Brasil gasta 6% do PIB em educação, mas desempenho escolar é ruim

O Brasil gasta anualmente em educação pública cerca de 6% do PIB.  Esse valor é superior à média dos países que compõem a OCDE, de 5,5%

Brasil temproario


Apesar de investir 6% do PIB em educação, o país está nas últimas posições em avaliações internacionais
de desempenho escolar.  Foto: Arquivo/ABr

No entanto, o país está nas últimas posições em avaliações internacionais de desempenho escolar, ainda que haja casos de sucesso nas esferas estadual e municipal. A avaliação é do relatório Aspectos Fiscais da Educação no Brasil, divulgado sexta-feira (6) pela Secretaria do Tesouro Nacional, do Ministério da Fazenda. O gasto brasileiro também supera países como a Argentina (5,3%), Colômbia (4,7%), o Chile (4,8%), México (5,3%) e os Estados Unidos (5,4%).
O relatório também mostra que como proporção das receitas da União, a despesa federal em educação quase dobrou sua participação, passando de 4,7% para 8,3% no período 2008 a 2017. Em proporção do PIB, a expansão passou de 1,1% para 1,8%. A despesa com educação apresentou crescimento acumulado real de 91% no período de 2008 a 2017, 7,4% ao ano, em média, enquanto a receita da União cresceu 6,7% em termos reais, descontada a inflação, 0,7% ao ano, em média.
Na principal avaliação internacional de desempenho escolar, o Pisa (Programme for International Student Assessment), o Brasil está nas últimas posições. Dos 70 países avaliados em 2015, o Brasil ficou na 63ª posição em ciências, na 59ª em leitura e na 66ª colocação em matemática. O problema está na necessidade de aprimoramento de políticas e processos educacionais. O estudo destaca ainda que mesmo no Brasil existem casos de sucesso, como o do Ceará, que obteve em 2015 o quinto melhor índice (Ideb) nos anos iniciais do ensino fundamental, mesmo com um gasto inferior à média nacional.
Em 2017, o Ceará aplicou R$ 3.589,95 por aluno na educação básica, ao passo que os demais estados da Região Nordeste aplicaram, em média, R$ 3.764,84. “Não obstante, o Ceará alcançou um Ideb de 5,7, enquanto a média dos demais estados da região foi de 4,4. Ressalta-se ainda que, em 2005, o desempenho do Ceará era de apenas 2,8, que o colocava somente na 18ª posição entre 27 estados”, diz o relatório.
“O desempenho do Ceará é ainda mais ilustrativo se comparado a um outro extremo, o Distrito Federal, que, mesmo com uma aplicação de recursos 134% maior ao primeiro, obteve um Ideb de 5,6, ligeiramente inferior ao do Ceará”, acrescentou. Além disso, diz o estudo, o melhor Ideb municipal do Brasil, em 2015, foi o do município cearense de Sobral, que alcançou a nota média de 8,8 na rede pública, com uma despesa de R$ 3.091,38, a qual é inferior à média do próprio estado do Ceará e bastante inferior à média nacional de R$ 5.005,83 (ABr).

Dalai lama comemora aniversário com milhares de seguidores

Dalai temproario

O sempre jovial dalai lama pediu aos jovens que divulguem sua mensagem de “harmonia e paz”. Foto: Biju Boro/AFP

O 14º dalai lama, Tenzin Gyatso, comemorou na sexta-feira (6) seu aniversário de 83 anos cercado de milhares de seguidores na cidade de Leh, no norte da Índia, onde falou sobre a importância do amor, da compaixão e da tolerância entre religiões para se conseguir uma transformação pacífica no mundo. Em um vale entre as montanhas do Himalaia na região de Ladakh, o sempre jovial dalai lama pediu aos jovens que divulguem sua mensagem de “harmonia e paz”, já que “para transformar o mundo devemos começar com ações individuais”.
“Todo mundo deveria fazer algo para contribuir para a paz”, disse o líder espiritual tibetano. O dalai lama agradeceu aos presentes pelo seu carinho e lhes animou a serem “compassivos”, pois ficar com raiva ou ser infeliz “perturba a saúde física além da mental”, explicou. Seus seguidores, entre os quais estavam estudantes e centenas de monges budistas vestindo túnicas carmesins, escutaram durante várias horas os parabéns de diferentes personalidades, como a do chefe do Governo tibetano no exílio, Lobsang Sangay, que se sucediam entre apresentações e cânticos tradicionais.
As comemorações pelo aniversário do dalai lama se espalharam por diferentes pontos da Índia, especialmente na cidade de Dharamsala (norte), local de residência de Gyatso e que acolhe uma grande comunidade de exilados tibetanos há mais de meio século. Lhamo Dondhup, nome original do 14º dalai lama, nasceu no dia 6 de julho de 1935 em Taktser, no Tibete oriental, onde aos dois anos de idade se tornou líder espiritual do seu povo ao ser reconhecido como a reencarnação do seu predecessor.
Em 1959, após dura repressão chinesa contra a revolta popular de Lhasa, capital do Tibete, o dalai lama se viu forçado a abandonar o país com milhares de compatriotas e buscar apoio no norte da Índia. Desde então, o líder espiritual tibetano continuou a luta pela liberdade do seu povo sempre “se opondo sistematicamente à violência”, motivo pelo qual recebeu o Nobel da Paz em 1989 (Agência EFE).

Novos modelos do iPhone podem ser coloridos e dual

Os novos modelos de Iphone, que a Apple deve apresentar até o final do ano, podem ser coloridos, afirmou o site “9to5Mac”. Com cores mais vivas, como vermelho, azul e laranja, o experimento do iPhone colorido já foi testado quando a Apple lançou o iPhone 5c em 2013. Segundo o analista do KGI Securities, Ming-Chi Kuo, que costuma acertar suas previsões sobre novos produtos de telefonia, a Apple pode lançar três novos modelos de iPhone X. Um de 5,8 polegadas com um preço mais baixo, e dois dispositivos maiores.
Um teria 6,5 polegadas Oled e seria dual sim, o outro teria um display de 6,1 polegadas e sistema Face ID. Para Ming-Chi Kuo, os modelos maiores teriam um preço inicial de U$1000, mesmo valor do iPhone X atualmente. Assim, supõe-se que os outros modelos tenham um custo menor que esse. O primeiro experimento com cores da Apple foi em em 1998, quando Steve Jobs e Jony Ive tiveram a ideia de fazer um iMac transparente e outros de várias cores (ANSA).

Brasileira consegue autorização para tirar filho de abrigo em Chicago

Brasileira temproario

Foto: Paola de Orte/ABr

A brasileira Sirley Silveira Paixão consegue autorização judicial, nos EUA, e retira filho Diego, de 10 anos, de abrigo em Chicago (ABr).

Recuou a produção da indústria eletroeletrônica

A produção industrial do setor eletroeletrônico apontou queda de 8,7% no mês de maio em relação a abril. O resultado foi influenciado pela greve dos caminhoneiros. É o que mostram os dados divulgados pelo IBGE e agregados pela Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee). O desempenho negativo atingiu tanto a área eletrônica (-11%) quanto a área elétrica (-6,3%).
A maior queda na área eletrônica foi dos aparelhos de áudio e vídeo (-22,0%). Apenas a produção de equipamentos de comunicação registrou acréscimo (+5,5%). No caso do segmento elétrico, destacou-se a retração de 16,3% na produção de eletrodomésticos. Somente apresentaram resultado positivo a produção de pilhas e baterias (+4,7%) e de geradores, transformadores e motores elétricos (+1,6%).
Em relação a maio do ano passado, a redução na produção do setor eletroeletrônico foi de 5,5%. Já no acumulado dos cinco primeiros meses de 2018, a produção total cresceu 9,1% em relação ao mesmo período de 2017. Essa elevação foi estimulada pelo incremento de 21,5% na área eletrônica, visto que a área elétrica recuou 1,5%.
“A greve dos caminhoneiros foi decisiva para o resultado, interrompendo um ciclo positivo que esperávamos há tanto tempo”, afirma o presidente da Abinee, Humberto Barbato. Segundo ele, o impacto também foi sentido no nível de emprego, uma vez que o setor fechou mil postos de trabalho em maio. “A paralisação foi um grande desserviço à indústria, tirando a confiança do empresário e do consumidor ”, afirma (Abinee).

ANS resolve 91% dos conflitos de coberturas de planos de saúde

No primeiro trimestre de 2018, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) registrou 16.998 reclamações de usuários de planos de saúde e respondeu a 63.458 pedidos de informações. Os dados foram divulgados pela agência. Também foram resolvidos 91% dos conflitos relativos à cobertura assistencial e 87,8% sobre outros temas. Em 2017, cerca de 90% dos conflitos registrados pela Agência foram resolvidos sem a necessidade de abertura de processo administrativo.
Os temas que tiveram mais reclamações foram autorização para realização de procedimentos, franquia e coparticipação, suspensão e rescisão de contratos e cobertura assistencial. As maiores demandas de pedidos de informação foram sobre cobertura assistencial, prazos máximos para atendimento e suspensão e rescisão de contratos.
No mesmo período, a diretoria de Fiscalização da ANS lavrou 2.731 autos e proferiu 2.405 decisões, com um valor total de R$ 144.211.144,36 em multas determinadas às operadoras de planos de saúde. A agência celebrou, ainda, dois novos acordos de cooperação técnica, com os ministérios públicos do estado de Mato Grosso do Sul e do Rio Grande do Sul (ABr).

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP