Ensino a distância cresce mais que presencial, mas gera desconfiança

Ensino temporario

Apesar de crescer em ritmo mais acelerado que o ensino presencial, a educação a distância (EaD) não é a primeira opção para a maioria das pessoas que buscam uma graduação

A desconfiança é grande. Pesquisa divulgada ontem (22) pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) mostra que 62% dos entrevistados acreditam que a qualidade dessa modalidade não é bem avaliada no mercado de trabalho e 56% dizem que preferem o ensino presencial.
A pesquisa mostra ainda desconforto em ter a maior parte das aulas pela internet: 62% dos estudantes e potenciais alunos dizem que acreditam que as instituições de ensino EaD não oferecem suporte para tirar dúvida na hora e 37% dizem que têm dificuldade com sistema de aula online.
Ao todo, foram entrevistados 1.012 homens e mulheres de 18 a 50 anos, sendo 256 alunos e 756 potenciais candidatos a educação superior em março deste ano. Dos entrevistados, 27% disseram que escolheriam preferencialmente um curso EaD e 17% disseram que preferem ambos, EaD e presencial.
“Estamos falando de um público diferente da graduação presencial tradicional. Estamos trazendo para ensino superior um público mais velho, mais maduro, que já trabalha com maior intensidade. Esse público precisa da flexibilidade da EaD para completar o curso superior”, diz o vice-presidente da ABMES, Celso Niskier. O estudo mostra que aqueles que escolhem a educação presencial exclusivamente são mais jovens - 53% têm até 30 anos; 76% trabalham; 33% são da classe social A ou B; 64% estudaram em escolas públicas e 36% em particulares.
Entre aqueles que preferem a EaD, 67% têm mais de 30 anos; 83% trabalham; 25% são das classes sociais A ou B; 75% estudaram em escolas públicas e 25% em particulares. Segundo Niskier, a educação vem se transformando como um todo e não é possível fugir das ferramentas digitais nem mesmo no ensino presencial. “Hoje o jovem quer usar smartphone, computador, não quer chegar em sala para receber o conhecimento, quer chegar com esse conhecimento disponível e tornar as aulas mais práticas e mais dinâmicas é o que tem acontecido”.
De acordo com o Censo da Educação Superior, em 2016, 33% dos novos alunos ingressaram no ensino superior na modalidade a distância e, 67%, em cursos presenciais. Esse número cresceu. Em 2010, 20% ingressaram no EaD e 80% no presencial. Se mantido o crescimento da EaD atual, em 2023, mais estudantes ingressarão na modalidade a distância que no presencial. Serão, pelas projeções do estudo, 51% em EaD e 49% no ensino presencial (ABr).

Nasa estuda o degelo e o movimento da água na Terra

Nasa temporario

Uma missão da Nasa começou medir o ciclo da água da Terra desde ontem (22) por meio de dois satélites denominados Grace-Fo On (Climate Experiment Follow-On mission) para identificar a velocidade do degelo e do movimento da água no globo terrestre. Os satélites foram lançados, em um foguete Falcon 9 da empresa SpaceX, da Base Aérea de Vandenberg, na Califórnia (EUA).
Os satélites gêmeos Grace-Fo orbitarão a Terra a 220 quilômetros de distância um do outro. Os primeiros resultados da operação deverão ser divulgados pela Nasa em seis meses (180 dias). Porém, as avaliações deverão demorar mais 30 dias. De acordo com cientistas da Nasa, como resultado da primeira parte da missão, lançada em 2002, já foi possível determinar que tanto o Alasca como a Groenlândia perderam grandes quantidades de gelo nos 15 anos analisados (ABr).

