Organização Mundial da Saúde realça liderança do Brasil no controle do tabagismo

Uma em cada 10 mortes por doença no mundo é causada pelo tabagismo, alerta a OMS.

Relatório, divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em Genebra e Nova York, afirma que uma em cada 10 mortes por doença no mundo é causada pelo fumo, apesar de 4,7 bilhões de pessoas, o equivalente a 63% da população mundial, ter acesso a advertências contra o uso do tabaco

Por conta disso, o órgão sugere o aumento de políticas de controle do produto a nível mundial.
Entre as medidas propostas estão uma maior divulgação de imagens e gráficos de advertência sobre os riscos do tabaco e o estabelecimento de lugares públicos livres do fumo. Segundo o oficial técnico da OMS sobre o Controle do Tabaco, Rodrigo Santos Feijó, hoje o número de pessoas informadas sobre os riscos do fumo representa 3,6 bilhões de pessoas a mais que em 2007. O documento Epidemia Global de Tabaco 2017 alerta que, num esforço conjunto, os países podem ajudar a evitar milhões de mortes todos os anos por causa do fumo ou de doenças associadas ao seu uso.
Segundo Feijó, o relatório da OMS apresenta o Brasil, mais uma vez, como um líder mundial no controle do tabagismo. “O país aparece como um dos oito que conseguiram, dentro do grupo de nações de rendas baixa e média, implementar quatro ou mais dessas medidas [de controle] efetivas no seu mais alto grau. Então, o Brasil continua aparecendo como uma liderança e uma referência para outros países no cenário global, no que se refere ao controle do tabagismo”.
A Organização Mundial da Saúde afirma que a indústria do tabaco impede tentativas de governos de implementar medidas contra o produto. E que políticas efetivas de controle ajudam a economizar bilhões de dólares com gastos de saúde e a perda de produtividade de vítimas do tabaco. Para o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, governos de todo o mundo devem incorporar as orientações da Convenção-Quadro sobre Controle de Tabaco da ONU nos seus planos nacionais. Ghebreyesus acredita que o comércio ilegal de tabaco está agravando o tabagismo (ONU News).

Unicamp assume liderança como melhor ensino superior

Unicamp é mais conhecida por ser especializada em pesquisas médicas e científicas.

O posto de número um entre as 81 melhores instituições de ensino superior da América Latina passou a ser ocupado pela Unicamp, de acordo com ranking mundial divulgado ontem (20) pela instituição britânica Times Higher Education (THE). O dado inverte a classificação de 2016, que tinha a USP na liderança e a Unicamp no segundo lugar.
Na lista das 25 primeiras colocadas, o Brasil aparece 13 vezes, seguido do Chile (6), a Colômbia (4) e o México (2). Entre as brasileiras, além das duas primeiras (Unicamp e USP), estão a Unifesp, em 7º lugar; seguidos da UFRJ (8º); a PUC-RJ (9º); UFMG (11º); Estadual Paulista (12º); Federal do ABC (14º); Federal de Santa Catarina (15º); PUC-RS (16º); Federal de São Carlos (18º); Universidade de Brasília (19º) e Estadual do Rio de Janeiro (24º).
Em nota, o reitor da Unicamp, Marcelo Knobel, disse que o resultado representa orgulho para a instituição. “É um reconhecimento do árduo trabalho que aqui realizamos, para ter uma escola de excelência em todas as áreas que atua. Temos agora um esforço extra para, apesar da grave crise que estamos atravessando, conseguir manter essa posição no cenário internacional”, afirmou.
O comunicado destaca ainda a ponderação do editor dos rankings Times Higher Education, Phil Baty, que considera “fantástico” ver duas universidades de qualidade internacional competirem pelo prestígio de ser a principal instituição brasileira no ranking. Em uma base de comparação, o editor afirmou que a USP é a maior e mais tradicional das duas instituições, enquanto a Unicamp é menor e mais conhecida por ser especializada em pesquisas médicas e científicas. “As duas universidades, tão diferentes, representam a diversidade e a excelência no setor do ensino superior do Brasil”.
Baty disse ainda que, mesmo tendo obtido uma boa participação entre os 50 mais bem classificados com 18 universidades, este número representa uma ligeira queda, pois na avaliação anterior, o país teve 23 instituições listadas (ABr).

Senado do Chile aprova lei que autoriza aborto

O Senado do Chile aprovou na quarta-feira (19) um projeto que autoriza o aborto em três casos específicos: quando há risco de vida para a mulher grávida; estupro e má formação do feto. O país é um dos mais restritivo do mundo na legislação sobre aborto, que até agora é proibido em qualquer situação. A aprovação no Senado foi comemorada pela presidente chilena, Michelle Bachelet, que levou o projeto ao Congresso há dois anos.
Em 2016, o texto recebeu o aval da Câmara dos Deputado, mas, desde então, permanecia em análise das comissões no Senado. Agora, o projeto voltará para a Câmara, onde o governo tem maioria, para corrigir os pontos sem consenso. Depois, seguirá para sanção presidencial. A iniciativa de Bachelet retoma uma proposta apresentada em 1991, e também em 2001 e 2005, sendo derrotada em todas as vezes por partidos de direita e democratas-cristãos.
Até hoje, setores conservadores, apoiados por movimentos católicos, exercem uma forte pressão contra o projeto. “Hoje foi uma manhã histórica”, celebrou Bachelet, que é ex-secretária das Nações Unidas para as Mulheres (ANSA).

Morre Marco Aurélio Garcia, ex-assessor de Lula e Dilma

O ex-assessor especial da Presidência da República para Assuntos Internacionais nos governos do ex-presidente Lula e de Dilma Rousseff, Marco Aurélio Garcia, morreu ontem (20), em São Paulo, vítima de um infarto, aos 76 anos. Professor aposentado do Departamento de História da Unicamp, Garcia foi atuante no Partido dos Trabalhadores (PT) desde a sua fundação, em 1980.
“Ele foi um importante líder na construção e execução da política externa brasileira durante o governo de Lula, além de ser um dos grandes apoiadores dos Brics [bloco formado pelo Brasil, a Rússia, Índia, China e África do Sul] e do fortalecimento das relações Sul-Sul”, destacou o partido, em nota (ABr).

Técnico do PSG confirma interesse do clube em Neymar

Técnico do PSG, Unai Emery.

O técnico do Paris Saint-Germain (PSG), Unai Emery, confirmou ontem (20) que o clube está estudando a possibilidade de contratar o atacante brasileiro Neymar, do Barcelona. “O PSG quer os melhores jogadores do mundo, que estão nos melhores clubes do mundo. Se nós quisermos competir com Bayern de Munique, Barcelona, Real Madrid e ganhar a Liga dos Campeões, então o PSG tem que ter um jogador que esteja entre os cinco melhores do mundo. Nós estamos tentando assinar com um deles neste verão”, disse Emery em uma entrevista ao jornal “L’Equipe”.
Ao ser questionado sobre o jogador, Emery afirmou que “Neymar pertence ao top 5 do mundo” e que “o presidente e o clube estão trabalhando há anos para atrair os melhores jogadores”. Além do atacante brasileiro, o PSG ainda estaria interessado em contratar Mbappé e Alexis Sánchez que atualmente “são muito grandes”.
O contrato de Neymar com o Barcelona foi renovado em julho do ano passado por mais cinco temporadas e com uma cláusula de rescisão progressiva, que aumenta de 200 milhões de euros no primeiro ano até 250 milhões de euros nos últimos três. De acordo com o canal “Esporte Interativo”, o atacante já teria comunicado a outros atletas brasileiros do elenco do PSG que estaria indo para o clube parisiense. No entanto, a diretoria do Barça negou que haja a negociação (ANSA).

Cúpula do Mercosul busca pacto com a Aliança do Pacífico

A reunião de cúpula das nações do Mercosul, que acontece em Mendoza, no centro-norte da Argentina, foi marcada por um seminário que analisou a possibilidade de promoção de um acordo comercial do bloco com a Aliança do Pacífico, que reúne o México, o Chile, a Colômbia e o Peru. O pacto do Mercosul com a Aliança do Pacífico seria analisado em paralelo com o que está sendo negociado com a União Europeia.
Essa será a primeira cúpula do Mercosul em um ano e meio, em um momento sensível para o bloco, formado por Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai, como membros plenos, com a Bolívia em processo de adesão e a Venezuela suspensa por conta das turbulências ora enfrentadas por aquele país andino. A cúpula dos líderes será realizada hoje (21) e deverá gerar uma declaração conjunta ao seu final. Na reunião a Argentina, que assumiu a presidência rotativa do bloco depois que a Venezuela foi suspensa, vai entregar o comando rotativo para o Brasil (Agência Xinhua).

Itália exige rótulos especiais para pasta e macarrão

As embalagens de macarrão e pasta na Itália terão que vir com especificações mais detalhadas sobre a origem dos ingredientes. Foram assinados ontem (20) dois decretos para introduzir, em caráter experimental por dois anos, uma medida que padrozina os rótulos das pastas vendidas no país.
Todas as embalagens de pasta deverão conter as especificações de origem do grão, do trigo ou do arroz usados na fabricação dos produtos. Esses dados deverão ser indicados em local de evidência no rótulo para serem facilmente reconhecidos e lidos. As empresas terão 180 dias para se adaptar à nova medida.
A iniciativa conta com o apoio dos ministros italianos da Política Agrícola e do Desenvolvimento Econômico, Maurizio Martina e Carlo Calenda, que prometem que a mudança “dará mais transparência” aos consumidores. De acordo com o Ministério da Agricultura da Itália, mais de 80% dos italianos consideram que é importante saber detalhes dos produtos alimentícios (ANSA).