Arqueologia na Amazônia elucida mistério de 500 anos

A imagem mais corriqueira que se tem das tribos pré-históricas amazônicas é que seu modo de vida era baseado na caça e na coleta de alimentos, pois na Amazônia central não haveria recursos para sustentar grandes povoamentos

13 temproario

 

Peter Moon/Agência FAPESP

Essa imagem, e sua explicação, foram construídas ao longo de séculos de colonização da calha do Amazonas, onde jamais se encontraram vestígios dos imensos povoados indígenas descritos no século 16 pelo frei Gaspar de Carvajal. Como falta de evidência nunca significou evidência de ausência, pesquisas arqueológicas realizadas na última década detectaram os restos do imenso povoamento descrito por Carvajal. Faltava saber como foi que milhares de índios encontravam sustento no local. Não mais.

Um novo estudo arqueológico acaba de demonstrar que, há mais de mil anos, os índios da Amazônia central seriam caçadores esporádicos e, para alimentar milhares de pessoas, eles dependiam principalmente da pesca, assim como ocorre com as populações ribeirinhas atuais. O consumo de tartarugas também era fonte importante de proteína animal. O trabalho foi publicado no Journal of Archaeological Science. As escavações foram feitas no sítio arqueológico Hatahara, que vem sendo estudado há mais de uma década pelo arqueólogo Eduardo Góes Neves, professor do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP, com apoio da FAPESP.

Fragmento de peixe. Estudo aponta que, há mais de mil anos, índios da Amazônia central dependiam principalmente da pesca – e não da caça – para o sustento do grande povoado descrito no século 16 pelo frei Gaspar de Carvajal. Hatahara fica na margem esquerda do rio Solimões, em Iranduba (AM), a cerca de 20 km do encontro das águas dos rios Negro e Solimões, uma das regiões de maior biodiversidade do planeta. O sítio foi ocupado continuamente por mais de mil anos, entre os anos 300 e 1500. O estudo foi focalizado na chamada fase Paredão (entre os anos 750 e 1230), que leva este nome por causa das características da cerâmica usada pelos índios no período. Nessa fase, Hatahara era um cacicado enorme. Ocupava pelo menos 20 hectares e se estendia por vários km na margem do rio. Reunia dezenas de aldeias onde viviam milhares de índios. Como faziam para alimentar tanta gente era o que queria descobrir a equipe de arqueólogos.

As espécies prediletas eram o pirarucu.Durante as escavações, eles coletaram vestígios de milho, inhame e mandioca, espécies que podem ter sido cultivadas em Hatahara, assim como várias espécies de palmeiras. A surpresa veio quando estudaram os quase 10 mil vestígios de animais vertebrados, como fragmentos de ossos de mamíferos e répteis, e esqueletos e espinhas de peixe. “Fala-se muito na caça na Amazônia como modo preferencial de subsistência dos índios. Quando começamos a escavação, tínhamos a expectativa de achar muitos restos de mamíferos”, disse a zooarqueóloga Gabriela Prestes-Carneiro, primeira autora do artigo e responsável pelo trabalho de análise e catalogação dos restos animais encontrados em Hatahara.

“Para a nossa grande surpresa, mais de 90% eram peixes”, disse Gabriela, pesquisadora da Universidade Federal do Oeste do Pará, em Santarém. Em seguida, vieram os restos de quelônios, principalmente de tartaruga-da-amazônia. “Restos de mamíferos não passaram dos 3%”. Em sua maioria eram pequenos marsupiais como os gambás ou roedores como a capivara, os ratos-de-espinho e a cutia. Também foram achados restos de répteis (jacaré, lagartos e cobras) e de aves.

e seu primo, o aruanã.O cardápio de pescado consumido em Hatahara era muito variado: nada menos que 37 táxons, pertencentes a 16 das 28 famílias de peixes que habitam os rios da região. As espécies prediletas eram o pirarucu e seu primo, o aruanã. Não por acaso, o pirarucu é uma das maiores espécies de peixe de água doce do mundo, podendo atingir 4,5 metros e pesar 200 kg. Por suas proporções, o pirarucu era uma fonte preferencial de proteína animal para os índios.

O segundo grupo mais consumido eram os bagres (ou peixe-gato ou peixes lisos, como são conhecidos na região), caso do surubim, do pintado, do acari, do bodó e tamoatá. A seguir vinha a família das piranhas, especialmente pacu, tambaqui, traíra e o peixe-cachorro. Por fim, entre as principais espécies mais capturadas, estavam os tucunarés, enguias e arraias, entre muitas outras.

“Além das espécies comerciais na Amazônia central, também encontramos espécies que são atualmente pouco consumidas pela população ribeirinha, como o muçum (ou enguia) e diferentes tipos de bacu, cuiú-cuiú e reco-reco”, disse Gabriela. O consumo de tartarugas ocupava também um lugar importante na dieta indígena.

