Contato: (11) 3043-4171

Viagens longas propiciam uso de drogas por caminhoneiros

A rotina agitada e sem descanso faz parte da realidade da maioria dos caminhoneiros profissionais no País, que atravessam as estradas durantes dias para a entrega dos mais variados produtos com curtos prazos

 1335819617rebite370x211 temporario

 

Leandro dos Santos Bernardo/Agência USP de Notícias

Com esse dia-a-dia sobrecarregado, não é incomum relacionarem os caminhoneiros ao uso de entorpecentes, inclusive os ilegais, para se manterem acordados durante longas viagens ou para se acalmarem frente ao estresse da profissão. A dissertação de mestrado da bióloga Daniele Mayumi pela Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) procurou comprovar o uso de drogas por caminhoneiros no estado de São Paulo, além de identificá-las e procurar variáveis que determinam a tendência ao uso ou não da droga pelos profissionais das estradas.

Também funcionária do Departamento de Medicina Legal da FMUSP, no Laboratório de Toxicologia — supervisionado pela professora Vilma Leyton —, Daniele realizou seu mestrado em uma parceria com a Polícia Rodoviária Federal (PRF). Convidada em eventos de saúde da Polícia, recolhia amostras de urina de caminhoneiros que eram parados na estrada para, posteriormente, realizar testes toxicológicos e comprovar a existência ou não de drogas nas amostras, além identificar as mais presentes. O evento Comandos de Saúde na Rodovia ocorre desde 2006 e é realizado pela PRF quatro vezes ao ano, concomitantemente em todo o Brasil (no mesmo dia e no mesmo horário), em estradas federais próximas a grandes cidades, com o objetivo de melhorar a saúde do motorista, que possui uma rotina agitada e, muitas vezes, não tem tempo de realizar uma consulta médica.
Pesquisa analisou 1316 amostras de urina, coletadas entre 2008 e 2012, em SP.A pesquisadora ressalta que não havia nenhuma intenção punitiva na realização do evento: “não havia nenhum propósito de prejudicar o motorista, os dados eram sigilosos e as pessoas não eram identificadas”. Os próprios pesquisadores realizavam a coleta e buscava-se desvencilhar da figura do policial, não buscando sinais clínicos do uso de drogas no momento da coleta. Os pesquisadores eram convidados do evento da PRF e estavam em um espaço separado, sendo que o papel da polícia na hora da coleta se resumiu em ceder o espaço e promover a segurança do local.

Para o estudo, a pesquisadora considerou a coleta de 1.316 amostras, entre 2008 e 2012, em 14 idas a eventos da PRF no estado paulista. Segundo Daniele, a taxa de recusa foi baixa (3,8%) e ela não levou esse fator em consideração, por não ser expressivo. “Eles alegavam pressa e não realizavam o teste”, cita a principal causa dessa recusa.

Após a coleta, as urinas eram refrigeradas e armazenadas até o fim do evento e levadas ao laboratório. Em até três dias era realizada uma triagem das urinas, com a utilização de uma fita-teste para a presença ou não de seis drogas. Colocada direto na urina, a fita dava um resultado positivo ou negativo para certo entorpecente. Após essa triagem, as amostras que alegaram resultado positivo na triagem eram preparadas para um teste de confirmação em um aparelho, a partir do processo de cromatografia gasosa — técnica de separação utilizada para identificação de compostos em misturas. No estudo não havia o interesse na quantificação do uso da droga, mas apenas saber se ela fora utilizada ou não.

caminhoneiros-rebite temporarioAs drogas que tiveram um maior número de resultados positivos foram a maconha, a anfetamina e a cocaína, drogas já presentes na literatura como de alto uso pelos profissionais do transporte de cargas. Outras três que também estiveram presentes na pesquisa foram a morfina, a metanfetamina e os benzodiazepínicos, ansiolíticos (remédios contra a ansiedade) que podem ser encontrados em farmácias. De acordo com a pesquisa, 7,8% das amostras coletadas deram resultado positivo para o uso de drogas.

Daniele buscou relacionar parâmetros para o uso ou não de entorpecentes. Em relação ao motorista, variáveis que foram estatisticamente relevantes no uso ou não de droga foram a idade, estado civil e tempo de profissão. Fatores como escolaridade, etnia e número de pessoas no veículo não foram estatisticamente relevantes para o uso ou não de entorpecentes. As hipóteses são que com o tempo de profissão e a idade mais avançada fazem o motorista evitar pegar cargas maiores e com maior tempo de viagem. A preocupação com o cônjuge, dependendo do estado civil, faz com que o caminhoneiro evite usar entorpecentes ou viajar longas distâncias.

13402266 temporarioJá em relação à viagem em si, independentemente de quem dirige, fatores que têm relevância estatística são a distância total percorrida e o tempo de descanso noturno. O desgaste de uma longa viagem e a necessidade de entregar no prazo ou o mais rápido possível potencializam o uso de drogas pelos caminhoneiros (se o motorista for autônomo, quanto maior o número de entregas mais ele recebe no final, o que também pode aumentar o caso de uso de entorpecentes).
Daniele já tem o plano traçado para o doutorado, que contemplará todo o Brasil: “farei uma análise por região, com a coleta de dados em pelo menos um estado por área”, cita. Analisar questões de fronteira, por exemplo, é também um dos planos para pesquisas futuras. Para a pesquisadora, é importante que essas pesquisas cheguem até as autoridades e às empresas de transporte para que algo seja feito além das campanhas de prevenção e conscientização, a fim de melhorar as condições de trabalho dos caminhoneiros profissionais do País.

Mais artigos...

  1. Jogos Mundiais: com máquinas ainda trabalhando, indígenas se instalam em Palmas
  2. Religiosidade traz alívio para idosos em hemodiálise
  3. Pequeno agricultor minimiza efeito do agrotóxico à saúde
  4. Educação financeira e previdenciária deve e pode começar na infância
  5. Uma em cada quatro pessoas morre no mundo por causas relacionadas à trombose
  6. Aviação também é um negócio bizarro!
  7. Material particulado veicular predomina no nível de poluição
  8. Alunos com tendência antissocial buscam segurança na escola
  9. 15 motivos para amar/odiar a palavra “kamikaze”
  10. Brasil perde R$ 156,2 bilhões do PIB com a morosidade do trânsito em São Paulo
  11. Santos pode se tornar mais suscetível a inundações
  12. 01 de Outubro - Dia Mundial do Idoso: Como os idosos veem a saúde
  13. Tecnologia permite fabricação de gelo por meio da luz solar
  14. Sistema prevê a ocorrência de raios com 24 horas de antecedência
  15. 11 (+1) músicas que falam sobre aviões e aeroportos
  16. Dez dúvidas mais frequentes sobre o diabetes
  17. Prática de atividade física pelos pais pode proteger filhos da obesidade
  18. Práticas corporais são eficientes para a saúde coletiva
  19. Amostras de pescado apresentam conservação inadequada
  20. Postura errada pode levar a graves problemas de saúde
  21. Subfertilidade feminina: o que é e como tratar
  22. Deputados votam texto que altera Estatuto do Desarmamento
  23. Os 50 anos do TUCA – Teatro da Universidade Católica
  24. Estudo traça panorama da transição do Brasil para TV Digital
  25. Realidade de times femininos vai de atletas sem chuteiras a clubes bem equipados
  26. Não há limites para quem sonha em pilotar
  27. Mudanças climáticas causam alterações no comportamento de beija-flores
  28. Os sentidos do “jeitinho brasileiro” em nossa cultura
  29. Mulheres engravidam mais velhas e congelamento de óvulos cresce
  30. Metodologias propõem olhares diferentes para alfabetização
  31. Vacinas de terceira geração terão “vetores de DNA”
  32. Terapias complementares ajudam no combate à infertilidade
  33. Incor comprova eficácia de exercícios fonoaudiológicoas no combate ao ronco
  34. Anil é anti-inflamatório e antioxidante, revela estudo
  35. MPF recebe 614 ossadas de possíveis desaparecidos políticos
  36. Deslocamento com bicicleta caiu em São Paulo de 2007 a 2012
  37. Guia Alimentar propõe novo olhar sobre a alimentação
  38. O colapso dos grandes herbívoros
  39. Marcha das Margaridas: 32 anos depois, líder ainda influencia mulheres do campo
  40. Cientistas procuram por abelha invasora na América do Sul
  41. Julgamento no STF pode levar Brasil a descriminalizar porte de drogas
  42. Mais fogo e menos água
  43. As novas cores da (des)igualdade racial no país
  44. Escolas rompem barreiras e levam crianças para ocupar e aprender na cidade
  45. Férias. É hora de aprender
  46. Biometria adaptativa é novo modo de avaliar identidade
  47. Demência vascular é mais comum que Alzheimer em idosos
  48. Imigrantes: as brechas para o acolhimento
  49. Pesquisa busca resgatar espaço memorial do teatro paulistano
  50. Santos Dumont, o Pai da Aviação, sim, senhor!
  51. Avaliação positiva do governo Dilma caiu para 7,7% em julho, mostra pesquisa
  52. Estatuto da Igualdade Racial completa 5 anos com desafio de equiparar direitos
  53. Estudo analisa a pluralidade do espiritismo kardecista
  54. Aumento de tamanho da próstata é normal e tem tratamento
  55. Brasil pode ser pioneiro em defensivos agrícolas naturais
  56. Crianças iam para a cadeia no Brasil até a década de 1920
  57. Especialistas dizem que intolerância é principal causa de linchamentos no Brasil
  58. Como transformar crise em oportunidade?
  59. Fruto amazônico tem efeito anti-inflamatório contra câncer
  60. Reservatórios de água ajudam sertanejos a conviver com a seca
  61. Divergência marca visões sobre patrimônio histórico
  62. Raul Seixas: o mito faz 70 anos e permanece vivo 25 anos após a morte
  63. Imigrantes atuam como embaixadores do Brasil nos Estados Unidos
  64. País pode ter Justiça mais ágil com a mediação
  65. Cadê o chinelo? Chi-ne-lo! Cadê o chinelo?!
  66. O papa ofuscaria todos os demais na Cúpula da ONU
  67. Senado incorpora visão humanista à legislação para migrantes no país
  68. Conheça o mundo bizarro da visão
  69. Pioneirismo e modernidade em surdina
  70. Treino combinado atenua obesidade
  71. Sistema carcerário não atende a Lei de Acesso à Informação
  72. É a vez de proteger os oceanos
  73. Lei das Estatais pode preencher vazios legais da administração pública
  74. Ano Novo Chinês: conheça as tradições milenares que marcam a data
  75. Acordo com ditadura possibilitou eleição de Havelange à FIFA
  76. Gestão de áreas verdes em São Paulo apresenta falhas
  77. As cinco regras para líderes em experiência do cliente
  78. Integrado, ma non troppo
  79. O poder do boca a boca
  80. Especial 22/04/2015
  81. Especial 19/03/2015

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171