Presídio paraibano ilustra realidade do cárcere no Brasil

As pesquisadoras Gabrielle Kölling, Navaroni Soares e Rachele Balbinot, em artigo publicado na Revista de Direito Sanitário, do Núcleo de Pesquisa em Direito Sanitário da USP, analisaram e comentaram a situação da Penitenciária Desembargador Flósculo da Nóbrega, localizada em João Pessoa, na Paraíba, considerado um dos piores presídios do Brasil atualmente e representativo da realidade das nossas prisões

 crime-presidio-presos temporario

Bruno Vaiano/Agência USP de Notícias

Superlotação, graves deficiências no saneamento básico, tráfico de drogas, violência, doenças e a degradação do próprio edifício são apenas um resumo das violações aos direitos humanos a que são submetidos constantemente os presos brasileiros. E não há hoje políticas públicas efetivas, vontade política ou apoio da população para melhorar a situação.

O presídio chegou a registrar, segundo dados do Ministério Público Federal de 2011, 28 mortes em 18 meses. As estatísticas do Presídio do Roger, como é popularmente conhecido o local, ilustram as degradantes condições do sistema prisional brasileiro. Lá, segundo relatório do Conselho Estadual de Direitos Humanos da Paraíba de novembro de 2014, 1.308 detentos lotam as celas planejadas para receber apenas 540. Apesar de, em teoria, o presídio só receber presos provisórios, eles dividem espaço na prática com 245 condenados.

A lotação é tanta que é fisicamente impossível que todos os ocupantes de uma cela consigam se sentar simultaneamente. Há apenas 16 agentes penitenciários por plantão, uma gritante desproporção. As minúsculas janelas dos pavilhões, que datam dos anos 1940, são frequentemente lacradas com tijolos como forma de punição, impedindo a circulação do ar e tornando o ambiente insuportável.

Muitos detentos dormem nos banheiros, outros nas prateleiras da dispensa. Na cozinha, panelas são habitadas por moscas e outros insetos, e não há sequer extintores de incêndio. O banho de sol ocorre apenas duas vezes por semana, durante meia hora. Graves moléstias de pele, de aparência preocupante, raramente são tratadas. Mofo e fungos estão por todos os lados.

1295024390803-presidio-do-roger1 temporarioViolação de direitos
O problema começa na hora de diferenciar a privação da liberdade, que é o objetivo do confinamento de um criminoso, da violação de outros direitos básicos. Gabrielle explica: “Historicamente a punição tem caráter retributivo, como na lei de talião [olho por olho, dente por dente]. Nós migramos para a ressocialização, mas o senso comum ainda é antigo”. A punição baseada na equivalência entre o ato cometido e pena ainda é parte da formação ideológica do brasileiro, embora as altíssimas taxas de reincidência do País (47%, em 2013) evidenciem a ineficiência do nosso sistema prisional.

A simples força da lei não melhora a situação. Sua solução passa pela vontade política dos líderes eleitos e pela fiscalização da aplicação de medidas pela população, que, porém, não estão interessados em colocar a questão prisional entre suas prioridades. “É uma questão de conscientização, ninguém vai se eleger com essa pauta. A construção de uma Unidade Básica de Saúde em Pinheiros [bairro nobre de São Paulo], por exemplo, é muito mais próxima e atraente tanto para o cidadão quanto para o político”, afirma a pesquisadora.

Além disso, para Gabrielle, o senso comum do “bandido bom é bandido morto”, refletido no apoio de consideráveis parcelas da população à redução da maioridade penal e à pena de morte, garante que nas ocasiões em que a questão prisional entra no debate político, ela o faça através da promessa da construção de mais presídios, e não da discussão dos atuais. O Brasil, segundo pesquisa relativa ao primeiro semestre de 2014, possui a quarta maior população carcerária do mundo tanto em termos absolutos (número de presos) quanto relativos (percentual da população encarcerada). Nossos 607 mil presos não evitam, porém, indicadores criminais preocupantes: o Brasil é líder mundial em número absoluto de homicídios, e 11º lugar em termos relativos (número de homicídios a cada 100 mil habitantes).

“No Brasil, nós isolamos tudo o que incomoda. Presídios, manicômios e sanatórios são feitos longe dos centros urbanos”, diz a pesquisadora. À distância soma-se a impossibilidade de acesso a atividade profissional. Com exceção das penitenciárias onde a colaboração com a manutenção do próprio local é estimulada entre os presos, o papel essencial do trabalho na ressocialização do encarcerado é ignorado.

Plano
rebeliao roger temporarioGabrielle participou, por intermédio do projeto de pesquisa do Programa de Direito Sanitário da Fiocruz Brasília, do desenvolvimento do Plano Nacional de Saúde no Sistema Prisional, que é a primeira política pública nacional voltada exclusivamente a atenuar, por meio do acesso à saúde, as péssimas condições de confinamento em que se encontram os presos. Do ponto de vista legal, o fato de que um encarcerado esteja privado de sua liberdade não justifica o desrespeito aos seus direitos fundamentais em todos os outros aspectos. Na prática, a realidade é outra: “Há uma distância muito grande entre a lei e a sua aplicação efetiva, ninguém enxerga o apenado como humano”, diz.

“Prestar assistência integral de boa qualidade às necessidades de saúde da população penitenciária”, “contribuir para o controle e a redução dos agravos mais frequentes que acometem a acometem” e “definir e implementar ações e serviços consoantes com os princípios e diretrizes do SUS” são algumas das diretrizes e metas do Plano, definidas em documento publicado em 2004.

A tuberculose, transmitida pelo ar através de espirros e tosse, o vírus do HIV, disseminado por meio de relações sexuais e outras formas de contato direto com determinados fluídos corporais, dermatoses, diarreias e vários tipos de hepatite estão entre as doenças mais disseminadas no interior dos presídios brasileiros.

Na prática, há poucos resultados. Além das barreiras ideológicas, a aplicação efetiva das medidas previstas no Plano Nacional de Saúde passa pela colaboração com as secretarias de segurança e saúde municipais e estaduais, que, em geral, não são colaborativas. Durante a redação do plano, verificou-se que mesmo os apelos de agentes de segurança e os servidores públicos envolvidos na administração dos presídios, que sofrem dos mesmos problemas estruturais que os presos e demandam soluções, não são atendidos.

Mais artigos...

  1. Às vésperas da Rio 2016, legado da Olimpíada ainda é incógnita
  2. Rota de ônibus é definida com base no conforto do passageiro
  3. Filmes levam discussão sobre cultura indígena para a escola
  4. Entenda o que é a microcefalia e porque há um aumento dos casos em Pernambuco
  5. Pesquisas na Argentina dão vantagem ao candidato da oposição Mauricio Macri
  6. Modelo de governança é adaptado para clubes de futebol
  7. Estudante precisará de carteira padronizada para pagar meia
  8. Filha de Carolina de Jesus diz que não conseguiu ler livro mais famoso da mãe
  9. Envelhecimento da população precisa ser priorizado nas políticas públicas
  10. Entenda as novas regras para aposentadoria
  11. Elefante no Cerrado exerceria papel que já foi de mastodontes
  12. Fórmula auxilia médicos a lidarem com pé diabético
  13. Trotes telefônicos podem custar R$ 1 bilhão por ano ao país
  14. Tecnologia 29/10/2015
  15. Pesquisadores criam métodos estatísticos para prever fraudes em operações financeiras
  16. As particularidades da linguagem humorística brasileira
  17. Pílula da USP usada em tratamento contra o câncer divide opiniões
  18. Como identificar infarto, AVC e angina
  19. Viagens longas propiciam uso de drogas por caminhoneiros
  20. Jogos Mundiais: com máquinas ainda trabalhando, indígenas se instalam em Palmas
  21. Religiosidade traz alívio para idosos em hemodiálise
  22. Pequeno agricultor minimiza efeito do agrotóxico à saúde
  23. Educação financeira e previdenciária deve e pode começar na infância
  24. Uma em cada quatro pessoas morre no mundo por causas relacionadas à trombose
  25. Aviação também é um negócio bizarro!
  26. Material particulado veicular predomina no nível de poluição
  27. Alunos com tendência antissocial buscam segurança na escola
  28. 15 motivos para amar/odiar a palavra “kamikaze”
  29. Brasil perde R$ 156,2 bilhões do PIB com a morosidade do trânsito em São Paulo
  30. Santos pode se tornar mais suscetível a inundações
  31. 01 de Outubro - Dia Mundial do Idoso: Como os idosos veem a saúde
  32. Tecnologia permite fabricação de gelo por meio da luz solar
  33. Sistema prevê a ocorrência de raios com 24 horas de antecedência
  34. 11 (+1) músicas que falam sobre aviões e aeroportos
  35. Dez dúvidas mais frequentes sobre o diabetes
  36. Prática de atividade física pelos pais pode proteger filhos da obesidade
  37. Práticas corporais são eficientes para a saúde coletiva
  38. Amostras de pescado apresentam conservação inadequada
  39. Postura errada pode levar a graves problemas de saúde
  40. Subfertilidade feminina: o que é e como tratar
  41. Deputados votam texto que altera Estatuto do Desarmamento
  42. Os 50 anos do TUCA – Teatro da Universidade Católica
  43. Estudo traça panorama da transição do Brasil para TV Digital
  44. Realidade de times femininos vai de atletas sem chuteiras a clubes bem equipados
  45. Não há limites para quem sonha em pilotar
  46. Mudanças climáticas causam alterações no comportamento de beija-flores
  47. Os sentidos do “jeitinho brasileiro” em nossa cultura
  48. Mulheres engravidam mais velhas e congelamento de óvulos cresce
  49. Metodologias propõem olhares diferentes para alfabetização
  50. Vacinas de terceira geração terão “vetores de DNA”
  51. Terapias complementares ajudam no combate à infertilidade
  52. Incor comprova eficácia de exercícios fonoaudiológicoas no combate ao ronco
  53. Anil é anti-inflamatório e antioxidante, revela estudo
  54. MPF recebe 614 ossadas de possíveis desaparecidos políticos
  55. Deslocamento com bicicleta caiu em São Paulo de 2007 a 2012
  56. Guia Alimentar propõe novo olhar sobre a alimentação
  57. O colapso dos grandes herbívoros
  58. Marcha das Margaridas: 32 anos depois, líder ainda influencia mulheres do campo
  59. Cientistas procuram por abelha invasora na América do Sul
  60. Julgamento no STF pode levar Brasil a descriminalizar porte de drogas
  61. Mais fogo e menos água
  62. As novas cores da (des)igualdade racial no país
  63. Escolas rompem barreiras e levam crianças para ocupar e aprender na cidade
  64. Férias. É hora de aprender
  65. Biometria adaptativa é novo modo de avaliar identidade
  66. Demência vascular é mais comum que Alzheimer em idosos
  67. Imigrantes: as brechas para o acolhimento
  68. Pesquisa busca resgatar espaço memorial do teatro paulistano
  69. Santos Dumont, o Pai da Aviação, sim, senhor!
  70. Avaliação positiva do governo Dilma caiu para 7,7% em julho, mostra pesquisa
  71. Estatuto da Igualdade Racial completa 5 anos com desafio de equiparar direitos
  72. Estudo analisa a pluralidade do espiritismo kardecista
  73. Aumento de tamanho da próstata é normal e tem tratamento
  74. Brasil pode ser pioneiro em defensivos agrícolas naturais
  75. Crianças iam para a cadeia no Brasil até a década de 1920
  76. Especialistas dizem que intolerância é principal causa de linchamentos no Brasil
  77. Como transformar crise em oportunidade?
  78. Fruto amazônico tem efeito anti-inflamatório contra câncer
  79. Reservatórios de água ajudam sertanejos a conviver com a seca
  80. Divergência marca visões sobre patrimônio histórico
  81. Raul Seixas: o mito faz 70 anos e permanece vivo 25 anos após a morte
  82. Imigrantes atuam como embaixadores do Brasil nos Estados Unidos
  83. País pode ter Justiça mais ágil com a mediação
  84. Cadê o chinelo? Chi-ne-lo! Cadê o chinelo?!
  85. O papa ofuscaria todos os demais na Cúpula da ONU
  86. Senado incorpora visão humanista à legislação para migrantes no país
  87. Conheça o mundo bizarro da visão
  88. Pioneirismo e modernidade em surdina
  89. Treino combinado atenua obesidade
  90. Sistema carcerário não atende a Lei de Acesso à Informação
  91. É a vez de proteger os oceanos
  92. Lei das Estatais pode preencher vazios legais da administração pública
  93. Ano Novo Chinês: conheça as tradições milenares que marcam a data
  94. Acordo com ditadura possibilitou eleição de Havelange à FIFA
  95. Gestão de áreas verdes em São Paulo apresenta falhas
  96. As cinco regras para líderes em experiência do cliente
  97. Integrado, ma non troppo
  98. O poder do boca a boca
  99. Especial 22/04/2015
  100. Especial 19/03/2015

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP