J. B. Oliveira

AFILANDO AS FILAS!

 

J. B. Oliveira (*)

Fila no banco.
Uma sequência de homens vai se estendendo, um religiosamente atrás do outro. Depois de uns quarenta minutos de espera (embora um avisozinho postado discretamente em algum ponto na agência diga que a demora não pode ultrapassar alguns minutos...), um deles olha irritado para o relógio e diz para o vizinho mais próximo:

– “Tá demorando, né?” – “Tá”, responde ou outro, e o assunto morre aí.
Quando saem, cada qual para seu lado, um não sabe “nadica de nada” do outro. Seguem sendo ilustres desconhecidos...

Fila no banco. Ou no ponto de ônibus. Ou no supermercado. Ou no açougue...

Uma sequência de mulheres, umas atrás – e a maioria, ao lado – das outras, vai se alongando. Após no máximo quinze minutos (se tanto) uma estrila: – “Tá demorando esta porcaria, não?!” A mais exaltada, não necessariamente a mais próxima, responde: “Aqui é sempre assim, minha filha. É um desrespeito! Você tinha que ver na semana passada: perdi quase minha manhã toda por causa disso”!

O que ocorre a seguir, parece cena de sessão do parlamento nacional: muitas põem-se a falar ao mesmo tempo, sem direito a apartes, réplicas ou tréplicas! Depois de algum tempo, os ânimos se acalmam e o burburinho se converte “grupos de debate”: as que mais se identificaram na primeira fase, passam a conversar em diálogo ou triálogo, narrando suas experiências nesse ou qualquer outro assunto – pertinente ou não!

Ao sair, algumas vão juntas. É que descobriram, durante o bate-papo, que têm algo a fazer – na manicure, na cabeleireira ou na costureira – na mesma direção, e nada melhor do que irem, fazendo o quê?
Prosseguindo a conversa. Afinal, são as mais novas “amigas de infância” uma da outra! Já sabem quantos filhos cada uma tem, onde moram, o que fazem os maridos, de que gostam de fazer e por aí afora!

A esse respeito, meu irmão Waldemar contava um inusitado caso real. Um seu conhecido, nordestino, então morando em Santo Anastácio, fundão da Alta Sorocabana, desembarcou do trem aqui na capital, entrou num táxi, e pediu simples e candidamente que o motorista o levasse à “casa de Rosa, ‘mulé’ de Nestô”! E o mais incrível: ele foi levado lá! Como?

Rosa, mulher de Nestor, tivera seu parto no mesmo hospital em que também nascera o filho do taxista, e durante o período de internação as duas parturientes se tornaram “velhas amigas”!

 *J. B. Oliveira, consultor de empresas, é advogado, jornalista, professor e escritor.

É membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo e da Academia Cristã de Letras.

www.jboliveira.com.br – O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Mais artigos...

