Português já é uma língua global, afirma chanceler luso na ONU

Idioma global, o português está presente como língua materna em países da Ásia, Europa, América do Sul e África.O ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Augusto Santos Silva, acredita que em pouco tempo a língua portuguesa será um idioma oficial das Nações Unidas e defendeu que o português já é uma língua global

Segundo o chanceler luso, o português está entre as cinco línguas mais faladas no mundo, tendo atualmente existem cerca de 260 milhões de pessoas que têm o idioma como língua materna.
Ele afirmou que a língua portuguesa deve crescer nas próximas décadas por razões demográficas, e que essa subida ocorrerá principalmente no continente africano. “De acordo com as projeções da ONU, por meados deste século, os falantes de português chegará perto de 400 milhões. E pelo fim do século, teremos quase 500 milhões de pessoas em todo o mundo falando português como idioma nativo”.
Santos Silva disse que, através do empenho de todos, o idioma pode ser reconhecido em várias organizações internacionais como língua oficial. Ele destacou que o número de pessoas que utilizam as variantes da língua é importante, mas que a qualidade do conteúdo produzido é fundamental. E disse acreditar que o português ainda se afirmará em outras áreas do conhecimento.
“Ela tem que ser também uma língua de ciência e de cultura, e tem que ser uma língua de comunicação e de negócios. E estamos a trabalhar na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) nessa direção, com o Instituto Internacional de Língua Portuguesa sediado em Cabo Verde e dirigido por uma moçambicana. Nós da nossa parte contribuímos também com o nosso Instituto Camões [de difusão da língua e da cultura]”.
O ministro comentou a declaração do primeiro-ministro de Portugal, António Costa, de que a CPLP está empenhada em promover o português em organizações internacionais incluindo a ONU. Costa frisou o desejo dos países lusófonos de ver o português figurar entre as línguas oficiais das Nações Unidas. Na ONU a decisão sobre o estatuto de uma língua figurar como oficial compete aos países-membros da Assembleia Geral. Atualmente, existem seis línguas oficiais nas Nações Unidas: árabe, chinês, espanhol, francês, inglês e russo (ONU News).

Receita Federal alerta para golpe por via postal

Não devem ser acessados endereços eletrônicos que não o oficial do Órgão.

A Receita Federal alerta para golpe que está sendo realizado por via postal, e não por e-mail, como é comum. O contribuinte recebe, por correspondência, em sua casa, uma intimação para regularização de dados cadastrais. Nesta correspondência, há um endereço eletrônico para acesso e atualização de dados bancários. O endereço informado não tem nenhuma relação com o site da Receita, alertou o órgão.
Apesar de conter o logotipo e o nome da Receita Federal, a carta é uma tentativa de golpe e não é enviada pelo órgão nem tem sua aprovação. A orientação ao contribuinte é que, caso receba esse tipo de correspondência, destrua a carta e jamais acesse o endereço eletrônico indicado. Para fins de consulta, download de programas ou alterações de informações junto ao Fisco federal, não devem ser acessados endereços eletrônicos que não o oficial do Órgão.
No que se refere a dados bancários de pessoas físicas, o contribuinte só os informa à Receita, a seu critério, para fins de débito automático ou depósito de restituição do Imposto de Renda. Em ambos os casos, a informação é fornecida na Declaração do Imposto de Renda e pode ser alterada por meio do Extrato da Dirpf no Centro Virtual de Atendimento da Receita Federal (e-CAC). Caso o contribuinte não consiga utilizar os serviços virtuais, ele deve procurar um Centro de Atendimento ao Contribuinte nas Unidades da Receita. Nenhum outro site ou endereço na Internet está habilitado a fazer procedimentos em nome da Receita, ressaltou o órgão (ABr).

