Alvo da Lava Jato usou Lei de Repatriação para lavar dinheiro de propina

O MPF não descarta que a prática tenha sido replicada por outros agentes criminosos.

Pelo menos um dos alvos da Operação Asfixia, 40ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada ontem (4), usou a Lei de Repatriação para lavar dinheiro de propina, segundo o Ministério Público Federal (MPF)

O esquema de corrupção no setor de Energia e Gás da Diretoria de Engenharia da Petrobras foi detalhado por representantes do MPF, da Polícia Federal (PF) e da Receita Federal, em entrevista, na manhã de ontem, em Curitiba.
O ex-gerente da Petrobras, Marcio de Almeida Ferreira, preso no Rio de Janeiro, usou a repatriação para “esquentar” cerca de R$ 48 milhões proveniente de propinas que estavam depositados em contas nas Bahamas. O procurador Diogo Castor de Mattos, integrante da força-tarefa da Lava Jato no MPF, disse que Ferreira fez a regularização dos recursos ilícitos no final do ano passado. “Ele declarou que esses valores, em tese, teriam sido angariados da venda de um imóvel, pagou tributo de cerca de R$ 14 milhões e, dessa forma, ‘esquentou’ o dinheiro que, certamente, tem origem em propina proveniente da Petrobras”, contou Mattos.
O MPF não descarta que a prática tenha sido replicada por outros agentes criminosos. “Eles usaram a legislação para lavar dinheiro. Isso é usar a lei para legalizar corrupção. Precisamos combater essa prática e abrir a caixa-preta da Lei de Repatriação”, afirmou o procurador da República, Carlos Fernando dos Santos Lima. Ele também destacou a “ousadia” dos criminosos, que receberam pagamentos de propina até meados de 2016, em pleno andamento da Operação Lava Jato.
As investigações contabilizaram ao menos 15 contratos usados para pagamento de propina envolvendo as empresas de consultoria Liderrol e Arxo, que também foram alvos da operação. A PF afirmou que estes contratos foram revelados durante a delação premiada de Edison Krummenauer, ex-gerente de Empreendimentos da área de Gás e Energia da Petrobras. Além de Marcio, foram presos ex-gerente da Petrobras, Maurício de Oliveira Guedes, e dois representantes das empresas Liderrol e Akyzo, Marivaldo do Rozário Escalfoni e Paulo Roberto Gomes Fernandes. A PF informou que os quatro serão levados a Curitiba ainda nesta quinta-feira.
O nome desta nova fase da Operação Lava Jato – Asfixia – é referência à tentativa de cessar as fraudes e o desvio de recursos públicos em áreas da estatal destinadas à produção, distribuição e comercialização de gás combustível (ABr).

24,6 mil crianças refugiadas em risco de transtornos mentais

Menina síria refugiada na Grécia, aguarda o andamento de processo de reunificação familiar.

Cerca de 75 mil refugiados e migrantes, entre eles aproximadamente 24,6 mil crianças, na Grécia, na Bulgária, na Hungria e nos Balcãs estão em risco de sofrer transtornos mentais por estarem vivendo em um estado prolongado de “limbo”, sem situação definida. O alerta é do Unicef. A diretora regional na Europa, Afshan Khan, chamou a atenção para o fato das mulheres e crianças nesses locais não verem seus maridos e pais há meses ou até anos.]
A maioria dos solicitantes de asilo nesta situação não sabem quando ou se terão permissão para seguir adiante. A condição é especialmente difícil para mães sozinhas e crianças que estão sem poder sair da Grécia ou dos Balcãs, esperando para reunirem-se com parentes em outros países da UE. Segundo Afshan Khan, o “processo de reunificação familiar é lento e seu resultado é incerto”. Ela alertou que essa incerteza que pode causar muita “angústia emocional e ansiedade” a famílias e, principalmente, crianças.
No entanto, com o fechamento de fronteiras em 2016 e a implementação da chamada declaração UE-Turquia, outros integrantes da família que seguem em busca dos homens adultos estão sendo retidos em países de trânsito, onde devem solicitar a reunificação. Segundo o Unicef, o processo de reunificação familiar leva entre 10 meses e dois anos. A agência da ONU e seus parceiros na Grécia estão monitorando a saúde mental e depressão entre mães e crianças nesta situação e oferecem apoio psicossocial.
Para a diretora Afshan, manter as famílias juntas é a melhor forma de garantir que as crianças estejam protegidas e, por isso, o processo de reunificação para menores elas é tão importante. Em 2016, cerca de 5 mil pedidos de reunificação familiar foram feitos a partir da Grécia, 700 destes por crianças desacompanhadas ou que haviam sido separadas de seus responsáveis. Destes 5 mil, apenas 1.107 requerentes chegaram ao país de destino até o fim do ano passado (ONU News).

