Contato: (11) 3043-4171

Economia e famílias usaram 3,2 trilhões de metros cúbicos de água em 2015

Pesquisa do IBGE diz que 3,2 trilhões de metros cúbicos foram retirados do meio ambiente pelas atividades econômicas e famílias para distribuição e uso próprio em 2015.

O estudo inédito foi feito em conjunto pelo IBGE, Ministério do Meio Ambiente e Agência Nacional de Águas (ANA),  contou com apoio da Agência Internacional de Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável e segue metodologia da ONU

A pesquisa Contas Econômicas Ambientais da Água (Ceaa), divulgada na sexta-feira (16), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revela que 3,2 milhões de hectômetros cúbicos (hm³) de água, o equivalente a 3,2 trilhões de metros cúbicos, foram retirados do meio ambiente pelas atividades econômicas e famílias para distribuição e uso próprio em 2015. Um hectômetro cúbico corresponde a um milhão de metros cúbicos, enquanto um metro cúbico representa mil litros.
O estudo inédito foi feito em conjunto pelo IBGE, Ministério do Meio Ambiente e Agência Nacional de Águas (ANA), contou com apoio da Agência Internacional de Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável e segue metodologia da ONU. O levantamento mescla informações de fluxo físico e monetário do setor de água. O pesquisador responsável pelo levantamento no IBGE, economista Michel Lapip, ressaltou que as informações obtidas são fundamentais para a sociedade e para a elaboração de políticas públicas pelos governos. Salientou que poucos países, além do Brasil, já elaboraram suas contas econômicas da água.
O total de recursos hídricos renováveis no Brasil, isto é, toda a água disponível na superfície do território, era de 6,2 trilhões de metros cúbicos em 2015. Por habitante, isso equivale a 30,3 mil caixas d’água de mil litros. Em 2013, o total de recursos hídricos era de 7,4 trilhões de m³ e, em 2014, de 7,6 trilhões de m³. A atividade econômica que mais contribuiu em 2015 para o volume total de água retirada foi eletricidade e gás, com participação de 97,3%, em função da operação das hidrelétricas brasileiras. Michel Lapip destacou, entretanto, que esse setor se caracteriza pelo uso não consuntivo, em que a água é retirada de um rio e retorna na mesma qualidade e quantidade. “O consumo dele é ínfimo”, afirmou.
Excluindo a atividade de eletricidade e gás e as águas das chuvas que passam pelas redes pluviais, o retorno global de água para o meio ambiente alcançou 27 mil hm³, sendo que 25,6% desse retorno ocorreram por meio dos sistemas de esgoto e 74,4% foram lançados diretamente no meio ambiente. Já o consumo total de água, correspondente ao volume de água utilizada menos a água que volta para o meio ambiente, somou 30,6 bilhões de metros cúbicos em 2015, o que significa que empresas e famílias consomem apenas 0,5% dos recursos hídricos.
As atividades econômicas que apresentaram maior consumo de água foram agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (77,6%); indústrias de transformação e construção (11,3%); água e esgoto (7,4%). O uso de água das famílias per capita, isto é, por pessoa, em 2015, foi de 108,4 litros por dia. Em 2013, atingiu 111 litros/dia e, em 2014, 114 litros diários (ABr).

Varas de violência doméstica chegam a todos os Tribunais

Em 2006, havia apenas seis juizados especializados.

No ano passado, uma importante meta foi atingida pelo poder judiciário brasileiro: todos os tribunais de Justiça passaram a contar com, ao menos, uma Vara exclusiva para julgamento de crimes contra a mulher. Hoje, em todo o Brasil, o número total é de 125 unidades.
Em 2006, havia apenas seis juizados especializados. Em 2007, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sugeriu a criação desses juizados e a adoção de outras medidas para a implementação de políticas públicas capazes de garantir os direitos humanos das mulheres no âmbito das relações domésticas e familiares. A promoção de cursos de capacitação multidisciplinar em direitos humanos/violência de gênero e a integração do Poder Judiciário aos demais serviços da rede de atendimento à mulher estavam entre as ações propostas pelo CNJ.
Para se ter uma ideia da relevância dessa questão, no ano passado, 1.273.398 processos referentes à violência doméstica contra a mulher tramitaram na Justiça estadual. Em 2016, havia 111 varas especializadas e, no ano passado, o número subiu para 125, aumento de 11%. O Tribunal de Justiça do DF é, hoje, o primeiro em número de juizados especializados, com 16 unidades. Com 13 varas, o TJ-SP ocupa a segunda colocação e, com 11, o TJ-RJ. O último estado a criar uma vara especializada foi o Paraná, em 2017.
Em dezembro de 2016, durante o X Encontro Nacional do Poder Judiciário, foi aprovada a criação da Meta 8, destinada ao fortalecimento da rede de combate à violência doméstica e familiar contra as mulheres. A ação envolvia a adequação das estruturas físicas das unidades judiciárias, assim como a criação/ampliação de varas exclusivas e, também, o número de magistrados especializados nesse tema (Agência CNJ).

Brasil dará residência permanente a venezuelanos

Os venezuelanos que possuem residência temporária de dois anos no Brasil poderão viver de maneira permanente no país, segundo uma medida implantada pelo governo federal. A nova medida visa a reduzir o impacto da crise de imigração dos venezuelanos na região norte do Brasil, principalmente no estado de Roraima. Além disso, a ordem amplia os benefícios de legalização dos cidadãos venezuelanos e torna menos rígida a exigência de documentação para os indígenas da Venezuela que querem morar temporariamente no Brasil.
Para solicitar a moradia permanente no Brasil, os venezuelanos que tiverem residência temporária de dois anos, deverão pedir o benefício até três meses de expirar o tempo de moradia temporária. Os venezuelanos também não poderão ter antecedentes criminais no país e deverão apresentar uma documentação que comprove que eles possuem condições de viverem no Brasil por conta própria.
Fugindo da crise econômica e política da Venezuela, mais de 40 mil venezuelanos saíram do seu país e vivem atualmente em Boa Vista, capital de Roraima. O governo já anunciou que irá receber todos os imigrantes e distribuí-los para outras capitais federais, como São Paulo e Amazonas (ANSA).

Liga dos Campeões põe Juventus contra Real Madrid

Liga temproario

A Uefa realizou na sexta-feira (16), na cidade de Nyon, na Suíça, o sorteio das quartas de final da Liga dos Campeões. O sorteio colocou difíceis confrontos para a Roma e a Juventus, as únicas equipes italianas na competição. O clube da capital irá enfrentar o Barcelona, enquanto a “Velha Senhora” vai encarar o Real Madrid, reeditando a final da Liga dos Campeões da temporada passada.
Nos outros dois confrontos, o Sevilla pega o Bayern de Munique, e o Liverpool enfrenta o Manchester City. As partidas de ida das quartas de final da Liga dos Campeões serão disputadas entre os dias 3 e 4 de abril. Já os jogos de volta serão nos dias 10 e 11 de abril.
A grande final da competição será realizada no dia 26 de maio, em Kiev, na Ucrânia.

Confira os confrontos:
Barcelona (ESP) x Roma (ITA) - Sevilla (ESP) x Bayern de Munique (ALE) - Juventus (ITA) x Real Madrid (ESP) - Liverpool (ING) x Manchester City (ING) (ANSA).

Filha de Skripal carregou agente nervoso na mala

O agente nervoso usado no ataque contra o ex-espião russo Serghei Skripal teria sido colocado dentro da mala de sua filha, Yulia, antes que ela embarcasse em Moscou. Esta é a conclusão que as autoridades britânicas chegaram sobre o caso, de acordo com uma reportagem do jornal “The Daily Telegraph” publicada na sexta-feira (16), que cita fontes da inteligência de Londres. O Reino Unido analisa, agora, a possibilidade de que a substância teria sido colocada em uma peça roupa ou em algum artigo que a jovem levou na mala durante sua viagem da capital russa à cidade de Salisbury, na Inglaterra, onde vive seu pai.
A ideia é que Yulia tenha sido usada como parte do plano para atacar Skripal, de 66 anos. O ex-espião foi encontrado em condições graves, em um shopping center de de Salisbury, sob efeito da substância química Novichok. Sua filha também foi afetada e está internada, assim como um policial que tentou ajudar os dois. O governo do Reino Unido acusa a Rússia de tentativa de assassinato contra Skripal, que foi ex-espião de Moscou, mas também traiu o país ao trabalhar como agente duplo para os serviços secretos britânicos.
A França, a Alemanha e os Estados Unidos se uniram a Londres na acusação. Já o governo de Vladimir Putin nega qualquer envolvimento no caso e alega que está sendo vítima de uma campanha mundial contra a Rússia. A primeira-ministra Theresa May anunciou no início da semana a expulsão de 23 diplomatas russos do país. Em resposta, Moscou prometeu retirar do país os diplomatas britânicos (ANSA).

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171