Mugabe resiste à pressão para deixar governo do Zimbábue
O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe.


O presidente Robert Mugabe insiste que é o único governante legítimo do Zimbábue, disse uma fonte de inteligência ontem (16), e está resistindo à mediação de um padre católico que visa a conceder ao ex-guerrilheiro, de 93 anos, uma saída honrosa na esteira de um golpe militar

O padre Fidelis Mukonori está atuando como intermediário entre Mugabe e os generais, que tomaram o poder na quarta-feira (15).
A fonte não pôde dar detalhes das conversas, que parecem buscar uma transição suave e pacífica após a saída de Mugabe, que comanda o Zimbábue desde sua independência em 1980. Visto ainda por muitos africanos como herói da libertação, Mugabe é repudiado no ocidente, que o vê como um déspota, cujas desastrosas medidas econômicas e disposição de recorrer à violência para se manter no poder destruíram um dos Estados mais promissores da África.
Relatos levam a crer que o ex-diretor de segurança Emmerson Mnangagwa, demitido da Vice-Presidência no mês passado, está elaborando uma visão pós-Mugabe para o país com os militares e a oposição há mais de um ano.
A África do Sul informou que Mugabe relatou ao presidente sul-africano, Jacob Zuma, por telefone, que está confinado à sua casa, mas que de resto está bem e que os militares o estão mantendo e a sua família, inclusive a mulher Grace, em segurança.
Apesar da admiração ainda existente por Mugabe, o povo é pouco afeito a Grace, de 52 anos, ex-datilógrafa do governo que começou um caso com Mugabe no início dos anos 90, enquanto sua primeira mulher, Sally, era afetada por uma doença renal. Apelidada de “DisGrace” ou “Gucci Grace” devido à sua preferência por marcas famosas, ela teve uma ascensão meteórica nas fileiras do partido do marido, o Zanu-PF, nos últimos dois anos. Isso levou à demissão de Mnangagwa uma semana atrás -- uma manobra que se acredita ter sido realizada para abrir caminho para Grace suceder Mugabe (ABr/Reuters).

Obra de Leonardo da Vinci bate recorde em leilão

A pintura ‘Salvator Mundi’, atribuída a Leonardo da Vinci.

A pintura “Salvator Mundi”, atribuída a Leonardo da Vinci, tornou-se a obra de arte mais cara da história ao ser leiloada por US$ 450 milhões (cerca de R$ 1,5 bilhão) na noite de quarta-feira (15) em Nova York. O quadro, de cerca de 500 anos, retrata Jesus Cristo como salvador do mundo e é a única pintura do gênio italiano que pertence a uma coleção particular. Estima-se que ela tenha sido pintada após 1505, cerca de 15 anos antes da morte de Da Vinci - que ocorreu em 1519.
A peça já havia sido leiloada, em 1958, por “apenas” R$ 10 mil porque era considerado que a pintura havia sido feita por um dos aprendizes do italiano - e não por ele. Até hoje, especialistas têm dúvidas sobre a autoria da obra.
Historiadores acreditam ainda que o quadro pertencia à coleção do rei Carlos I, nos anos 1600, e ela voltou ao “conhecimento público” em 2005. E, antes de ir para o leilão em Nova York, ela pertencia ao russo Dmitry Rybolovlev, que havia pagado US$ 127,5 milhões (R$ 420,7 milhões) em 2013 pela peça.
A casa de leilões Christie’s havia estimado um valor mínimo de US$ 100 milhões (R$ 330 milhões) para a obra. Assim que a venda foi finalizada, aplausos foram ouvidos entre os participantes do leilão, mas o nome do comprador não foi anunciado. A obra de arte mais cara a ser leiloada era o quadro “Interchange”, de Willem De Kooning, vendido em setembro de 2015 por US$ 300 milhões (R$ 990 milhões) - (ANSA).

“Cem Anos de Solidão” será escrito em braille

Após uma doação realizada pela ONG ‘Once de Espanha’ para a biblioteca nacional da Colômbia, deficientes visuais vão poder ler, pela primeira vez, em braille, o livro “Cem Anos de Solidão”, de Gabriel García Marquez. A edição em braille da obra terá seis volumes estará disponível a partir de dezembro na Biblioteca Nacional da Colômbia.
“É um trabalho bem grande, porque um livro em braille é volumoso, uma vez que as páginas têm um espaço maior do que os livros comuns. Então, quando alguém inicia a tarefa de publicar um livro em bbraille, geralmente possui diversos volumes”, disse o coordenador da Biblioteca Nacional, Camilo Páez.
Além dos livros, a doação também incluiu diversos equipamentos eletrônicos especiais para que a biblioteca use para ajudar as pessoas cegas ou com pouca visão. De acordo com dados do Instituto Nacional para Cegos da Colômbia (Inci), existem no país mais de 1,2 milhão de pessoas com cegueira parcial ou total (ANSA).

