Geraldo Nunes, jornalista e memorialista,
integra a Academia Paulista de História.
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Os 80 anos do “novo” Viaduto do Chá

No dia 18 de abril de 1938 São Paulo se despedia do antigo Viaduto do Chá. Em seu lugar estava sendo inaugurado um substituto muito mais moderno, todo em concreto e asfaltado para assim dinamizar a cidade que respirava progresso com as pessoas andando apressadas de um lado para o outro

 

d01b63eadd0abe8b8b13ab97c57caf84 temporarioviaduto-chc3a1-1920 temporariocartc3a3o-postal-de-1923 temporario

A história do Viaduto do Chá, começava, entretanto, 46 anos antes com a inauguração em 1892 da primeira ligação entre o velho Centro e a margem posterior do Anhangabaú ainda em céu aberto toda em aço importado da Alemanha e piso de madeira. “Quando o bonde passava, as tábuas do tabuleiro do velho Viaduto do Chá trepidavam fazendo barulho”, relembra o poeta Paulo Bomfim, 91 anos, que conheceu a ponte original quando menino.

Nas páginas de O Estado de São Paulo a notícia da inauguração de um outro viaduto, mais estruturado, em 1938, era explicada pelo fato da antiga estrutura estar sobrecarregada e se temia que não suportasse o peso de tantos veículos e pessoas circulando ao mesmo tempo. A prefeitura se antecipava ao problema evitando uma possível tragédia, tomando as providências em tempo, com a aprovação do povo e do jornal.

A construção do novo viaduto com a assinatura de Belisário Baiana, começou dois anos antes, na gestão do então prefeito Fábio da Silva Prado e foi concluída faltando um mês para a entrega do cargo ao sucessor, Francisco Prestes Maia. Durante as obras o “Velho Chá” continuou servindo à população com os serviços acontecendo em paralelo. Ficou decidido que o nome original seria mantido em homenagem aos idealizadores.

Antes da travessia o que existia no lugar era um barranco aos fundos de um casarão onde terminava a Rua Direita, bem na esquina com a Líbero Badaró, antiga Rua de São José. A Praça do Patriarca ainda não existia. Na outra margem do córrego crescia um bairro, então chamado Morro do Chá, com ruas de terra e esburacadas, algumas casas, também chácaras e vida rural.

viaduto cha2 temporarioPara se ter uma ideia, A Província de São Paulo, em 15 de agosto de 1877, denunciava as condições precárias daquela região: “Falta luz, sobra lama e ausência de polícia”. Naquele mesmo ano, no mês de outubro, o litógrafo Jules Martin apresentaria seu projeto considerado arrojado e inovador para a época no qual propunha a construção de um viaduto ligando o Centro ao Morro do Chá.

Após pressões favoráveis e contrárias, o projeto foi aprovado tendo sido necessária a criação de uma empresa voltada exclusivamente para construir a ponte, cujo custo girava entre 600 e 800 contos de réis, uma fábula para os cofres públicos. O Barão de Tatuí, cujo nome era Francisco Xavier Paes de Barros e a sua segunda esposa, viúva do Barão de Itapetininga, herdeira das plantações de chá que margeavam o Anhangabaú, entraram na justiça para impedir o andamento dos trabalhos.

No projeto contava a demolição da ampla casa de dois andares onde o casal residia. O assunto ganhou as páginas dos jornais e a sentença, depois de muitas discussões e apelações, determinou a demolição do sobrado. Foi o primeiro caso de desapropriação na história da cidade noticiada pela imprensa. Só depois com o término do processo a companhia responsável pela construção pode então importar a armação metálica para a montagem do primeiro viaduto que ajudou São Paulo a crescer. A obra iniciada em 1889, ficou pronta no dia inauguração a 6 de novembro de 1892. Seu custo foi tão elevado que se tornou necessária a cobrança de um pedágio urbano durante cinco anos para o pagamento das contas ao custo de três vinténs pela passagem de cada veículo.1438200777166 temporario

O Viaduto do Chá original propiciou a ampliação da cidade tendo surgido no seu entorno importantes serviços graças às construções do Teatro Municipal, em 1911, e de um vizinho também ilustre, o Viaduto Santa Ifigênia, entregue a partir de 1913, que segue vivo e transformado em passarela para pedestres no seu modelo também em aço, mas importado da Bélgica. Depois da canalização do Anhangabaú vieram os edifícios Martinelli e Alexander Mackenzie (atual Shopping Light), em 1929. Outro edifício importante, o atual Palácio do Anhangabaú é outra marca registrada. Construído pela família Matarazzo durante as obras do atual do Viaduto do Chá, foi entregue no final da década de 1930.

