Direto da Amazônia, livro revela como a castanha-do-pará ganhou o mundo

Castanha-do-brasil, noz amazônica, tocari e tururi. São muitos os nomes da árvore e semente que conhecemos em geral como castanha-do-pará. Desde a chegada dos europeus à América do Sul, a árvore da família botânica Lecythidaceae, nativa da floresta amazônica, é mencionada e descrita em relatos de viajantes, religiosos e naturalistas.

Acervo O Estado de S. Paulo via tese do autor

Pesquisa revela como a produção da castanha representou uma das mais importantes atividades econômicas da Amazônia.

Denis Pacheco/Jornal da USP

Apreciadas pelo seu sabor, as amêndoas são utilizadas tanto na culinária em geral, em especial no acompanhamento de doces, como pelo setor de cosméticos, que utiliza o óleo obtido da castanha para a fabricação de xampus, condicionadores e sabonetes. Além dos usos comerciais, pesquisas na área da saúde apontam que substâncias presentes na castanha-do-pará podem retardar o envelhecimento e até ajudar a prevenir alguns tipos de câncer.

Com base na tese de doutorado Do extrativismo à domesticação: as possibilidades da castanha-do-pará, defendida no Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, surgiu o livro A Castanha do Pará na Amazônia, publicado pela Paco Editorial.

O trabalho, que tem como foco a história econômica da árvore e sua semente famosa, é inédito em sua abordagem. Na obra, o historiador José Jonas Almeida revela em etapas como a produção de castanha-do-pará representou uma das mais importantes atividades da Amazônia e um recurso natural fundamental para a sobrevivência das populações tradicionais daquela região.

Ouriço da castanheira após a queda no solo.Já durante sua pesquisa de mestrado, Almeida se aproximou do tema, tendo como objeto de estudo Marabá, localizada no sul do Pará. No passado, a cidade foi a maior produtora de castanhas do mundo. O interesse específico pela semente surgiu quando o pesquisador investigou a economia da cidade durante o período da ditadura militar brasileira.

Partindo de viagens feitas para a região, o historiador reuniu um conjunto de documentos de fontes oficiais, matérias de jornais, livros de viajantes, estudos botânicos e informações obtidas tanto da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) quanto de bibliotecas internacionais, como a Biblioteca do Congresso, localizada em Washington, nos EUA.

De acordo com sua análise, a atividade ao redor da castanha-do-pará “garantiu a manutenção da economia de alguns municípios na primeira metade do século 20, entre eles Marabá, tendo movimentado um comércio ativo”, afirma.

Em visita ao Pará, em 1940, o presidente Getúlio Vargas observa o fruto da castanheira.Da Amazônia para o mundo
A estrutura da tese e, posteriormente, do livro foi sendo construída ao longo dos anos de doutorado. “Primeiro pesquisei a história da castanha, como ela foi descoberta pelos portugueses no período colonial e pelos espanhóis, que relataram encontros nas regiões amazônicas que hoje são a Bolívia e o Peru”, descreve Almeida.

A partir daí, investigando principalmente o material da Embrapa, o historiador desvendou os mistérios sobre como aconteceu o chamado processo de domesticação da planta. “Visitei em Manaus, por exemplo, uma fazenda que planta e produz castanha-do-pará. Originalmente, ela era extraída da floresta amazônica”, relembra ele.

Em seguida, Almeida se concentrou em entender o aproveitamento da amêndoa, seu uso para a alimentação e a decorrente domesticação. “Descobri que ela é conhecida no exterior há mais tempo do que eu imaginava”, aponta ele, ao explicar que, desde o final do século XVIII, os ingleses já estavam consumindo a castanha por meio de importações portuguesas. “Encontrei anúncios de jornais na Inglaterra que já divulgavam castanha-do-pará, tapioca e arroz do Pará”, comenta.

Apelidada de brazil nut pelos ingleses, a planta foi alvo de planos mercantis ousados por parte dos europeus. Os ingleses, que já tinham levado a seringueira da Amazônia para a Malásia para plantá-la, quebrando assim a economia brasileira da borracha, tentaram fazer algo similar com a castanha-do-pará.

Sementes foram enviadas para a Jamaica, para Trinidad, em seguida para o jardim botânico inglês e de lá para a Ásia. As tentativas de plantio aconteceram no Sri Lanka, na Malásia e até mesmo na Austrália, “mas não deu resultado em termos comerciais”, afirma o historiador ao explicar que, para ser produzida em grande escala, a planta precisa de insetos polinizadores, um gênero específico de abelhas, por exemplo. Gênero que só existe na Amazônia e que precisa estar perto da floresta para fazer a polinização. “Ou seja, dependia de um ecossistema específico”, sumariza.

Exemplar de castanheira no munícipio de Marabá, sudeste do estado do Pará.Alimentado prioritariamente pelas exportações brasileiras, o mercado europeu foi acompanhado pelo surgimento de uma demanda dos Estados Unidos, país no qual a amêndoa foi popularizada no começo do século 19.

“Nos EUA, existiu uma sociedade importadora de castanha, a Brazil Nut Association”, conta Almeida. Criado em 1933, o grupo comprava, distribuía e cuidava das propagandas em grandes veículos de imprensa, dentre eles, a famosa revista Life.

Mas e no Brasil?
De acordo com o especialista, o mercado brasileiro para a castanha-do-pará sempre foi muito reduzido. “Essas amêndoas de forma geral (avelã, castanha, noz) são amêndoas mais consumidas nas regiões de clima temperado. Por isso o êxito na Europa e nos EUA”, afirma ele.

Culturalmente, elas completam um conjunto de amêndoas que são consumidas em grandes feriados, sobretudo no segundo semestre de cada ano. No mercado interno, sem essa demanda, a castanha-do-pará permaneceu cara, em especial por causa de seu transporte.

Entretanto, houve tentativas pontuais de ampliar o consumo entre os brasileiros. “Há um tempo atrás, no século 19, no livro O Cozinheiro Nacional (reeditado recentemente), havia muitas receitas com castanha-do-pará para sopas, frango e até pombos, mas hoje realmente temos muito pouca procura no Brasil.” Vale lembrar que há pouco mais de 80 anos, a população brasileira era em grande parte desnutrida, por isso os nutrólogos da época recomendavam castanhas para crianças e mães amamentando, por exemplo.

Ainda assim, o mercado interno da castanha-do-pará atualmente representa cerca de 2% do total que é produzido, sendo concentrado prioritariamente para exportação.

20170403 05 castanhadopara temproarioDurante a elaboração da tese, Almeida procurou entender uma das grandes mudanças no mercado de exportação da castanha que deixou o Brasil no segundo lugar como um dos maiores produtores, perdendo a primeira posição para a Bolívia, com o Peru crescendo como o terceiro maior exportador.

“O interessante é que na Bolívia é basicamente extrativismo, eles ainda não plantam”, conta o historiador ao relatar que o plantio, também chamado de cultivo racional, é uma iniciativa relativamente nova até mesmo no Brasil.

“Existe uma fazenda que foi implantada por um empresário de São Paulo, Sérgio Vergueiro – tataraneto do senador Vergueiro, primeiro fazendeiro que trouxe imigrantes para o Brasil -, que se beneficiou na época dos incentivos fiscais que o governo concedeu para quem fosse investir na Amazônia”, descreve ele. Adquirindo uma terra a 200 quilômetros de Manaus, em Itacoatiara, Vergueiro tinha como objetivo principal a criação de gado. “Mas ao derrubar a mata para formar pastagem, a vegetação natural nascia de novo e destruía o pasto, o que inviabilizou a criação.”

Somente nos anos 1980, quando técnicos da Embrapa sugeriram o plantio da castanha, a fazenda descobriu sua principal vocação econômica e alimentou um mercado que não tinha grandes concorrentes. “Hoje ela produz pupunha também e, ao que se sabe, é a maior produção em fazenda de castanhas que existe”, afirma Almeida.

Apesar do volume de produção da castanha não ser grande, os exportadores brasileiros a beneficiam, um processo que envolve tirar a casca ao redor das sementes, deixando apenas as amêndoas, para vendê-las enlatadas.

Mais artigos...

  1. Modo de vida camponês ainda resiste entre pequenos agricultores
  2. São Paulo de Todos os Tempos e o sentido de respeito à cidade
  3. Reforma trabalhista recebe 844 emendas; relatório deve ser apresentado na quarta-feira
  4. Proposta proíbe concurso público exclusivo para cadastro de reserva
  5. Há 40 anos, ditadura impunha Pacote de Abril e adiava abertura política
  6. Como a dívida pública afeta cada brasileiro
  7. Lanchinhos no trabalho: Quais substituições podem ajudar a evitar os deslizes da dieta
  8. Abelhas sem ferrão têm guardas especializadas para defender suas colmeias
  9. Discurso das novas dietas reforça padrões de beleza inalcançáveis
  10. Efeitos da seca acentuam de maneira permanente perda florestal na Amazônia
  11. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa
  12. Saúde e boa forma: aposte na dieta para eliminar a barriga e controlar a síndrome metabólica
  13. Brasil carece de legislação para reúso de água
  14. ONU: crise econômica emperra desenvolvimento humano no Brasil
  15. Livro revela o pouco conhecido Holocausto da Transnístria
  16. Lava Jato completa três anos de investigações com 260 acusados criminalmente
  17. Livro mostra as verdadeiras origens de Corinthians, Palmeiras e São Paulo
  18. Doença renal crônica leva mais de 120 mil brasileiros para hemodiálise
  19. Orçamento taxava dono de escravo e previa salário para Pedro II
  20. Desafiando o Império, há 200 anos Pernambuco criava primeira República do Brasil
  21. Reforma promete ensino médio mais atraente
  22. Maioria das mulheres no Brasil e no mundo prefere trabalhar a ficar em casa
  23. As mulheres e o direito ao esporte
  24. Onde se escondem as poucas onças-pintadas que sobraram
  25. Como apostar nas fibras para reduzir o inchaço e melhorar a saúde
  26. Construção de cisternas leva desenvolvimento à região do semiárido
  27. Bacalhau do Batata levou trabalhadores e foliões para as ruas de Olinda
  28. Novas regras para deportação geram apreensão entre imigrantes nos EUA
  29. Entra em vigor acordo global que pode gerar US$ 1 trilhão de comércio por ano
  30. Quando o carnaval questiona limites de sua própria liberdade
  31. Dieta e malhação: conheça os maiores erros antes e depois do treino e saiba como evitá-los
  32. Consumo de combustíveis no Brasil caiu 4,5% em 2016
  33. Brasil, um desperdiçador em dois mundos
  34. Polícia militarizada favorece manifestações como as do Espírito Santo, diz professor
  35. A explosão da economia compartilhada
  36. Não há nível de desmatamento seguro para o clima na Amazônia
  37. Nordeste entra no sexto ano do que pode ser a pior seca de sua história
  38. Crise do sistema de aposentadorias já preocupava dom Pedro II
  39. Estudo mapeia condições das favelas em São Paulo
  40. Guia alerta sobre consumo precoce de bebidas alcoólicas entre jovens
  41. O grande salto das mulheres em 2015
  42. Confira as eleições que podem mudar o mundo em 2017
  43. Mãe conta drama de enterrar filho degolado em Alcaçuz
  44. Nem leão, nem gazela
  45. A desigualdade posta à mesa
  46. Febre amarela: conheça os sintomas e saiba quando tomar a vacina
