Roubo de celulares com seguro aumenta mais de 60% entre 2015 e 2016

Celulares e smartphones são atualmente um fenômeno mundial e constituem um patrimônio de alto risco.

Dados divulgados pela Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), no Rio de Janeiro, revelam que o roubo de celulares segurados aumentou 64,6% em todo o país entre 2015 e 2016, com maior
expansão de ocorrências na Região Nordeste (106,8%), seguida das regiões Sul, com 73,6%,
e Sudeste, com 63%

Entre os celulares com seguro, o número de aparelhos roubados no Brasil cresceu entre um ano e outro de 118.135 para 194.523.
O diretor executivo da FenSeg, Júlio Rosa, disse que celulares e smartphones são atualmente um fenômeno mundial e constituem um patrimônio de alto risco. Por isso, preocupa o setor como os roubos e furtos estão ocorrendo, em meio a processos fortes de agressão de indivíduos nas ruas, com possibilidade inclusive de latrocínio. Rosa disse que, na medida em que crescer a demanda por esse tipo de seguro, em consequência do risco elevado, a tendência é o preço cair. “A insegurança está motivando uma maior procura por seguro”, disse Rosa.
De acordo com a pesquisa da FenSeg, a Região Nordeste apresentou o maior número de aparelhos segurados em 2016 (480.237), em comparação ao ano anterior (265.415), aumento de 81%. Segundo a federação, esse aumento é explicado em grande parte pelo incremento do roubo e furto de celulares na região. Os sinistros comunicados somaram 39.085, em 2016, contra 18.899, em 2015.
A segunda maior expansão de apólices de seguro foi observada no Sudeste brasileiro (37,8%), passando de 1.056.044 celulares, em 2015, para 1.456.059, em 2016. Ao todo, o universo de celulares e smartphones segurados aumentou de 1.964.406 aparelhos, em 2015, para 2.558.713, no ano passado. A proteção contra roubo de celulares pode ser feita de duas maneiras: por garantia estendida ou por meio de um produto específico contra roubo, que é a apólice de seguro (ABr).

Empresa de Ivanka Trump é acusada de usar trabalho escravo

Filha do presidente dos Estados Unidos, Ivanka Trump.

Semanas com 60 horas de trabalho e pagamento de US$1 por hora são as condições dos empregados chineses de uma fábrica que produz roupas para a marca G-III Apparel, grupo proprietário da marca da filha do presidente dos Estados Unidos, Ivanka Trump.
De acordo com o jornal “Washington Post”, que cita um relatório da “Fair Labor Association”, uma organização que promove a defesa dos direitos dos funcionários a nível internacional, as irregularidades são “exorbitantes” e envolvem diversas horas extras, amplos volumes de tarefas e salários muito abaixo dos estabelecidos em outras regiões da China.
A polêmica revelação ofusca as campanhas de Ivanka para que os norte-americanos comprem apenas produtos “made in USA” e de emponderamento feminino no local de trabalho. No entanto, o jornal admite que não está claro se as mercadorias com a marca da “filha do presidente” são realmente produzida na fábrica inspecionada, mas a China continua sendo a a principal produtora de roupas assinadas por Ivanka, apesar de sua empresa também trabalhar com companhias de Bangladesh e de diversos países da América do Sul.
Em outubro, quando ocorreu a inspeção, foi constatado que a G-III Apparel importou aos Estados Unidos 110 toneladas de peças, entre camisas, saias e roupas sociais semelhantes as usadas pela filha de Trump. A polêmica surgiu enquanto Ivanka visitava a Alemanha, no último dia 25, onde participou de um evento de incentivo ao empoderamento economico das mulheres, que reuniu a chanceler alemã, Angela Merkel, e a diretora do FMI, Christine Lagarde. Na ocasião, Ivanka foi vaiada pela plateia. (ANSA/COM ANSA).

Ibrahimovic negou renovação com Manchester United

Ibrahimovic machuca feio o joelho.

