ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

J. B. Oliveira

 

Até tu, Waze?

 

 

                                                                                                                                                           * J. B. Oliveira

 

 

“Wase é uma aplicação para smartphones ou dispositivos móveis similares baseada na navegação por satélite (ex: GPS) e que contém informações de usuários e detalhes sobre rotas, dependendo da localização do dispositivo portátil na rede. Foi desenvolvida pela start-up Waze Mobile de Israel, empresa que foi adquirida pela Google em 2013. Waze ganhou o prêmio de melhor aplicativo portátil de 2013 no Congresso Mundial de Portáteis, derrubando o Dropbox, Flippboard e outros.”

Esse genial aplicativo está presente em praticamente todos os países do mundo. Falando a língua de cada um, é claro. A propósito, meu filho conserva a fonia do Wase em italiano, desde que o usou lá no Velho Mundo. Perguntei-lhe por que e ele disse que é para treinar o idioma...

 

Bem, satisfeita a curiosidade primeira – sobre o significado e origem desse sofisticado equipamento eletrônico – resta esclarecer outra...

Como todo mundo, no mundo todo, também me valho do Wase em meus deslocamentos por carro. Sou testemunha viva, portanto, de como ele facilitou nossa vida! Antes, recorríamos ao Google Maps, e imprimíamos tanto o mapa de localização do destino a que nos dirigiríamos como também o roteiro detalhado de todo o percurso até lá... e íamos, desconfortavelmente, olhando para ele durante o deslocamento... Em épocas anteriores, os parcos recursos eram meramente físicos: bancas de jornal e postos de gasolina (que podia ser qualquer um, não necessariamente o Posto Ipiranga...).

Hoje, a pessoa se senta ao volante, faz a conexão com a “carinha” rechonchuda e sorridente do aplicativo e já ouve a mensagem: “Estamos prontos, dirija com segurança” ou “Vamos pegar a rua Tal, zona de rodízio” ou equivalente, e a partir daí as instruções vão sendo dadas por fonia, enquanto o visor do celular mostra o caminho a seguir, com os mais diversos detalhes... Como dizia um personagem do Jô Soares: “É ‘chose de loc’” (claro que já fazendo humor, porque louco em francês é folle...).

O detalhe é que essa fonia – essa vozinha que vai falando com o motorista em seu itinerário – pode ser com voz masculina ou feminina. Já ouvi uma em que a voz era do Sílvio Luiz, com todos os jargões que ele costuma usar, começando por tratar o motorista de “campeão”. Uma outra versão, também masculina, é de um neurastênico desbocado, que fica nervoso e ofende quando sua instrução não é seguida: “Seu idiota! Eu disse para virar à esquerda!” e por aí afora...

 

A curiosidade vem em razão da constatação relatada a seguir. Quando a voz é masculina, a orientação que transmite é mais ou menos assim: “Em mil e duzentos metros, vire à direita, na rua Tal.” Cala-se e só voltará a falar ao serem cumpridos os 1.200 metros, quando dirá: “Vire à direita na rua Tal”.

Agora, quando a voz é de mulher...! Ela dirá: “Em mil e duzentos metros, vire à direita, na rua Tal”; “a novecentos metros, vire à direita na rua Tal”; “a seiscentos metros, vire à direita, na rua Tal”; “a trezentos metros, vire à direita, na rua Tal”; “a duzentos metros, vire à direita, na rua Tal”; “a cem metros, vire à direita, na rua Tal”; “a cinquenta metros, vire à direita, na rua Tal”; “vire à direita na rua Tal”!

Dia desses, minha nora estava dirigindo com o auxílio do Waze. Junto com ela, minha netinha Maria Helena, de quatro anos. A certa altura, explodiu a menininha: “Puxa! Mamãe, essa mulher não para de falar!!!”

Apesar disso eu, particularmente, prefiro a voz feminina. Ouço-a com toda paciência (afinal, depois de 47 anos de casamento, já estou acostumado...). Só deixo de ouvi-la quando vou a algum velório ou a enterro. Causa-me mal-estar a indefectível frase: “Você chegou ao seu destino”!

 *J. B. Oliveira, consultor de empresas, é advogado, jornalista, professor e escritor.

É membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo e da Academia Cristã de Letras.

www.jboliveira.com.br – O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Mais artigos...

  1. Palavras da mais sábia das mulheres: a mãe!
  2. Matrimônio... ou Patrimônio?
  3. Os mais imbecis e insensíveis dos homens!
  4. “Brasil acima de tudo; Deus acima de todos”!
  5. Antes de ligar a boca...
  6. Estelionato conjugal!
  7. O GRUPO DE CRISTO
  8. Intuição existe mesmo? E... funciona?
  9. Você se comunica em branco e preto?
  10. Pasmem: o ser humano está deixando de existir!
  11. Será que fui claro?
  12. Onde, mesmo, começa a comunicação?
  13. A redação da filhinha do ministro de Brasília...
  14. Aí vão mais frases mal...ditas!
  15. Da “Voz do Povo” à Imprensa Oficial do Estado...
  16. Mais frases mal...ditas!
  17. Qual é a forma correta: havia ou haviam?
  18. Porque os Homens não estão mais amando as Mulheres!
  19. Por que os homens dizem e as mulheres falam...
  20. AFILANDO AS FILAS!
  21. Direito de resposta
  22. Uma frase mal...dita!
  23. “Caso consigam serem os mais votados...”
  24. “O amor é forte como a morte”.
  25. Novos tempos na Política?
  26. O QUE SE ESPERA DO ADVOGADO
  27. “Eu quero é rosetar...”
  28. A importância histórica da Grafotécnica e Documentoscopia
  29. Sociedade Amigos da Cidade e o Zoneamento Urbano
  30. Influências americanas na língua italiana...
  31. Conteúdo e Forma
  32. “Toda a mulher sábia edifica a sua casa”
  33. Licitude, Moral, Ética... e algo mais!
  34. Silêncio...
  35. Verbos diferentes para seres diferentes...
  36. E “O homem do tempo”, heim?
  37. Ela o chamou pelo nome completo? Hum...!
  38. EDUCAÇÃO: OBJETIVOS E RECURSOS. E NOSSA REALIDADE
  39. O turismo descollorido
  40. Haviam ou havia?
  41. Entendeu? ... Ou quer que eu desenhe?
  42. “Aquele acentozinho enjoado chamado crase...”
  43. “O pior cego é o que não quer ver”
  44. “Fale agora ou cale-se para sempre...”
  45. “...muitas pessoas que sofrem de depressão sentem-se melhores...”
  46. É um momento 'onde' só a acusação tem vez e tem voz
  47. “Esse corretor mais atrapalha do que ajuda”!
  48. Línguas parecidas...I
  49. Os pronomes possessivos. E o comportamento dos filhos
  50. Comunicação visual: o que elas fazem. E eles não entendem...
  51. O JOVEM E A EDUCAÇÃO : UM BINÔMIO CRÍTICO
  52. Jerry Lewis, Ruy Castro e Amar e gostar...
  53. A prolixidade castigada...
  54. Pó... ou Vida?
  55. “20% das mais de 18 milhões de moedas...”
  56. Codificação e decodificação
  57. Grama: no jardim ou na balança?
  58. Uma arroba de história...
  59. Um sério RUÍDO na comunicação interpessoal...
  60. Alternativas. Na aviação e na Oratória...
  61. HÁ 39 ANOS...
  62. IMPROVISO!
  63. Recordar é viver...
  64. Variações do mesmo tema ...
  65. SAUDOSISMO... E CIVISMO!
  66. Afinal, é Este ou Esse?
  67. É PÁSCOA. ONDE ESTÃO O COELHINHO E OS OVOS?
  68. A EDUCAÇÃO E A ÉTICA
  69. Que palavra usar: Humanização ou Fragilização da lei?
  70. Comunicação e Relacionamento Humano
  71. Línguas parecidas
  72. Duas fases da PALAVRA no grupo de Cristo
  73. DUAS PERGUNTAS PERTINENTES. E PREOCUPANTES
  74. No princípio era o Verbo
  75. O PODER DA IMPRENSA LIVRE
  76. A EDUCAÇÃO E A IMPRENSA
  77. EM ORATÓRIA, É PRECISO ESTAR SEGURO!
  78. PLEONASMOS: ESCRACHADOS, DISSIMULADOS E SUTIS...
  79. Travas e entraves da comunicação
  80. A vírgula... ah! a vírgula!
  81. BENEFÍCIO, PREVIDÊNCIA E PROVIDÊNCIA...NA GRAMÁTICA
  82. DELITOS NOVOS versus LEIS ANTIGAS...
  83. Uma palavra para ser usada... com cuidado!
  84. Juizeco e Chefete...
  85. UM POUCO DO DESCALABRO EDUCACIONAL
  86. O xis da questão...
  87. Inibição! Como e porque surge!
  88. COMO ANDA SUA ORATÓRIA FAMILIAR?
  89. PREMEIO ESSE EXCECIONAL SECTOR, SEM DECECIONAR NEM INDEMNIZAR!
  90. OS DOZE TRABALHOS DE...HÍFEN!
  91. COMO É QUE É MESMO?
  92. A Polissemia e o trágico fim do guia de turismo!
  93. A QUADRA QUE ENQUADRA...
  94. PALAVRAS “DENOREX”: PARECEM ... MAS NÃO SÃO!
  95. Oratória Negocial
  96. Quando o PLURAL não é o plural do SINGULAR...!
  97. “AMANHÃ EU VÔ NUM VIM TRABALHÁ....”
  98. A velha questão do “VOCÊ”...
  99. PALAVRINHAS que dão vontade de dizer um PALAVRÃO!
  100. “AS PREPOSIÇÕES E AS CONJUNÇÕES NA GRAMÁTICA E TAMBÉM NA PRÁTICA”

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171