Jorginho, Alisson e Alex Sandro ficam no top ‘11’ do Italiano

Jorginho temporario

Com atletas da Juventus, Napoli, Inter de Milão, Roma, Atalanta e Lazio, a empresa britânica de dados esportivos Opta Sports escalou os 11 melhores jogadores da edição de 2017/18 da Série A. A formação escolhida pela empresa foi o 4-3-3, a mesma utilizada por diversas equipes ao longo da Série A.
No grupo, estão o goleiro Alisson, da Roma, os zagueiros Milan Skriniar, da Inter, e Kalidou Koulibaly, do Napoli, o meio-campista brasileiro Jorginho e os atacantes Ciro Immobile, da Lazio, e Paulo Dybala, da Juventus. De acordo com a Opta Sports, a escolha do “top 11” foi “uma avaliação objetiva e automática” baseadas em coeficientes pré-estabelecidas. Jogadores que atuaram menos de 20 jogos na temporada não foram analisados.
A escalação não contou com alguns astros da heptacampeã Juventus, como o goleiro Gianluigi Buffon, o zagueiro Giorgio Chiellini e o atacante argentino Gonzalo Higuaín, autor de 16 gols na temporada. Além deles, outros destaques da Série A não foram lembrados na escalação, como os atacantes Lorenzo Insigne e Dries Mertens, do Napoli, o centroavante Edin Dzeko, da Roma, e os meio-campistas Ivan Perisic, da Inter de Milão, e Sergej Milinkovic-Savic, da Lazio.
O Milan, por sua vez, apesar da temporada regular de Giacomo Bonaventura e Patrick Cutrone, nenhum atleta rossonero apareceu na lista. - Confira a escalação: Alisson (Roma); Alex Sandro (Juventus), Koulibaly (Napoli), Skriniar (Inter de Milão), João Cancelo (Inter de Milão); Ilicic (Atalanta), Jorginho (Napoli), Pjanic (Juventus); Dybala (Juventus), Immobile (Lazio), Icardi (Inter de Milão) - (ANSA).

Maduro expulsa diplomata dos EUA

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu ontem (22) a expulsão do mais alto diplomata dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson, acusando-o de conspiração contra seu governo. Com a decisão, Robinson, encarregado das Relações dos EUA, e seu vice, Brian Naranjo, terão 48 horas para deixar o país latino-americano.
O episódio acontece dois dias após a contestada reeleição de Maduro na Venezuela - menos de 50% da população compareceu às urnas no último domingo (20) - e só aumenta a tensão entre o país norte-americano e o regime chavista. Os Estados Unidos, que não reconheceram a votação, assinaram uma ordem que limita as possibilidades do governo venezuelano de vender ativos no mercado financeiro (ANSA-AP).

Anvisa aprova novo genérico para hepatite C

A Anvisa publicou esta semana o registro do Sofosbuvir, medicamento genérico destinado ao tratamento de infecções causadas por hepatite C crônica. O remédio, que será utilizado como um componente da combinação do regime de tratamento antiviral, atua como inibidor da polimerase NS5B, enzima essencial para a replicação do vírus que provoca a doença. A aprovação do Sofosbuvir deve reduzir os custos do tratamento para hepatite C, uma vez que medicamentos genéricos entram no mercado com valor no mínimo 35% menor que o do produto de referência.
Segundo o Ministério da Saúde, a hepatite C é causada pelo vírus C (HCV), presente no sangue de pessoas infectadas. Entre as causas de transmissão estão a transfusão de sangue e o compartilhamento de material para uso de drogas (seringas, agulhas e cachimbos), para higiene pessoal (lâminas de barbear, escovas de dente e alicates de unha) ou para confecção de tatuagem e colocação de piercings.
A transmissão também pode acontecer da mãe infectada para o filho, durante a gravidez, e por sexo sem camisinha com uma pessoa infectada. Quando a infecção persiste por mais de seis meses, o que é comum em até 80% dos casos, caracteriza-se a evolução para a forma crônica da hepatite C. Cerca de 20% dos infectados cronicamente pelo vírus podem evoluir para cirrose hepática e cerca de 1% a 5%, para câncer de fígado (ABr).

Exército sírio retoma total de Damasco do EIC

O Exército sírio anunciou que retomou por completo o controle de Damasco, após expulsar os últimos integrantes do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) da cidade. De acordo com a ONG Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), quase 1,6 mil pessoas, entre eles combatentes do EI e civis, foram evacuados dos bairros da zona sul de Damasco e seus arredores.
Um campo de refugiados palestino em Yarmuk também foi retomado pelas forças militares da Síria. Essas localidades foram submetidas, há mais de um mês, a uma campanha de bombardeios. Em comunicado lido pelo general Ali Mayhoub, o Exército conseguiu “exterminar um grande números de combatentes” e assegurou que “Damasco e seus arredores estão agora sob controle”. Desde que a guerra civil começou, em 2011, essa é a primeira vez que Damasco fica sob o controle do presidente da Síria, Bashar al-Assad (ANSA).