Pesquisa do IBGE mostra trabalho "invisível" feito em 2016 no país

No ano passado, 6,3% dos 166,7 milhões de brasileiros de 14 anos de idade ou mais - o equivalente a 10,5 milhões de pessoas - trabalhavam na produção para o próprio consumo, voltada para uso exclusivo dos moradores do domicílio ou de parentes que viviam em outra moradia

Arquivo/ABr

São consideradas outras formas de trabalho a atividade na produção de bens; os cuidados de pessoas, afazeres domésticos e o trabalho voluntário.

Alana Gandra/Agência Brasil

É o que mostra a pesquisa 'Outras Formas de Trabalho 2016', divulgada ontem (7) pelo IBGE. A sondagem abrange atividades que as pessoas fazem para benefício próprio ou de terceiros, mas sem remuneração.

A pesquisadora do IBGE, economista Alessandra Brito, informou que o levantamento segue recomendação da OIT, que procura abordar formas mais amplas de trabalho do que aquelas voltadas exclusivamente para o mercado. “Esse é um trabalho meio invisível”, observou Alessandra. “As atividades não entram na conta das pessoas ocupadas que a gente divulga”. São consideradas outras formas de trabalho a atividade na produção de bens; os cuidados de pessoas, afazeres domésticos e o trabalho voluntário.

Na produção de bens, os pesquisadores do IBGE constataram que essa atividade é maior entre os homens (6,9%) do que entre as mulheres (5,8%). Por região, a pesquisa revela que o percentual de pessoas que realizaram atividades de produção para o próprio consumo foi maior no Norte (10,1%), Nordeste (9,4%) e no Sul (8,1%). “A gente vê que isso cresce com a idade”. A faixa etária em que a taxa de realização para o próprio consumo é mais intensa é a de 50 anos ou mais (46,1%). Apenas 11,2% tinham de 14 a 24 anos.

cuidar pessoas dependentes gesto amor temproarioA atividade que mais se destaca entre os quatro conjuntos analisados na produção para consumo próprio é a que engloba cultivo, pesca, caça e criação de animais, com 77,6%. Nesse conjunto, observa-se que há grande ocorrência tanto de pessoas do sexo masculino (79,2%), quanto do feminino (76%). A participação dos homens é maior na produção de carvão, corte ou coleta de lenha, palha ou outro material (23,5%) e na construção de prédio, cômodo, poço ou outras obras de construção (12%); entre as mulheres, os percentuais são, respectivamente,10,6% e 1,5%.

As mulheres se sobressaem na fabricação de calçados, roupas, móveis, cerâmicas, alimentos ou outros produtos (23,2%), contra 0,8% de homens. Ainda de acordo com o IBGE, 48,8% das pessoas que fizeram essa forma de trabalho estavam ocupadas no mercado, sendo 61,7% homens e 35%, mulheres.

Cuidar de pessoas
Do total de 166,7 milhões de pessoas em idade de trabalhar em 2016, 26,9% cuidaram de moradores do domicílio ou de parentes não moradores, correspondendo a 44,9 milhões de pessoas. Alessandra Brito informou que as mulheres têm uma taxa de participação maior que a dos homens (32,4% contra 21,0%), com concentração na faixa de 25 anos a 49 anos, tanto para homens (64,7%) quanto para mulheres (60,7%).

fb-passar-roupa temproarioA pesquisadora indicou que pela condição do domicílio, a cônjuge tende a fazer mais que a mulher responsável pelo domicílio (39% contra 30,6%). O mesmo ocorre em relação aos homens, mas em menor medida: 27,5% para o cônjuge, contra 25% para o principal responsável. Alessandra chamou a atenção para o fato de que os maiores cuidados são dedicados a crianças de 0 a 14 anos: 49,6% das pessoas disseram ter cuidado de moradores de 0 a 5 anos, enquanto 48,1% cuidaram de moradores de 6 a 14 anos.

As principais atividades foram auxiliar nos cuidados pessoais (78,6%), com predominância de mulheres (86,9%), contra 65% de homens; e auxiliar nas atividades educacionais (66,8%), também destacando as mulheres, com 71,7%, contra 58,8% dos homens.

Afazeres domésticos
A pesquisa do IBGE revela que no ano passado, 81,3% da população acima de 14 anos de idade tinham afazeres domésticos no domicílio ou na casa de parentes, equivalendo a 135,5 milhões de pessoas. Nesse conjunto de atividades, há predominância também de mulheres (89,8%) em relação aos homens (71,9%). Por região, a maior taxa foi encontrada no Sul do país (86,5%) e a menor no Nordeste (75,5%).

foto-01 temproarioAlessandra ressaltou que a análise da intensidade de horas dedicadas às atividades de cuidados de moradores ou parentes não moradores, afazeres domésticos ou em domicílio de parentes é maior na Região Nordeste (17,5 horas por semana) do que no Sul (16 horas por semana). No Brasil, a média de horas dedicadas aos afazeres domésticos ou cuidados de pessoas é 16,7 horas, com predomínio de mulheres (20,9 horas por semana). Entre os homens, a média alcança 11,1 horas por semana. “As mulheres, além de ter uma taxa de realização maior, dedicam mais horas a essas atividades do que os homens”, disse a economista.

No Brasil, a principal atividade em 2016 foi preparar ou servir alimentos, arrumar a mesa ou lavar a louça, com taxa de realização de 80%. As mulheres são de novo o destaque, com 95,7%, contra 58,5% dos homens. Em seguida, vem o cuidado com a limpeza ou a manutenção de roupas e sapatos, com 76% em nível nacional, com participação maior de mulheres (90,8%) do que de homens (55,7%).

Trabalho voluntário
A pesquisa mostra que 6,5 milhões de brasileiros, ou 3,9% da população de 14 anos ou mais de idade, realizam trabalho voluntário, que pode ser feito para uma organização ou uma pessoa, seja parente ou não, sem remuneração. “Você pode cuidar de um vizinho ou fazer um pequeno reparo na casa de um vizinho sem cobrar. Isso é considerado, para a pesquisa, trabalho voluntário. Não é só ajudar em uma ONG. É um conceito mais amplo de trabalho voluntário”, afirmou a economista.

A sondagem revela que o trabalho voluntário cresce com a idade, com maior taxa de realização entre as pessoas de 50 anos ou mais (4,6%); seguida do grupo de 25 a 49 anos (4,1%); e do grupo de 14 anos a 24 anos (2,5%). Em média, as pessoas fazem seis ou sete horas de trabalho voluntário por semana.

Outro dado mostrado pela pesquisa do IBGE é que das 6,5 milhões de pessoas que fizeram trabalho voluntário no ano passado, 6 milhões (91,5%) foram por meio de empresa, organização ou instituição. Além disso, as pessoas ocupadas realizavam mais trabalho voluntário em 2016 do que as não ocupadas. Enquanto 4,2% dos ocupados no Brasil faziam trabalho voluntário, entre os não ocupados a taxa era de 3,6% no ano passado.

Mais artigos...

  1. Divórcio demorou a chegar no Brasil
  2. Prédios públicos ficam vermelhos contra a aids
  3. Estudo resgata a história do Movimento do Custo de Vida
  4. Anabolizantes comprometem funcionalidade do “colesterol bom”
  5. Presença de árvores reduz casos de câncer de pulmão em idosos
  6. Proximidade do verão aciona alerta para desastres naturais
  7. Nova lei regula situação de estrangeiros no país
  8. SP e Prefeitura de Humaitá atendem ribeirinhos no Amazonas
  9. O desaparecimento de pessoas é um problema grave, que atinge milhares de famílias no Brasil
  10. Alimentos e cosméticos podem ter alerta sobre substância cancerígena_02
  11. OIT diz que há mais de 70 milhões de jovens desempregados no mundo
  12. Lixo no mar brasileiro vai de drogas a plástico
  13. Livro 'Vestígios da Memória' mostra a riqueza da arquitetura paulista
  14. Atenção dos pais pode reduzir risco de abuso de drogas na adolescência
  15. Reforma trabalhista entrou em vigor neste sábado com novas formas de contratação
  16. Alimentos e cosméticos podem ter alerta sobre substância cancerígena
  17. Dois anos depois, atingidos por barragem em Mariana ainda não foram indenizados
  18. População não entende rótulos, diz pesquisa
  19. Ética no esporte: uma poderosa ferramenta de formação de caráter
  20. Desafios para o cumprimento do Acordo de Paris
  21. Historiador desconstrói mitos sobre Teatro Municipal de São Paulo
  22. Dia mundial de combate ao abuso infantil
  23. Bullying na escola está ligado à má relação familiar, diz estudo
  24. Naufrágios chamam a atenção para a segurança nas hidrovias brasileiras
  25. Com frete rodoviário abaixo do custo, CNI defende fiscalização para evitar crise
  26. Livro analisa educação clandestina no gueto de Varsóvia
  27. Igualdade entre homem e mulher pode agregar US$ 28 trilhões ao PIB até 2025
  28. Os acordes dissonantes da contracultura nos anos de chumbo
  29. Reforma eleitoral abre espaço para propaganda paga em sites
  30. Rotina de jovens com HIV inclui estigma e mudança de hábitos
  31. Gravidez precoce ainda é alta, mostram dados
  32. Rede de apoio é fundamental para combater violência contra a mulher
  33. FAO sugere que jovens de países em desenvolvimento não deixem áreas rurais
  34. Conheça a trajetória do Velho Guerreiro
  35. O que as crianças estão aprendendo sobre o amor?
  36. Outubro Rosa conscientiza sobre prevenção do câncer de mama
  37. Indústria fecha primeiros oito meses do ano com crescimento de 1,5%, diz IBGE
  38. Perda de renda e medo do desemprego fazem brasileiros diminuírem consumo
  39. Desconfiança e preconceito da sociedade dificultam ressocialização de presos
  40. Açaí teve maior valor de produção na extração vegetal em 2016, diz pesquisa
  41. Fécula de mandioca poderá substituir parte da farinha de trigo na composição do pão
  42. Pesquisa aponta saídas para combater desigualdade no Brasil
  43. No Brasil, 45% da população ainda não têm acesso a serviço adequado de esgoto
  44. Integrar história da ciência nas escolas pode revolucionar ensino
  45. Cerca de 11 mil pessoas tiram a própria vida todos os anos no Brasil
  46. Estudo feito na Unicamp permite traçar o roteiro da obesidade
  47. Crise pode limitar financiamento estudantil
  48. Gorduras boas: saiba a importância desses nutrientes e porque eles devem fazer parte do nosso dia a dia
  49. Mercado de trabalho dá sinais de recuperação no segundo trimestre
  50. Cientistas dizem que furacões como o Irma são evidência de aquecimento global
  51. Programa Identidade Jovem enfrenta baixa adesão e resistência dos empresários
  52. Crescimento de ataques virtuais acende alerta sobre suicídio
  53. Na Georgia, brasileiros criam rede de apoio e acolhem mais de 300 pessoas
  54. O Império do Brasil
  55. Cabelos fracos, quebradiços e com queda? A solução pode estar no cardápio
  56. Microplásticos ameaçam 529 espécies da fauna marinha em todo o mundo
  57. Enade: matrículas em instituições públicas crescem e rede privada tem redução
  58. Pesquisadores descrevem 381 novas espécies de animais e plantas da Amazônia
  59. Direito à saúde bucal pode virar lei
  60. Casa da Moeda: Economistas não acreditam que privatização traga risco de fraude
  61. Taxa de feminicídios no Brasil é a quinta maior do mundo
  62. Travessia longa até um trânsito civilizado no país
  63. Intestino preguiçoso: saiba quais alimentos consumir para evitar esse mal e ter uma vida saudável
  64. Cerca de 58% dos alunos da rede pública têm rendimento abaixo da média em matemática
  65. Pelo terceiro ano seguido, desemprego é a principal causa da inadimplência, mostra levantamento do SPC Brasil e CNDL
  66. De concurso de miss a maternidade, cadeirantes contam como resgataram autoestima
  67. Verba de multas poderá ir para o trânsito
  68. Como seria uma guerra entre EUA e Coreia do Norte?
  69. Fundo Amazônia vai investir R$ 150 milhões em novos projetos de conservação
  70. Duração de licença-paternidade reforça desigualdade na criação dos filhos
  71. Há 80 anos, União Nacional dos Estudantes faz história no país
  72. Barriga tanquinho: regra 80/20 é o segredo para conquistar e manter o abdômen definido
  73. Estudo mostra que o uso de etanol nos veículos reduz a poluição por nanopartículas
  74. Aleitamento materno ainda enfrenta obstáculos
  75. Segurança pública: solução depende de participação social
  76. “Memórias Póstumas de Brás Cubas” observa a condição humana
  77. Do sertão à ‘selva’ paulistana, o rito de passagem dos pankararu
  78. Dieta pós 40: veja o que deve mudar no cardápio para garantir vigor durante a meia idade
  79. Uerj pesquisa influência da atividade física das mães na obesidade dos filhos
  80. A desigualdade “racial” nas eleições
  81. Pediatras lançam guia para promover atividade física a criança e adolescente
  82. Sem aumento do PIS/Cofins, governo perde R$ 78 milhões por dia, diz AGU
  83. Pesquisa diz que a cada 16,8 segundos uma tentativa de fraude é aplicada no país
  84. O ano de 2016 bateu um novo recorde de deslocamentos forçados - Quais países mais geram refugiados pelo mundo?
  85. Pesquisa revela como o exercício físico protege o coração
  86. Laerte: heroína trans ou homem vestido de mulher?
  87. Declínio de Temer no exterior ajuda Macri a projetar Argentina
  88. O mundo, para as crianças, é a sua comunidade
  89. Misto de sentimentos marca saída dos militares brasileiros do Haiti
  90. Desemprego e informalidade assolam mulheres da América Latina
  91. Automedicação pode ter graves consequências
  92. Lei de Cotas em concurso é julgada constitucional, mas ainda motiva ações
  93. Migração: nova lei assegura direitos e combate a discriminação
  94. Grande São Paulo precisa controlar a emissão dos veículos a diesel
  95. O perfil dos corredores de rua amadores
  96. Há 100 anos, greve geral parou São Paulo
  97. Desvendando o cártamo: o que esse óleo pode fazer por sua dieta?
  98. Expectativa de vida de transexuais é de 35 anos, metade da média nacional
  99. Dalva de Oliveira
  100. Sem espaço adequado, Câmara guarda 1,2 mil obras de arte longe do público
Mais Lidas