Supremo Tribunal Federal debate hoje a descriminalização do aborto

Debaixo das atenções femininas e com a expectativa de polêmicas fervorosas, o aborto volta a ser debatido no Supremo Tribunal Federal (STF) hoje (3), ainda sob o comando da segunda presidente mulher da Corte, Cármen Lúcia

Supremo 1 temproario

Foto: Nelson Jr/SCO/STF

Tema será debatido hoje (3) e na segunda-feira (6), em audiência pública no Supremo Tribunal Federal.

Carolina Gonçalves/Agência Brasil

O tema será relatado por Rosa Weber que decidiu ouvir especialistas antes de emitir um parecer. O STF tem nas mãos uma ação encaminhada pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), em março de 2017, pedindo que a interrupção da gravidez feita por decisão da mulher nas 12 primeiras semanas não seja mais considerada um crime.

Mais de 40 pessoas ligadas às áreas de saúde, ciências, direitos humanos e religião foram escolhidas para participar dos debates. A primeira audiência pública está marcada para hoje (3) e deve contar com mais de 20 especialistas. Cada um terá 20 minutos para apresentar argumentos e posicionamentos sobre o tema. Uma nova rodada está marcada para segunda-feira (6). Depois dessas audiências, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que já antecipou que não se manifestará antes do fim do processo, terá que emitir um parecer.

Pela rotina do STF, a manifestação da PGR costuma ser apresentada em até dez dias, mas não há um prazo pré-definido. Apenas com esse relatório em mãos, Rosa Weber concluirá seu posicionamento sobre o tema e submeterá a decisão ao plenário do STF – onde os 11 ministros deverão apresentar seu voto. Como se trata de uma questão complexa, assessores da Corte acreditam que dificilmente a atual presidente do Supremo tenha tempo hábil para colocar em pauta. A partir de setembro, Dias Toffoli passa a comandar o tribunal.

Supremo 3 temproario

Foto: Arquivo/ABr

"Temos que defender a vida da mulher, mas não podemos suprimir a vida da criança".

Responsável pela ação que, em 2012, garantiu o direito legal ao aborto nos casos de anencefalia, a professora da UnB Débora Diniz diz que a descriminalização retira a punição que recai sobre a mulher. Segundo ela, descriminalizar significa retirar a investigação, o estigma e a perseguição contra vítimas, em geral, mulheres mais jovens, pobres, negras, de áreas rurais, com menor acesso à informação e com menor poder aquisitivo para acessar clínicas e medicamentos seguros.

“A criminalização é um marco de desproteção às mulheres mais vulneráveis e mais desfavorecidas do país. Estamos falando de meninas violentadas que engravidam de maneira involuntária, de mulheres sem acesso à informação ou que fazem mau uso de métodos de planejamento familiar, ou de mulheres muito jovens que já têm filhos e se encontram em situação que não podem mais ter filhos”, alertou a pesquisadora.

“A minha pergunta é: como olhar para estas mulheres desfavorecidas, frágeis e em situação de violência e colocar a polícia atrás delas por uma decisão de vida? Devo ou não viver em um Estado que prenda as mulheres – mulheres comuns, uma em cada cinco, ou uma jovem que sofreu violência em casa? Se ela diz que não pode manter a gestação, ainda pego e coloco ela dentro de uma prisão por 3 ou 4 anos?”, completou.

A pesquisadora ressaltou ainda que esta decisão não obriga mulheres contrárias à prática do aborto, mas garante às outras a liberdade de se submeter a esse procedimento de uma forma segura e livre. De acordo com a especialista, uma em cada cinco mulheres brasileiras de 40 anos de idade já fez pelo menos um aborto. Ainda segundo ela, em 2015, foram mais de 500 mil mulheres brasileiras se submetendo a esse procedimento. “A questão é constitucional e importante para a democracia. Esta é parte de uma dívida democrática com as mulheres”, analisou.

Supremo 2 temproario

Foto: Fernando Frazão/ABr

"Uma em cada cinco mulheres brasileiras de 40 anos de idade já fez pelo menos um aborto".

