “usurpando” uma função do cérebro, quando lhe competia apenas e tão-somente bombear o sangue para o organismo!

Os anos 1960 foram marcantes nessa área, pelo surgimento da International Brain Research Orgnization, voltada à pesquisa e estudo da matéria. Dezesseis anos depois, em 1976, foi criada aqui a Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento, registrando o interesse entre nossos cientistas. Por volta de 1962, o neurobiologista e fisiologista Roger Sperry demonstrou que se localizam no cérebro tanto a razão quanto a emoção! Seu trabalho científico permitiu demonstrar a separação e identificação das funções dos hemisférios esquerdo e direito como hoje conhecemos: razão e emoção, respectivamente, acabando de vez com a “função emocional do coração”!

O mundo científico atribuiu a ele o prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia em 1981. Inicialmente inserida no campo da Biologia, a neurociência hoje se classifica como ciência interdisciplinar, e colabora com ramos como Educação, Química, Ciência da Computação, Engenharia, Antropologia, Linguística, Medicina e disciplinas afins: Filosofia, Física, Psicologia e Comunicação!

Ao analisar tudo isso, pode-se perceber quão grande é a responsabilidade de um comunicador. E se Chacrinha alertou: “Quem não se comunica se trumbica”, é prudente acrescentar: Às vezes, quem se comunica também!

 *J. B. Oliveira, consultor de empresas, é advogado, jornalista, professor e escritor.

É membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo e da Academia Cristã de Letras.

www.jboliveira.com.br – O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Mais artigos...

  1. A redação da filhinha do ministro de Brasília...
  2. Aí vão mais frases mal...ditas!
  3. Da “Voz do Povo” à Imprensa Oficial do Estado...
  4. Mais frases mal...ditas!
  5. Qual é a forma correta: havia ou haviam?
  6. Porque os Homens não estão mais amando as Mulheres!
  7. Por que os homens dizem e as mulheres falam...
  8. AFILANDO AS FILAS!
  9. Direito de resposta
  10. Uma frase mal...dita!
  11. “Caso consigam serem os mais votados...”
  12. “O amor é forte como a morte”.
  13. Novos tempos na Política?
  14. O QUE SE ESPERA DO ADVOGADO
  15. “Eu quero é rosetar...”
  16. A importância histórica da Grafotécnica e Documentoscopia
  17. Sociedade Amigos da Cidade e o Zoneamento Urbano
  18. Influências americanas na língua italiana...
  19. Conteúdo e Forma
  20. “Toda a mulher sábia edifica a sua casa”
  21. Licitude, Moral, Ética... e algo mais!
  22. Silêncio...
  23. Verbos diferentes para seres diferentes...
  24. E “O homem do tempo”, heim?
  25. Ela o chamou pelo nome completo? Hum...!
  26. EDUCAÇÃO: OBJETIVOS E RECURSOS. E NOSSA REALIDADE
  27. O turismo descollorido
  28. Haviam ou havia?
  29. Entendeu? ... Ou quer que eu desenhe?
  30. “Aquele acentozinho enjoado chamado crase...”
  31. “O pior cego é o que não quer ver”
  32. “Fale agora ou cale-se para sempre...”
  33. “...muitas pessoas que sofrem de depressão sentem-se melhores...”
  34. É um momento 'onde' só a acusação tem vez e tem voz
  35. “Esse corretor mais atrapalha do que ajuda”!
  36. Línguas parecidas...I
  37. Os pronomes possessivos. E o comportamento dos filhos
  38. Comunicação visual: o que elas fazem. E eles não entendem...
  39. O JOVEM E A EDUCAÇÃO : UM BINÔMIO CRÍTICO
  40. Jerry Lewis, Ruy Castro e Amar e gostar...
  41. A prolixidade castigada...
  42. Pó... ou Vida?
  43. “20% das mais de 18 milhões de moedas...”
  44. Codificação e decodificação
  45. Grama: no jardim ou na balança?
  46. Uma arroba de história...
  47. Um sério RUÍDO na comunicação interpessoal...
  48. Alternativas. Na aviação e na Oratória...
  49. HÁ 39 ANOS...
  50. IMPROVISO!
  51. Recordar é viver...
  52. Variações do mesmo tema ...
  53. SAUDOSISMO... E CIVISMO!
  54. Afinal, é Este ou Esse?
  55. É PÁSCOA. ONDE ESTÃO O COELHINHO E OS OVOS?
  56. A EDUCAÇÃO E A ÉTICA
  57. Que palavra usar: Humanização ou Fragilização da lei?
  58. Comunicação e Relacionamento Humano
  59. Línguas parecidas
  60. Duas fases da PALAVRA no grupo de Cristo
  61. DUAS PERGUNTAS PERTINENTES. E PREOCUPANTES
  62. No princípio era o Verbo
  63. O PODER DA IMPRENSA LIVRE
  64. A EDUCAÇÃO E A IMPRENSA
  65. EM ORATÓRIA, É PRECISO ESTAR SEGURO!
  66. PLEONASMOS: ESCRACHADOS, DISSIMULADOS E SUTIS...
  67. Travas e entraves da comunicação
  68. A vírgula... ah! a vírgula!
  69. BENEFÍCIO, PREVIDÊNCIA E PROVIDÊNCIA...NA GRAMÁTICA
  70. DELITOS NOVOS versus LEIS ANTIGAS...
  71. Uma palavra para ser usada... com cuidado!
  72. Juizeco e Chefete...
  73. UM POUCO DO DESCALABRO EDUCACIONAL
  74. O xis da questão...
  75. Inibição! Como e porque surge!
  76. COMO ANDA SUA ORATÓRIA FAMILIAR?
  77. PREMEIO ESSE EXCECIONAL SECTOR, SEM DECECIONAR NEM INDEMNIZAR!
  78. OS DOZE TRABALHOS DE...HÍFEN!
  79. COMO É QUE É MESMO?
  80. A Polissemia e o trágico fim do guia de turismo!
  81. A QUADRA QUE ENQUADRA...
  82. PALAVRAS “DENOREX”: PARECEM ... MAS NÃO SÃO!
  83. Oratória Negocial
  84. Quando o PLURAL não é o plural do SINGULAR...!
  85. “AMANHÃ EU VÔ NUM VIM TRABALHÁ....”
  86. A velha questão do “VOCÊ”...
  87. PALAVRINHAS que dão vontade de dizer um PALAVRÃO!
  88. “AS PREPOSIÇÕES E AS CONJUNÇÕES NA GRAMÁTICA E TAMBÉM NA PRÁTICA”
  89. “AS EMPRESAS SE ADEQUAM ÀS NOVAS CONDIÇÕES”
  90. A IMPORTÂNCIA DO LAZER
  91. Agüentar tranqüilo nunca mais. Trema, trema!
  92. PLEONASMO NOS OLHOS
  93. “ESTOU CORRENDO ATRÁS DO PREJUĺZO…”
  94. UM MAGNO EQUÍVOCO
  95. SAVOIR FAIRE: COMO AS ÉPOCAS MUDAM AS PALAVRAS...
  96. BRIGADO POR QUÊ?
  97. “DIGITATORE TRADITORE”
  98. VOCÊS SABEM O QUE É DOCE DELEITE?
  99. NÓS E A PÁTRIA
  100. Afinal, qual é a posição correta das bandeiras?

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171