ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Já em uso no país, audiências de custódia podem virar lei

Senado avalia projeto que dá prazo de 24 horas para que toda pessoa presa em flagrante seja levada à presença de um juiz, que decidirá se a prisão é necessária. Medida, incentivada pelo Conselho Nacional de Justiça, visa garantir os direitos do preso e evitar tortura ou maus-tratos

Combater a superlotação carcerária é um dos objetivos da proposta em análise.

 

Dos mais de 700 mil presos que ocupam o sistema carcerário brasileiro, cerca de 230 mil estão em prisão provisória, ou seja, ainda não foram julgados ou sentenciados. Os dados do Novo Diagnóstico de Pessoas Presas no Brasil, levantamento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) de 2014, refletem uma realidade que uma proposta em tramitação no Senado pretende mudar de forma definitiva.

Apresentado em 2011 por Antonio Carlos Valadares (PSB-SE), o Projeto de Lei do Senado 554/2011 estabelece o prazo máximo de 24 horas para um preso em flagrante ser apresentado ao juiz. O texto, que faz parte do grupo de propostas prioritárias definido pelos líderes partidários no início do ano e está pronto para votação em Plenário, legaliza o instituto da audiência de custódia, determinando a apresentação física do preso ao juiz e também a comunicação do ato da prisão, de imediato, pelo delegado ao Ministério Público, à Defensoria Pública — caso não tenha sido constituído advogado —, à família ou a pessoa indicada pelo preso.

O projeto teve o cuidado de explicitar que as informações obtidas na audiência de custódia — feitas logo após a prisão e, por isso, antes do tempo hábil para que o acusado monte sua defesa — serão registradas em autos apartados e não poderão servir de meio de prova contra ele. Deverão tratar, exclusivamente, da legalidade e da necessidade de prisão, da prevenção da ocorrência de tortura ou de maus-tratos e dos direitos assegurados ao preso e ao acusado.

Enquanto a proposta tramitava no Senado, onde foi analisada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e na Comissão de Direitos Humanos (CDH), o CNJ se antecipou e lançou, em fevereiro de 2015, o projeto Audiência de Custódia, prevendo por ato administrativo a prática no país. Em seguida, editou a Resolução 213/2015, regulamentando a prática. O conselho se baseou em normas já previstas em pactos e tratados internacionais assinados pelo Brasil — que têm força de lei —, como o Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos e a Convenção Interamericana de Direitos Humanos, conhecida como Pacto de San José. E por meio de termos de adesão, conseguiu que os 26 estados da Federação e o Distrito Federal adotassem a medida.

Para Valadares, autor do projeto, a audiência de custódia trata um grave problema social do país: a superlotação das prisões:

mat01a 2 11 04 2016 temprtoario— Essa medida assegura uma economia da ordem de mais de R$ 4 bilhões. Cada preso custa ao Estado R$ 3 mil por mês. Despesa que poderia ser atenuada caso a Justiça pudesse identificar individualmente se aquele preso merece estar no lugar onde está ou se deveria ser liberado para responder o processo em liberdade. A proposta contribui para a correção de injustiças havidas nos cárceres e também poderia corrigir essa situação de dispêndio desnecessário.

O senador Humberto Costa (PT-PE), que foi relator do projeto na CCJ, ressalta a importância das audiências para que o país possa ter uma política de promoção da Justiça penitenciária, incentivando o desencarceramento e a melhoria do atendimento aos condenados que cumprem pena.

— Infelizmente, as prisões temporárias e preventivas às vezes se arrastam por um longo tempo e muitos desses casos poderiam ser resolvidos sem necessidade de prisão. Com as audiências, o juiz pode analisar com tranquilidade se é possível que o preso responda ao processo em liberdade ou não, e, em boa parte dos casos, a possibilidade de responder em liberdade é grande. Isso beneficia o enfrentamento da superlotação carcerária — argumenta.