Para a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), entretanto, o tema deveria ser discutido no Legislativo. Na opinião da entidade, o assunto contaria com uma participação popular mais expressiva se fosse discutido no Congresso Nacional. Para dom Ricardo Hoepers, bispo de Rio Grande (RS), a discussão restrita ao Supremo é “um transtorno democrático porque impede um aprofundamento do debate e a participação efetiva da população”.
Mestre e doutor em Bioética e Teologia Moral na Academia Alfonsiana, em Roma, Hoepers defende que o debate sobre o aborto é uma questão social e não apenas religiosa. Ele destaca ainda que a CNBB é uma instituição que faz parte da história democrática do país e, por isso, deve ter espaço para defender sua posição. Segundo o bispo, seu papel será o de ressaltar a reflexão em defesa da vida. “Entendemos, baseado na proposta científica, que a vida começa na concepção. Este pedido é desproporcional. Temos que defender a vida da mulher, mas não podemos suprimir a vida da criança. Não se resolve um mal com outro mal”, defendeu.

Dom Hoerpers reconhece o drama de milhares de mulheres que tentam o aborto de forma ilegal e que acabam morrendo durante o procedimento. Segundo ele, esse problema poderia ser sanado com políticas públicas integrais de proteção à maternidade e cuidado com a vida reprodutiva feminina. “Seria melhor ter políticas públicas de proteção em vez de defender a descriminalização. Temos experiências de casas de acolhida que têm resultados positivos e menos traumáticos para essas mulheres. Achamos estranho levantar o aborto como conquista quando, na verdade, é um drama”, lamentou.

Rosa Weber vai relatar ação que pretende descriminalizar o aborto

Rosa temproario

Foto: Antonio Cruz/ABr

Ministra Rosa Weber é relatora de ação que pede a descriminalização do aborto até a 12ª semana de gestação.

Já se passaram seis anos desde que o aborto fez com que as atenções da sociedade brasileira se voltassem para o STF. Na época, abril de 2012, a decisão da Corte recaía sobre a permissão da interrupção da gravidez de fetos anencefálicos, um assunto que aguardou quase uma década para ser decidido. Naquele ano, a ministra Rosa Weber votou favoravelmente à ação, ao lado de outros sete colegas que consideraram o feto sem cérebro como “juridicamente morto”.

O aborto volta agora à pauta do STF com um viés muito mais amplo, incluindo a descriminalização da interrupção da gravidez até a 12a semana. Rosa Weber que continua a integrar a Corte agora assume o posto de relatora da ação. Por sua natureza discreta, assessores dizem ser impossível indicar uma tendência da ministra a respeito do assunto. E para ampliar o mistério em torno do assunto, Rosa Weber também não tem prazos formais a cumprir para que torne público seu parecer. Ela ainda deve aguardar o posicionamento da Procuradoria-Geral da República (PGR) para concluir o voto.

A PGR não se manifestará sobre esse assunto, no momento. Ela aguardará as audiências públicas que ocorrerão esse mês no STF para, só então, emitir parecer”, antecipou a assessoria do órgão. A pauta veio à tona em março do ano passado, quando o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) apresentou uma ação ao STF pedindo que o aborto feito por decisão da mulher nas 12 primeiras semanas de gravidez não seja mais considerado um crime.

Menos de seis meses depois, Rosa Weber decidiu convocar audiências públicas para que pudesse ouvir todos os segmentos envolvidos com o tema. Mais de 40 pessoas que se inscreveram para falar sobre o assunto foram selecionadas para as exposições que ocorrem hoje (3) e na próxima segunda-feira (6). Aos assessores do STF, Rosa Weber tem declarado que o assunto envolve diferentes valores públicos e direitos fundamentais e pode ser considerado um dos temas jurídicos “mais sensíveis e delicados”, por envolver razões de ordem ética, moral, religiosa e de saúde pública e a tutela de direitos fundamentais individuais.

Advogada do PSOL, Luciana Boiteaux afirma que “já passou da hora” de o Supremo decidir sobre o assunto. “Estamos em 2018 e o Brasil é um dos poucos países que criminaliza o aborto”, afirmou, ao citar exemplos de países que têm forte presença religiosa em suas culturas, mas, ainda assim, têm regiões onde o procedimento é legalizado, tais como Irlanda, Estados Unidos, Argentina e Chile. “O Brasil tem um alto índice de mortes maternas. As complicações geradas por abortos, sejam eles espontâneos ou não, são o quarto motivo. É mais do que urgente para as mulheres discutir este tema”, disse (ABr).

Mais artigos...

  1. 44% dos empresários do varejo e de serviços estão otimistas com economia para o segundo semestre
  2. Ecossistemas tropicais abrigam mais de três quartos das espécies de plantas e animais
  3. Metade dos docentes no país não recomenda a própria profissão
  4. Projeto cria regras para proteger dados pessoais
  5. Censo mostra aumento da área destinada à agricultura no país
  6. População brasileira deve chegar a 233,2 milhões em 2047, diz IBGE
  7. Construtoras acreditam em multa maior por distrato; Procons condenam
  8. Museu Paulista e Sesc Ipiranga apresentam “Papéis Efêmeros”
  9. Radiografia do ativismo indica revitalização do papel político das cidades
  10. Canecão foi referência para música brasileira e revelou grandes nomes
  11. Saúde alerta que as baixas coberturas vacinais acendem a luz vermelha
  12. Em minoria, mulheres buscam liderar negócios de inovação e tecnologia
  13. Lei de proteção de dados vai mudar cotidiano de cidadãos e empresas
  14. Estudo destaca papel central da música nos ritos de incorporação da Umbanda
  15. Cientistas vão treinar robôs para identificação automática de plantas
  16. Combate a Lampião quase entrou na Constituição de 1934
  17. Estudo aponta 30 profissões que estão surgindo com a indústria 4.0
  18. Na era Trump, imigrantes buscam espaço na política dos Estados Unidos
  19. Acompanhar tramitação de lei ainda é desafio
  20. O maravilhoso universo das plantas e a força dos nutrientes
  21. Junho deixou sementes de participação popular
  22. Número de brasileiros em áreas de risco passa de 8 milhões, diz IBGE
  23. Vida verde: benefícios do vegetarianismo e veganismo à saúde atraem cada vez mais brasileiros
  24. Uso de energia solar no campo cresce com usinas flutuantes
  25. Vinho é a bebida alcoólica preferida dos brasileiros na melhor idade, aponta pesquisa
  26. Músicos amadores criam grupos para reviver antigos sambas esquecidos
  27. Projetos buscam evitar tragédias como o desabamento de edifício em São Paulo
  28. Quilombo a 50 km de Brasília luta para manter território e identidade
  29. Lei Seca soma dados positivos após 10 anos, mas levanta questões
  30. Junho aumenta riscos de acidente com fogos e balões
  31. Dom Pedro I criou Supremo Tribunal com poderes esvaziados
  32. "Sem solução, quem matou terá carta branca", diz pai de Marielle
  33. Livro sobre intelectuais negros põe em xeque ideia de democracia racial no país
  34. Carro elétrico ainda espera incentivos para crescer no Brasil
  35. Cora Coralina é inspiração para artesãs e doceiras na Cidade de Goiás
  36. Ascensão e queda de José Bonifácio, o 'Patriarca da Independência'
  37. Brasil perdeu mais de 430 mil empregos na construção entre 2015 e 2016
  38. Desmatamento e ocupação desordenada ameaçam conservação do Cerrado
  39. Poluição sonora prejudica a saúde e preocupa especialistas
  40. Senado deve aprovar incentivo para combater cartéis
  41. Cade propõe medidas para reduzir preços dos combustíveis
  42. O Brasil ocupa o oitavo lugar no ranking de número de tabagistas no mundo
  43. Entenda a composição do preço da gasolina e do diesel no Brasil
  44. Guimarães Rosa é recriado em prosas, pinturas e bordados
  45. Verdades e mentiras sobre o Cadastro Positivo
  46. Estudo da USP mostra como o álcool em dose moderada protege o coração
  47. Brasil pretende atrair mão de obra estrangeira qualificada para o país
  48. Bossa nova completa 60 anos: conheça a história do gênero musical
  49. Saí da Igreja do Rosário, andei por São Paulo e tropecei na história
  50. País busca soluções para aumento de judicialização na saúde
  51. Divisão de tarefas domésticas ainda é desigual no Brasil
  52. Cuidar da saúde é principal motivação dos que se planejam para aposentadoria
  53. Economia brasileira ainda não sentiu efeitos da Copa 2018
  54. Senado e Câmara aprovaram Lei Áurea em apenas 5 dias
  55. Dimension Data e Cisco expandem tecnologia anticaça na África
  56. Proteção de dados ganha importância na política e economia no Brasil
  57. Mais de 80 mil brasileiros migraram para Portugal em busca de segurança
  58. A cinco meses das eleições, Câmara e Senado trabalham em ritmo lento
  59. Jornais noticiaram Esquadrão da Morte de acordo com clima político
  60. Famílias sonham com clínica-escola gratuita para autistas
  61. Senado avança na definição de código que defende contribuintes
  62. Livro explica o poder e a consolidação dos Estados Unidos
  63. Pediatras lançam campanha para elucidar mitos sobre saúde infantil
  64. Mais de 40% dos brasileiros até 14 anos vivem em situação de pobreza
  65. Um milhão de indígenas brasileiros buscam alternativas para sobreviver
  66. Cuba elege 1º presidente após 60 anos de governo dos irmãos Castro
  67. Oito em cada dez brasileiros não se preparam para aposentadoria
  68. Vida de Adoniran Barbosa é tema de documentário
  69. Proximidade entre animais domésticos e silvestres traz riscos de doenças a humanos
  70. IBGE: ricos receberam 36 vezes acima do que ganharam os pobres em 2017
  71. Pesquisa revela que 58% dos brasileiros não se dedicam às próprias finanças
  72. Os mano e as mina na mira dos homi
  73. Maior virtuose do bandolim é lembrado no seu centenário
  74. Ferramenta auxilia na preparação tática de goleiros
  75. "Eu tenho um sonho!" - morte de Martin Luther King completou 50 anos e ex-assessor relembra lutas
  76. Multiculturalismo no futebol deve se expandir em seleções europeias
  77. Dia da Constituição comemorou avanços na cidadania desde a independência do Brasil
  78. Três anos depois de aprovada, Lei do Feminicídio tem avanços e desafios
  79. BC: Selic deve voltar a ter redução em maio e cortes se encerram em junho
  80. Em busca de um novo modelo de gestão para o uso da água
  81. Lei poderá dar segurança ao Farmácia Popular
  82. Acesso dos pobres à água só é possível com controle social, dizem especialistas
  83. Por que as mulheres “desapareceram” dos cursos de computação?
  84. Interiorização de venezuelanos para São Paulo e Manaus começa em abril
  85. Relatório da Unesco sobre água propõe soluções baseadas na natureza
  86. Veja quem luta contra quem no conflito na Síria
  87. Surto de febre amarela desafia vigilância de epidemias
  88. São Paulo, uma metrópole para poucos
  89. Mesmo com decisão do TST, governo não descarta privatização dos Correios
  90. Documento único estará disponível em julho
  91. Mulheres são donas de 31% de empresas nos Estados Unidos
  92. IBGE: mulheres ganham menos que homens mesmo sendo maioria com ensino superior
  93. Cadastro Positivo: Entenda o que é e quais são os reais benefícios ao consumidor
  94. CNI recomenda desburocratização, educação e pesquisa para indústria crescer
  95. Seu próximo negócio poderá ser de outro planeta
  96. Soluções sertanejas ajudam a vencer a seca no semiárido nordestino
  97. Pesquisador destaca papel da irrigação na sustentabilidade ambiental
  98. Laser infravermelho ajuda a combater gordura no fígado
  99. Leis não alteraram perfil dos caminhoneiros no Brasil, mostra estudo
  100. Técnicas de redução de ansiedade ajudam a acertar pênaltis
Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP