Duração de licença-paternidade reforça desigualdade na criação dos filhos

A imagem de um pai participativo ainda causa estranhamento na sociedade brasileira. Homens que cuidam da casa, dos filhos e dos interesses particulares chegam, muitas vezes, a ganhar espaço na mídia como exemplos por desenvolver tarefas que, em geral, fazem parte da rotina das mulheres. O desempenho desses papeis faz parte da cultura e está, inclusive, nas leis

iStock 000023495464 Medium temsporario

 

Helena Martins/Agência Brasil

Uma das regras que expressam essa diferença é a licença-paternidade. Enquanto as mães com carteira assinada têm entre quatro e seis meses garantidos para se dedicar à criação dos filhos, a maior parte dos pais na mesma situação de emprego conta com apenas cinco dias. “Já é um recado de que quem tem que cuidar é a mãe. Isso faz com que a maioria das famílias já se configure a partir disso e não questione essa desigualdade, inclusive porque, muitas vezes, elas não têm capacidade, até financeira, de fazer diferente”, diz Roger Pires, jornalista, realizador audiovisual e pai de Lourenço, de 1 ano.

Participante do Movimento Paterno, grupo que reúne pais em Fortaleza, ele lançou, neste Dia dos Pais, o curta 5 dias é pouco, feito para reivindicar o aumento da licença-paternidade no Brasil. O grupo considera que o tempo maior de afastamento do trabalho é um direito do pai, dos bebês e das mães.

De acordo com a Constituição, o prazo da licença-paternidade é de cinco dias. Antes da aprovação da Carta Magna, valia o disposto na CLT, que desde 1967 inclui no rol dos direitos trabalhistas a possibilidade de o empregado não comparecer ao trabalho, sem prejuízo do salário, por um dia, em caso de nascimento de filho.

A defesa da divisão igualitária da tarefa de cuidar de uma criança levou a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB/AM) a propor o compartilhamento da licença-maternidade entre pai e mãe, com a divisão dos dias de afastamento. A proposta altera o Artigo 10 do Ato das Disposições Constitucionais e Transitórias da Constituição para incluir a possibilidade de a licença ser exercida em “dias correspondentes aos da licença-maternidade, quando a fruição desta licença poderá ser exercida em conjunto pela mãe e pelo pai, em períodos alternados, na forma por eles decidida”.

A proposta foi remetida à Comissão de Constituição e Justiça do Senado e, desde abril, aguarda a designação de um relator. A proposta busca refletir mudanças no mundo do trabalho, destacadamente a maior participação das mulheres no mercado, e tem como base a experiência de diversos países. Segundo os argumentos da PEC, o compartilhamento da licença é adotada, por exemplo, na Noruega, na Suécia, na Finlândia e na Espanha.

Enquanto as mães com carteira assinada têm entre quatro e seis meses garantidos para se dedicar à criação dos filhos, a maior parte dos pais na mesma situação de emprego conta com apenas cinco dias.Servidores públicos
A luta pela ampliação da licença-paternidade tem causado alterações normativas. Desde maio de 2016, servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais passaram a contar com mais 15 dias de licença, além dos cinco assegurados pela Constituição. A regra vale, inclusive, para quem adotar ou obtiver guarda judicial de criança de 0 a 12 anos incompletos. Com a mudança em nível federal e a mobilização de pais e mães, diversos estados têm ampliado a discussão sobre esse direito. No Distrito Federal, o governo estabeleceu o Programa de Prorrogação da Licença-Paternidade também no ano passado, estabelecendo que os servidores públicos têm direito a 30 dias de licença-paternidade.

No Rio de Janeiro, uma emenda constitucional aprovada pelo Legislativo em 2015 ampliou o afastamento de pais servidores do estado para o prazo de 30 dias. O mesmo período foi aprovado pela Assembleia Legislativa do Ceará, para o caso de servidores civis e militares, na forma de indicação. Para virar lei, é preciso que o governo estadual elabore e os deputados aprovem projeto de lei acatando a indicação. Já em Minas Gerais, funcionários do Legislativo têm até 15 dias de licença. Em Mato Grosso do Sul, servidores do Tribunal de Justiça têm 20 dias.

images 17 temsporarioIniciativa privada
Com a aprovação do Marco Legal da Primeira Infância, em março de 2016, foi alterada a lei que criou o Programa Empresa Cidadã, inicialmente voltado para estimular a adoção de licença-maternidade de seis meses por parte da iniciativa privada. Com o marco, trabalhadores de empresas que façam adesão ao programa passaram a ter 20 dias de licença, a exemplo do que ocorre com os servidores. Em troca, a companhia tem isenção de impostos.

Para usufruir desses direitos, os pais devem requerer a ampliação em até dois dias úteis após o parto e comprovar participação em programa ou atividade de orientação sobre paternidade responsável. Essa participação foi objeto de nota técnica do Ministério da Saúde, lançada no início deste mês. Nela, o órgão sugere que a realização do pré-natal do parceiro, a participação nas atividades educativas durante o pré-natal e/ou visitas à maternidade sejam consideradas atividades de orientação sobre paternidade. Do mesmo modo, a comprovação poderá ocorrer por meio da participação no curso online Pai presente: cuidado e compromisso, que é gratuito.

“Exercer o direito à licença-paternidade e apoiar a parceira são muito importantes para o sucesso do aleitamento materno, para compartilhar entre o casal os prazeres e os afazeres relacionados à chegada do bebê e para gerar vínculos afetivos saudáveis e maior qualidade de vida para todos. A participação do pai no pré-natal e nos cuidados com a criança após o nascimento também pode contribuir para diminuir a violência na família e o abandono do lar”, destaca a nota.

Tanto no caso dos servidores quanto das pessoas que trabalham na iniciativa privada, os pais têm o direito de receber remuneração integral, ao longo da licença. Eles ficam proibidos de exercer atividade remunerada. O desafio, agora, é ampliar o conhecimento sobre esse direito e a adesão das empresas ao programa.

paternidade temsporarioProfissionais autônomos
A experiência de criação de Lourenço, ao lado da companheira, a assistente social Samya Magalhães, e a participação no grupo Movimento Paterno mostrou para Roger que mesmo os 30 dias são poucos para uma divisão efetiva da tarefa do cuidado, para a adaptação à nova vida e mesmo para o acompanhamento de uma fase muito delicada, o puerpério, quando o corpo da mulher passa por intensas transformações. “Trinta dias não cobrem sequer o resguardo”, afirma.

Como autônomo, o rendimento depende da produção, por isso foi preciso adaptar a rotina de trabalho do Coletivo Nigéria, do qual participa. Enquanto os outros integrantes do grupo se dedicavam às atividades externas, ele se dedicou à elaboração de projetos e outras tarefas que podiam ser feitas de casa, muitas vezes na madrugada.

“A licença-paternidade é para quem tem Carteira de Trabalho. Para muito pai autônomo é pior ainda, porque a pessoa deixa de trabalhar e de ganhar. Seria legal uma renda mensal, básica, para que essa pessoa pudesse deixar de trabalhar mesmo”, defende. Para ele, “se a sociedade tivesse o cuidado de esperar um pouco o primeiro ano, os primeiros meses, a gente teria pais e mães apoiados, bebês mais cuidados, com mais saúde, e isso iria se refletir em toda a sociedade”.

Mais artigos...

