Empresa oferece passagens com desconto para quem não despachar bagagem

Passageiros enfrentam filas para a inspeção de bagagens nos aeroportos do país.Desde ontem (1º), a companhia aérea Azul vai oferece tarifas mais baratas para clientes que não despachem bagagens. O desconto vai valer para voos que saem de Viracopos para 14 destinos no país

Os clientes que comprarem a passagem pelo preço normal continuam com a franquia de 23 quilos. A Azul é a primeira empresa a implementar mudanças no sistema de bagagens, depois que a Anac liberou as companhias aéreas para estabelecer suas próprias políticas de cobrança pelas malas despachadas.
Agora, as empresas não são mais obrigadas a oferecer franquia de bagagem sem custo para os clientes.
Com as novas regras, o limite de peso da bagagem de mão aumentou de cinco para 10 quilos, em todas as companhias aéreas. O cliente da Azul que comprar a passagem com desconto poderá escolher pela compra ou não do serviço de bagagem despachada. Nessa modalidade, se o cliente mudar de ideia, deverá pagar R$ 30 para despachar uma mala de 23 quilos. Segundo a empresa, a nova opção será inserida gradativamente para atender a toda a malha de voos da empresa.
Os descontos oferecidos pela Azul para quem não despachar bagagem variam de 12% a 30%. Por exemplo, um voo de Viracopos a Cascavel (PR) passa de R$ 231,90 para R$ 201,90 para quem não quiser levar malas. Já para ir de Viracopos a Curitiba, a tarifa cai de R$ 99,90 para R$ 69,90, segundo informações divulgadas pela empresa. A Gol também vai oferecer, a partir do próximo dia 20, uma tarifa mais barata para quem não precisar despachar bagagens. As tarifas com preço normal vão incluir uma franquia de 23 quilos.
Se o cliente que comprou o bilhete da tarifa Light decidir posteriormente despachar a bagagem, poderá pagar à parte. Nos voos nacionais, será cobrado o valor de R$ 30 para despachar uma mala de até 23 quilos. A partir de julho, a Latam vai começar a cobrar pelas bagagens em voos domésticos e a oferecer preços diferenciados para passageiros que optarem por não despachar bagagens. A companhia já fez mudanças na franquia de bagagens, que passou a ser de uma mala de 23 quilos, no caso de voos nacionais. A Avianca decidiu não cobrar pelo despacho de bagagens no momento (ABr).

Londres terá que renegociar 759 tratados com a UE

Acordos de comércio e de regulação são maioria entre os que terão que ser revistos.

O Reino Unido terá que renegociar pelo menos 759 tratados internacionais em consequência da sua decisão de deixar a União Europeia (UE), segundo pesquisa divulgada ontem (1°) pelo jornal britânico Financial Times (FT).
Entre os tratados internacionais encontram-se 295 acordos bilaterais e multilaterais de comércio, 202 textos de regulação compartilhada que vão desde normativas antimonopólio até política de compartilhamento de dados.
Também deverão ser revistos 69 acordos pesqueiros – que definirão o acesso a determinadas águas e cotas de captura--, 65 termos relativos a transporte – em sua maioria sobre aviação –, 49 aduaneiros, 45 do setor de energia nuclear e 34 sobre agricultura. “O precedente mais próximo que se pode pensar é a suspensão de um país. Vai-se começar praticamente do zero. Será um processo difícil e repetitivo”, disse o advogado do governo britânico Andrew Hood ao FT. O jornal britânico destacou que alguns dos acordos “são tão essenciais que seria impensável operar sem eles”.
Entre outras questões, o governo britânico deverá refazer os acordos que permitem aos aviões de seu país fazer pousos e decolagens nos Estados Unidos, Canadá e Israel, além de revisar os acordos internacionais que permitem importar componentes e combustível para a produção de energia. O ministro britânico de Comércio Internacional, Liam Fox, afirmou que o governo prevê negociar acordos de transição para que as negociações de novos tratados internacionais não provoquem “nenhum rompimento” no Reino Unido (Agência Télam).

