Contato: (11) 3043-4171

MPF recebe 614 ossadas de possíveis desaparecidos políticos

O Ministério Público Federal (MPF) recebeu no último sábado (15) as 614 ossadas que estavam em vala clandestina do cemitério de Perus, na zona noroeste da capital paulista

 Reprodução

Algumas ossadas foram descobertas na década de 1990 pelo Departamento de Medicina-Legal da Unicamp.

Os restos mortais de possíveis desaparecidos políticos da ditadura ficarão armazenados em sala-cofre no subsolo do MPF em São Paulo até que a reforma no laboratório da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) esteja concluída, e as ossadas possam ser transferidas para a instituição.

No laboratório da universidade, já há 433 ossadas, o que fez atingir a capacidade máxima do local, que só deve ser ampliada após a reforma. O conteúdo de 385 caixas já foi aberto e verificado. Por meio de análise antropológica, arqueólogos estimaram o perfil biológico das ossadas, como sexo, estatura, faixa etária e possíveis traumas.

Do total já verificado, 85% são ossadas do sexo masculino. Existe também um percentual de 5% de crianças. Em 22% das caixas havia mais de um indivíduo, o que significa que o número de pessoas a serem identificadas pode ser maior que o estimado. Participam do trabalho de identificação arqueólogos, médicos, dentistas e geneticistas da Unifesp.

Segundo o ministro da Secretaria de Direitos Humanos, Pepe Vargas, o ministério está em processo de contratação de um laboratório internacional que também se dedicará à análise genética das ossadas. O valor a ser gasto gira em torno de R$ 2 milhões. O Cemitério Público Municipal de Perus foi usado durante a ditadura para enterrar secretamente militantes políticos assassinados e outras vítimas de violência no regime.

“O direito à memória é fundamental e deve ser garantido pelo Estado e pela própria sociedade. A busca da verdade é tarefa fundamental de um estado democrático. Isso é fundamental tanto para que a sociedade compreenda a forma como a repressão se estabeleceu, quanto para que isso não se repita”, declarou o ministro.

Cemitério Clandestino de Presos Políticos, na região metropolitana de São Paulo.


O cemitério foi inaugurado em abril de 1971. Algumas ossadas foram descobertas na década de 1990 pelo Departamento de Medicina-Legal da Unicamp. Em 1992, foram identificados dois presos políticos cujos restos mortais estavam na vala clandestina de Perus: Dênis Antônio Casemiro e Frederico Eduardo Mayr. Naquela época, foram encontradas mais de mil ossadas enterradas na vala clandestina, colocadas em 1.049 caixas.


Em 2014, foram transferidas 433 ossadas para o laboratório da Unifesp, mas a permanência das 614 ossadas no cemitério ainda preocupava o Grupo de Trabalho de Perus. Na sala-cofre do MPF, segundo a procuradora regional da República Eugênia Gonzaga, que também é presidente da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, as ossadas ficam seguras e armazenadas com a climatização e umidade adequadas. A estimativa é que a identificação dos restos mortais feita pela Unifesp e pelo órgão internacional a ser contratado termine até o final de 2016 (ABr).

 

Movimento Mundial Setembro Amarelo estimula prevenção do suicídio

1395833977 temproarioO suicídio é considerado um problema de saúde pública e mata 1 brasileiro a cada 45 minutos e 1 pessoa a cada 45 segundos em todo o mundo

Se outubro é o mês pela prevenção do câncer de mama, representado pela cor rosa, e novembro é pela prevenção de doenças masculinas, com a cor azul, Setembro Amarelo é um movimento mundial para conscientizar a população sobre a realidade do suicídio e mostrar que existe prevenção em mais de 90% dos casos. De cada suicídio, de seis a dez outras pessoas são diretamente impactadas, sofrendo sérias consequências difíceis de serem reparadas.


O suicídio é considerado um problema de saúde pública e mata 1 brasileiro a cada 45 minutos e 1 pessoa a cada 45 segundos em todo o mundo. Pelo menos o triplo disso tentou tirar a própria vida e outras chegaram a pensar em suicídio. Apesar de números tão alarmantes, o assunto ainda é tratado como tabu. Evita-se o assunto, o que só colabora para seu aumento.

Segundo Carlos Correia, voluntário do CVV, entidade que atua gratuitamente na prevenção do suicídio há 53 anos, as pessoas que tentam suicídio pedem ajuda, mas, normalmente, não são compreendidas. “Deixar de falar sobre o assunto só colabora para esse distanciamento social”, comenta. “O assunto suicídio deveria fazer parte, de forma muito natural, da roda de amigos, nas escolas, casas religiosas e dentro das casas”, complementa.

O movimento Setembro Amarelo é estimulado mundialmente pelo IASP – Associação Internacional pela Prevenção do Suicídio e consiste em iluminar ou sinalizar locais públicos com faixas ou símbolos amarelos.
No Brasil, uma das instituições que está trabalhando pela causa neste ano é o CVV. Os 70 endereços do CVV em todo o país estão com uma faixa amarela na sua fachada, e seus voluntários buscam o apoio de municípios, estados e da federação para iluminar ou identificar monumentos e prédios públicos durante todo o mês de setembro.

Para colaborar, qualquer pessoa pode iluminar ou identificar a fachada de uma casa ou prédio, promover motoata (passeio de motos) com balões, fitas ou panos amarelos, caminhadas com camisetas amarelas ou outras ações que impactem a população. Todos que mandarem fotos de suas iniciativas para a fanpage do CVV (https://www.facebook.com/cvv141) poderão ver o material compartilhado no Facebook. Algumas dessas fotos serão enviados ao IASP que vai reunir as principais ações ao redor do mundo.

Mais artigos...

  1. Deslocamento com bicicleta caiu em São Paulo de 2007 a 2012
  2. Guia Alimentar propõe novo olhar sobre a alimentação
  3. O colapso dos grandes herbívoros
  4. Marcha das Margaridas: 32 anos depois, líder ainda influencia mulheres do campo
  5. Cientistas procuram por abelha invasora na América do Sul
  6. Julgamento no STF pode levar Brasil a descriminalizar porte de drogas
  7. Mais fogo e menos água
  8. As novas cores da (des)igualdade racial no país
  9. Escolas rompem barreiras e levam crianças para ocupar e aprender na cidade
  10. Férias. É hora de aprender
  11. Biometria adaptativa é novo modo de avaliar identidade
  12. Demência vascular é mais comum que Alzheimer em idosos
  13. Imigrantes: as brechas para o acolhimento
  14. Pesquisa busca resgatar espaço memorial do teatro paulistano
  15. Santos Dumont, o Pai da Aviação, sim, senhor!
  16. Avaliação positiva do governo Dilma caiu para 7,7% em julho, mostra pesquisa
  17. Estatuto da Igualdade Racial completa 5 anos com desafio de equiparar direitos
  18. Estudo analisa a pluralidade do espiritismo kardecista
  19. Aumento de tamanho da próstata é normal e tem tratamento
  20. Brasil pode ser pioneiro em defensivos agrícolas naturais
  21. Crianças iam para a cadeia no Brasil até a década de 1920
  22. Especialistas dizem que intolerância é principal causa de linchamentos no Brasil
  23. Como transformar crise em oportunidade?
  24. Fruto amazônico tem efeito anti-inflamatório contra câncer
  25. Reservatórios de água ajudam sertanejos a conviver com a seca
  26. Divergência marca visões sobre patrimônio histórico
  27. Raul Seixas: o mito faz 70 anos e permanece vivo 25 anos após a morte
  28. Imigrantes atuam como embaixadores do Brasil nos Estados Unidos
  29. País pode ter Justiça mais ágil com a mediação
  30. Cadê o chinelo? Chi-ne-lo! Cadê o chinelo?!
  31. O papa ofuscaria todos os demais na Cúpula da ONU
  32. Senado incorpora visão humanista à legislação para migrantes no país
  33. Conheça o mundo bizarro da visão
  34. Pioneirismo e modernidade em surdina
  35. Treino combinado atenua obesidade
  36. Sistema carcerário não atende a Lei de Acesso à Informação
  37. É a vez de proteger os oceanos
  38. Lei das Estatais pode preencher vazios legais da administração pública
  39. Ano Novo Chinês: conheça as tradições milenares que marcam a data
  40. Acordo com ditadura possibilitou eleição de Havelange à FIFA
  41. Gestão de áreas verdes em São Paulo apresenta falhas
  42. As cinco regras para líderes em experiência do cliente
  43. Integrado, ma non troppo
  44. O poder do boca a boca
  45. Especial 22/04/2015
  46. Especial 19/03/2015

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171