  47. Água incita disputa por terras no Nordeste 
  48. Obama termina mandato com boa aprovação e erros, mostram pesquisas
  49. Às vésperas da posse, brasileiros nos EUA estão apreensivos
  50. Oito homens mais ricos detêm mesmo patrimônio que a metade mais pobre do mundo
  51. Iphan completa 80 anos com grande patrimônio e poucos recursos
  52. Contribuições da Fiocruz à sociedade serão foco da nova presidente
  53. Passados 10 anos, ninguém foi condenado por acidente no Metrô
  54. Confira dicas para economizar e itens proibidos na lista de material escolar
  55. Brasil quer intensificar relações com os Estados Unidos e ampliar comércio
  56. Equoterapia estimula crianças com autismo
  57. Programa de cuidado com saúde mental auxilia idosos com depressão
  58. Temer terá de superar desafios políticos para conter crise, dizem especialistas
  59. O clube dos cidadãos de cor
  60. Aos 18 anos, reserva concilia geração de renda e conservação da Amazônia
  61. Ano Novo: Cardápio Novo: invista na reeducação alimentar e dê adeus ao eterno regime
  62. STF analisará em 2017 delações da Odebrecht e validade do aborto
  63. Veja fatos marcantes no cinema, na música e no teatro em 2016
  64. Baixo crescimento marcará economia em 2017, preveem especialistas
  65. Ondas gravitacionais e flor nascida no espaço; relembre fatos da ciência em 2016
  66. Reforma do ensino médio e ocupações em escolas marcaram 2016
  67. Eleição de Trump, Brexit, e outros fatos marcantes no mundo em 2016
  68. Acordo de paz, morte de Fidel e suspensão marcam América Latina em 2016
  69. Usina de Itaipu quebra próprio recorde de geração de energia elétrica
  70. Concentração de poder de mercado pode prejudicar o agronegócio paulista
  71. Suplementação de cálcio e vitamina D melhora expectativa e qualidade de vida dos idosos
  72. Ampliação adequada do Parque dos Veadeiros pode garantir proteção a 50 espécies
  73. Pesquisa detecta mudanças nos hábitos de consumo dos brasileiros como consequência da crise no país
  74. Lágrima verde
  75. Mudanças climáticas atingem do Peru a Porto Alegre
  76. Longevidade ampliada
  77. Fidel Castro, referência de revoluções latino-americanas
  78. Menos de 1% das propriedades agrícolas detém quase metade da área rural no país
  79. Cinema brasileiro é mapeado por meio da relação com outras mídias
  80. Crianças que brincam são mais saudáveis, garantem especialistas
  81. Cardiologista do HCor alerta sobre a prevenção das arritmias cardíacas e morte súbita
  82. Quando o avião virou arma
  83. Modelo hidrológico pode auxiliar a prever enchentes
  84. Livro revela intervenções dos EUA no governo JK
  85. Quando a obesidade dá os primeiros sinais
  86. Projeto verão à vista: quais as novidades para conquistar e manter a boa forma
  87. Com perspectiva de reforma, brasileiros têm dúvidas sobre aposentadoria
  88. Expectativa de vida não é dado adequado para debater Previdência
  89. Saúde em dia: Dieta equilibrada promove a manutenção do peso de maneira segura
  90. Nova lei do Simples tira do pequeno empresário o medo de crescer
  91. Entenda como a eleição de Donald Trump pode afetar o Brasil
  92. Lixo do bem
  93. Legalização das vaquejadas divide opiniões
  94. Carpeaux antes de Carpeaux
  95. Professores dão dicas a estudantes que vão fazer as provas do Enem
  96. Cobrança em terreno de marinha é contestada
  97. Campanha anticorrupção pressiona políticos
  98. Desaposentação divide opiniões de especialistas em direito previdenciário
  99. Açúcar: qual a forma mais saudável de substituir este item na dieta
  100. As vantagens e os riscos da pílula anticoncepcional