Rede de apoio é fundamental para combater violência contra a mulher

Ana Maria, 51, conviveu, ao longo de 34 anos de casamento, com agressões morais e violência física. “Era muita briga, um ciúme doentio, eu não podia fazer nada, nem falar com ninguém”

violencia domestica 1 temproario

Helena Martins/Agência Brasil

Amargurando a dor de cada ato sozinha, pois “chorava muito e guardava tudo só pra mim, porque tinha vergonha de contar para as outras pessoas”, acabou sofrendo um acidente vascular cerebral hemorrágico (Avch), que a deixou um mês em coma.

Recuperada, voltou para casa e conviveu por três meses em um lar sem brigas. Quando o marido mais uma vez a agrediu com gritos, ameaças e empurrões, ela decidiu que era hora de romper o relacionamento. A mulher esperou o marido ir trabalhar para, apenas com a roupa do corpo, fugir de casa. “Eu estava andando e vi uma reportagem sobre a Casa da Mulher Brasileira, em Brasília, que estava oferecendo curso para mulheres que sofreram agressão. Eu decidi ir até lá. Cheguei, registrei a ocorrência e perguntei para a recepcionista pelo curso, que era um curso para cuidadora de idosos ”, relembra.

Depois do curso, Ana não tinha para onde retornar. E foi assim durante três noites, o que fez com que tivesse que dormir sentada em um ponto de ônibus. Depois, buscou abrigo na casa de colegas. Apesar das dificuldades, seguiu. Apoiada pela Casa da Mulher, fez aulas de massoterapia e, atualmente, faz curso de Técnico em Enfermagem. “Eu não tinha profissão. Sabia lavar roupa, arrumar casa, ir para festa. Uma vida de dona de casa mesmo”, diz, revelando que “tinha medo de tudo, porque tudo para mim era novo”.

Em Brasília, a Casa da Mulher Brasileira dá assistência a vítimas de violência. Foram necessários dois anos, “muita coragem e humildade” para “ajeitar a vida”. Hoje, Ana voltou a viver em sua casa, por força de decisão judicial, e trabalha para garantir o próprio sustento. Ana é uma das milhares de mulheres brasileiras vítimas de violência. Os números são alarmantes: a cada hora, 503 mulheres brasileiras são agredidas. No ano passado, uma em cada três mulheres sofreram algum tipo de violência, conforme a pesquisa “Visível e invisível: a vitimização de mulheres no Brasil”, fruto de parceria entre o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (Fbsp) e o Datafolha.

Ontem (10), Dia Nacional de Luta Contra a Violência à Mulher, conforme estabelecido pelas Nações Unidas, ouvimos especialistas para saber quais políticas têm sido desenvolvidas para acabar com esse tipo de violência. Todos apontaram que é preciso, além de dar visibilidade aos crimes, estruturar uma rede de apoio que viabilize atendimento e alternativas de vida para as mulheres. Um dos equipamentos integrantes dessa rede é a Casa da Mulher Brasileira.

Criado pelo programa “Mulher, viver sem violência”, lançado em 2013, apenas em 2015 foram inauguradas as primeiras casas, que têm como objetivo oferecer serviços integrados às mulheres vítimas de violência. Por isso, na base dessa proposta está a articulação dos atendimentos especializados no âmbito da saúde, da justiça, segurança pública, rede socioassistencial e promoção da autonomia financeira. O investimento financeiro e a gestão são frutos de convênios entre governo federal e estados.

Os números são alarmantes: a cada hora, 503 mulheres brasileiras são agredidas.A instituição recebe entre cinco e dez mulheres a cada dia. Sua coordenadora, Iara Lobo, explica que a saída das mulheres de situações de violência implica, em geral, dois grandes desafios: a dependência emocional e autonomia financeira. Denúncias de violência contra a mulher podem ser feitas pelo Disque 180 ou Disque 100. A primeira questão decorre do fato de que os agressores são, muitas vezes, pessoas pelas quais as mulheres possuem afeto. Segundo pesquisa do Fbsp, 61% das mulheres entrevistadas disseram conhecer o agressor e 41% foram agredidas em casa.

Para que a mulher consiga sair da situação de violência, “é preciso muito apoio”, afirma Iara, que destaca a importância e a atual carência de atendimento à saúde mental das vítimas. Em relação à dependência econômica, é preciso garantir que a mulher tenha condições de viver de forma autônoma. A casa em Brasília tem realizado parcerias para viabilizar a reinserção laboral.