Pernambuco tem 31 cidades atingidas por chuvas

O número de municípios atingidos pelas chuvas em Pernambuco subiu para 31. A informação foi divulgada pelo governo estadual. Segundo a nota, o número de desalojados é de 39.725, e o de desabrigados, aqueles que perderam as casas, é de 3.560. Desde domingo, 24 cidades tiveram estado de emergência reconhecido pelo governo. Com as chuvas de ontem, a nova lista traz os municípios de São Joaquim do Monte, Altinho, São José da Coroa Grande, Cupira, Escada, Bonito e Gravatá.
Apesar de não constarem na relação, Recife e Olinda também sofreram com os impactos do mau tempo. Duas pessoas morreram soterradas em um deslizamento de terra no bairro de Dois Unidos, zona norte da capital, e alagamentos foram registrados em diversos pontos. O governo de Pernambuco também informou que o Hospital de Campanha do Exército foi montado ontem (1º) no município de Rio Formoso, que teve o hospital da cidade inundado no último fim de semana, perdendo equipamentos. O prédio sofreu danos.
Durante reunião realizada com a bancada da Assembleia Legislativa de Pernambuco, foi apresentada pelos parlamentares proposta para prorrogar o prazo de pagamento do ICMS para os comerciantes formalizados nas regiões atingidas pelas chuvas. A nota diz que o governador Paulo Câmara autorizou a medida. Um decreto deverá ser publicado oficializando a prorrogação (ABr).

Estado do Rio registrou um crime a cada 39 segundos em 2016

Ocorreram mais de 811 mil crimes no ano passado em todo o estado.

O estado do Rio de Janeiro registrou um crime a cada 39 segundos em 2016, de acordo com o do estudo ‘Avanço da criminalidade no estado do Rio de Janeiro - Retrato e propostas para a segurança pública’, divulgado ontem (1º) pelo Sistema Federação de Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan). Segundo o levantamento, ocorreram mais de 811 mil crimes no ano passado em todo o estado.
Na avaliação da Firjan, a crise econômica do estado e dos municípios contribui diretamente para o agravamento da situação, por conta da redução da presença das forças de segurança pública nas ruas e também das ações de investigação. O estudo destaca que o estado do Rio se tornou o mais perigoso do país para o transporte de cargas, com quase 10 mil registros de roubo no ano passado. É a maior incidência desse tipo de crime em 25 anos.
O número equivale a 43,7% das ocorrências nacionais e o custo foi de R$ 619 milhões. O aumento pode estar relacionado, segundo a Firjan, à estratégia de financiamento das facções criminosas, que têm utilizado o produto roubado para a compra de drogas e armas, financiando o tráfico internacional. A entidade também aponta que os roubos são facilitados pela fragilidade das fronteiras estaduais e nacionais. No caso estadual, por exemplo, a Firjan chama a atenção para o déficit no quadro da Polícia Rodoviária Federal (ABr).

PF deflagrou operação contra crimes eleitorais em São Paulo

A Polícia Federal (PF) deflagrou ontem (1º) a Operação Cifra Oculta para apurar crimes eleitorais e lavagem de dinheiro relacionados à campanha de 2012 para a prefeitura da cidade de São Paulo. A investigação é um desdobramento da Operação Lava Jato e teve início em novembro de 2015 por determinação do STF para desmembrar a colaboração premiada de executivos da empresa UTC.
“O inquérito apura o pagamento, pela empreiteira, de dívidas de uma das chapas da campanha de 2012 à prefeitura municipal de São Paulo, referentes a serviços gráficos no valor de R$ 2,6 milhões. A gráfica pertencia a familiares de um ex-deputado estadual”, diz nota da PF. De acordo com a investigação, “a dívida teria sido paga por meio de um doleiro, em transferências bancárias e dinheiro vivo, para empresas”.
“Uma empresa mencionada na delação aparece como fornecedora de serviços, com valores informados de R$ 354.450,00. Somente consta na prestação de contas ao TSE outra prestação de serviços gráficos de R$ 252.900,00, valores bem inferiores à soma de R$ 2.600.000,00, que teria sido paga pela empreiteira UTC a gráficas”, diz ainda a nota. Trinta policiais federais cumpriram nove mandados de busca e apreensão nas cidades de São Paulo, em São Caetano e Praia Grande. Os mandados foram expedidos pela 1ª Zona Eleitoral de São Paulo (ABr).