Guia Alimentar propõe novo olhar sobre a alimentação

Quebrar paradigmas e propôr uma nova maneira de se relacionar com a alimentação é a proposta do novo Guia para a População Brasileira, uma parceria do Ministério da Saúde com a Organização Pan-Americana de Saúde, o Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde, e o Núcleo de Apoio à Pesquisa da Faculdade de Saúde Pública da USP.

 Guia 2 temproario

O guia faz ampla análise da alimentação do brasileiro.

Leandro dos Santos Bernardo/Agência USP de Notícias

Em sua segunda edição, o Guia busca inovar e se atualizar em relação ao primeiro, lançado em 2006 — sem a participação do Nupens —, fazendo uma ampla análise da alimentação do brasileiro. Além da parte nutricional, levou-se em conta questões culturais, sociais e até ambientais, inovando no conceito de guia alimentar e explorando os alimentos além dos seus nutrientes.

Uma das principais propostas do novo guia é mudar o conceito de alimentos como “carregadores de nutrientes”, pois não é o suficiente para explicar toda a relação entre comer — e seus desfechos para a saúde da população. Segundo a nutricionista Maria Laura Louzada, pesquisadora do Nupens e participante na elaboração do Guia, um alimento não é só uma soma de nutrientes.

“A maioria dos guias recomenda: coma mais vitamina C, mas uma laranja não é só vitamina C”, exemplifica. Ela cita também que, com a Revolução Industrial, tentou-se formular alimentos artificiais baseados em soma de nutrientes existentes em produtos naturais, sem sucesso. Com base nessa complexidade de nutrientes e de suas relações nos alimentos, buscou-se no livro uma mudança na proposta de uma alimentação mais saudável.

O novo guia também relaciona a alimentação com questões culturais e sociais, focado na própria população brasileira. Foi estudado um inquérito do IBGE, que analisou o comportamento alimentar de mais de 30 milhões de brasileiros, de várias regiões e classes de renda, para tentar relacionar o que as pessoas já comem com o ideal. Percebeu-se que muitas pessoas já têm uma alimentação saudável e balanceada. O livro foca em refeições ideais baseadas na realidade cultural do País, diversificando os tipos de alimentos e citando pratos regionais, como pão de queijo e tapioca, para abranger o maior número de pessoas possível e ser tangível à realidade da população.

Indo além da questão do alimento em si, o livro também trata da alimentação como uma simbologia, que vai desde o que se come até o local, as companhias e questões sociais. O guia recomenda que se coma em um lugar adequado e especial para tal (evitando o chamado mindless eating, que seria, de acordo com Maria Laura, uma alimentação sem foco e que acaba sendo excessiva, sem a percepção de quem come). Além disso, alimentar-se preferencialmente em companhia e cozinhando os alimentos (evitando os chamados “alimentos ultraprocessados”) é considerada a melhor opção.

Guia 3 temproarioO ato de preparar os alimentos envolve questões históricas e de gênero, da estigmatização da mulher na cozinha e de sua maior entrada no mercado de trabalho, além da imagem negativa do ato de se cozinhar: “a culinária só vai funcionar se ela for resignificada, se parar de ser um fardo e uma obrigação e for uma atividade de prazer e divertimento, partilhada entre todos os moradores da casa”, cita a pesquisadora.

O novo Guia, ao buscar representar o brasileiro em sua pluralidade, aborda desde questões culturais e sociais até a relação entre o que está no prato e o meio ambiente: “alimentação não é só comer”, reforça Maria Laura. Evitar comer alimentos chamados “ultraprocessados”, que geram maior impacto ambiental, e consumir mais produtos in natura, especialmente vegetais orgânicos, são recomendações citadas pela doutoranda. Esse infográfico resume os quatro tipos de alimentos abordados no Guia, com suas especificações e consumo recomendados.

Os alimentos com produção agroecológica — que valoriza o trabalhador do campo e a agricultura policultora e familiar — também devem ser priorizados. Não obstante, o livro também relaciona a alimentação com políticas públicas, que vai desde transporte urbano (uma pessoa que demora muito para se locomover muitas vezes não tem disposição para cozinhar e acaba prejudicando a qualidade de sua alimentação), até custo de alimentos e concessão de subsídios agrícolas, envolvendo o agribussiness, a monocultura exportadora e o lobby de semestres geneticamente modificadas.
Rricardo-Fotografia-0687 temproarioAbordando as mais diversas áreas do conhecimento, com estudos não tradicionais, populacionais e com observações de evolução histórica e de saberes populares, o novo Guia Alimentar para a População Brasileira procura unir toda a heterogeneidade do País, baseando-se em oficinas com estudiosos das mais diversas áreas da saúde e de outros campos do conhecimento e contando com o apoio de jornalistas para criar uma linguagem mais acessível ao público em geral. Com traduções em inglês e espanhol, outros países podem se inspirar nessa nova proposta e abordagem da alimentação de um país, principalmente para a América Latina, com raízes históricas, culturais e sociais semelhantes às brasileiras.

Mais artigos...

  1. O colapso dos grandes herbívoros
  2. Marcha das Margaridas: 32 anos depois, líder ainda influencia mulheres do campo
  3. Cientistas procuram por abelha invasora na América do Sul
  4. Julgamento no STF pode levar Brasil a descriminalizar porte de drogas
  5. Mais fogo e menos água
  6. As novas cores da (des)igualdade racial no país
  7. Escolas rompem barreiras e levam crianças para ocupar e aprender na cidade
  8. Férias. É hora de aprender
  9. Biometria adaptativa é novo modo de avaliar identidade
  10. Demência vascular é mais comum que Alzheimer em idosos
  11. Imigrantes: as brechas para o acolhimento
  12. Pesquisa busca resgatar espaço memorial do teatro paulistano
  13. Santos Dumont, o Pai da Aviação, sim, senhor!
  14. Avaliação positiva do governo Dilma caiu para 7,7% em julho, mostra pesquisa
  15. Estatuto da Igualdade Racial completa 5 anos com desafio de equiparar direitos
  16. Estudo analisa a pluralidade do espiritismo kardecista
  17. Aumento de tamanho da próstata é normal e tem tratamento
  18. Brasil pode ser pioneiro em defensivos agrícolas naturais
  19. Crianças iam para a cadeia no Brasil até a década de 1920
  20. Especialistas dizem que intolerância é principal causa de linchamentos no Brasil
  21. Como transformar crise em oportunidade?
  22. Fruto amazônico tem efeito anti-inflamatório contra câncer
  23. Reservatórios de água ajudam sertanejos a conviver com a seca
  24. Divergência marca visões sobre patrimônio histórico
  25. Raul Seixas: o mito faz 70 anos e permanece vivo 25 anos após a morte
  26. Imigrantes atuam como embaixadores do Brasil nos Estados Unidos
  27. País pode ter Justiça mais ágil com a mediação
  28. Cadê o chinelo? Chi-ne-lo! Cadê o chinelo?!
  29. O papa ofuscaria todos os demais na Cúpula da ONU
  30. Senado incorpora visão humanista à legislação para migrantes no país
  31. Conheça o mundo bizarro da visão
  32. Pioneirismo e modernidade em surdina
  33. Treino combinado atenua obesidade
  34. Sistema carcerário não atende a Lei de Acesso à Informação
  35. É a vez de proteger os oceanos
  36. Lei das Estatais pode preencher vazios legais da administração pública
  37. Ano Novo Chinês: conheça as tradições milenares que marcam a data
  38. Acordo com ditadura possibilitou eleição de Havelange à FIFA
  39. Gestão de áreas verdes em São Paulo apresenta falhas
  40. As cinco regras para líderes em experiência do cliente
  41. Integrado, ma non troppo
  42. O poder do boca a boca
  43. Especial 22/04/2015
  44. Especial 19/03/2015

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP