Aeroporto de Congonhas faz 81 anos e ganha espaço cultural

Chegada do primeiro Airbus da Vasp em Congonhas, em 1982.

O segundo aeroporto mais movimentado do país, o Aeroporto de São Paulo-Congonhas, localizado na zona sul da cidade, completou ontem (12) 81 anos

Administrado pela Infraero, o terminal atingiu a média diária de 57 mil passageiros e 580 pousos e decolagens, em voos, exclusivamente, domésticos. Em comemoração à data, Congonhas passa a oferecer um novo serviço de gastronomia com a inauguração do restaurante Noar- Culinária à Mão em substituição ao que existia no segundo andar do terminal de passageiros.
Das 11h às 23h, além de comida brasileira contemporânea, os clientes encontrarão opções de pratos internacionais com serviços à la carte ou buffet. No mesmo espaço, os consumidores terão também um lounge, café e bar. A Infraero também anunciou que até junho deverá ficar pronto um espaço multicultural denominado Showcase na praça do edifício garagem do aeroporto, área que hoje é subutilizada. A intenção é transformar o local em um centro de eventos, com feiras e shows nacionais e internacionais.
O superintendente da Infraero no Aeroporto de Congonhas, Aparecido Iberê de Oliveira, disse, por meio de nota, que a ideia não é só de dar maior conforto aos passageiros. Para ele, com as melhorias será possível resgatar os visitantes que, no passado, iam a Congonhas em busca de entretenimento. O projeto da Showcase deverá ter 3,5 mil m² e capacidade para receber em torno de 2,5 mil pessoas sentadas e 5 mil em formato de plateia.
Inaugurado em 12 de abril de 1936, Congonhas teve um crescimento rápido entre 1941 e 1951, quando viu seu movimento de passageiros aumentar vinte vezes e o transporte de carga ter uma expansão de cem vezes. Em 1957, alcançou a posição de terceiro maior do mundo, ficando atrás apenas dos aeroportos de Londres e Paris. O terminal tem o maior número de viajantes em conexões na América Latina – no ano passado, com voos diretos para 36 cidades do Brasil, foram 6,5 milhões (ABr).

Clima na Venezuela fica mais violento com mortes e pedradas

Várias pessoas foram detidas pelo protesto contra Maduro.

Manifestantes da oposição venezuelana jogaram pedras e ovos no presidente do país, Nicolás Maduro, na terça-feira (11), quando o mandatário realizava um desfile em San Félix, no estado de Bolívar. O chefe de Estado sul-americano estava em um jeep militar e acenava para o público quando alguns manifestantes começaram a lançar objetos em direção a Maduro e gritar palavras de ordem contra ele.
Neste momento, a televisão estatal que estava capturando as imagens ao vivo parou de transmitir a cerimônia, o que não quis dizer que muitos vídeos na cena, com seguranças tentando proteger o presidente, não fossem parar na internet, onde já se tornaram um sucesso. Segundo o deputado da oposição Tomás Guanipa, várias pessoas foram detidas pelo protesto contra Maduro. Já nas redes sociais falam-se de 5 presos, mas o número ainda não foi confirmado.
A Venezuela ainda enfrenta problemas com a Organização dos Estados Americanos (OEA), cujo presidente, Luís Almagro, e vários países do grupo, são favoráveis à soltura dos presos políticos na Venezuela, e a novas eleições Presidenciais. A nação sul-americana ainda enfrenta com uma real ameaça de ser suspenso do bloco, como o que aconteceu com o Mercosul.
A economia do país também é um grande problema. Há meses, os venezuelanos não têm mais alimentos, remédios e outros suprimentos de necessidade básica. Os supermercados de grandes e pequenas cidades, inclusive os da capital Caracas, estão vazios e com falta de muitos produtos. Por isso, milhares estão migrando para países vizinhos em busca de melhores condições de vida. (ANSA/COM ANSA).

