Contato: (11) 3043-4171

No fundo de um galpão

Houve uma quebra de paradigma. A crise do modelo de comunicação se espalhou rapidamente. Os dirigentes dos locais onde os livros eram produzidos não entenderam o que acontecia no mundo.

Havia uma aceleração do processo histórico como nunca visto na história da humanidade e os velhos métodos de difusão da cultura foram ultrapassados. A economia ganhou uma nova velocidade, o comércio se internacionalizou e cada vez mais os empreendedores e a população exigiam o acesso ao conhecimento e ás notícias.

Os velhos métodos não eram capazes de produzir imagens com clareza, e com isso atrapalhavam a evolução da ciência em geral, mas especialmente a geografia e a biologia. Os desenhos, gráficos, mapas e atlas eram incompletos, com pouca informação e não atendiam a um mercado de consumo que crescia de forma acelerada.

As instituições responsáveis pelos livros estavam perdidas não entendiam o que estava acontecendo e porque a produção não atendia o interesse da sociedade. Não era apenas a censura que atrapalhava, era a tecnologia utilizada.

A velha forma de produzir livros insistia nas belíssimas coleções, com capas caríssimas com coloridas gravuras o que encarecia o produto. Os livros eram morosamente produzidos. Jaziam enfileirados em velhas estantes de madeiras raras. Além disso, como a produção estava concentrada em algumas instituições a censura se realizava de maneira cruel.

Obras de pensadores, filósofos e intelectuais suspeitos de subversão da ordem e da religião não tinham a menor condição divulgar suas ideias e ainda corriam o risco de sofrer árdua perseguição. Os médicos e fisiologistas que publicavam seus trabalhos com imagens de órgãos humanos, para pesquisa e cura, eram perseguidos e sujeitos á pena de morte, sob a acusação de feitiçaria e práticas demoníacas.

A demora da produção de um livro era explicada pela qualidade do material usado e o uso de letras artisticamente coloridas que davam graça e autenticidade ao texto que se seguia. Eram conhecidas como iluminuras medievais.

O responsável pela quebra do paradigma da produção de livros foi um solitário que tinha um pequeno armazém, semelhante a uma garagem de carroça. Mal sabia ele que seria responsável mais importante mudança do segundo milênio. Deu início a quebra do paradigma da produção de livros e conhecimento que estavam encarceradas nos mosteiros católicos. De lá só saiam com autorização eclesiástica.

Os copistas eram responsáveis pela reprodução das obras, entre elas a volumosa bíblia em latim. As iluminuras enfeitavam ricamente a abertura das páginas. O custo era altíssimo. O tempo de reprodução da obra era imprevisível. Tudo isso veio abaixo quando a pequena oficina comandada pelo artesão Joham Gutenberg começou a funcionar.

Ele desenvolveu um sistema de letras, ou tipos, móveis, que revolucionou a produção impressa. Os copistas e os monastérios foram abandonados. Gutenberg foi acionado para publicar as obras que a Igreja insistia em censurar. Com isso a ciência, arte, literatura ganharam um púbico nunca antes imaginado. Até o cristianismo europeu recebeu um impacto da nova era da comunicação quando Matin Lutero traduziu a bíblia para o alemão e Gutenberg publicou.

Com isso os fiéis puderam ter acesso direto á fonte e formar sua própria opinião, sem qualquer interferência, como um internauta que tem acesso à internet no seu celular e não depende de mais ninguém para fazer as suas escolhas.

Qualquer semelhança com os dias atuais não é uma semelhança, é uma quebra de paradigma.

(*) - Editor chefe do Jornal da Record News em multiplataforma.

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171