  1. Direito de resposta
  2. Uma frase mal...dita!
  3. “Caso consigam serem os mais votados...”
  4. “O amor é forte como a morte”.
  5. Novos tempos na Política?
  6. O QUE SE ESPERA DO ADVOGADO
  7. “Eu quero é rosetar...”
  8. A importância histórica da Grafotécnica e Documentoscopia
  9. Sociedade Amigos da Cidade e o Zoneamento Urbano
  10. Influências americanas na língua italiana...
  11. Conteúdo e Forma
  12. “Toda a mulher sábia edifica a sua casa”
  13. Licitude, Moral, Ética... e algo mais!
  14. Silêncio...
  15. Verbos diferentes para seres diferentes...
  16. E “O homem do tempo”, heim?
  17. Ela o chamou pelo nome completo? Hum...!
  18. EDUCAÇÃO: OBJETIVOS E RECURSOS. E NOSSA REALIDADE
  19. O turismo descollorido
  20. Haviam ou havia?
  21. Entendeu? ... Ou quer que eu desenhe?
  22. “Aquele acentozinho enjoado chamado crase...”
  23. “O pior cego é o que não quer ver”
  24. “Fale agora ou cale-se para sempre...”
  25. “...muitas pessoas que sofrem de depressão sentem-se melhores...”
  26. É um momento 'onde' só a acusação tem vez e tem voz
  27. “Esse corretor mais atrapalha do que ajuda”!
  28. Línguas parecidas...I
  29. Os pronomes possessivos. E o comportamento dos filhos
  30. Comunicação visual: o que elas fazem. E eles não entendem...
  31. O JOVEM E A EDUCAÇÃO : UM BINÔMIO CRÍTICO
  32. Jerry Lewis, Ruy Castro e Amar e gostar...
  33. A prolixidade castigada...
  34. Pó... ou Vida?
  35. “20% das mais de 18 milhões de moedas...”
  36. Codificação e decodificação
  37. Grama: no jardim ou na balança?
  38. Uma arroba de história...
  39. Um sério RUÍDO na comunicação interpessoal...
  40. Alternativas. Na aviação e na Oratória...
  41. HÁ 39 ANOS...
  42. IMPROVISO!
  43. Recordar é viver...
  44. Variações do mesmo tema ...
  45. SAUDOSISMO... E CIVISMO!
  46. Afinal, é Este ou Esse?
  47. É PÁSCOA. ONDE ESTÃO O COELHINHO E OS OVOS?
  48. A EDUCAÇÃO E A ÉTICA
  49. Que palavra usar: Humanização ou Fragilização da lei?
  50. Comunicação e Relacionamento Humano
  51. Línguas parecidas
  52. Duas fases da PALAVRA no grupo de Cristo
  53. DUAS PERGUNTAS PERTINENTES. E PREOCUPANTES
  54. No princípio era o Verbo
  55. O PODER DA IMPRENSA LIVRE
  56. A EDUCAÇÃO E A IMPRENSA
  57. EM ORATÓRIA, É PRECISO ESTAR SEGURO!
  58. PLEONASMOS: ESCRACHADOS, DISSIMULADOS E SUTIS...
  59. Travas e entraves da comunicação
  60. A vírgula... ah! a vírgula!
  61. BENEFÍCIO, PREVIDÊNCIA E PROVIDÊNCIA...NA GRAMÁTICA
  62. DELITOS NOVOS versus LEIS ANTIGAS...
  63. Uma palavra para ser usada... com cuidado!
  64. Juizeco e Chefete...
  65. UM POUCO DO DESCALABRO EDUCACIONAL
  66. O xis da questão...
  67. Inibição! Como e porque surge!
  68. COMO ANDA SUA ORATÓRIA FAMILIAR?
  69. PREMEIO ESSE EXCECIONAL SECTOR, SEM DECECIONAR NEM INDEMNIZAR!
  70. OS DOZE TRABALHOS DE...HÍFEN!
  71. COMO É QUE É MESMO?
  72. A Polissemia e o trágico fim do guia de turismo!
  73. A QUADRA QUE ENQUADRA...
  74. PALAVRAS “DENOREX”: PARECEM ... MAS NÃO SÃO!
  75. Oratória Negocial
  76. Quando o PLURAL não é o plural do SINGULAR...!
  77. “AMANHÃ EU VÔ NUM VIM TRABALHÁ....”
  78. A velha questão do “VOCÊ”...
  79. PALAVRINHAS que dão vontade de dizer um PALAVRÃO!
  80. “AS PREPOSIÇÕES E AS CONJUNÇÕES NA GRAMÁTICA E TAMBÉM NA PRÁTICA”
  81. “AS EMPRESAS SE ADEQUAM ÀS NOVAS CONDIÇÕES”
  82. A IMPORTÂNCIA DO LAZER
  83. Agüentar tranqüilo nunca mais. Trema, trema!
  84. PLEONASMO NOS OLHOS
  85. “ESTOU CORRENDO ATRÁS DO PREJUĺZO…”
  86. UM MAGNO EQUÍVOCO
  87. SAVOIR FAIRE: COMO AS ÉPOCAS MUDAM AS PALAVRAS...
  88. BRIGADO POR QUÊ?
  89. “DIGITATORE TRADITORE”
  90. VOCÊS SABEM O QUE É DOCE DELEITE?
  91. NÓS E A PÁTRIA
  92. Afinal, qual é a posição correta das bandeiras?
  93. ANUNCIARAM O HINO NACIONAL! O QUE DEVO FAZER?
  94. EXÓRDIO... QUE REMÉDIO É ESSE?
  95. Por conta dos vícios de linguagem...!
  96. O ÓPTIMO ACTO DE ADOPTAR OBJECÇÕES
  97. No novo acordo, acentuação rima com recordação...

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP