Campanha de vacinação contra gripe termina na sexta-feira

Somente 28,7 milhões de pessoas foram vacinadas. Isso significa 53% do público-alvo.

Esta é a última semana da campanha de vacinação contra a gripe, a vacina está disponível nos postos de saúde até a próxima sexta-feira (26) para o público-alvo da campanha

Um balanço do Ministério da Saúde, mostra que somente 28,7 milhões de pessoas foram vacinadas, apenas 53% do público-alvo. É fundamental que as pessoas se vacinem neste momento para estarem protegidas durante o inverno, quando os diversos vírus da influenza começam a circular com maior intensidade. A vacina demora cerca de 15 dias para fazer efeito após aplicada.
A escolha dos grupos prioritários segue recomendação da OMS. O público-alvo é formado por 54,2 milhões de pessoas consideradas mais vulneráveis para complicações da doença. A meta do governo é vacinar 90% desse grupo. A dose está disponível nos postos de vacinação para crianças de 6 meses a menores de 5 anos, pessoas com 60 anos ou mais, trabalhadores de saúde, povos indígenas, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional e pessoas com doenças crônicas não transmissíveis ou com outras condições clínicas especiais, além de professores da rede pública e particular.
Pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e com deficiências específicas devem apresentar prescrição médica no ato da vacinação. Pacientes cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do Sistema Único de Saúde (SUS) devem se dirigir aos postos em que estão registrados para receber a vacina, sem a necessidade de prescrição médica.
À população em geral, o Ministério da Saúde orienta a adoção de cuidados simples para evitar a doença, como: lavar as mãos várias vezes ao dia; cobrir o nariz e a boca ao tossir e espirrar; evitar tocar o rosto; não compartilhar objetos de uso pessoal; além de evitar locais com aglomeração de pessoas.
Mesmo as pessoas vacinadas devem procurar o médico ao apresentar os sintomas da gripe: febre, tosse ou dor na garganta, além de outros, como dor de cabeça, dor muscular e nas articulações. O agravamento do quadro de gripe pode ser identificado por falta de ar, febre por mais de três dias, piora de sintomas gastrointestinais, dor muscular intensa e prostração (ABr).

Plataformas online para simulado do Enem

Os estudos online permitem que o estudante organize o próprio tempo e tenha acesso a um plano de estudos personalizado.

Feita a inscrição no Enem, estudantes podem desde já aprofundar ainda mais os estudos. O Geekie Games abriu acesso a um simulado gratuito com dois cadernos de provas. As áreas de conhecimento estão organizadas da mesma forma que o Enem: haverá questões de linguagens, códigos e suas tecnologias e ciências humanas e suas tecnologias no primeiro dia de avaliação; matemática e suas tecnologias e ciências da natureza e suas tecnologias estarão no segundo dia de prova.
Após iniciado o teste, os estudantes terão até duas horas seguidas para concluir cada caderno de prova. Ao entregá-las, os participantes receberão imediatamente um relatório gratuito com os assuntos mais errados, além do gabarito das questões. Também poderão comparar se conseguiriam ou não ser aprovados no curso que desejam, com base nas notas do ano passado. Para fazer os simulados de 2017 basta que o estudante crie uma conta gratuita no site (https://geekiegames.geekie.com.br/simulado-enem/do Geekie Games).
Outro simulado é o Descomplica (https://descomplica.com.br/). As inscrições estão abertas. Com o mesmo formato do Enem, o simulado aplicado em dois domingos. Os estudantes terão acesso à correção e às notas do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) do ano passado, para que possam estimar se conseguiriam ser aprovados no curso que desejam.
Segundo o professor de física e CEO da plataforma Descomplica, Marco Fisbhen, os estudos online permitem que o estudante organize o próprio tempo e tenha acesso a um plano de estudos personalizado, voltado para as próprias demandas (ABr).

Capital paulista tem menos ônibus em circulação

A prefeitura de São Paulo registrou, desde o início do ano, a menor frota de transporte coletivo de toda a série histórica que começou em 2006. A média mensal de ônibus e micro-ônibus nos quatro primeiro meses de 2017 chegou a 14.512 veículos, segundo dados do órgão responsável por administrar o transporte público na maior cidade do país, a SPTrans.
O número fica abaixo do de 11 anos atrás, quando a média mensal, considerando todos os meses do ano, alcançou 14.761 veículos em circulação. Em nota, a SPTrans explicou que a variação da frota ocorre em função de ajustes operacionais e argumentou que, apesar da redução no número de veículos, aumentou a capacidade de transporte de passageiros, já que ônibus menores estão sendo substituídos por veículos maiores, como os biarticulados.
Os números oficiais mostram que, em abril de 2006, a frota tinha capacidade para 958 mil passageiros. Em abril deste ano, esse número chegou a 1,153 milhão de pessoas. Um aumento de quase 20% na capacidade. De outro lado, em 11 anos, também aumentou o número de usuários do sistema, com acréscimo de 10%, aproximadamente. Em todo o ano de 2006, foram transportados 2,661 milhões de passageiros. Nos 12 meses do ano passado, esse número chegou a 2,915 milhões de pessoas. Até abril deste ano, já tinham sido transportadas 917 mil pessoas.
Os números das planilhas oficiais são sentidos na prática por quem anda de ônibus na maior cidade do país. Cinelly dos Anjos, que é empregada doméstica e precisa pegar até três ônibus todos os dias para chegar ao trabalho, relaciona a redução do número de veículos com a queda na qualidade do serviço: “Por causa do tempo que você espera. Você espera muito, sabe? É uma falta de respeito com a gente, que paga muito caro pra andar mal dentro desses onibus apertados”.

Líder norte-coreano aprova fabricação em massa de míssil

Presidente da Coreia do Norte, Kim Jong-un.

O presidente da Coreia do Norte, Kim Jong-un, aprovou a produção em larga escala de um novo míssil de médio e longo alcance, o Pukguksong-2 (KN-15). A autorização para a fabricação da arma veio após o país ter sucesso em um teste do equipamento no fim de semana. “Esse tipo de míssil deve ser rapidamente produzido em massa e em série”, disse o ditador norte-coreano citado pela agência de notícias Yonhap.
Kim Jong-un supervisionou pessoalmente o teste do K-15 no domingo e comemorou o sucesso do míssil em atingir seus respectivos alvos. O equipamento teria sobrevoado cerca de 500 km e caído no Mar do Japão. “O objetivo do lançamento era a verificação de todos os indícios técnicos e a análise de sua adaptação diante de diversas condições de batalha, antes que o míssil seja enviado a unidades militares para uso”, afirmou o líder do país.
Há uma semana, a Coreia do Norte testou outro míssil, o Hwasong 12, que alcançou 800 km. Os testes, que já totalizam oito desde o início do ano, aumentam a tensão na região asiática e as provocações contra os Estados Unidos, cujo presidente, Donald Trump, promete respostas (ANSA/COM ANSA).

França fará teste e mudará estrutura das aulas para crianças

O novo governo de Emmanuel Macron fará uma mudança em mais de duas mil escolas francesas para o próximo ano letivo: as classes deverão ter apenas 12 alunos cada para um melhor aproveitamento do ensino. O anúncio da mudança foi realizado ontem (22) pelo ministro da Educação, Jean-Michel Blanquer, e atinge 2,2 mil escolas de ensino primário das áreas de instrução prioritária ou de instrução prioritário reforçada. As crianças dessas unidades tem entre dois e seis anos de idade.
De acordo com Blanquer, “diversos estudos demonstram que a subdivisão em pequenas classes é mais eficaz” e que as aulas das classes prioritárias terão apenas 12 ao invés dos 24 alunos como é atualmente como forma de ‘experimentação’. “A prioridade é a escola primária, que é a mãe de todas as batalhas. Nosso objetivo é que os alunos saiam da escola primária com a aprendizagem essencial. Temos que sair da escola primária tendo aprendido a ler, escrever, contar e a ter respeito pelos outros”, disse ainda o ministro. A medida suscita críticas de sindicatos franceses e de professores, que afirmam que não há estruturas para o ensino ser feito dessa maneira. (ANSA/COM ANSA).

MP cria Refis para débitos de empresas com autarquias

O governo publicou, na edição de ontem (22) do Diário Oficial da União, medida provisória (MP) que institui o novo Programa de Recuperação Fiscal (Refis), o Programa de Regularização de Débitos não Tributários (PRD) de empresas junto às autarquias e fundações públicas federais e à Procuradoria-Geral Federal.
A adesão ao PRD ocorrerá por meio de requerimento a ser efetuado no prazo de 120 dias, contados da data de publicação da regulamentação pelas autarquias, fundações públicas e a procuradoria. O programa abrangerá os débitos em discussão administrativa ou judicial, segundo o texto da MP 780/2017. Segundo o Ministério do Planejamento, a medida contribui para a manutenção ou restabelecimento do acesso ao capital por parte das empresas que aderirem ao programa.
“A MP é convergente com outras ações governamentais que visam a recuperação da economia brasileira. O parcelamento dos débitos também contribui para a elevação da arrecadação de receitas governamentais em um momento em que o governo busca reequilibrar as contas públicas do país”, disse a pasta em nota (ABr).