  1. Há 80 anos, União Nacional dos Estudantes faz história no país
  2. Barriga tanquinho: regra 80/20 é o segredo para conquistar e manter o abdômen definido
  3. Estudo mostra que o uso de etanol nos veículos reduz a poluição por nanopartículas
  4. Aleitamento materno ainda enfrenta obstáculos
  5. Segurança pública: solução depende de participação social
  6. “Memórias Póstumas de Brás Cubas” observa a condição humana
  7. Do sertão à ‘selva’ paulistana, o rito de passagem dos pankararu
  8. Dieta pós 40: veja o que deve mudar no cardápio para garantir vigor durante a meia idade
  9. Uerj pesquisa influência da atividade física das mães na obesidade dos filhos
  10. A desigualdade “racial” nas eleições
  11. Pediatras lançam guia para promover atividade física a criança e adolescente
  12. Sem aumento do PIS/Cofins, governo perde R$ 78 milhões por dia, diz AGU
  13. Pesquisa diz que a cada 16,8 segundos uma tentativa de fraude é aplicada no país
  14. O ano de 2016 bateu um novo recorde de deslocamentos forçados - Quais países mais geram refugiados pelo mundo?
  15. Pesquisa revela como o exercício físico protege o coração
  16. Laerte: heroína trans ou homem vestido de mulher?
  17. Declínio de Temer no exterior ajuda Macri a projetar Argentina
  18. O mundo, para as crianças, é a sua comunidade
  19. Misto de sentimentos marca saída dos militares brasileiros do Haiti
  20. Desemprego e informalidade assolam mulheres da América Latina
  21. Automedicação pode ter graves consequências
  22. Lei de Cotas em concurso é julgada constitucional, mas ainda motiva ações
  23. Migração: nova lei assegura direitos e combate a discriminação
  24. Grande São Paulo precisa controlar a emissão dos veículos a diesel
  25. O perfil dos corredores de rua amadores
  26. Há 100 anos, greve geral parou São Paulo
  27. Desvendando o cártamo: o que esse óleo pode fazer por sua dieta?
  28. Expectativa de vida de transexuais é de 35 anos, metade da média nacional
  29. Dalva de Oliveira
  30. Sem espaço adequado, Câmara guarda 1,2 mil obras de arte longe do público
  31. Doenças do inverno: Como fortalecer a alimentação e afastar os males típicos dessa época
  32. São Paulo precisa redescobrir a relação com seus rios
  33. Intervenções na Amazônia maquiam problemas, aponta pesquisador
  34. Plano Nacional de Educação completa três anos com apenas 20% das metas cumpridas
  35. Ao completar 9 anos, Lei Seca não impede que motoristas dirijam alcoolizados
  36. COOs e CTOs: corram para as montanhas!
  37. Crianças com microcefalia têm atendimento especializado
  38. Cruz Vermelha alerta para retorno da guerra urbana no Oriente Médio
  39. O que você come à noite pode atrapalhar o emagrecimento?
  40. Brasil registra aumento de trabalho infantil entre crianças de 5 a 9 anos
  41. Senado do Império estudou transposição do Rio São Francisco
  42. Projeto reacende debate sobre alimentos transgênicos
  43. Lei cria documento único de identificação nacional
  44. Pesquisa e desenvolvimento são principais ferramentas para eficiência energética
  45. Cidades costeiras são mais vulneráveis a mudanças do clima
  46. As empresas precisam “sair do armário”
  47. Eleitores jovens se afastam da democracia tradicional
  48. Brasil poderá ter evento nacional destinado à prevenção do suicídio
  49. Brasil reduz mortalidade materna, mas continua longe do ideal, diz especialista
  50. Consumo excessivo de álcool na balada expõe homens e mulheres a riscos diferentes
  51. Conheça as regras para adotar uma criança no Brasil
  52. Ciclovias em expansão influenciam mercado imobiliário de São Paulo
  53. Em dias de intolerância, pesquisadores destacam valor das mensagens de Gentileza
  54. O fim do carro próprio?
  55. Congresso avalia projetos para atender configurações familiares modernas
  56. BGE: 123 milhões de jovens com 15 anos ou mais não praticam esporte no Brasil
  57. Metabolismo lento: como identificar e reverter o problema que pode prejudicar a perda de peso
  58. Temer nega ampliação da faixa de isenção do Imposto de Renda
  59. Sinal verde para o emagrecimento: combine chá e café para turbinar a queima de gordura
  60. Tese revela luta das brasileiras por direitos civis e trabalhistas
  61. Estudo investiga como vida conjugal influencia carreira feminina
  62. Maio Amarelo quer reduzir acidentes e vítimas de trânsito
  63. Reposição de vitaminas na terceira idade: o que é fundamental para manter o vigor e garantir mais saúde?
  64. Dorival Caymmi, a pedra que ronca no meio do mar
  65. Em São Paulo, 97,8% dos idosos não conseguem atravessar a rua no tempo dos semáforos
  66. Direito do preso de trabalhar é realidade só para minoria
  67. 10 alimentos para aliviar os sintomas do estresse e da ansiedade
  68. Veja o que muda com a reforma trabalhista aprovada na Câmara
  69. Mulheres podem ter direito a escolher o alistamento militar
  70. Cardápio energizante: Como vencer o cansaço e a fraqueza causados pela má alimentação
  71. Um em cada dez estudantes no Brasil é vítima frequente de bullying
  72. Livros infantis ganham espaço no mercado brasileiro
  73. Pesquisas resgatam história genética de remanescentes de quilombos
  74. Gorduras do bem: Conheça os diferentes tipos de Ômega e saiba porque eles são itens obrigatórios no cardápio
  75. Direto da Amazônia, livro revela como a castanha-do-pará ganhou o mundo
  76. Modo de vida camponês ainda resiste entre pequenos agricultores
  77. São Paulo de Todos os Tempos e o sentido de respeito à cidade
  78. Reforma trabalhista recebe 844 emendas; relatório deve ser apresentado na quarta-feira
  79. Proposta proíbe concurso público exclusivo para cadastro de reserva
  80. Há 40 anos, ditadura impunha Pacote de Abril e adiava abertura política
  81. Como a dívida pública afeta cada brasileiro
  82. Lanchinhos no trabalho: Quais substituições podem ajudar a evitar os deslizes da dieta
  83. Abelhas sem ferrão têm guardas especializadas para defender suas colmeias
  84. Discurso das novas dietas reforça padrões de beleza inalcançáveis
  85. Efeitos da seca acentuam de maneira permanente perda florestal na Amazônia
  86. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa
  87. Saúde e boa forma: aposte na dieta para eliminar a barriga e controlar a síndrome metabólica
  88. Brasil carece de legislação para reúso de água
  89. ONU: crise econômica emperra desenvolvimento humano no Brasil
  90. Livro revela o pouco conhecido Holocausto da Transnístria
  91. Lava Jato completa três anos de investigações com 260 acusados criminalmente
  92. Livro mostra as verdadeiras origens de Corinthians, Palmeiras e São Paulo
  93. Doença renal crônica leva mais de 120 mil brasileiros para hemodiálise
  94. Orçamento taxava dono de escravo e previa salário para Pedro II
  95. Desafiando o Império, há 200 anos Pernambuco criava primeira República do Brasil
  96. Reforma promete ensino médio mais atraente
  97. Maioria das mulheres no Brasil e no mundo prefere trabalhar a ficar em casa
  98. As mulheres e o direito ao esporte
  99. Onde se escondem as poucas onças-pintadas que sobraram
  100. Como apostar nas fibras para reduzir o inchaço e melhorar a saúde