Embora muito tenha se falado sobre o aspecto da lei que estabelece a possibilidade de encarceramento de agressores, o lado da rede de apoio não ganhou a mesma projeção no debate público. Para a promotora Silvia Chakian, coordenadora do Grupo de Atuação Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica do MP-SP, “essa rede de atendimento é fundamental para que essa mulher tenha as consequências da violência minimizadas e para que outros casos sejam prevenidos”.

violencia-verbal-696x435 temproarioA expectativa é que situações desse tipo se tornem menos comuns com a estruturação dessa política, explica a promotora. Apesar da importância, a estruturação é incipiente. Além de receber relatos de mulheres que apontam que são revitimizadas e que se sentem pouco acolhidas nas delegacias, a promotora afirma que as instituições que deveriam apoiá-las ainda não estão devidamente estruturadas e articuladas.

“A deficiência é vista em todos os lugares, mas piora quando analisamos a interiorização”, disse. De acordo com a promotora, mesmo em São Paulo, que tem mais dinheiro e capacidade de estruturação dessa rede do que outros estados, muitas cidades ainda não têm, por exemplo, casas-abrigo. A ausência desse apoio é central, pois “são essas mulheres que estão morrendo em silêncio dentro de casa: as que não têm sequer onde buscar ajuda”, destaca Chakian.

Mais artigos...

  1. FAO sugere que jovens de países em desenvolvimento não deixem áreas rurais
  2. Conheça a trajetória do Velho Guerreiro
  3. O que as crianças estão aprendendo sobre o amor?
  4. Outubro Rosa conscientiza sobre prevenção do câncer de mama
  5. Indústria fecha primeiros oito meses do ano com crescimento de 1,5%, diz IBGE
  6. Perda de renda e medo do desemprego fazem brasileiros diminuírem consumo
  7. Desconfiança e preconceito da sociedade dificultam ressocialização de presos
  8. Açaí teve maior valor de produção na extração vegetal em 2016, diz pesquisa
  9. Fécula de mandioca poderá substituir parte da farinha de trigo na composição do pão
  10. Pesquisa aponta saídas para combater desigualdade no Brasil
  11. No Brasil, 45% da população ainda não têm acesso a serviço adequado de esgoto
  12. Integrar história da ciência nas escolas pode revolucionar ensino
  13. Cerca de 11 mil pessoas tiram a própria vida todos os anos no Brasil
  14. Estudo feito na Unicamp permite traçar o roteiro da obesidade
  15. Crise pode limitar financiamento estudantil
  16. Gorduras boas: saiba a importância desses nutrientes e porque eles devem fazer parte do nosso dia a dia
  17. Mercado de trabalho dá sinais de recuperação no segundo trimestre
  18. Cientistas dizem que furacões como o Irma são evidência de aquecimento global
  19. Programa Identidade Jovem enfrenta baixa adesão e resistência dos empresários
  20. Crescimento de ataques virtuais acende alerta sobre suicídio
  21. Na Georgia, brasileiros criam rede de apoio e acolhem mais de 300 pessoas
  22. O Império do Brasil
  23. Cabelos fracos, quebradiços e com queda? A solução pode estar no cardápio
  24. Microplásticos ameaçam 529 espécies da fauna marinha em todo o mundo
  25. Enade: matrículas em instituições públicas crescem e rede privada tem redução
  26. Pesquisadores descrevem 381 novas espécies de animais e plantas da Amazônia
  27. Direito à saúde bucal pode virar lei
  28. Casa da Moeda: Economistas não acreditam que privatização traga risco de fraude
  29. Taxa de feminicídios no Brasil é a quinta maior do mundo
  30. Travessia longa até um trânsito civilizado no país
  31. Intestino preguiçoso: saiba quais alimentos consumir para evitar esse mal e ter uma vida saudável
  32. Cerca de 58% dos alunos da rede pública têm rendimento abaixo da média em matemática
  33. Pelo terceiro ano seguido, desemprego é a principal causa da inadimplência, mostra levantamento do SPC Brasil e CNDL
  34. De concurso de miss a maternidade, cadeirantes contam como resgataram autoestima
  35. Verba de multas poderá ir para o trânsito
  36. Como seria uma guerra entre EUA e Coreia do Norte?
  37. Fundo Amazônia vai investir R$ 150 milhões em novos projetos de conservação
  38. Duração de licença-paternidade reforça desigualdade na criação dos filhos
  39. Há 80 anos, União Nacional dos Estudantes faz história no país
  40. Barriga tanquinho: regra 80/20 é o segredo para conquistar e manter o abdômen definido
  41. Estudo mostra que o uso de etanol nos veículos reduz a poluição por nanopartículas
  42. Aleitamento materno ainda enfrenta obstáculos
  43. Segurança pública: solução depende de participação social
  44. “Memórias Póstumas de Brás Cubas” observa a condição humana
  45. Do sertão à ‘selva’ paulistana, o rito de passagem dos pankararu
  46. Dieta pós 40: veja o que deve mudar no cardápio para garantir vigor durante a meia idade
  47. Uerj pesquisa influência da atividade física das mães na obesidade dos filhos
  48. A desigualdade “racial” nas eleições
  49. Pediatras lançam guia para promover atividade física a criança e adolescente
  50. Sem aumento do PIS/Cofins, governo perde R$ 78 milhões por dia, diz AGU
  51. Pesquisa diz que a cada 16,8 segundos uma tentativa de fraude é aplicada no país
  52. O ano de 2016 bateu um novo recorde de deslocamentos forçados - Quais países mais geram refugiados pelo mundo?
  53. Pesquisa revela como o exercício físico protege o coração
  54. Laerte: heroína trans ou homem vestido de mulher?
  55. Declínio de Temer no exterior ajuda Macri a projetar Argentina
  56. O mundo, para as crianças, é a sua comunidade
  57. Misto de sentimentos marca saída dos militares brasileiros do Haiti
  58. Desemprego e informalidade assolam mulheres da América Latina
  59. Automedicação pode ter graves consequências
  60. Lei de Cotas em concurso é julgada constitucional, mas ainda motiva ações
  61. Migração: nova lei assegura direitos e combate a discriminação
  62. Grande São Paulo precisa controlar a emissão dos veículos a diesel
  63. O perfil dos corredores de rua amadores
  64. Há 100 anos, greve geral parou São Paulo
  65. Desvendando o cártamo: o que esse óleo pode fazer por sua dieta?
  66. Expectativa de vida de transexuais é de 35 anos, metade da média nacional
  67. Dalva de Oliveira
  68. Sem espaço adequado, Câmara guarda 1,2 mil obras de arte longe do público
  69. Doenças do inverno: Como fortalecer a alimentação e afastar os males típicos dessa época
  70. São Paulo precisa redescobrir a relação com seus rios
  71. Intervenções na Amazônia maquiam problemas, aponta pesquisador
  72. Plano Nacional de Educação completa três anos com apenas 20% das metas cumpridas
  73. Ao completar 9 anos, Lei Seca não impede que motoristas dirijam alcoolizados
  74. COOs e CTOs: corram para as montanhas!
  75. Crianças com microcefalia têm atendimento especializado
  76. Cruz Vermelha alerta para retorno da guerra urbana no Oriente Médio
  77. O que você come à noite pode atrapalhar o emagrecimento?
  78. Brasil registra aumento de trabalho infantil entre crianças de 5 a 9 anos
  79. Senado do Império estudou transposição do Rio São Francisco
  80. Projeto reacende debate sobre alimentos transgênicos
  81. Lei cria documento único de identificação nacional
  82. Pesquisa e desenvolvimento são principais ferramentas para eficiência energética
  83. Cidades costeiras são mais vulneráveis a mudanças do clima
  84. As empresas precisam “sair do armário”
  85. Eleitores jovens se afastam da democracia tradicional
  86. Brasil poderá ter evento nacional destinado à prevenção do suicídio
  87. Brasil reduz mortalidade materna, mas continua longe do ideal, diz especialista
  88. Consumo excessivo de álcool na balada expõe homens e mulheres a riscos diferentes
  89. Conheça as regras para adotar uma criança no Brasil
  90. Ciclovias em expansão influenciam mercado imobiliário de São Paulo
  91. Em dias de intolerância, pesquisadores destacam valor das mensagens de Gentileza
  92. O fim do carro próprio?
  93. Congresso avalia projetos para atender configurações familiares modernas
  94. BGE: 123 milhões de jovens com 15 anos ou mais não praticam esporte no Brasil
  95. Metabolismo lento: como identificar e reverter o problema que pode prejudicar a perda de peso
  96. Temer nega ampliação da faixa de isenção do Imposto de Renda
  97. Sinal verde para o emagrecimento: combine chá e café para turbinar a queima de gordura
  98. Tese revela luta das brasileiras por direitos civis e trabalhistas
  99. Estudo investiga como vida conjugal influencia carreira feminina
  100. Maio Amarelo quer reduzir acidentes e vítimas de trânsito