São Paulo passa a ter serviço de alerta para desastres naturais

O Estado de São Paulo passou a integrar o sistema de alertas de desastres nacionais por celular coordenado pela Defesa Civil nacional. Os paulistas já podem cadastrar suas linhas para receber mensagens sobre riscos de tempestades, raios, enchentes, deslizamentos e emergências de verão. O modelo já está ativo no Paraná e em Santa Catarina e deve alcançar todos os estados até março de 2018.
O serviço é gratuito e os proprietários de celular receberão por SMS uma mensagem gravada da Defesa Civil Nacional informando sobre a novidade e orientando o que fazer para cadastrar-se. Mas quem quiser se antecipar pode solicitar o envio dos avisos mandando mensagem para o número 40199 com o seu Código de Endereçamento Postal (CEP). Os alertas são enviados tanto pelo Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad) quanto pela Defesa Civil do estado ou do município ao qual o celular está vinculado.
O sistema de alertas foi implantado inicialmente no Paraná e em Santa Catarina em outubro, após períodos de testes realizados pela Anatel em 20 municípios catarinenses a partir de fevereiro e em cinco paranaenses desde junho. Hoje, 579 mil moradores dos dois estados já utilizam o serviço. De 8 de fevereiro a 10 de novembro foram disparadas 330 notificações de alerta que resultaram em mais de um milhão de mensagens (ABr).

Papa: é ‘moralmente lícito’ renunciar a curas médicas

Papa Francisco: “o respeito à dignidade do ser humano” deve pautar todo o tratamento.

Em uma mensagem enviada aos participantes de uma conferência iniciada ontem (16) no Vaticano sobre o “fim da vida”, o papa Francisco afirmou que é “moralmente lícito renunciar à aplicação de um tratamento terapêutico, ou suspendê-lo, quando o seu uso não corresponde a um critério ético e humanístico”. E que isso é um “suplemento de sabedoria, porque hoje é mais insidiosa a tentação de insistir com tratamentos que produzem efeitos potentes sobre o corpo, mas, às vezes, não provocam o bem integral da pessoa”.
A carta de Francisco foi enviada ao participantes do “Encontro Regional Europeu” da World Medical Association. No documento, o Papa cita a declaração sobre eutanásia de 5 de maio de 1980 e afirma que ‘renunciar ao tratamento médico’ não significa optar pela eutanásia, a qual continua ilegal.
“As intervenções sobre o corpo humano estão cada vez mais eficientes, mas nem sempre resolvem”, pontuou. “A escolha de suspender o tratamento de cura é assumir, responsavelmente, o limite da condição humana mortal, no momento em que se percebe que não há mais como enfrentar [a doença]”, comentou.
O Papa também ressaltou que três aspectos devem ser considerados na relação entre médicos e pacientes: o objeto moral, as circunstâncias e intenções do sujeito envolvido. Nesse sentido, Francisco diz que “o respeito à dignidade do ser humano” deve pautar todo o tratamento, deixando com o paciente “as decisões a serem tomadas”, caso ele tenha “competências e capacidades” para isso. A conferência iniciada ontem (16) no Vaticano reúne especialistas de mais de 30 países. Os debates serão encerrados hoje (17) -(ANSA).

DF começa a adotar a carteira de motorista digital

O Detran-DF lançou ontem (16) o serviço de Carteira Nacional de Habilitação (CNH) no formato digital. A CNH eletrônica substitui a impressa, uma vez que ambas têm o mesmo valor jurídico. A versão digital do documento valerá para todo o território nacional. Depois do estado de Goiás, o DF é a segunda unidade da Federação a informatizar o serviço. Na prática, a CNH digital facilitará a identificação, tanto para os condutores quanto para os agentes de trânsito.
De acordo com o diretor do Denatran, Elmer Vincenzi, o aperfeiçoamento da segurança na CNH digital irá minimizar a ocorrência de fraudes e proporcionará maior comodidade ao cidadão. “Qualquer cidadão e qualquer setor da sociedade poderão ter acesso à comprovação dos dados, seja em uma relação civil ou numa relação empresarial, como as que envolvem bancos, cartórios e empresas de locadoras de veículos”, disse Vincenzi.
O aplicativo da CNH digital poderá ser baixado nas plataformas Google Play e App Store. Os condutores que já possuem a CNH impressa com o QR Code (código de leitura digital para celulares) poderão solicitar o documento digital no portal de serviços do Denatran. Além de estar com os dados atualizados no sistema do Detran, é necessário que o condutor tenha recebido a habilitação depois de maio, mês em que as carteiras de motorista começaram a ser confeccionadas com o QR Code (ABr).

 
 
Mais Lidas