Tese revela luta das brasileiras por direitos civis e trabalhistas

De acordo com estudo, atuação feminina no entreguerras contribuiu para conformar uma nova noção de justiça social no Brasil

Antoninho Perri

Segundo a historiadora Glaucia Fraccaro, autora da pesquisa, as greves de 1917 fizeram com que as demandas das trabalhadoras emergissem.

Manuel Alves Filho/Jornal da UNicamp

A luta das mulheres pela conquista de direitos durante o entreguerras (1917-1937) contribuiu para conformar uma nova noção de justiça social no Brasil. A análise é da historiadora Glaucia Cristina Candian Fraccaro, autora da tese de doutorado intitulada Os Direitos das Mulheres - Organização Social e Legislação Trabalhista no Entreguerras Brasileiro (1917-1937), defendida em 2016 no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp, sob a orientação do professor Fernando Teixeira da Silva. “Depois das greves de 1917, que contaram com uma significativa participação das mulheres, não foi mais possível pensar a justiça social no Brasil sem pensar na condição da mulher trabalhadora”, sustenta a pesquisadora.

Glaucia decidiu investigar o tema depois de ter pesquisado, durante o mestrado, questões ligadas ao sindicalismo no Brasil. Na ocasião, a historiadora teve a atenção despertada para a participação das mulheres no mundo do trabalho. “Um ponto que me motivou a pesquisar o assunto foi tentar descobrir em que contexto foram formuladas as leis trabalhistas específicas para as mulheres, como a licença maternidade. Atualmente, legislações dessa natureza são consideras ‘naturais’, mas no início do Século XX a realidade era muito diferente”, explica.

Grupo norte-americano que apoiava tratados e leis por equidade de direitos.Em sua tese, Glaucia trabalhou com três eixos principais, que ela também classifica de hipóteses. O primeiro deles foi identificar a participação das mulheres no movimento organizado dos trabalhadores. Embora não estivessem na linha de frente dos sindicatos, dirigidos majoritariamente por homens, elas participaram efetivamente das lutas da classe operária, demonstrando bom nível de organização, notadamente no chão das fábricas. “As mulheres tiveram presença importante nas greves de 1917. Ainda que de modo um tanto difuso, as pautas delas estavam presentes no conjunto das reivindicações dos trabalhadores”, assinala.

Naquela época, continua a historiadora, as mulheres já se mobilizavam pela licença maternidade e pelo princípio do “trabalho igual, salário igual”. “As greves de 1917 também foram importantes porque fizeram com que essas demandas emergissem”, pontua Glaucia. O segundo eixo de pesquisa presente na tese refere-se à formulação das legislações trabalhistas. Segundo a autora, após a mobilização do operariado, a pauta da Comissão de Legislação Social da Câmara dos Deputados passou a contemplar diversas propostas contidas na agenda das trabalhadoras, como a própria licença maternidade e a proibição do trabalho noturno, esta última como parte do entendimento de que as mulheres exerciam dupla jornada de trabalho.

“Santinho” da campanha de Bertha Lutz à Assembleia Nacional Constituinte, de 1934, pelo Partido Autonomista do Distrito Federal.Aqui, Glaucia abre parênteses para falar sobre o movimento feminista no Brasil. Segundo ela, há uma ideia arraigada na sociedade de que o feminismo tem origem nas classes mais abastadas do país, tendo a bióloga Bertha Lutz como principal expoente. “Uma parte da história do feminismo brasileiro pode ser contada sob esta ótica. Entretanto, antes disso, foi travada uma luta muito consistente pelos direitos das mulheres por parte das trabalhadoras. Quando Bertha funda a Federação Brasileira pelo Progresso Feminino, em 1922, algumas pautas defendidas pela entidade eram reivindicadas pelas trabalhadoras dez anos antes”, compara a historiadora.

O terceiro eixo explorado na tese analisa como as demandas das trabalhadoras brasileiras foram inseridas num debate transnacional, que discutia a definição de padrões internacionais para orientar o trabalho. A compreensão de que era preciso estabelecer padrões internacionais do trabalho levou a Liga das Nações, antecessora da Organização das Nações Unidas (ONU), a criar, em 1919, a Organização Internacional do Trabalho (OIT). “A OIT tornou-se um grande irradiador das ideias e reivindicações das trabalhadoras, com as quais o chamado ‘feminismo de elite’ teve que lidar”, relata Glaucia.

No Brasil, o período em questão, observa a autora da tese, ficou mais conhecido por causa da luta de Bertha Lutz e outras feministas pelo direito de voto para as mulheres. “Aquele momento também foi classificado como ‘a primeira onda do feminismo’, mais voltado para a garantia dos direitos civis das mulheres. Entretanto, nos documentos históricos que analisei, encontrei várias tensões e demandas das trabalhadoras, o que contraria a ideia de que elas estiveram ausentes do movimento feminista”, reforça a pesquisadora.

A bióloga Bertha Lutz, pioneira do feminismo no Brasil.Tensões
O movimento feminista no Brasil registrou diversas tensões em seu interior, como reafirma a autora da tese. Assim como em outros países, aqui também havia correntes com pensamentos divergentes sobre as estratégias de luta. Havia um grupo que concordava com a postura de uma corrente de pensamento norte-americana, que achava que não era preciso qualquer ordenamento jurídico para garantir a conquista dos direitos das mulheres. Segundo este entendimento, bastaria somente a existência de uma lei proibindo a discriminação entre homens e mulheres.

Outro grupo pensava justamente o contrário, ou seja, defendia a formulação de leis específicas para fazer valer os interesses das mulheres. “A própria Bertha ficou dividida entre uma posição e outra, mas acabou percebendo, no embate com o governo Vargas, que era fundamental brigar por leis específicas. O que talvez minha tese traga como contribuição é revelar que essas tensões sempre existiram. O feminismo, assim como outros movimentos sociais, não é homogêneo. É esperado que ocorram disputas internas dentro de um campo tão extenso”, pondera Glaucia.

Momento atual
Ao discutir a origem da luta das trabalhadoras e do movimento feminista no Brasil, a pesquisadora considera que muitas conquistas foram alcançadas ao longo dos últimos 100 anos, mas reconhece que alguns direitos fundamentais das mulheres ainda não foram assegurados na prática, como a isonomia salarial com os homens, quando do exercício da mesma função. “Algumas demandas continuam na pauta, principalmente neste momento em que assistimos a ações de um governo ilegítimo que busca retirar direitos dos trabalhadores por meio de reformas. É um período de retrocesso, que atinge os trabalhadores em geral e as trabalhadoras em particular”, avalia Glaucia.

Entre as fontes consultadas pela historiadora para o desenvolvimento da tese estão coleções pertencentes ao acervo do Arquivo Edgard Leuenroth (AEL) da Unicamp, como jornais da Imprensa Operária, documentos diplomáticos, circulares de indústrias etc. “Também usei boletins do Departamento Estadual do Trabalho e documentos da OIT, DOPS (Departamento de Ordem Pública e Social), Federação Brasileira para o Progresso Feminino, Ministério do Trabalho e Presidência da República”, elenca a pesquisadora, que contou com bolsa de estudo concedida pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Mais artigos...

  1. Estudo investiga como vida conjugal influencia carreira feminina
  2. Maio Amarelo quer reduzir acidentes e vítimas de trânsito
  3. Reposição de vitaminas na terceira idade: o que é fundamental para manter o vigor e garantir mais saúde?
  4. Dorival Caymmi, a pedra que ronca no meio do mar
  5. Em São Paulo, 97,8% dos idosos não conseguem atravessar a rua no tempo dos semáforos
  6. Direito do preso de trabalhar é realidade só para minoria
  7. 10 alimentos para aliviar os sintomas do estresse e da ansiedade
  8. Veja o que muda com a reforma trabalhista aprovada na Câmara
  9. Mulheres podem ter direito a escolher o alistamento militar
  10. Cardápio energizante: Como vencer o cansaço e a fraqueza causados pela má alimentação
  11. Um em cada dez estudantes no Brasil é vítima frequente de bullying
  12. Livros infantis ganham espaço no mercado brasileiro
  13. Pesquisas resgatam história genética de remanescentes de quilombos
  14. Gorduras do bem: Conheça os diferentes tipos de Ômega e saiba porque eles são itens obrigatórios no cardápio
  15. Direto da Amazônia, livro revela como a castanha-do-pará ganhou o mundo
  16. Modo de vida camponês ainda resiste entre pequenos agricultores
  17. São Paulo de Todos os Tempos e o sentido de respeito à cidade
  18. Reforma trabalhista recebe 844 emendas; relatório deve ser apresentado na quarta-feira
  19. Proposta proíbe concurso público exclusivo para cadastro de reserva
  20. Há 40 anos, ditadura impunha Pacote de Abril e adiava abertura política
  21. Como a dívida pública afeta cada brasileiro
  22. Lanchinhos no trabalho: Quais substituições podem ajudar a evitar os deslizes da dieta
  23. Abelhas sem ferrão têm guardas especializadas para defender suas colmeias
  24. Discurso das novas dietas reforça padrões de beleza inalcançáveis
  25. Efeitos da seca acentuam de maneira permanente perda florestal na Amazônia
  26. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa
  27. Saúde e boa forma: aposte na dieta para eliminar a barriga e controlar a síndrome metabólica
  28. Brasil carece de legislação para reúso de água
  29. ONU: crise econômica emperra desenvolvimento humano no Brasil
  30. Livro revela o pouco conhecido Holocausto da Transnístria
  31. Lava Jato completa três anos de investigações com 260 acusados criminalmente
  32. Livro mostra as verdadeiras origens de Corinthians, Palmeiras e São Paulo
  33. Doença renal crônica leva mais de 120 mil brasileiros para hemodiálise
  34. Orçamento taxava dono de escravo e previa salário para Pedro II
  35. Desafiando o Império, há 200 anos Pernambuco criava primeira República do Brasil
  36. Reforma promete ensino médio mais atraente
  37. Maioria das mulheres no Brasil e no mundo prefere trabalhar a ficar em casa
  38. As mulheres e o direito ao esporte
  39. Onde se escondem as poucas onças-pintadas que sobraram
  40. Como apostar nas fibras para reduzir o inchaço e melhorar a saúde
  41. Construção de cisternas leva desenvolvimento à região do semiárido
  42. Bacalhau do Batata levou trabalhadores e foliões para as ruas de Olinda
  43. Novas regras para deportação geram apreensão entre imigrantes nos EUA
  44. Entra em vigor acordo global que pode gerar US$ 1 trilhão de comércio por ano
  45. Quando o carnaval questiona limites de sua própria liberdade
  46. Dieta e malhação: conheça os maiores erros antes e depois do treino e saiba como evitá-los
  47. Consumo de combustíveis no Brasil caiu 4,5% em 2016
  48. Brasil, um desperdiçador em dois mundos
  49. Polícia militarizada favorece manifestações como as do Espírito Santo, diz professor
  50. A explosão da economia compartilhada
  51. Não há nível de desmatamento seguro para o clima na Amazônia
  52. Nordeste entra no sexto ano do que pode ser a pior seca de sua história
  53. Crise do sistema de aposentadorias já preocupava dom Pedro II
  54. Estudo mapeia condições das favelas em São Paulo
  55. Guia alerta sobre consumo precoce de bebidas alcoólicas entre jovens
  56. O grande salto das mulheres em 2015
  57. Confira as eleições que podem mudar o mundo em 2017
  58. Mãe conta drama de enterrar filho degolado em Alcaçuz
  59. Nem leão, nem gazela
  60. A desigualdade posta à mesa
  61. Febre amarela: conheça os sintomas e saiba quando tomar a vacina
  62. Água incita disputa por terras no Nordeste 
  63. Obama termina mandato com boa aprovação e erros, mostram pesquisas
  64. Às vésperas da posse, brasileiros nos EUA estão apreensivos
  65. Oito homens mais ricos detêm mesmo patrimônio que a metade mais pobre do mundo
  66. Iphan completa 80 anos com grande patrimônio e poucos recursos
  67. Contribuições da Fiocruz à sociedade serão foco da nova presidente
  68. Passados 10 anos, ninguém foi condenado por acidente no Metrô
  69. Confira dicas para economizar e itens proibidos na lista de material escolar
  70. Brasil quer intensificar relações com os Estados Unidos e ampliar comércio
  71. Equoterapia estimula crianças com autismo
  72. Programa de cuidado com saúde mental auxilia idosos com depressão
  73. Temer terá de superar desafios políticos para conter crise, dizem especialistas
  74. O clube dos cidadãos de cor
  75. Aos 18 anos, reserva concilia geração de renda e conservação da Amazônia
  76. Ano Novo: Cardápio Novo: invista na reeducação alimentar e dê adeus ao eterno regime
  77. STF analisará em 2017 delações da Odebrecht e validade do aborto
  78. Veja fatos marcantes no cinema, na música e no teatro em 2016
  79. Baixo crescimento marcará economia em 2017, preveem especialistas
  80. Ondas gravitacionais e flor nascida no espaço; relembre fatos da ciência em 2016
  81. Reforma do ensino médio e ocupações em escolas marcaram 2016
  82. Eleição de Trump, Brexit, e outros fatos marcantes no mundo em 2016
  83. Acordo de paz, morte de Fidel e suspensão marcam América Latina em 2016
  84. Usina de Itaipu quebra próprio recorde de geração de energia elétrica
  85. Concentração de poder de mercado pode prejudicar o agronegócio paulista
  86. Suplementação de cálcio e vitamina D melhora expectativa e qualidade de vida dos idosos
  87. Ampliação adequada do Parque dos Veadeiros pode garantir proteção a 50 espécies
  88. Pesquisa detecta mudanças nos hábitos de consumo dos brasileiros como consequência da crise no país
  89. Lágrima verde
  90. Mudanças climáticas atingem do Peru a Porto Alegre
  91. Longevidade ampliada
  92. Fidel Castro, referência de revoluções latino-americanas
  93. Menos de 1% das propriedades agrícolas detém quase metade da área rural no país
  94. Cinema brasileiro é mapeado por meio da relação com outras mídias
  95. Crianças que brincam são mais saudáveis, garantem especialistas
  96. Cardiologista do HCor alerta sobre a prevenção das arritmias cardíacas e morte súbita
  97. Quando o avião virou arma
  98. Modelo hidrológico pode auxiliar a prever enchentes
  99. Livro revela intervenções dos EUA no governo JK
  100. Quando a obesidade dá os primeiros sinais