Contato: (11) 3043-4171

J. B. Oliveira

                Mais frases mal...ditas!

 

 

 

 

 

                                                                                                                                                           * J. B. Oliveira

 

 

 

 

 

 

 

Vale aqui a mesma observação feita anteriormente: a referência não é à palavra maldita, vocábulo que traduz a ideia de maldição, danação, imprecação, esconjuro, anátema etc., mas à palavra dita de forma incorreta, fora do objetivo contextual a que se destinava...

 

E aí recorremos à história recente do Brasil. Eu estava no serviço ativo da Força Aérea Brasileira na época da renúncia do 22º presidente da República, Jânio da Silva Quadros (25 de janeiro de 1917 – 16 de fevereiro de 1992), ocorrida em 25 de agosto de 1961. O inusitado fato trouxe uma fase de grande instabilidade política ao país.

 

Como os ministros militares resistiam à posse do vice-presidente João Goulart, o então presidente da Câmara dos Deputados Paschoal Ranieri Mazzilli (27 de abril de 1910 – 21 de abril de 1975), assumiu a presidência em dois curtos períodos: 25 de agosto a 8 de setembro de 1961 e 2 de abril a 15 de abril de 1964.

 

Em sua carta de renúncia, Jânio se queixava de pressões que o impediam de governar: “forças terríveis levantam-se contra mim, e me intrigam ou infamam...”!

 

Ao dar a notícia, o popular Repórter Esso – “O primeiro com as últimas” – usou a expressão “forças ocultas”, que acabou prevalecendo sobre a forma original.

 

Na sequência dos eventos, e para viabilizar a posse de João Goulart – reduzindo-lhe o poder – o regime parlamentarista foi implantado através de emenda aprovada em setembro de 1961. Com isso, Jango não seria Chefe de Governo, mas apenas Chefe de Estado, ou, como ironicamente se dizia, “Rainha da Inglaterra”!

 

Ninguém menos que Tancredo Neves foi o primeiro a exercer o cargo de Primeiro-Ministro, vindo a ser sucedido por Brochado da Rocha e depois por Hermes Lima. O regime durou até que um plebiscito o encerrou, em janeiro de 1963. A essa altura, o país estava praticamente ingovernável, mergulhado em profundo caos político e social, com manifestações e contramanifestações de grupos antagônicos – normalmente pró e contra o presidente João Goulart, o “Jango”. A indisciplina se instalara no meio militar, especialmente com as ações do Cabo Anselmo (José Anselmo dos Santos), líder da Revolta dos Marinheiros. Outros três eventos: a Revolta dos Sargentos (do Exército, Marinha e Aeronáutica – em defesa do direito de elegibilidade dos graduados), o Comício da Central do Brasil, em 13 de março de 1964 e a Festa do Automóvel Clube, no dia 30 do mesmo mês, foram a gota d’água para a eclosão da revolução de 31 de março, que instituiu o governo de exceção – governo militar – que por 21 anos permaneceria no poder...

 

O destaque, porém, é para a frases...

 

Na quadra mais furiosa, fervente e complicada que antecedeu o movimento de 31 de março, a frase que mais se ouvia era: “O Brasil está à beira do abismo!”

 

Com o acesso dos militares ao governo do país, afastada a ameaça da tomada do poder pelas forças de esquerda, surge o primeiro slogan de vitória: “O Brasil deu um passo à frente!”

 

Então, no período de ufanismo que se instalou na nação – bem representado por Dom e Ravel, em sua música “Eu te amo, meu Brasil, eu te amo” – a frase de efeito passou a ser mais forte: “Ninguém segura este país”!

 

 

 

O problema está no alinhamento sequencial das três expressões:

 

 

 

- O Brasil está à beira do abismo!

 

- O Brasil deu um passo à frente! e

 

- Ninguém segura este país!

 

 *J. B. Oliveira, consultor de empresas, é advogado, jornalista, professor e escritor.

É membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo e da Academia Cristã de Letras.

www.jboliveira.com.br – O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo." data-mce-href="mailto:O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.">O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Mais artigos...

