Em discurso sobre esporte, Dilma diz que é preciso respeitar adversários

A presidenta Dilma Rousseff recebe as delegações que representaram o Brasil nos Jogos Pan-Americanos e Parapan-Americanos de Toronto, no Palácio do Planalto.

A presidenta Dilma Rousseff recebeu a delegação brasileira que representou o Brasil nos Jogos
Pan-Americanos e Para Pan-Americanos de Toronto em uma cerimônia que também comemorou os dez anos do Programa Bolsa Atleta

Dilma disse que se emocionou com as histórias de superação, principalmente dos para-atletas, e elogiou o que chamou de “ética do esporte”, com valores ligados à cooperação e ao respeito ao adversário.
“[O esporte] mostra que é possível sofrer derrotas, dificuldades no caminho, mas que todo atleta levanta e segue em frente. Muitas vezes não ganha na primeira, mas ganha na segunda ou ganha na terceira e segue lutando para ganhar e respeita também o resultado do outro atleta que é o vencedor”.
Dilma citou o nadador Thiago Pereira, que se tornou o maior medalhista de jogos pan-americanos, com 23 medalhas, uma a mais que o cubano Erick Lopez, como exemplo dos ensinamentos do esporte sobre respeito ao adversário, mesmo que o placar seja apertado.
“Fiquei muito feliz em saber que o Thiago ganhou por uma medalha do cubano, ele tem 23 e o cubano tem 22 e aí ele é o maior atleta pan-americano. É obvio que ele respeita o cubano que tem 22, mas é inequívoco que ele é o primeiro nessa história. Essa é uma da ética do esporte, você vence, mas respeita o adversário, porque o adversário qualifica o vencedor”, comparou.
A presidenta comemorou os resultados de dez anos do Bolsa Atleta, que beneficiou 15 mil atletas com R$ 600 milhões, e disse que o governo vai seguir aplicando recursos na formação e no apoio a esportistas brasileiros.
“Vamos continuar investindo de forma determinada e consistente no esporte nacional. Vamos continuar aperfeiçoando a Bolsa Atleta, a Bolsa Pódio e dar suporte a atletas que permitem que Brasil mostre sua força e sua capacidade nos jogos".
Dilma também destacou a construção de 18 centros de treinamento para formação de atletas e a preparação para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de 2016 como oportunidades de avanço nas políticas de esporte e convocou a torcida brasileira a apoiar os atletas nacionais nas competições do ano que vem (ABr).

Venezuela faz censo da população que vive ao longo da fronteira com a Colômbia

Soldados colombianos são observados por militares venezuelanos, enquanto ajudam compatriotas a atravessar a fronteira dos dois países, pelo Rio Tachira.

O governo venezuelano iniciou ontem (27) um censo da população que vive e trabalha ao longo dos 2,2 mil quilômetros da fronteira com a Colômbia. Na semana passada, mais de mil colombianos que viviam ilegalmente no estado venezuelano de Tachira foram deportados ou fugiram, levando o que podiam, depois que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou o fechamento de parte da fronteira e estado de emergência constitucional em seis municípios.
O fechamento foi anunciado há sete dias, depois que um civil e três militares venezuelanos foram atacados pelas costas por homens armados, que fugiram de moto. Os soldados estavam patrulhando a região de Tachira, para impedir o contrabando de alimentos e gasolina subsidiados pelo governo da Venezuela e vendidos a preços mais caros na Colômbia. Maduro atribuiu o ataque a “paramilitares colombianos”.
Na quarta-feira (26), as chanceleres da Colômbia, María Ángela Holguín, e da Venezuela, Delcy Rodríguez, reuniram-se na cidade colombiana de Cartagena das Índias para discutir a crise. “Foi a reunião mais franca e realista que tivemos”, disse Holguín. Ambas concordaram que, embora o contrabando prejudique os dois países, a Venezuela é mais prejudicada, pois enfrenta uma crise financeira e de desabastecimento, devido à queda no preço do petróleo, principal produto de exportação.
A chanceler venezuelana Delcy Rodríguez atribuiu boa parte da crise às notícias “mentirosas” divulgadas pela imprensa, sobre os maus-tratos aos colombianos deportados. A crise ocorre em ano eleitoral nos dois paises: em outubro os colombianos elegerão governadores de 32 departamentos (equivalentes aos estados brasileiros) e prefeitos de mais de mil municípios. Em dezembro, a Venezuela realizará eleições legislativas.