A chance de se reduzir o número de prisões desnecessárias é reforçada pelo consultor legislativo do Senado na área de direito penal, processual penal e penitenciário Tiago Ivo Odon. Ele explica que o sistema judiciário no Brasil possui uma cultura de “carceirização”, com a prisão provisória sendo uma medida muito aplicada no país — 32% dos presos são provisórios, número considerado alto. Na Europa, o índice não chega a 20%. Odon defende que é preciso haver esforço coletivo para limitar essa tendência e as audiências surgem como instituto novo no combate da prática.

— O Supremo Tribunal Federal tem feito nos últimos anos mutirões carcerários e percebeu que há muitas pessoas presas irregularmente. O STF pegou, inclusive, casos de pessoas que já tinham cumprido a pena e ainda estavam presas. As audiências de custódia têm permitido resolver o problema na ponta. Mas a medida ainda não está prevista em lei, daí a razão deste projeto do Senado, para torná-la um instituto legal — acrescenta.

Designado relator do PLS em Plenário, o senador João Capiberibe (PSB-AP) destaca um outro ponto fundamental do projeto: a garantia de que o cidadão preso não sofra violência ou tortura.

— Em uma sociedade como a nossa, cujo Estado cultiva a violência, em que temos uma longa tradição de tortura pelas forças de segurança, é fundamental que aprovemos esse projeto, que já é uma prática. Só que é preciso ter uma lei que garanta esse direito a todos os cidadãos que por acaso sejam detidos pelas forças de segurança. É uma garantia de vida, inclusive — argumenta.

O autor de um relatório especial contra a tortura apresentado ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, Juan Méndez, classificou as audiências de custódia como “uma das mais importantes iniciativas em políticas públicas para combater problemas em prisões arbitrárias e tortura”. O documento apresentado por Méndez foi resultado de visita oficial de 12 dias realizada ao país em agosto de 2015 a convite do governo brasileiro.

Juízes criticam falta de estrutura para aplicação da medida
A aplicação das audiências de custódia, entretanto, não é consenso entre os representantes das forças de segurança do país. Há questionamentos sobre a aplicabilidade real da proposta, uma vez que as garantias do preso em flagrante — preservação da sua integridade física e avaliação da sua prisão — já seriam previstas em lei. Há também críticas de que a medida sobrecarrega um sistema já lento e pesado, ao se criar uma nova prática no processo judicial sem ampliar, na mesma medida, os recursos humanos e materiais para atendê-la.

Para o presidente da Associação Nacional de Magistrados Estaduais (Anamages), desembargador Magid Lauar, as audiências de custódia estão fundamentadas principalmente em um tratado internacional (San José) de 1969, período em que havia ditaduras em diversos países da América Latina e em que era necessário garantir a segurança e a vida de presos, principalmente os políticos. Hoje, quase 50 anos depois, esse cuidado com a integridade física do preso já existe na própria legislação brasileira — o artigo 306 do Código de Processo Penal exige, por exemplo, que qualquer prisão seja notificada ao juiz, ao Ministério Público, ao advogado do preso ou à Defensoria Pública e à família.

— Se a prisão for ilegal, a manifestação é imediata. Seja da defesa, seja da autoridade policial — diz Láuar, que ressalta a garantia legal do preso de ter direito a processo célere, caso contrário o crime do qual é acusado prescreverá ou ele poderá ser solto por decurso de prazo.

Juíza comanda primeira audiência de custódia feita pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, em setembro do ano passado. A Anamages chegou a entrar com ação direta de inconstitucionalidade contra a resolução do CNJ, que foi negada pelo Supremo Tribunal Federal sob a justificativa de falta de legitimidade da entidade (composta de juízes estaduais) para apresentar a ação. O STF também negou ação da Associação dos Delegados de Polícia do Brasil (Adepol) que questionava a legalidade das audiências.

A Anamages, porém, mantém as críticas. O presidente adverte que o sistema judiciário do país paga o preço por não comportar a implementação de uma nova medida processual.