15 temproarioA diversidade do pescado consumido pelos índios pré-históricos demonstra que eles tinham grande conhecimento dos hábitos daquelas espécies, bem como o domínio de técnicas sofisticadas de pesca. “Os peixes tinham uma importância muito grande ao longo do ano na subsistência da população de Hatahara”, disse Gabriela. “Várias espécies têm hábitos sazonais e só são pescadas em determinadas épocas do ano e em locais distintos. Os índios sabiam quando pescá-las e sabiam onde encontrá-las: em igarapés, lagos, baixos de praia e o leito dos rios”. De acordo com Neves, “os achados são importantes porque, pela primeira vez, teremos a publicação de um estudo sistemático sobre restos de fauna em um sítio da Amazônia”.

“O estudo complementa trabalhos anteriores que mostram que a população que ocupou o sítio tinha uma dieta diversificada, baseada no manejo de recursos aquáticos e de plantas domesticadas e não domesticadas. Isso mostra que nas áreas ribeirinhas da Amazônia era possível que populações relativamente numerosas tivessem ocupações bem-sucedidas sem dependência da agricultura”, disse Neves, que coordenou o Projeto Temático “Cronologias regionais, hiatos e descontinuidades na história pré-colonial da Amazônia”.

A identificação dos restos de peixes coletados em Hatahara foi realizada por Gabriela no Museu de História Natural de Paris, que conta com uma das melhores e mais diversas coleções de peixes amazônicos. Ela pretende criar uma coleção de pesquisa semelhante na UFOPA. Para tanto, está realizando coletas na Amazônia central, no rio Tapajós, no rio Guaporé em Rondônia e também na Bolívia.

DSC 0230 temproarioEste estudo de Hatahara comprova os escritos do frei Gaspar de Carvajal, que em 1542 navegou pela região na expedição capitaneada pelo conquistador espanhol Francisco de Orellana. Descendo o Solimões desde o Peru, imediatamente antes de atingir a confluência com o Negro, Carvajal descreveu em seu Descobrimento do rio de Orellana: “El lunes de Pascua de Espíritu Santo por la mañana pasamos a vista y junto a un pueblo muy grande y muy vicioso, y tenía muchos barrios, y en cada barrio un desembarcadero al río, y en cada desembarcadero había muy gran copia de indios, y este pueblo duraba más de dos leguas y media”.

A antiga légua europeia media 6,6 km, logo Carvajal descreveu uma aldeia que ocupava 16 km da margem do rio. Com a chegada dos europeus e de suas epidemias, todas aquelas aldeias foram dizimadas, riscadas do mapa e cobertas pela mata. Por isso mesmo, sua existência foi questionada. O estudo sistemático do sítio arqueológico de Hatahara não só comprovou a existência da enorme aldeia descrita por Carvajal, como agora, com este trabalho de zooarqueologia, solucionou um mistério de 500 anos. Qual era o segredo por trás da subsistência de milhares de índios? Peixe.

Mais artigos...