Vacinação contra a pólio tem procura abaixo do esperado em São Paulo

A menos de cinco dias para encerrar a 36ª Campanha Nacional contra a Poliomielite, pouco mais da metade do público-alvo de São Paulo compareceu aos postos de vacinação. Segundo a Secretaria Estadual da Saúde, foram imunizadas 1,4 milhão de crianças quando a meta é vacinar 2,3 milhões com idade entre 6 meses e 5 anos incompletos.
Só na capital paulista, as doses aplicadas atingiram 311.659 ante um total de 684.205 que deveria receber o medicamento. A campanha começou no último dia 15 e vai até a próxima segunda-feira (31).
A secretaria alerta que, apesar de não ser registrado nenhum caso de poliomielite no estado de São Paulo, há 27 anos, os pais ou os responsáveis devem levar as crianças para tomar as duas gotinhas da vacina Sabin. O poliovírus selvagem ainda circula nos continentes Africano e Asiático, principalmente no Afeganistão e no Paquistão, onde até julho deste ano, ocorreram 34 casos da doença conhecida como paralisia infantil (ABr).

Mujica diz que narcotráfico é pior do que a maconha

Ex-presidente do Uruguai e atual senador José Mujica.

O ex-presidente do Uruguai e atual senador José Mujica defendeu, no Rio, que a descriminalização das drogas é o melhor combate ao narcotráfico. O tema está em pauta no Supremo Tribunal Federal (STF).
"Iniciamos essa experiência no Uruguai e não sabemos no que vai dar, mas o que estava sendo feito não dava resultados. O narcotráfico é pior do que a droga. O que queremos é regularizar o consumo, assegurar que o consumidor possa comprar uma dose sem ter que recorrer ao narcotráfico", disse o senador.
Durante seu mandato, de 2010 a 2015, o Uruguai aprovou a descriminalização da maconha, o casamento homoafetivo e a legalização do aborto.
Mujica não quis comentar a crise política no Brasil, mas afirmou que o país “tem força suficiente para superar as dificuldades. O problema é que vocês só veem derrotismo e acham que nada serve. Se teve gente que se equivocou, deve ser punida, mas vocês têm que seguir em frente”.
A simplicidade do ex-presidente, que vive sem luxos, é uma das suas características. Para ele, os políticos devem viver como a maioria do povo e não como uma minoria privilegiada. "Se você se acostuma a comer na mesa dos ricos, pensará que é rico. Não há homem grande, há causa grande", completou Mujica.
O ex-presidente uruguaio participa hoje à noite de um encontro com estudantes na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (ABr).

PF desarticula maior quadrilha de traficantes de drogas sintéticas do país

Cerca de 400 policiais federais cumpriram 145 mandados judiciais em Goiás, em São Paulo, no Paraná, no Tocantins, na Bahia, em Minas Gerais e no Distrito Federal. Foram 30 mandados de prisão temporária, oito de prisão preventiva, 40 de condução coercitiva, 55 de busca e apreensão e 12 de sequestros de bens imóveis, incluindo um prédio residencial de 20 apartamentos.
De acordo com nota da PF, a quadrilha utilizava empresas regularizadas para a aquisição de produtos químicos usados para sintetizar os mais variados tipos de droga – desde anfetaminas até cocaína.
“A grande quantidade de produtos químicos adquiridos chamou a atenção dos investigadores, que constataram um esquema econômico organizado para o tráfico, com a participação de farmácias, laboratórios e vendedores, que se utilizavam de veículos de luxo para comercializar a mercadoria ilegal”, destacou o comunicado.
Ainda segundo a PF, durante as investigações, foram desmontados oito laboratórios sendo que, em apenas um deles, foram apreendidos cerca de 630 mil comprimidos conhecidos como ecstasy do Paraguai, também usados como rebite, prontos para o consumo (ABr).

Mais Lidas