Lauar cita como exemplo a rotina dos juízes de São Paulo, que precisam fazer 15 audiências por dia sobre processos de réus presos e passaram a acumular mais cerca de 20 audiências de custódia. Em Minas Gerais, estado onde atua, Lauar diz haver deficit de 200 juízes, sendo que algumas comarcas estão há 10 anos sem a presença de um juiz.

Além disso, há cidades do interior do país que têm apenas um delegado, poucos policiais e uma única viatura. Quando há prisão em flagrante, é preciso mobilizar praticamente toda a equipe de segurança para fazer o deslocamento do preso até o juiz.

— Nós não nos recusamos a fazer as audiências de custódia. Mas elas exigem um mínimo de estrutura — cobra.

O presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Distrito Federal, Benito Tiezze, reforça a preocupação com a falta de estrutura para atender as audiências de custódia. Ele explica que, no Distrito Federal, foram alocados mais de 100 policiais, retirados de suas atividades de rotina, para atuar na apresentação dos presos (Ag. Senado/Especial Cidadania).

Mais artigos...

  1. Estudo da Torá mostra riqueza literária de escritos bíblicos
  2. Chaplin a serviço de Chaplin
  3. 7 de abril – Dia Mundial da Saúde: Um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes
  4. Métodos substituem animais vivos nas aulas de veterinária
  5. Relatório revela privatização da educação pública no país
  6. Mobilizados, estudantes querem maior participação nas decisões nacionais
  7. Regimes jurídicos distintos afetam negociação da dívida pública
  8. Em vigor há 18 anos, Código de Trânsito Brasileiro é alvo de propostas de atualização
  9. Amigos e vizinhos estimulam a prática de atividade física
  10. Em meio à crise, microfranquias crescem no Brasil
  11. Veja 3 efeitos imediatos da crise política no Brasil
  12. Projetos miram caixa-preta das tarifas de ônibus
  13. Frutas nativas brasileiras podem ser alternativa de renda
  14. O pêndulo demográfico
  15. Código de Processo Civil entrou em vigor com a promessa de agilizar ações
  16. Promotor da 'Mãos Limpas' elogia Moro e diz temer retaliação
  17. Congresso combate violência obstétrica
  18. Sob a lona, o poder do riso
  19. Projeto de alunos concorre em competição internacional
  20. Oswaldo Cruz, o médico que derrotou o Aedes
  21. Engenheiro define carreira até 3 anos após o primeiro emprego
  22. 58 milhões de devedores estão negativados, indica SPC Brasil
  23. Mulheres lutam por igualdade, mas problemas históricos persistem
  24. Atuações de mulheres no setor de franquias crescem e redes comemoram
  25. Desperdício de comida desafia sociedade moderna
  26. Sífilis avança e deve chegar a quase 42 mil casos entre gestantes neste ano
  27. Quando as emoções entram em pane
  28. Medalha de ouro em Los Angeles, Joaquim Cruz busca sucessor em Brasília
  29. Remédio comum pode salvar da morte vítimas de escorpiões
  30. Voto impresso começa a valer em 2018, mas já é alvo de críticas
  31. PE: mais da metade das famílias de bebês com microcefalia são de baixa renda
  32. Crise de refugiados e violência ameaçaram direitos humanos em 2015
  33. Sistema ajuda portador de deficiência visual a se locomover
  34. Intervenções espirituais e religiosas na saúde são benéficas
  35. Livro resgata ideias econômicas de Roberto Simonsen
  36. Ensino de literaturas africanas precisa de melhorias
  37. Arqueologia na Amazônia elucida mistério de 500 anos
  38. Cérebro induz à escolha de alimentos calóricos para armazenar energia
  39. Obesidade pode interferir na aprendizagem das crianças
  40. Um dia na maior universidade de aviação do mundo
  41. Jornada de refugiados inclui perigos da travessia e desafios da integração
  42. Engraxates ambulantes influenciaram no samba paulistano
  43. Mais tempo para mães de prematuros
  44. Com diferentes estilos e histórias, 355 blocos animam carnaval paulistano
  45. Mesmo com crise, escolas prometem carnaval luxuoso em São Paulo
  46. Perda de emprego leva pessoas para o trabalho informal
  47. Eleição de líderes partidários movimenta retomada dos trabalhos legislativos
  48. Comissões de frente surpreendem por inovações a cada carnaval
  49. Desemprego fecha dezembro em 6,9% e atinge maior taxa para o mês desde 2007
  50. Escolas de samba apostam na especialização para produzir alegorias e adereços
  51. Vegetais: crus ou cozidos?
  52. Ano Novo Chinês: conheça as tradições milenares que marcam a data_a
  53. Travestis comemoram entrada em universidades e esperam diálogo mais saudável
  54. Aída foi a primeira a voar
  55. Aquífero Guarani: estudo analisa as negociações do acordo
  56. Cães reconhecem o significado de expressões emocionais
  57. DOI-Codi sequestra e mata Manoel Fiel e diz que metalúrgico cometeu suicídio
  58. Modernidade traz novos significados aos contos de fadas
  59. Distúrbios na tireoide podem causar ansiedade e depressão
  60. Atletas se destacam pela persistência; relembre momentos das Olimpíadas
  61. Oferta de frutas é similar em regiões ricas e pobres de São Paulo
  62. Pesquisa traça panorama dos acidentes de trânsito no Brasil
  63. Liga acadêmica une teoria e prática em ação para a sociedade
  64. Licença para voar
  65. Economias de aglomeração podem ampliar desigualdade espacial
  66. A supressão da cidadania nas celas
  67. 2015: O ano que o futebol começou a limpar as chuteiras
  68. Crise migratória e atentados terroristas marcam cenário internacional em 2015
  69. Conheça mitos e verdades sobre a osteoporose
  70. Peixe do rio Negro coletado por Alfred Wallace há 160 anos é finalmente descrito
  71. Projeto proíbe revista vexatória de visitante de jovem infrator internado
  72. Pequeno príncipe, grande aviador
  73. Patrimônio histórico nas mãos das Geociências
  74. Mudança no crime organizado ajudou a reduzir homicídios
  75. Universalização da pré-escola traz desafio gigantesco aos municípios
  76. Falta de assistência no nascimento de bebês incomoda mães
  77. Gastar menos energia é melhor ação contra aquecimento global
  78. Revelando o turista-fotógrafo
  79. Cidades pretendem reduzir quase pela metade emissões de CO2 até 2020
  80. O Estatuto do Desarmamento sob ameaça
  81. Getúlio e Collor também passaram por processo de impeachment
  82. Políticas públicas também tratam a saúde como mercadoria
  83. Estudo indica que Zika vírus está cada vez mais eficiente para infectar humanos
  84. Padronizar tamanho de roupas é possível, mostra estudo
  85. Pesquisador investiga a privatização e a concentração de capital no ensino superior
  86. Desmatamento reduz tamanho de peixes em região amazônica
  87. Mobilização marca vida dos encarcerados nas prisões
  88. Decreto regulamenta publicidade de alimentos infantis
  89. Chá verde e cacau protegem contra complicações causadas por diabete
  90. Lei de drogas vem causando lotação no sistema penitenciário
  91. Paleontólogos descrevem anfíbio gigante de 260 milhões de anos
  92. O padre aviador
  93. Presídio paraibano ilustra realidade do cárcere no Brasil
  94. Às vésperas da Rio 2016, legado da Olimpíada ainda é incógnita
  95. Rota de ônibus é definida com base no conforto do passageiro
  96. Filmes levam discussão sobre cultura indígena para a escola
  97. Entenda o que é a microcefalia e porque há um aumento dos casos em Pernambuco
  98. Pesquisas na Argentina dão vantagem ao candidato da oposição Mauricio Macri
  99. Modelo de governança é adaptado para clubes de futebol
  100. Estudante precisará de carteira padronizada para pagar meia

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171