O atacante sueco Zlatan Ibrahimovic teria desistido de continuar com as conversas sobre a sua renovação de contrato com o Manchester United por conta da grave lesão que sofreu durante a Liga Europa, informou o tabloide britânico “The Sun”. O jogador, que tem um contrato de 13 milhões de libras esterlinas, estava negociando com o clube sobre a renovação.
No entanto, a lesão no joelho sofrida durante a partida contra o Anderlecht o deixará fora dos gramados por, ao menos, 10 meses. Ainda de acordo com a publicação, o jogador não considera “justo” renovar sem poder atuar. A mídia britânica já vinha ventilando a possibilidade do sueco não continuar na equipe, mas por vontade do time de Manchester - que se comprometeria, apenas, em pagar o tratamento médico.
A decisão de não renovar também pode ter a ver com o fato de que, já há alguns anos, o atacante é sondado por clubes norte-americanos. No entanto, o que é certo, é que Ibra não pretende se aposentar aos 35 anos. (ANSA/COM ANSA).

Estados e municípios poderão contratar médicos cubanos

Ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Estados e municípios vão poder contratar médicos cubanos por meio de convênio direto com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) e, portanto, sem o intermédio do governo federal. A decisão foi tomada ontem (27) durante reunião da Comissão Intergestores Tripartite. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, disse que há uma demanda por parte de prefeituras que não estavam inscritas no programa Mais Médicos ou de gestores estaduais e municipais, que solicitaram à Pasta a contratação de mais profissionais.
“Estamos criando um mecanismo para que esses municípios possam acessar diretamente a Opas e fazer o convênio, trazendo os médicos. E também para que municípios que já têm um determinado número de médicos possam ampliar”, afirmou. Segundo Barros, a cidade de São Paulo, por exemplo, já conta com 100 médicos cubanos contratados diretamente por meio de convênio com a Opas – além dos profissionais já alocados no município, por meio do Mais Médicos.
O ministro ressaltou que, ao usar o convênio direto com a Opas, a responsabilidade sobre a contratação e a remuneração dos médicos cubanos será exclusiva das prefeituras e dos governos estaduais, cabendo à Pasta apenas a elaboração de um modelo padrão de contrato. “O próprio município paga a Opas, sem interferência do ministério. Nós seremos notificados deste número de médicos contratados”, acrescentou (ABr).

Conmebol revela desvios de quase US$ 130 milhões

Nicolás Leoz em evento pré-Copa do Mundo em 2012.

Duramente atingida pelo escândalo de corrupção que atingiu a cúpula da Fifa, a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) revelou que cerca de US$ 128,6 milhões foram desviados da entidade entre os anos de 2000 e 2015.
De acordo com documentos de uma auditoria externa revelados na quarta-feira (26), cerca de US$ 26,9 milhões foram desviados para o ex-presidente da Conmebol Nicolás Leoz, US$ 33,3 milhões foram desviados para contas bancárias não identificadas, US$ 58 milhões estiveram envolvidos em transferências bancárias a favor de terceiros “sem adequado suporte documental” e outros US$ 10,4 milhões foram a pagos a terceiros “de maneira suspeita”.
Durante a apresentação, o advogado Daniel Mendonça afirmou que os crimes serão investigados como apropriação indébita, associação criminosa, lesão de confiança e lavagem de dinheiro contra os acusados. O presidente da Fifa, Gianni Infantino, que estava presente no congresso da entidade realizado em Santiago, no Chile, destacou que a demonstração pública dos desvios é uma “pravo de transparência” das mudanças que estão sendo feitas no futebol mundial.
“Passamos por tempos complicados, muito difíceis, mas é isso. Agora devemos nos concentrar sobre o futuro, temos que mostrar transparência, que estamos abertos”, disse o líder da Fifa na abertura do Congresso. Desde que o escândalo estourou, muitos dos mais importantes dirigentes sul-americanos foram presos por corrupção e lavagem do dinheiro após ordens emitidas pelos Estados Unidos (ANSA/COM ANSA).