Novo diretor da Vogue é homem e negro

Pela primeira vez em cem anos de história, a Vogue britânica anunciou um homem negro para dirigir a publicação. Nascido no Gana, Edward Enninful assumirá uma das mais influentes revistas de moda do mundo no próximo dia 1 de agosto. Em comunicado publicado nesta semana, a Condé Nast International, empresa que detém a Vogue, descreveu o novo diretor como “uma figura influente nas comunidades de moda, Hollywood e música, que molda o espírito cultural da época”.
O ganês, que substituirá Alexandra Shulman, que dirigiu a revista durante 25 anos, iniciou sua carreira aos 16 anos, em Londres. Com apenas 19, ele assumiu a direção de moda da revista internacional “i-D”, se tornando o executivo mais jovem da publicação. Além disso, Enninful foi condecorado em outubro de 2016, aos 45 anos, com o título “Officer of the Most Excellent Order of th British Empire” por sua contribuição com a moda (ANSA/COM ANSA).

Chocolates e peixes deixam Páscoa mais cara

A alta no preço do chocolate (12,61% em um ano) e do pescado (9,28%) faz o consumidor gastar mais na Páscoa. O levantamento nacional foi realizado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP).
Apesar do aumento nos preços, outros itens que foram vilões da Páscoa em anos anteriores agora estão mais baratos. A cebola acumulou alta de 60,59% no ano passado, mas registrou queda de 51,15% este ano. A batata inglesa teve reajuste de 34,15% na Páscoa de 2016 e caiu 42,14% este ano (ABr).

Lei reconhece a profissão de detetive particular

O detetive particular deverá preservar o sigilo de fontes.

A profissão de detetive particular agora é reconhecida por lei. A Lei 13.432/2017 foi sancionada na terça-feira (11) e publicada com uma série de vetos ontem (12) no Diário Oficial da União. Será considerado detetive particular o profissional que, por conta própria ou na forma de sociedade civil ou empresarial, colete dados e informações de natureza não criminal, para o esclarecimento de assuntos de interesse privado do cliente.
O detetive particular pode colaborar com investigação policial em curso, desde que expressamente autorizado pelo cliente e com consentimento do delegado de polícia. Farão parte dos deveres do profissional preservar o sigilo de fontes e respeitar o direito à intimidade, à privacidade, à honra e à imagem das pessoas.
Entre as proibições à atividade, estão a de aceitar serviço que contribua para a prática de crimes, divulgar os meios e os resultados da coleta de informações salvo em defesa própria, participar diretamente de diligências policiais, e ainda utilizar os dados coletados contra o cliente contratante.
O detetive particular será acionado via contrato, que poderá ou não conter seguro de vida para o profissional.
O primeiro trecho vetado da lei dizia que o texto “regulamenta” a profissão. O presidente Michel Temer decidiu afastar o teor de regulamentação da atividade, para possibilitar a execução de funções similares por outros profissionais. Também foi vetado o artigo que determinava as informações passíveis de investigação. O texto trazia insegurança jurídica, ao não ser claro se essas atividades são privativas do detetive ou compartilháveis com outros profissionais.
Foram vetados ainda os pré-requisitos para a profissão. Entre as exigências, estavam a posse de diploma de nível médio e o atendimento a curso de formação profissional com carga horária de, no mínimo, 600 horas. De acordo com Temer, a necessidade de curso específico impediria a atuação de detetives sem a habilitação e também de profissionais de outras áreas, “sem que se caracterize potencial dano social” (Ag.Senado).

Alonso vai participar da Indy 500

O piloto da McLaren, Fernando Alonso, surpreendeu o mundo do automobilismo ontem (12) e anunciou que disputará a prova das 500 Milhas de Indianápolis pela Indy. Com isso, o asturiano perderá o tradicional Grande Prêmio de Mônaco da Fórmula 1 porque as duas provas ocorrem no mesmo dia: 28 de maio.
O piloto participará da corrida norte-americana pela equipe Andretti, que fechou também um acordo com a McLaren para liberar o espanhol. Aos 38 anos, o bicampeão do mundo da F1 fará assim sua estreia na Indy e tentará uma conquista histórica na sua carreira. “Eu amo correr! Eu sou um piloto! Indy 500, aí vou eu”, postou em seu Instagram nesta quarta o espanhol.
Apesar de não anunciar quem substituirá Alonso na prova de Mônaco, tudo indica que a vaga será ocupada por Jenson Button, que deixou as pistas no fim do ano passado, mas ainda tem contrato com o time de Woking (ANSA/COM ANSA).