Na parte de baixo do viaduto em concreto chegou a existir nos 1970 – 80, uma passarela para pedestres implantada nos tempos em que o trânsito da Avenida Prestes Maia se juntava ao da Avenida 23 de Maio e de um outro corredor, a Avenida Nove de Julho através de uma passagem subterrânea que ganhou o apelido “buraco do Adhemar”, em lembrança a um antigo prefeito, Adhemar Pereira de Barros que também foi governador.

Hoje em dia o Chá já não é mais uma importante ligação viária para o tráfego urbano. Novas vias surgiram e o lugar se tornou um espaço mais aprazível tendo abaixo um bulevar que cobre dois túneis por onde circulam os carros de um o trânsito ainda apressado. Do lado de cima surgiu a possibilidade de se caminhar sem a mesma pressa de outros tempos com a implantação de um bulevar, em 1990. Ainda atraente, o Viaduto do Chá continua sendo um dos lugares mais fotografados da cidade servindo ainda de cartão postal para os que não conhecem, mas almejam um dia visitar São Paulo.

Mais artigos...

  1. Capelas que ajudam a contar a história do Grande ABC e de São Paulo
  2. Em São Paulo a tradição das capelas segue mantida
  3. O Dia Mundial do Rádio e as confusões do carnaval
  4. Dançarinas de aluguel que atuavam nos taxi-dancings de São Paulo
  5. Era uma vez um repórter aéreo na noite do réveillon
  6. Lendas e Verdades sobre o Natal
  7. Alguém ainda duvida que Elvis não morreu?
  8. Greve Geral há cem anos traz reflexões sobre o momento atual
  9. Jânio Quadros volta a ser assunto na cidade após entrega dos “Arcos”
  10. Machado de Assis e os 178 anos de um texto que não envelhece
  11. Os 50 anos do disco mais emblemático dos Beatles
  12. Conheça os fatos que marcaram a fatídica noite de 23 de maio de 1932
  13. Os 80 anos da Rádio Bandeirantes e a democracia no Brasil
  14. São Paulo com suas ruas e bairros de nomes polêmicos
  15. São Paulo de Todos os Tempos e o sentido de respeito à cidade
  16. O fim da Rádio Estadão é só um pedaço da crise instalada na mídia
  17. Há 150 anos o trem chegava a São Paulo
  18. Bravo Maestro, ou Maestro Bravo?
  19. Belém ou Belenzinho? Eis a questão
  20. “Novos Cangaceiros” agem no interior do Nordeste como nos tempos de Virgulino Ferreira, o “Lampião”
  21. Memórias de um repórter aéreo no aniversário da cidade
  22. A estrela sobe
  23. Circulando de carro por uma São Paulo que não volta mais
  24. Um passeio na história paulistana para quem visita a Liberdade
  25. Os 50 anos do álbum Revolver e a curiosa história de Eleanor Rigby
  26. Na festa da Rádio Nacional preocupação e saudades
  27. Paralimpíadas prometem marcar história no Brasil
  28. Morre o policial criador do Museu do Crime
  29. A curiosa passagem de um cronista inglês pelo Brasil de 1927
  30. Postura do povo paulista em 32 é exemplo para nossos dias
  31. Narrações esportivas da Copa 50 são doadas ao Museu do Futebol
  32. Vamos falar da Mooca?
  33. Os reis do futebol
  34. Esculápios, Boticas e Misericórdias na Piratininga D’Outrora
  35. A magia da vida nas canções de Gal Costa
  36. Conheça a verdadeira história da Revolução Constitucionalista
  37. A Era do Rádio
  38. São Paulo mantém mas não preserva a lenda do DC-3
  39. Os 20 anos do Windows 95 e o museu brasileiro do computador
  40. 50 anos depois a Jovem Guarda já é vista com melhores olhos
  41. Estados Unidos reabrem embaixada com festa e desconfiança
  42. Constellation: uma viagem aérea e musical pelo Rio de Janeiro antigo
  43. Há 60 anos surgia a fábrica de sonhos de Walt Disney
  44. Da maioridade de Dom Pedro II aos dias atuais, o Brasil sempre foi um país de “pedaladas”
  45. Marisa Monte reconhecida entre as melhores da MPB
  46. Estatuto da Pessoa com Deficiência: agora começa luta para qualificar a mão de obra
  47. A verdadeira história da Revolução Constitucionalista
  48. Marreco jogou melhor no tricolor do que Pato e Ganso
  49. Maria Bethânia: quinta melhor voz da MPB em todos os tempos
  50. Você já foi chamado de “coxinha”?
  51. Descubra o que São Paulo perdeu visitando acervo digital
  52. Descubra o que São Paulo perdeu visitando acervo digital (2)
  53. Livro e exposição resgatam chegada do zepelim ao Brasil
  54. Arqueólogas descobrem no Rio caminho secreto de Dom Pedro I
  55. Mostra desvenda a figura do Morgado de Mateus
  56. Em novo livro Gilles Lapouge declara seu amor ao Brasil