  1. Cérebro induz à escolha de alimentos calóricos para armazenar energia
  2. Obesidade pode interferir na aprendizagem das crianças
  3. Um dia na maior universidade de aviação do mundo
  4. Jornada de refugiados inclui perigos da travessia e desafios da integração
  5. Engraxates ambulantes influenciaram no samba paulistano
  6. Mais tempo para mães de prematuros
  7. Com diferentes estilos e histórias, 355 blocos animam carnaval paulistano
  8. Mesmo com crise, escolas prometem carnaval luxuoso em São Paulo
  9. Perda de emprego leva pessoas para o trabalho informal
  10. Eleição de líderes partidários movimenta retomada dos trabalhos legislativos
  11. Comissões de frente surpreendem por inovações a cada carnaval
  12. Desemprego fecha dezembro em 6,9% e atinge maior taxa para o mês desde 2007
  13. Escolas de samba apostam na especialização para produzir alegorias e adereços
  14. Vegetais: crus ou cozidos?
  15. Ano Novo Chinês: conheça as tradições milenares que marcam a data_a
  16. Travestis comemoram entrada em universidades e esperam diálogo mais saudável
  17. Aída foi a primeira a voar
  18. Aquífero Guarani: estudo analisa as negociações do acordo
  19. Cães reconhecem o significado de expressões emocionais
  20. DOI-Codi sequestra e mata Manoel Fiel e diz que metalúrgico cometeu suicídio
  21. Modernidade traz novos significados aos contos de fadas
  22. Distúrbios na tireoide podem causar ansiedade e depressão
  23. Atletas se destacam pela persistência; relembre momentos das Olimpíadas
  24. Oferta de frutas é similar em regiões ricas e pobres de São Paulo
  25. Pesquisa traça panorama dos acidentes de trânsito no Brasil
  26. Liga acadêmica une teoria e prática em ação para a sociedade
  27. Licença para voar
  28. Economias de aglomeração podem ampliar desigualdade espacial
  29. A supressão da cidadania nas celas
  30. 2015: O ano que o futebol começou a limpar as chuteiras
  31. Crise migratória e atentados terroristas marcam cenário internacional em 2015
  32. Conheça mitos e verdades sobre a osteoporose
  33. Peixe do rio Negro coletado por Alfred Wallace há 160 anos é finalmente descrito
  34. Projeto proíbe revista vexatória de visitante de jovem infrator internado
  35. Pequeno príncipe, grande aviador
  36. Patrimônio histórico nas mãos das Geociências
  37. Mudança no crime organizado ajudou a reduzir homicídios
  38. Universalização da pré-escola traz desafio gigantesco aos municípios
  39. Falta de assistência no nascimento de bebês incomoda mães
  40. Gastar menos energia é melhor ação contra aquecimento global
  41. Revelando o turista-fotógrafo
  42. Cidades pretendem reduzir quase pela metade emissões de CO2 até 2020
  43. O Estatuto do Desarmamento sob ameaça
  44. Getúlio e Collor também passaram por processo de impeachment
  45. Políticas públicas também tratam a saúde como mercadoria
  46. Estudo indica que Zika vírus está cada vez mais eficiente para infectar humanos
  47. Padronizar tamanho de roupas é possível, mostra estudo
  48. Pesquisador investiga a privatização e a concentração de capital no ensino superior
  49. Desmatamento reduz tamanho de peixes em região amazônica
  50. Mobilização marca vida dos encarcerados nas prisões
  51. Decreto regulamenta publicidade de alimentos infantis
  52. Chá verde e cacau protegem contra complicações causadas por diabete
  53. Lei de drogas vem causando lotação no sistema penitenciário
  54. Paleontólogos descrevem anfíbio gigante de 260 milhões de anos
  55. O padre aviador
  56. Presídio paraibano ilustra realidade do cárcere no Brasil
  57. Às vésperas da Rio 2016, legado da Olimpíada ainda é incógnita
  58. Rota de ônibus é definida com base no conforto do passageiro
  59. Filmes levam discussão sobre cultura indígena para a escola
  60. Entenda o que é a microcefalia e porque há um aumento dos casos em Pernambuco
  61. Pesquisas na Argentina dão vantagem ao candidato da oposição Mauricio Macri
  62. Modelo de governança é adaptado para clubes de futebol
  63. Estudante precisará de carteira padronizada para pagar meia
  64. Filha de Carolina de Jesus diz que não conseguiu ler livro mais famoso da mãe
  65. Envelhecimento da população precisa ser priorizado nas políticas públicas
  66. Entenda as novas regras para aposentadoria
  67. Elefante no Cerrado exerceria papel que já foi de mastodontes
  68. Fórmula auxilia médicos a lidarem com pé diabético
  69. Trotes telefônicos podem custar R$ 1 bilhão por ano ao país
  70. Tecnologia 29/10/2015
  71. Pesquisadores criam métodos estatísticos para prever fraudes em operações financeiras
  72. As particularidades da linguagem humorística brasileira
  73. Pílula da USP usada em tratamento contra o câncer divide opiniões
  74. Como identificar infarto, AVC e angina
  75. Viagens longas propiciam uso de drogas por caminhoneiros
  76. Jogos Mundiais: com máquinas ainda trabalhando, indígenas se instalam em Palmas
  77. Religiosidade traz alívio para idosos em hemodiálise
  78. Pequeno agricultor minimiza efeito do agrotóxico à saúde
  79. Educação financeira e previdenciária deve e pode começar na infância
  80. Uma em cada quatro pessoas morre no mundo por causas relacionadas à trombose
  81. Aviação também é um negócio bizarro!
  82. Material particulado veicular predomina no nível de poluição
  83. Alunos com tendência antissocial buscam segurança na escola
  84. 15 motivos para amar/odiar a palavra “kamikaze”
  85. Brasil perde R$ 156,2 bilhões do PIB com a morosidade do trânsito em São Paulo
  86. Santos pode se tornar mais suscetível a inundações
  87. 01 de Outubro - Dia Mundial do Idoso: Como os idosos veem a saúde
  88. Tecnologia permite fabricação de gelo por meio da luz solar
  89. Sistema prevê a ocorrência de raios com 24 horas de antecedência
  90. 11 (+1) músicas que falam sobre aviões e aeroportos
  91. Dez dúvidas mais frequentes sobre o diabetes
  92. Prática de atividade física pelos pais pode proteger filhos da obesidade
  93. Práticas corporais são eficientes para a saúde coletiva
  94. Amostras de pescado apresentam conservação inadequada
  95. Postura errada pode levar a graves problemas de saúde
  96. Subfertilidade feminina: o que é e como tratar
  97. Deputados votam texto que altera Estatuto do Desarmamento
  98. Os 50 anos do TUCA – Teatro da Universidade Católica
  99. Estudo traça panorama da transição do Brasil para TV Digital
  100. Realidade de times femininos vai de atletas sem chuteiras a clubes bem equipados

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP