Crianças com microcefalia têm atendimento especializado

Não há cura para a microcefalia, mas os laboratórios estão cada vez mais perto da vacina contra a infecção provocada pelo vírus Zika

Jefferson Rudy/Agência Senado

Equipe multiprofissional do Hospital de Apoio de Brasília, com a mãe e o irmão mais velho de Maria Helena, de 1 ano.

Patrícia Oliveira/Especial Cidadania

A previsão do Instituto Evandro Chagas, órgão de pesquisas vinculado ao Ministério da Saúde, é de começar a aplicação em humanos neste segundo semestre, logo depois dos testes pré-clínicos (em primatas e camundongos). Paralelamente, o tratamento especializado avança, melhorando o desenvolvimento e a qualidade de vida dos pacientes.

A vacina é desenvolvida em parceria com a Universidade Medical Branch do Texas, Estados Unidos. Os primeiros resultados são animadores: apenas uma dose foi capaz de induzir o organismo dos camundongos a produzir anticorpos que protegem contra a infecção. A imunização de mulheres em idade fértil pode ajudar a prevenir a transmissão do vírus e, consequentemente, a microcefalia nos bebês.

A vacina não poderá ser aplicada em mulheres grávidas. Para elas, o Instituto Evandro Chagas desenvolve outra tecnologia, a partir do DNA recombinante do vírus. Por causa da complexidade do quadro clínico nos casos de microcefalia, o diagnóstico precoce é importante, pois o primeiro ano de vida é um período crítico para o desenvolvimento do cérebro.

No Distrito Federal, um protocolo da Secretaria de Saúde para investigação de doenças congênitas notifica os casos suspeitos, que posteriormente são encaminhados pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs) para o atendimento nos hospitais.

— Existe uma vigilância dentro de cada hospital regional. Temos um programa com o Ministério da Saúde para fazer a notificação. E de lá, a gente faz uma investigação na casa do paciente. Com os exames e todas as informações, a gente faz a previsão e encaminha para o ambulatório — explica a epidemiologista Patrícia Gonzaga.

Com a epidemia de zika, as gestantes que apresentam sintomas (febre, manchas pelo corpo e dor nas juntas) também passaram a ser acompanhadas. Já as crianças têm acompanhamento por até mil dias, mesmo as que nascem sem sinais da doença, pois ainda pode surgir um atraso no desenvolvimento.

A Principal modo de transmissão do vírus da zika é pela picada do mosquito Aedes aegypti. Gestantes devem ter atenção especialEnsinar a brincar
O Hospital de Apoio de Brasília conta com uma equipe formada por duas neuropediatras, uma fisioterapeuta, uma terapeuta ocupacional, um fonoaudiólogo, uma enfermeira e uma assistente social. Uma parte importante do trabalho deles é ensinar a criança com microcefalia a brincar. É tanta dedicação que alguns dos brinquedos são doados pelos próprios profissionais de saúde.

Atualmente, o hospital atende 19 crianças encaminhadas pelo Cievs. Uma delas é Maria Helena Santos, que nasceu há um ano com microcefalia e problemas na visão. A rotina da mãe, Thaise de Almeida Santos, de 29 anos, é levar a filha para as consultas médicas duas vezes por semana.

— Eu só me desesperei no começo, porque é um baque. É estranho, muda tudo na vida. Eu tive que pesquisar o que era microcefalia e entender que demora mais para o bebê se desenvolver. Eles falam no hospital para a gente não deixar ela cair, não deixar num cantinho quieta, para brincar com ela e estimular a fazer as coisas — relata Thaise.

O programa de reabilitação faz atendimentos periódicos para reduzir as sequelas da microcefalia nos bebês. São atividades de estimulação do desenvolvimento, com o treinamento dos pais para repetirem em casa o que aprenderam no hospital.

— A gente vai ensinando as mães a como brincar, a como fazer a criança sentar, a alimentação, a melhor postura para uma troca de fraldas, para dar um banho. Elas precisam se organizar — diz a terapeuta ocupacional Ana Paula Closs.

O trabalho em equipe ajuda a determinar qual é o melhor plano terapêutico para o paciente, como explica a fisioterapeuta Suyenne Figueiro Vieira.

— A criança pode ter dificuldade para segurar a cabeça, para rolar, para engatinhar. Às vezes ela pode não aceitar o toque, ter alguns movimentos repetitivos. Algumas também podem ter algum tipo de alteração na parte sensorial associado, então também se faz a estimulação visual e auditiva.

A neuropediatra Ellen Siqueira esclarece que a evolução do tratamento também depende da gravidade da lesão cerebral.

— No caso dos pacientes com microcefalia, há uma variedade muito grande na evolução, depende de cada criança. Na maioria dos casos a gente percebe um atraso no desenvolvimento. E a estimulação precoce é muito importante, o mais rápido possível, porque dá o melhor resultado.

Thaise acredita no tratamento e tem esperança de que a filha vai aprender a sentar e a caminhar.

— Ela vai andar, sim, se Deus quiser. E eu vou atrás dela para tudo quanto é canto — diz.

Casos de contaminação pelo vírus Zika vêm caindo, segundo o Ministério da Saúde
A investigação de pesquisadores brasileiros, principalmente do Nordeste, sobre a relação entre a microcefalia e o vírus Zika, transmitido pelo Aedes aegypti, deu ao Brasil papel de destaque na prevenção a novos casos. Tanto que a infectologista Celina Turchi, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) de Pernambuco, foi incluída na lista das 100 pessoas mais influentes do mundo pela revista Time em 2017.

No Brasil, só este ano, até o dia 10 de maio foram confirmados 293 casos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso de bebês causadas pelo vírus na mãe quando gestante. Desde o início das investigações, em outubro de 2015, houve a confirmação de 2.772 casos de microcefalia por infecção. A maioria dos casos em monitoramento está no Nordeste (47,4%), seguindo-se o Sudeste (33,9%) e o Norte (9,0%). Os cinco estados com maior número de casos em monitoramento são Bahia (18,0%), São Paulo (11,9%), Rio de Janeiro (11,2%), Pernambuco (9,5%) e Minas Gerais (8,3%).

A boa notícia é que, em maio, o Ministério da Saúde declarou o fim da emergência em saúde pública de importância nacional relacionada ao vírus Zika e à microcefalia. O período durou 18 meses. Até 25 de março, o Ministério da Saúde registrou queda expressiva dos casos de zika, resultado das medidas de combate ao Aedes aegypti, em parceria com os estados e municípios. Foram 4.894 casos no país, o que significa uma redução de 97% em relação a 2016.

Entre os fatores que contribuíram para a queda dos casos, está a mobilização nacional contra o mosquito. As grávidas são orientadas a adotar medidas como eliminar os criadouros, manter portas e janelas fechadas ou com telas, vestir calça e camisa de manga comprida e usar os repelentes permitidos.

Diagnóstico
A microcefalia é identificada pelo tamanho da cabeça da criança, bem menor que o de outras da mesma idade e sexo. Com menos espaço para o cérebro crescer, pode haver sérias consequências no desenvolvimento, como dificuldades na coordenação motora e equilíbrio, atraso no crescimento, na linguagem e no aprendizado, epilepsia e paralisia cerebral.

Nos exames pré-natais, a ultrassonografia é bastante precisa para diagnosticar as más-formações cerebrais. Mas também no nascimento e depois dele é possível detectar a microcefalia.

Além das infecções por vírus e das causas genéticas, vários fatores podem desencadear a microcefalia, como o consumo de drogas, álcool e alguns medicamentos durante a gravidez.

— A maior gravidade nessa infecção ocorre no primeiro trimestre da gestação, durante a formação dos órgãos do recém-nascido. O vírus pode prejudicar o desenvolvimento desses órgãos. E o principal deles é o sistema nervoso central, o cérebro da criança — explica o infectologista Fernando Gatti de Menezes, do Hospital Israelita Albert Einstein.

Hospital oferece acompanhamento em nove capitais

DivulgaçãoOs hospitais da Rede Sarah também têm profissionais especializados para orientação às famílias e para a avaliação clínica e os exames necessários ao diagnóstico e ao acompanhamento das crianças com microcefalia. O tratamento é gratuito e pode ser agendado no site do hospital, que tem unidades em nove capitais: Belém, Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza, Macapá, Rio de Janeiro, Salvador e São Luís.

Para levar os filhos aos hospitais, os pais podem conseguir passe livre no transporte coletivo por meio de laudos médicos que comprovem a doença. A criança também pode receber o benefício de prestação continuada, no valor de um salário mínimo mensal para comprar, por exemplo, medicamentos, fraldas e leite especial. O direito depende da renda mínima por pessoa da família.

Thaise está buscando esse benefício. Ela, que já tinha um filho de 7 anos, teve que parar de trabalhar para cuidar da filha.

— Dei entrada no benefício para ela e estou esperando.

Mais artigos...

  1. Cruz Vermelha alerta para retorno da guerra urbana no Oriente Médio
  2. O que você come à noite pode atrapalhar o emagrecimento?
  3. Brasil registra aumento de trabalho infantil entre crianças de 5 a 9 anos
  4. Senado do Império estudou transposição do Rio São Francisco
  5. Projeto reacende debate sobre alimentos transgênicos
  6. Lei cria documento único de identificação nacional
  7. Pesquisa e desenvolvimento são principais ferramentas para eficiência energética
  8. Cidades costeiras são mais vulneráveis a mudanças do clima
  9. As empresas precisam “sair do armário”
  10. Eleitores jovens se afastam da democracia tradicional
  11. Brasil poderá ter evento nacional destinado à prevenção do suicídio
  12. Brasil reduz mortalidade materna, mas continua longe do ideal, diz especialista
  13. Consumo excessivo de álcool na balada expõe homens e mulheres a riscos diferentes
  14. Conheça as regras para adotar uma criança no Brasil
  15. Ciclovias em expansão influenciam mercado imobiliário de São Paulo
  16. Em dias de intolerância, pesquisadores destacam valor das mensagens de Gentileza
  17. O fim do carro próprio?
  18. Congresso avalia projetos para atender configurações familiares modernas
  19. BGE: 123 milhões de jovens com 15 anos ou mais não praticam esporte no Brasil
  20. Metabolismo lento: como identificar e reverter o problema que pode prejudicar a perda de peso
  21. Temer nega ampliação da faixa de isenção do Imposto de Renda
  22. Sinal verde para o emagrecimento: combine chá e café para turbinar a queima de gordura
  23. Tese revela luta das brasileiras por direitos civis e trabalhistas
  24. Estudo investiga como vida conjugal influencia carreira feminina
  25. Maio Amarelo quer reduzir acidentes e vítimas de trânsito
  26. Reposição de vitaminas na terceira idade: o que é fundamental para manter o vigor e garantir mais saúde?
  27. Dorival Caymmi, a pedra que ronca no meio do mar
  28. Em São Paulo, 97,8% dos idosos não conseguem atravessar a rua no tempo dos semáforos
  29. Direito do preso de trabalhar é realidade só para minoria
  30. 10 alimentos para aliviar os sintomas do estresse e da ansiedade
  31. Veja o que muda com a reforma trabalhista aprovada na Câmara
  32. Mulheres podem ter direito a escolher o alistamento militar
  33. Cardápio energizante: Como vencer o cansaço e a fraqueza causados pela má alimentação
  34. Um em cada dez estudantes no Brasil é vítima frequente de bullying
  35. Livros infantis ganham espaço no mercado brasileiro
  36. Pesquisas resgatam história genética de remanescentes de quilombos
  37. Gorduras do bem: Conheça os diferentes tipos de Ômega e saiba porque eles são itens obrigatórios no cardápio
  38. Direto da Amazônia, livro revela como a castanha-do-pará ganhou o mundo
  39. Modo de vida camponês ainda resiste entre pequenos agricultores
  40. São Paulo de Todos os Tempos e o sentido de respeito à cidade
  41. Reforma trabalhista recebe 844 emendas; relatório deve ser apresentado na quarta-feira
  42. Proposta proíbe concurso público exclusivo para cadastro de reserva
  43. Há 40 anos, ditadura impunha Pacote de Abril e adiava abertura política
  44. Como a dívida pública afeta cada brasileiro
  45. Lanchinhos no trabalho: Quais substituições podem ajudar a evitar os deslizes da dieta
  46. Abelhas sem ferrão têm guardas especializadas para defender suas colmeias
  47. Discurso das novas dietas reforça padrões de beleza inalcançáveis
  48. Efeitos da seca acentuam de maneira permanente perda florestal na Amazônia
  49. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa
  50. Saúde e boa forma: aposte na dieta para eliminar a barriga e controlar a síndrome metabólica
  51. Brasil carece de legislação para reúso de água
  52. ONU: crise econômica emperra desenvolvimento humano no Brasil
  53. Livro revela o pouco conhecido Holocausto da Transnístria
  54. Lava Jato completa três anos de investigações com 260 acusados criminalmente
  55. Livro mostra as verdadeiras origens de Corinthians, Palmeiras e São Paulo
  56. Doença renal crônica leva mais de 120 mil brasileiros para hemodiálise
  57. Orçamento taxava dono de escravo e previa salário para Pedro II
  58. Desafiando o Império, há 200 anos Pernambuco criava primeira República do Brasil
  59. Reforma promete ensino médio mais atraente
  60. Maioria das mulheres no Brasil e no mundo prefere trabalhar a ficar em casa
  61. As mulheres e o direito ao esporte
  62. Onde se escondem as poucas onças-pintadas que sobraram
  63. Como apostar nas fibras para reduzir o inchaço e melhorar a saúde
  64. Construção de cisternas leva desenvolvimento à região do semiárido
  65. Bacalhau do Batata levou trabalhadores e foliões para as ruas de Olinda
  66. Novas regras para deportação geram apreensão entre imigrantes nos EUA
  67. Entra em vigor acordo global que pode gerar US$ 1 trilhão de comércio por ano
  68. Quando o carnaval questiona limites de sua própria liberdade
  69. Dieta e malhação: conheça os maiores erros antes e depois do treino e saiba como evitá-los
  70. Consumo de combustíveis no Brasil caiu 4,5% em 2016
  71. Brasil, um desperdiçador em dois mundos
  72. Polícia militarizada favorece manifestações como as do Espírito Santo, diz professor
  73. A explosão da economia compartilhada
  74. Não há nível de desmatamento seguro para o clima na Amazônia
  75. Nordeste entra no sexto ano do que pode ser a pior seca de sua história
  76. Crise do sistema de aposentadorias já preocupava dom Pedro II
  77. Estudo mapeia condições das favelas em São Paulo
  78. Guia alerta sobre consumo precoce de bebidas alcoólicas entre jovens
  79. O grande salto das mulheres em 2015
  80. Confira as eleições que podem mudar o mundo em 2017
  81. Mãe conta drama de enterrar filho degolado em Alcaçuz
  82. Nem leão, nem gazela
  83. A desigualdade posta à mesa
  84. Febre amarela: conheça os sintomas e saiba quando tomar a vacina
  85. Água incita disputa por terras no Nordeste 
  86. Obama termina mandato com boa aprovação e erros, mostram pesquisas
  87. Às vésperas da posse, brasileiros nos EUA estão apreensivos
  88. Oito homens mais ricos detêm mesmo patrimônio que a metade mais pobre do mundo
  89. Iphan completa 80 anos com grande patrimônio e poucos recursos
  90. Contribuições da Fiocruz à sociedade serão foco da nova presidente
  91. Passados 10 anos, ninguém foi condenado por acidente no Metrô
  92. Confira dicas para economizar e itens proibidos na lista de material escolar
  93. Brasil quer intensificar relações com os Estados Unidos e ampliar comércio
  94. Equoterapia estimula crianças com autismo
  95. Programa de cuidado com saúde mental auxilia idosos com depressão
  96. Temer terá de superar desafios políticos para conter crise, dizem especialistas
  97. O clube dos cidadãos de cor
  98. Aos 18 anos, reserva concilia geração de renda e conservação da Amazônia
  99. Ano Novo: Cardápio Novo: invista na reeducação alimentar e dê adeus ao eterno regime
  100. STF analisará em 2017 delações da Odebrecht e validade do aborto