ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

J. B. Oliveira

Antes de ligar a boca...

 

                                                                                                                                                           * J. B. Oliveira


Invariavelmente, em palestras e cursos de oratória, faço uma recomendação que – a bem da verdade – nem precisaria ser feita:

 

Antes de ligar a boca, ligue o cérebro!

 

Não é óbvio que devamos pensar antes de falar?

Lembro-me de que a primeira definição que ouvi sobre o homem – lá no distante então chamado Grupo Escolar – dizia: “O homem (hoje diríamos, seguindo o politicamente correto: o ser humano) é um ser que pensa, fala e age”.

Guardei para mim essa sequência, e sempre procurei segui-la. Às vezes demoro um pouco para me pronunciar, de modo especial frente a situações ou assuntos delicados, porque eu me ponho a coordenar os pensamentos, as ideias. Geralmente procuro ordenar minha exposição verbal em início, meio e fim (nessa ordem!), para só então falar! Devo confessar que, em mais de uma ocasião, acabei nem tendo a chance de dizer alguma coisa, porque o assunto fora superado ou porque os interlocutores não esperaram que eu cumprisse minha “via crucis comunicacional”! Entretanto, não me arrependo: praticamente nada perdi, pois cheguei à conclusão de que é melhor deixar fazer pronunciamentos acertados do que fazer os desacertados!

A indiscutível verdade é que não dá para desdizer aquilo que foi dito! Isso porque, depois que as pronunciamos, as palavras deixam de ser nossas e passam a pertencer aos interlocutores e, por boa ou má sorte, ao universo, “per omnia saecula saeculorum”!

 

Frases ditas em períodos remotos da história da civilização chegaram até nós, e prosseguirão até as gerações vindouras. Tomem-se em consideração algumas das mais famosas:

Eureka! Foi a palavra proferida por Arquimedes, no século III antes de Cristo.

Alea jacta est – proclamou Júlio César, no ano 49 a.C., prestes a atravessar o Rubicão.

Consummatum est – foram as palavras de Cristo, no instante de sua crucificação.

Que grande artista o mundo vai perder – lamentou o imperador Nero, no ano 37 d. C.

Per ché non parli? – indagou Michelangelo, à sua própria obra, Moisés, em 1515.

E pur si muove! – exclamou Galileu Galilei, em 1633, no período da “santa Inquisição”.

Mr. Watson, venha cá, eu preciso do senhor – solicitou Graham Bell, na primeira

   mensagem telefônica do mundo, em 1876.

Não vamos colocar meta. Vamos deixar a meta aberta, mas, quando atingirmos a meta,    

   vamos dobrar a meta – filosofou a então presidente Dilma Rousseff, em 5 de agosto de

   2015.

Nós teremos uma série de outros produtos que foram essenciais para o desenvolvimento

   de toda a civilização humana ao longo dos séculos. Então, aqui, hoje, eu estou saudando  

   a mandioca. Acho uma das maiores conquistas do Brasil – Dilma Rousseff, em duplicata,

   por pertencer à categoria “hors concours”.

Com exceção dos dois últimos exemplos, tudo isso – e muito mais que o curto espaço de tempo e a igualmente curta paciência dos leitores não recomendam citar – chegou até nós sem os recursos mágicos, extraordinários e mefistofélicos da Internet. Hoje, os cuidados têm de ser redobrados, pois sempre há alguém gravando tudo o que se passa. Afinal, no Brasil atual, temos mais de 200 milhões de “comunicadores” de plantão. Bem ou mal-intencionados...

Foi nesse contexto que bombou a desastrosa frase de Eduardo Bolsonaro – detentor de recorde histórico de votação, que o reelegeu deputado federal por São Paulo! Pronunciadas há 4 meses, em julho passado, em aula num cursinho no Paraná, mas maciçamente veiculadas agora, às vésperas da votação em segundo turno a que concorre seu pai, suas palavras foram e estão sendo usadas como arma de alto potencial destrutivo pelo opositor, pela mídia e por centenas de outros meios de comunicação!

 

Bastam um soldado e um cabo para fechar o STF – não foi, com toda a certeza, fruto do racioncínio, nem da intenção do deputado. Mas foi o que alguém gravou e o Brasil todo está ouvindo!

 

No caso dele, a frase veio em resposta a uma pergunta. E o que ensino é que, nesse caso, antes de responder, há que se proceder a uma análise da questão: quem a formulou: como a formulou; com que intenção o fez! Pode ser uma astuta tentativa de desestabilizar o comunicador. Ou de pôr em sua boca aquilo que está na mente de quem faz a pergunta ou o aparte...

Por isso, antes de ligar a boca, liguemos o cérebro!

 

 *J. B. Oliveira, consultor de empresas, é advogado, jornalista, professor e escritor.

É membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo e da Academia Cristã de Letras.

www.jboliveira.com.br – O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Mais artigos...

  1. Estelionato conjugal!
  2. O GRUPO DE CRISTO
  3. Intuição existe mesmo? E... funciona?
  4. Você se comunica em branco e preto?
  5. Pasmem: o ser humano está deixando de existir!
  6. Será que fui claro?
  7. Onde, mesmo, começa a comunicação?
  8. A redação da filhinha do ministro de Brasília...
  9. Aí vão mais frases mal...ditas!
  10. Da “Voz do Povo” à Imprensa Oficial do Estado...
  11. Mais frases mal...ditas!
  12. Qual é a forma correta: havia ou haviam?
  13. Porque os Homens não estão mais amando as Mulheres!
  14. Por que os homens dizem e as mulheres falam...
  15. AFILANDO AS FILAS!
  16. Direito de resposta
  17. Uma frase mal...dita!
  18. “Caso consigam serem os mais votados...”
  19. “O amor é forte como a morte”.
  20. Novos tempos na Política?
  21. O QUE SE ESPERA DO ADVOGADO
  22. “Eu quero é rosetar...”
  23. A importância histórica da Grafotécnica e Documentoscopia
  24. Sociedade Amigos da Cidade e o Zoneamento Urbano
  25. Influências americanas na língua italiana...
  26. Conteúdo e Forma
  27. “Toda a mulher sábia edifica a sua casa”
  28. Licitude, Moral, Ética... e algo mais!
  29. Silêncio...
  30. Verbos diferentes para seres diferentes...
  31. E “O homem do tempo”, heim?
  32. Ela o chamou pelo nome completo? Hum...!
  33. EDUCAÇÃO: OBJETIVOS E RECURSOS. E NOSSA REALIDADE
  34. O turismo descollorido
  35. Haviam ou havia?
  36. Entendeu? ... Ou quer que eu desenhe?
  37. “Aquele acentozinho enjoado chamado crase...”
  38. “O pior cego é o que não quer ver”
  39. “Fale agora ou cale-se para sempre...”
  40. “...muitas pessoas que sofrem de depressão sentem-se melhores...”
  41. É um momento 'onde' só a acusação tem vez e tem voz
  42. “Esse corretor mais atrapalha do que ajuda”!
  43. Línguas parecidas...I
  44. Os pronomes possessivos. E o comportamento dos filhos
  45. Comunicação visual: o que elas fazem. E eles não entendem...
  46. O JOVEM E A EDUCAÇÃO : UM BINÔMIO CRÍTICO
  47. Jerry Lewis, Ruy Castro e Amar e gostar...
  48. A prolixidade castigada...
  49. Pó... ou Vida?
  50. “20% das mais de 18 milhões de moedas...”
  51. Codificação e decodificação
  52. Grama: no jardim ou na balança?
  53. Uma arroba de história...
  54. Um sério RUÍDO na comunicação interpessoal...
  55. Alternativas. Na aviação e na Oratória...
  56. HÁ 39 ANOS...
  57. IMPROVISO!
  58. Recordar é viver...
  59. Variações do mesmo tema ...
  60. SAUDOSISMO... E CIVISMO!
  61. Afinal, é Este ou Esse?
  62. É PÁSCOA. ONDE ESTÃO O COELHINHO E OS OVOS?
  63. A EDUCAÇÃO E A ÉTICA
  64. Que palavra usar: Humanização ou Fragilização da lei?
  65. Comunicação e Relacionamento Humano
  66. Línguas parecidas
  67. Duas fases da PALAVRA no grupo de Cristo
  68. DUAS PERGUNTAS PERTINENTES. E PREOCUPANTES
  69. No princípio era o Verbo
  70. O PODER DA IMPRENSA LIVRE
  71. A EDUCAÇÃO E A IMPRENSA
  72. EM ORATÓRIA, É PRECISO ESTAR SEGURO!
  73. PLEONASMOS: ESCRACHADOS, DISSIMULADOS E SUTIS...
  74. Travas e entraves da comunicação
  75. A vírgula... ah! a vírgula!
  76. BENEFÍCIO, PREVIDÊNCIA E PROVIDÊNCIA...NA GRAMÁTICA
  77. DELITOS NOVOS versus LEIS ANTIGAS...
  78. Uma palavra para ser usada... com cuidado!
  79. Juizeco e Chefete...
  80. UM POUCO DO DESCALABRO EDUCACIONAL
  81. O xis da questão...
  82. Inibição! Como e porque surge!
  83. COMO ANDA SUA ORATÓRIA FAMILIAR?
  84. PREMEIO ESSE EXCECIONAL SECTOR, SEM DECECIONAR NEM INDEMNIZAR!
  85. OS DOZE TRABALHOS DE...HÍFEN!
  86. COMO É QUE É MESMO?
  87. A Polissemia e o trágico fim do guia de turismo!
  88. A QUADRA QUE ENQUADRA...
  89. PALAVRAS “DENOREX”: PARECEM ... MAS NÃO SÃO!
  90. Oratória Negocial
  91. Quando o PLURAL não é o plural do SINGULAR...!
  92. “AMANHÃ EU VÔ NUM VIM TRABALHÁ....”
  93. A velha questão do “VOCÊ”...
  94. PALAVRINHAS que dão vontade de dizer um PALAVRÃO!
  95. “AS PREPOSIÇÕES E AS CONJUNÇÕES NA GRAMÁTICA E TAMBÉM NA PRÁTICA”
  96. “AS EMPRESAS SE ADEQUAM ÀS NOVAS CONDIÇÕES”
  97. A IMPORTÂNCIA DO LAZER
  98. Agüentar tranqüilo nunca mais. Trema, trema!
  99. PLEONASMO NOS OLHOS
  100. “ESTOU CORRENDO ATRÁS DO PREJUĺZO…”

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171