Pará faz campanha de combate ao escalpelamento

 As vítimas de escalpelamento recebem atendimento médico e apoio psicológico, durante o difícil e longo processo de recuperação.

Começou ontem (24) e vai até sexta-feira (28), no Pará, uma campanha de combate ao escalpelamento – que ocorre quando as vítimas têm cabelos, orelhas e outras partes do rosto arrancados quando os cabelos se enroscam no eixo dos motores das embarcações durante o transporte em rios

A mobilização quer alertar a população ribeirinha sobre os riscos desse acidente, comum na região amazônica.
Entre as ações da campanha, a promotora de Justiça Suely Catete, da Comissão de Erradicação dos Acidentes com Escalpelamento no Pará, destaca o trabalho direcionado aos barqueiros, para incentivar a cobertura do eixo do motor das pequenas embarcações. Segundo ela, a Marinha fornece essas coberturas de forma gratuita. “Só que, infelizmente, muitos não aceitam ou aceitam e depois retiram porque acham que dificulta a retirada de água nas pequenas embarcações”.
O escalpelamento ocorre quando o eixo de um barco, em rotação, enrosca os cabelos de uma pessoa, arrancando-os bruscamente. Em muitos casos, além de ter os cabelos arrancados, a vítima sofre lesões nas orelhas e sobrancelhas. Segundo a promotora, só no primeiro semestre de 2015 o Pará registrou seis acidentes como esse. “A última ou a penúltima vítima foi uma criança, a avó estava sentada perto do motor e resolveu deitar a cabeça da criança com o cabelo solto. Aí achou que nunca ia acontecer. Esse é o grande problema: as pessoas acham que nunca vai acontecer”, disse Suely.
Há quatro anos, a assistente social Maria Cristina dos Santos apoia uma ONG que atende a ribeirinhos vítimas de acidentes com motor, a Orvam. Para ela, o maior problema enfrentado pelas mulheres escalpeladas é o preconceito. “Às vezes, os familiares abandonam essas mulheres, essas crianças. Há maridos que abandonaram suas mulheres, namorados que abandonaram as namoradas. Aquela mulher já passou por uma situação tão delicada e ainda foi abandonada pela família, que não teve estrutura emocional para superar junto com a mulher esse problema. isso é o mais dolorido”, explicou.
A Orvam recebe doações de cabelos para a confecção de perucas, que são repassadas exclusivamente a mulheres vítimas de escalpelamento. As doações podem ser enviadas à sede da Orvam, na Avenida João Paulo Segundo, Lote 134, Bairro Castanheira, em Belém, no Pará (ABr).

Eduardo Paes: obras para Jogos Olímpicos estão no prazo

Prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes.

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, disse que as obras para os Jogos Olímpicos Rio 2016 serão entregues no prazo, graças às parcerias com o setor privado. Durante encontro com empresários da Associação Comercial de São Paulo, ele explicou que o orçamento olímpico foi R$ 38,67 bilhões, dos quais 57% foram investimentos privados. “Isso deixará um legado olímpico de R$ 24,6 bilhões. O orçamento do comitê organizador foi R$ 7 bilhões. Ou seja, a grande maioria [do investimento é] privado”, disse.
Ele reforçou que o investimento nas arenas foi R$ 6,67 bilhões, com 64% de participação privada, o que corresponde a R$ 4,23 bilhões. “Essas obras não seriam feitas se não fosse pelas olimpíadas. Esse é um ativo que precisamos mostrar. Mostrar que existe outro Brasil além daquele país lento que não funciona e não entrega as coisas no prazo. Que temos o prazo do setor privado, setor no qual apostamos para fazer essas obras”.
Paes lembrou que para despertar interesse do setor privado foi preciso garantir retorno aos investidores. “O parque olímpico era obrigação do governo federal, mas vi que ia ficar parecido com a Copa e resolvi lançar a PPP. Conseguimos viabilizar liberando ganho para o poder privado com o poder público dando seus limites”. Segundo o prefeito, havia previsão para executar 17 projetos legado, mas a prefeitura entregará 27 projetos.
“Todos que passarem pelo centro do Rio, onde há obras, saberão que não há um tostão do imposto da população carioca investido ali. E o que faz com que as olimpíadas do Rio estejam no prazo é o fato de que não há tanto dinheiro da União envolvido. É uma oportunidade de o Brasil mostrar que podemos fazer as coisas, que temos engenharia e setor privado capaz de entregar as coisas no prazo” (ABr).

Merkel cobra rapidez de Grécia e Itália contra imigração

Chanceler da Alemanha, Angela Merkel.

Envoltas em inúmeras dificuldades para receber as centenas de imigrantes clandestinos que chegam todos os dias ao seu litoral, Grécia e Itália receberam um chamado da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, para “agirem rápido” para conter a crise migratória.
Segundo ela, essas nações devem abrir rapidamente centros de cadastro para solicitantes de refúgio. “Estabelecemos com os chefes de governo que se criem centros de registro nos países particularmente atingidos pelas primeiras chegadas, como Grécia e Itália. Isso deve acontecer rapidamente, ainda neste ano, não podemos aceitar atrasos”, disse.
A declaração foi dada em uma coletiva de imprensa conjunta em Berlim com o presidente francês, François Hollande, que também pediu para Atenas e Roma “acelerarem” esse processo. “É indispensável que esses centros sejam feitos”, declarou. Nos próximos dias, os ministros do Interior de Alemanha e França devem propor um documento com novas medidas contra a crise migratória na Europa. Apenas no primeiro semestre de 2015, a União Europeia recebeu 400 mil solicitações de asilo. Para efeito de comparação, em 2014 inteiro foram cerca de 600 mil pedidos.
Além disso, em julho, o bloco registrou a entrada de 107,5 mil imigrantes ilegais, o número mais alto de toda a sua história para um único mês. Atualmente, além de Grécia e Itália, o problema tem se agravado na cidade francesa de Calais - de onde sai o túnel submarino que conecta o país ao Reino Unido - e na Hungria, que recebe clandestinos provenientes dos Bálcãs (ANSA).

EI cria ‘califado’ em região de Sirte, na Líbia

Os jihadistas criaram uma espécie de “califado” na região.

Os jihadistas do grupo extremista Estado Islâmico (EI, ex-Isis) presentes em Sirte, na Líbia, criaram uma espécie de “califado” na região, com o apoio de tribunais civis e de uma corte islâmica baseada na sharia. A notícia foi divulgada ontem (24) por sites de notícias locais, que citam testemunhas, de acordo com as quais os jihadistas determinaram a separação de homens e mulheres nas escolas e universidades.
Mais cedo, um dos líderes do grupo, o saudita Ali el Gezrawi, divulgou um vídeo fazendo um apelo para que os jihadistas da Arábia Saudita, Tunísia, Egito e Sudão se unam na Líbia para combater o Exército local. “A Líbia é a terra da jihad e da imigração, não pertence somente aos líbios, mas sim a todos os muçulmanos que acreditam em Deus. É um Estado do califado”, disse, ameaçando de morte o general Khalifa Haftar, comandante das forças locais.
O município de Palmira, na Síria, também tem sofrido com o controle do EI, que destruiu um dos principais sítios arqueológicos locais, em Baalshamin, a poucos quilômetros do teatro da cidade, onde o grupo chegou a fazer execuções públicas. No último dia 18, em Palmira, o EI executou Khaled al Assad, de 81 anos, um dos principais historiadores de antiguidades locais e ex-diretor de um sítio arqueológico (ANSA).

Drogas: julgamento deve ser retomado em setembro

O julgamento sobre a descriminalização do porte de drogas deverá ser retomado em setembro pelo STF. Em comunicado divulgado ontem (24) à imprensa, o ministro Edson Fachin disse que vai cumprir o regimento interno da Corte e que pretende devolver o processo até o dia 31 deste mês. Na semana passada, o julgamento foi interrompido por pedido de vista de Fachin.
De acordo com o regimento interno do Supremo, o ministro que pede vista deve devolver o processo para julgamento na segunda sessão ordinária subsequente. Após a liberação voto de Fachin, caberá ao presidente do STF, Ricardo Lewandowski, colocar a questão em pauta. Apesar do prazo estabelecido, a norma não é cumprida pelos ministros devido ao acúmulo de processos e a complexidade dos temas julgados.
O julgamento foi interrompido na semana passada após o voto do relator, ministro Gilmar Mendes, que se manifestou a favor da descriminalização do porte de drogas. O crime é tipificado no Artigo 28 da Lei de Drogas. De acordo com Gilmar Mendes, a criminalização é uma medida desproporcional e fere o direito à vida privada (ABr).

Cresceu a apreensão de mercadorias pela Receita

A apreensão de mercadorias pela Receita Federal nos portos, aeroportos e postos de fronteiras cresceu 4,93% no primeiro semestre em relação ao mesmo período do ano passado. De janeiro a junho, a alfândega apreendeu R$ 933,8 milhões, ante R$ 889,9 milhões nos seis primeiros meses de 2014.
Entre os tipos de mercadorias confiscadas, os maiores crescimentos foram registrados nas armas e munições, cujas apreensões somaram R$ 567,3 mil no primeiro semestre de 2015, alta de 369,9%, mais de quatro vezes o valor registrado no mesmo período de 2014 (R$ 120,7 mil). O segundo maior crescimento ocorreu com os pneus, cujo valor apreendido atingiu R$ 8,6 milhões, ante R$ 2,5 milhões, aumento de 242,6%.
Outro destaque foram as apreensões de CDs e DVDs não gravados (virgens), que cresceram 128,9%, de R$ 892,5 mil para R$ 2,04 milhões de janeiro a junho. As apreensões de calçados esportivos aumentaram significativamente, de R$ 1,5 milhão para R$ 2,8 milhões (82,44%).

Mais Lidas