  1. Qual é a forma correta: havia ou haviam?
  2. Porque os Homens não estão mais amando as Mulheres!
  3. Por que os homens dizem e as mulheres falam...
  4. AFILANDO AS FILAS!
  5. Direito de resposta
  6. Uma frase mal...dita!
  7. “Caso consigam serem os mais votados...”
  8. “O amor é forte como a morte”.
  9. Novos tempos na Política?
  10. O QUE SE ESPERA DO ADVOGADO
  11. “Eu quero é rosetar...”
  12. A importância histórica da Grafotécnica e Documentoscopia
  13. Sociedade Amigos da Cidade e o Zoneamento Urbano
  14. Influências americanas na língua italiana...
  15. Conteúdo e Forma
  16. “Toda a mulher sábia edifica a sua casa”
  17. Licitude, Moral, Ética... e algo mais!
  18. Silêncio...
  19. Verbos diferentes para seres diferentes...
  20. E “O homem do tempo”, heim?
  21. Ela o chamou pelo nome completo? Hum...!
  22. EDUCAÇÃO: OBJETIVOS E RECURSOS. E NOSSA REALIDADE
  23. O turismo descollorido
  24. Haviam ou havia?
  25. Entendeu? ... Ou quer que eu desenhe?
  26. “Aquele acentozinho enjoado chamado crase...”
  27. “O pior cego é o que não quer ver”
  28. “Fale agora ou cale-se para sempre...”
  29. “...muitas pessoas que sofrem de depressão sentem-se melhores...”
  30. É um momento 'onde' só a acusação tem vez e tem voz
  31. “Esse corretor mais atrapalha do que ajuda”!
  32. Línguas parecidas...I
  33. Os pronomes possessivos. E o comportamento dos filhos
  34. Comunicação visual: o que elas fazem. E eles não entendem...
  35. O JOVEM E A EDUCAÇÃO : UM BINÔMIO CRÍTICO
  36. Jerry Lewis, Ruy Castro e Amar e gostar...
  37. A prolixidade castigada...
  38. Pó... ou Vida?
  39. “20% das mais de 18 milhões de moedas...”
  40. Codificação e decodificação
  41. Grama: no jardim ou na balança?
  42. Uma arroba de história...
  43. Um sério RUÍDO na comunicação interpessoal...
  44. Alternativas. Na aviação e na Oratória...
  45. HÁ 39 ANOS...
  46. IMPROVISO!
  47. Recordar é viver...
  48. Variações do mesmo tema ...
  49. SAUDOSISMO... E CIVISMO!
  50. Afinal, é Este ou Esse?
  51. É PÁSCOA. ONDE ESTÃO O COELHINHO E OS OVOS?
  52. A EDUCAÇÃO E A ÉTICA
  53. Que palavra usar: Humanização ou Fragilização da lei?
  54. Comunicação e Relacionamento Humano
  55. Línguas parecidas
  56. Duas fases da PALAVRA no grupo de Cristo
  57. DUAS PERGUNTAS PERTINENTES. E PREOCUPANTES
  58. No princípio era o Verbo
  59. O PODER DA IMPRENSA LIVRE
  60. A EDUCAÇÃO E A IMPRENSA
  61. EM ORATÓRIA, É PRECISO ESTAR SEGURO!
  62. PLEONASMOS: ESCRACHADOS, DISSIMULADOS E SUTIS...
  63. Travas e entraves da comunicação
  64. A vírgula... ah! a vírgula!
  65. BENEFÍCIO, PREVIDÊNCIA E PROVIDÊNCIA...NA GRAMÁTICA
  66. DELITOS NOVOS versus LEIS ANTIGAS...
  67. Uma palavra para ser usada... com cuidado!
  68. Juizeco e Chefete...
  69. UM POUCO DO DESCALABRO EDUCACIONAL
  70. O xis da questão...
  71. Inibição! Como e porque surge!
  72. COMO ANDA SUA ORATÓRIA FAMILIAR?
  73. PREMEIO ESSE EXCECIONAL SECTOR, SEM DECECIONAR NEM INDEMNIZAR!
  74. OS DOZE TRABALHOS DE...HÍFEN!
  75. COMO É QUE É MESMO?
  76. A Polissemia e o trágico fim do guia de turismo!
  77. A QUADRA QUE ENQUADRA...
  78. PALAVRAS “DENOREX”: PARECEM ... MAS NÃO SÃO!
  79. Oratória Negocial
  80. Quando o PLURAL não é o plural do SINGULAR...!
  81. “AMANHÃ EU VÔ NUM VIM TRABALHÁ....”
  82. A velha questão do “VOCÊ”...
  83. PALAVRINHAS que dão vontade de dizer um PALAVRÃO!
  84. “AS PREPOSIÇÕES E AS CONJUNÇÕES NA GRAMÁTICA E TAMBÉM NA PRÁTICA”
  85. “AS EMPRESAS SE ADEQUAM ÀS NOVAS CONDIÇÕES”
  86. A IMPORTÂNCIA DO LAZER
  87. Agüentar tranqüilo nunca mais. Trema, trema!
  88. PLEONASMO NOS OLHOS
  89. “ESTOU CORRENDO ATRÁS DO PREJUĺZO…”
  90. UM MAGNO EQUÍVOCO
  91. SAVOIR FAIRE: COMO AS ÉPOCAS MUDAM AS PALAVRAS...
  92. BRIGADO POR QUÊ?
  93. “DIGITATORE TRADITORE”
  94. VOCÊS SABEM O QUE É DOCE DELEITE?
  95. NÓS E A PÁTRIA
  96. Afinal, qual é a posição correta das bandeiras?
  97. ANUNCIARAM O HINO NACIONAL! O QUE DEVO FAZER?
  98. EXÓRDIO... QUE REMÉDIO É ESSE?
  99. Por conta dos vícios de linguagem...!
  100. O ÓPTIMO ACTO DE ADOPTAR OBJECÇÕES

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171