Acidentes elétricos causaram quase 600 mortes em 2016

Acidentes com eletricidade causaram 599 mortes no Brasil em 2016, segundo levantamento divulgado ontem (4) pelo Instituto Brasileiro do Cobre (Procobre). Desses, 171 foram acidentes domésticos. A pesquisa avaliou ainda, a partir de uma amostra de 999 domicílios, as condições das instalações elétricas residenciais.
Segundo o estudo, apenas 29% das residências brasileiras têm projeto elétrico e 52% não têm fio terra. “O cenário é bastante preocupante e mostra a necessidade de readequação das instalações elétricas, principalmente dos imóveis com idade média de 20 anos de construção”, diz o diretor da Procobre, Antonio Maschietto.
O padrão da tomada de três polos, adotado obrigatoriamente a partir de 2011, está presente em somente 35% dos domicílios, de acordo com o levantamento. O modelo leva em consideração a legislação de 2006 que exige que as construções tenham sistema de aterramento. As condições elétricas da própria residência foram consideradas inseguras por 34% dos moradores. Dentre esses, 19% disseram já ter levado ao menos um choque elétrico (ABr).

Trump vai ao Vaticano, Israel e Arábia Saudita

Trump visita Papa Francisco na sua primeira viagem como presidente.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, visitará o Vaticano, Israel e a Arábia Saudita em sua primeira viagem ao exterior, no final deste mês de maio, além de participar, como previamente confirmado, das cúpulas da Otan e do G7, respectivamente na Bélgica e na Itália. Será a primeira excursão internacional do novo presidente americano desde que ele chegou à Casa Branca, em 20 de janeiro.
Até agora, só estava confirmada a presença de Trump na reunião da Otan, em Bruxelas, no próximo dia 25, e na cúpula de líderes do G7, nos dias 26 e 27, na Sicília. Uma delegação americana foi na semana passada a Israel para preparar uma futura visita de Trump, que, segundo as fontes do governo, também terá escala na Arábia Saudita.
Quanto à visita ao Vaticano, Trump disse em abril que tinha “muita vontade” de se reunir com o papa Francisco, depois que a Casa Branca anunciou que iria tentar marcar um encontro do presidente com o pontífice. Na semana passada, Francisco comentou que não sabia se Trump tinha solicitado uma audiência com ele no Vaticano, mas que estava disposto a recebê-lo (Agência EFE).

Temer autoriza recursos para memorial em Chapecó

O presidente Michel Temer autorizou o Ministério do Esporte a liberar recursos para um projeto que prevê reformas na Arena Condá, estádio do município de Chapecó (SC) usado para partidas disputadas pela Chapecoense. O anúncio foi feito pelo governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, e pelo prefeito da cidade, Luciano Buligon, após encontro com o presidente no Palácio do Planalto.
Segundo Colombo e Buligon, a previsão é de que sejam necessários R$ 15,5 milhões para a construção de uma cobertura na ala leste do estádio e para a melhoria da ala sul. Também está prevista a construção de um memorial dedicado à delegação da Chapecoense, vítima do acidente aéreo ocorrido em 29 de novembro último. Queremos guardar a memória dessa equipe, que foi símbolo de tantos atos de solidariedade”, disse o prefeito.
As obras devem ser concluídas no segundo semestre de 2018. “Tivemos do presidente a sinalização de uma liberação de R$ 10 milhões ainda em 2017. Mais R$ 5,5 milhões serão liberados em 2018”, acrescentou. De acordo com o governador Raimundo Colombo, a liberação desses recursos só foi possível após a articulação de parlamentares do PSD, que abriram mão de parte dos recursos destinados às suas emendas (ABr).

Polícia invade campo e prende jogador durante partida

Um jogador de futebol da Sapucaiense, de Sapucaia do Sul (RS), foi preso na tarde de quarta-feira (3) durante uma partida da segunda divisão do Campeonato Gaúcho. O atacante reserva Marlon Natanael, 21, foi abordado pelas autoridades após 15 minutos de jogo, no Estádio Arthur Mesquita Dias.
O delegado da 2ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre, Cesar Carrion, afirmou que o jogador tem quatro mandados de prisão preventiva em aberto. Um deles por participar do sequestro de uma mulher que saía do shopping Bourbon Ipiranga, em outubro do ano passado, para realizar saques.
O jogador chegou à delegacia em Porto Alegre para prestar depoimento por volta das 16h00. “Eu sou jogador de futebol, eu nego tudo, sou jogador de futebol”, afirmou, quando questionado por jornalistas sobre o crime. A Polícia Civil deve indiciar o jogador por receptação, sequestro relâmpago e extorsão mediante sequestro (ANSA/COM ANSA).

 
Mais Lidas