Venezuela classifica como “irracional” novo decreto de Trump

O governo da Venezuela classificou ontem (22) de “irracional” a medida adotada ontem pelos Estados Unidos contra o país e condenou as ações unilaterais americanas. O novo decreto do presidente Donald Trump impõe restrições de ingresso nos EUA a cidadãos de oito nações, entre elas a Venezuela. O Ministério das Relações Exteriores venezuelano disse em comunicado que o país “rejeita categoricamente a irracional decisão do governo dos Estados Unidos de considerar uma vez mais o nobre povo venezuelano como uma ameaça a sua segurança nacional”.
Segundo os EUA, o novo decreto de Trump, que entrará em vigor no dia 18 de outubro, pretende “melhorar a capacidade e os processos de vigilância para detectar a tentativa de entrada nos Estados Unidos de terroristas ou de outras ameaças à segurança pública”. Além da Venezuela, também estão na nova lista a Coreia do Norte e o Chade. Segundo o decreto, a Venezuela foi incluída porque o governo do país “não coopera em verificar se seus cidadãos representam ameaças para a segurança nacional ou a segurança pública dos EUA”.
As restrições de ingresso de venezuelanos são focadas em “funcionários do governo responsáveis pelas deficiências identificadas”. A Chancelaria venezuelana criticou a medida, afirmando que as “ações inamistosas e hostis” dos EUA buscam estigmatizar o país com o “pretexto da luta contra o terrorismo”, deixando de fora da relação outros governos que seriam responsáveis por esse “flagelo”. Para a Venezuela, os EUA estão violando os propósitos e princípios da Carta das Nações Unidas sobre o direito internacional e também às normas que devem reger as relações entre os países (Agência EFE).

Chegou o segundo voo com militares que retornam do Haiti

Mais de 200 militares brasileiros que faziam parte da Missão das Nações Unidas no Haiti desembarcaram na Base Aérea de Guarulhos.

Voltaram ao Brasil 204 militares que faziam parte da Missão das Nações Unidas no Haiti. O voo chegou no domingo (24) à noite na Base Aérea de Guarulhos. Os integrantes do 26º contingente enviado ao país caribenho foram recebido em uma solenidade, com música e cumprimentos de autoridades das Forças Armadas. O comandante militar do Sudeste, general João Camilo Pires de Campos fez um discurso parabenizando os homens e mulheres pelos resultados da missão.
O grupo ainda ficará por dois dias na base, antes de ir para casa, a fim de passar por exames médicos e procedimentos burocráticos. O general Campos destacou os feitos dos militares brasileiros no Haiti. Além de pacificar o país, a missão, nos 13 anos de duração, foi fundamental durante os desastres naturais que ocorreram – o terremoto de 2010 e o furacão de 2016. “Contribuição para as missões humanitárias e estabilização do Haiti. E a contribuição para que a polícia nacional haitiana se consolidasse, como se consolidou”, afirmou.
A atuação fora do país também trouxe, segundo o general, expertise para as tropas brasileiras. “Voltamos muito mais ricos do que quando fomos, com aquela riqueza que o ladrão não rouba e a ferrugem não corrói”, acrescentou.
A desmobilização da missão no Haiti começou no fim de agosto. O primeiro voo com os militares brasileiros chegou na madrugada de sábado (23). Mais dois voos devem chegar até o fim de setembro, removendo cerca de 90% da força presente na ilha. O encerramento completo dos trabalhos deve ocorrer em 15 de outubro (ABr).

Funcionários em greve dos Correios decidem sobre proposta

Os funcionários dos Correios da Federação Interestadual dos Sindicatos dos trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect) têm assembleias hoje (26) para decidir se aceitam propostas do acordo coletivo para o biênio 2017/18 negociados na última sexta-feira (22). A Federação Nacional (Fentect) entrou em greve na última sexta-feira (22). Os Correios propõem o reajuste de salário de 3% a partir de janeiro do próximo ano.
A Findect é formada pelos servidores dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Tocantins e Maranhão. Segundo a Federação, os quatro estados correspondem por 75% do fluxo postal do país e detém cerca de 40% do quadro de funcionários da empresa. Já a Fentect, responde pelos demais estados do Brasil. A federação, que detém 60% do quadro de funcionários e movimenta cerca de 25% do fluxo postal do país, decidiu entrar em greve “antes do final das negociações”, segundo os Correios.
Por meio de nota, os Correios lamentaram a iniciativa da Fentect de entrar em greve, tendo em vista as dificuldades econômicas que a empresa atravessa.
“Essa atitude coloca em risco não apenas a qualidade dos serviços prestados pelos Correios aos clientes e à população brasileira, mas também prejudica o esforço de todos os empregados que, ao longo deste ano, trabalharam para reverter a situação financeira da empresa”. A Fentec, por sua vez, alega que a empresa não apresentou uma proposta e que espera a mediação do TST (ABr).

Mais Lidas