Greenpeace comemora 25 anos no Brasil e traz navio Rainbow Warrior

O navio Rainbow Warrior é a terceira geração do primeiro barco oficial da organização.

O Greenpeace está completando 25 anos de atuação no Brasil. Para comemorar, a ONG oferece ao público a oportunidade de conhecer, de graça, o Rainbow Warrior, navio usado em campanhas em todo o mundo, em defesa de causas variadas

O navio, que chegou na sexcta-feira (28) ao Porto do Rio de Janeiro, é a terceira geração do primeiro barco oficial, mais conhecido como Greenpeace.
Ao contrário das duas primeiras versões, que eram barcos pesqueiros adaptados, este foi o primeiro com design personalizado que os mais altos padrões ambientais. Entre os dias 4 e 6, o navio do Greenpeace estará aberto à visitação pública no Pìer Mauá, entre as 10h00 e 16h00. O Rainbow Warrior quer chamar a atenção da sociedade para a campanha lançada para proteger os recifes de corais da Amazônia. “O ecossistema está ameaçado pela exploração de petróleo no mar, no Amapá e no Pará”, disse, o diretor de Mobilização da ONG, Renato Guimarães.
A primeira versão do barco foi afundada em 1985 por bombas colocadas pelo serviço secreto francês na Nova Zelândia. Guimarães informou que, com o dinheiro da indenização e doações de pessoas físicas e instituições, a ONG comprou o segundo navio do mesmo nome, que ficou em operação por 22 anos, até ser doado para a Turquia. “Hoje em dia, ele é um navio hospital”, destacou.
Uma segunda campanha de financiamento coletivo mundial foi feita para adquirir o terceiro navio. “Mas este, construímos do zero. Foi inteirinho desenvolvido para ser um navio de campanha, mais sustentável do ponto de vista ambiental, e ter os melhores recursos possíveis para podermos desenvolver as campanhas e as denúncias que temos que fazer da forma mais profissional e com menor impacto possível para o meio ambiente”.
Lançado à água em julho de 2011, e batizado em outubro do mesmo ano, em Bremen, durante a celebração dos 40 anos do Greenpeace mundial, o Rainbow Warrior 3 fez sua primeira viagem internacional para o Brasil, em 2012, por ocasião da Rio+20, comemorando os 20 anos de realização da Rio 92. Cinco anos depois, o navio está retornando para o Brasil e aportando no Rio de Janeiro, depois de passar por Chile e Argentina. “Esta é a terceira parada na América do Sul”, disse o diretor de Mobilização. Daqui, ele segue viagem para desenvolver atividades na região do Mediterrâneo (ABr).

Trump não descarta conflito com a Coreia do Norte

Trump prefere a saída diplomática.

“Existe uma chance de que acabemos tendo um grande, grande conflito com a Coreia do Norte”. A declaração do presidente Donald Trump é o destaque de uma entrevista exclusiva veiculada pela Agência Reuters. Ao falar sobre o acirramento das tensões na região, Trump disse que prefere a saída diplomática. “Adoraríamos solucionar as coisas diplomaticamente, mas é muito difícil”, frisou.
Com a Coreia do Norte, ele enfrenta o maior desafio, até o momento. O país intensificou exercícios militares na área e estuda sanções econômicas, além de aproximação para uma saída diplomática. Nas semanas anteriores, Trump mandou mensagens mais duras, inclusive com a visita do vice-presidente Mike Pence ao Japão e à Coreia do Sul. Agora, Trump, inverteu o discurso, ao dizer que o conflito não está descartado, mas que espera uma saída diplomática.
Os Estados Unidos haviam pedido ajuda à China para pressionar o líder Kim Jong-Un a abandonar os testes nucleares. Durante a visita do presidente chinês Xi-Jinping aos Estados Unidos, Donald Trump insistiu no tema. Ele disse ter visto empenho da parte do presidente chinês. “Acredito que ele está se esforçando muito. Sei que ele gostaria de ser capaz de fazer algo”. A China mandou um duro recado à Coreia do Norte e disse que poderia definir algum tipo de sanção ao país, caso fosse feito um novo teste com mísseis nucleares (ABr).

Divulgação de preço em comércio eletrônico

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados aprovou projeto que obriga os sites de comércio eletrônico a divulgar os preços dos produtos ou serviços que oferecem. A proposta será analisada agora pelo Senado Federal
Pelo texto, de autoria do deputado Luis Tibé (PTdoB-MG), a divulgação dos preços deverá ser feita de forma ostensiva e com caracteres facilmente legíveis, com fonte de tamanho igual ou maior que 12.
Para o relator da matéria na CCJ, deputado Hildo Rocha (PMDB-MA), o projeto “prestigia a proteção do consumidor, mais precisamente o seu direito à informação e à fácil visualização do preço dos produtos vendidos no comércio eletrônico” (Ag.Câmara).

Ex-presidente sul-coreana tem dificuldade para contratar advogados

Ex-presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye.

A ex-presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, tem problemas para contratar uma nova equipe de advogados que a defenda no julgamento por corrupção, que começa na próxima terça-feira (2). A pena para esses casos pode chegar à prisão perpétua. O problema ocorre porque Park demitiu a maioria dos advogados que não conseguiram evitar que, no dia 10 de março passado, o Tribunal Constitucional a destituísse do cargo (o que lhe fez perder a imunidade presidencial), informou o jornal Chosun.
Park, que desde o dia 31 de março está presa preventivamente devido a um caso de corrupção, negocia a contratação de um ex-juiz que agora trabalha para uma grande empresa, mas ainda não conseguiu fechar acordo, informou fonte próxima à ex-governante ao jornal sul-coreano. Além do problema de negociar os honorários, que são altos, há o fator da impopularidade de Park no país e a complexidade do caso.
Outra questão é a possibilidade de que ex-presidente decida apelar da sentença, o que prolongaria o caso e obrigaria os advogados a estar ligados durante um longo período a uma cliente cuja estabilidade financeira está em dúvida, já que teve que vender recentemente sua casa no rico bairro de Gangnam, em Seul (Agência EFE).

Câmara eleva para 11 anos idade mínima de criança em moto

Câmara temproario

A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara aprovou o projeto do ex-deputado Professor Victorio Galli, que eleva de sete para onze anos o limite de idade de crianças que podem ser transportadas em motocicletas, motonetas e ciclomotores. Pelo Código de Trânsito Brasileiro, desrespeitar o limite de idade para o transporte de menores nesse tipo de veículo constitui infração gravíssima, punível com multa e suspensão da carteira de motorista.
O relator da matéria, deputado Félix Mendonça Júnior (PDT-BA), recomendou a aprovação do texto na forma dosubstitutivo apresentado na Comissão de Viação e Transporte. A nova versão mantém a proposta principal e altera a lei para tornar infração o transporte de criança com idade entre doze e dezesseis anos sem usar bota, colete e capacete, ou que não tenha condições de cuidar de sua própria segurança.
O texto aprovado também inclui como infração gravíssima a condução de moto sem uso de colete de segurança dotado de alças laterais para apoio do passageiro, durante o transporte de menores de dezesseis anos. Também modifica a legislação que regula a atividade de motoboys, para obrigar esses profissionais a usar colete de segurança dotado de alças laterais para apoio do passageiro e de dispositivos retrorrefletivos. O projeto será enviado para análise do Senado (Ag.Câmara).