DOI-Codi sequestra e mata Manoel Fiel e diz que metalúrgico cometeu suicídio

Neste domingo (17), o assassinato do metalúrgico Manoel Fiel, na carceragem do DOI-Codi do 2º Exército, em São Paulo, completa 40 anos

 Manoel5 temporario

Camila Maciel/Agência Brasil

Não teve a mesma repercussão da morte do jornalista Vladimir Herzog, ocorrida menos de três meses antes no mesmo local e em circunstância semelhante. Assim como Vladimir, Fiel foi morto sob tortura dos agentes da ditadura. A imprensa só soube do acontecido três dias depois, após a divulgação de uma nota lacônica pelo 2º Exército informando que o metalúrgico havia cometido suicídio.

Apesar da pouca repercussão, o assassinato do metalúrgico irritou o presidente Ernesto Geisel, que mandou demitir o comandante do 2º Exército, general Ednardo D’Ávila Mello, praticamente desmontando a máquina de tortura e morte que funcionava no DOI-Codi de São Paulo.Thereza Fiel ainda guarda recortes de jornais da época que publicam notícias da exoneração do comandante do 2º Exército.

A saída de Ednardo não acabou com as violações aos direitos humanos nos porões da ditadura, mas os torturadores passaram a ser mais "cuidadosos" e a linha dura militar perdeu força política dentro das Forças Armadas, o que levou, em 1977, à derrota do general Sylvio Frota, em suas pretensões de suceder Geisel na Presidência da República. O presidente escolhido por Geisel foi o general João Baptista Figueiredo.

Como fazia todos os dias, Manoel Fiel Filho acordou cedo, banhou-se, tomou café e foi para a Metal Arte, no bairro da Mooca, onde trabalhava como prensista. Era uma sexta-feira, 16 de janeiro de 1976, e, por volta do meio-dia, dois homens, sem qualquer ordem judicial, o retiram do trabalho, vão com ele até a sua residência, na Vila Guarani, revistam a casa em busca de exemplares do jornal Voz Operária, do Partido Comunista Brasileiro (PCB), nada encontram e, sob os olhares apreensivos da mulher, Thereza Fiel, levam o metalúrgico para o Destacamento de Operações e Informações do Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi). “Ele me deu um beijo na testa e foi embora. Eu falava: ‘Não leva ele, não", disse Thereza, ao lembrar que o marido chegou a dizer que voltaria logo. "E ele nunca mais voltou".

Após o sequestro de Fiel, Thereza reuniu toda a família, incluindo as duas filhas, e peregrinou por várias delegacias de polícia em busca de informações do companheiro. “Um conhecido da Polícia Civil disse que ele estava na Operação Bandeirantes (grupo criado em 1969 pelo Exército, com apoio de empresários para coordenar todas as operações dos órgãos de repressão) e que só se entrava lá com ordem do presidente da República”. Thereza soube da morte do marido no dia seguinte, sábado, 17 de janeiro de 1976. Por volta das 22h, um carro parou em frente à casa, "Desceu um fulano com um saco de lixo preto na mão. Ele disse: 'Essa aqui é a roupa dele, e ele está morto'".


Um marido trabalhador e amoroso. É assim que Thereza, hoje com 83 anos, relembra Manoel. “Trabalhava na firma e ainda me ajudava em casa. Era bom demais. Atencioso, me ajudava bastante. Adorava as filhas. Marido igual àquele não se acha mais”, disse, emocionada, durante a entrevista concedida em Bragança Paulista, a 90 km da capital. Thereza relatou, logo no início da conversa com a reportagem, uma coincidência. “Hoje [7 de janeiro] era aniversário dele. São lembranças, né? A gente fazia um bolo. Comemorava em casa mesmo”. As recordações sobre o marido pareciam estar mais vivas naquela manhã.

Manoel, natural Quebrangulo, Alagoas, terra natal do escritor Graciliano Ramos, festejava os 49 anos. “Eu lembro que fiz um pavê. Ele adorou. Ele não gostava muito de comemorar, mas gostava de estar com família”, disse a filha Márcia. A outra filha, Aparecida Fiel, de 60 anos, também lembrou o zelo do pai em comprar frutas frescas para a filha mais velha, que estava grávida. “Ele não conheceu nenhum neto”.

Manoel saiu de Quebrangulo em 1950 em busca de uma vida melhor em São Paulo. Trabalhou como padeiro e cobrador de ônibus antes de se tornar metalúrgico, exercendo a atividade de prensista na mesma empresa por 19 anos. Embora a família não soubesse, ele era responsável pela difusão do jornal Voz Operária, do PCB, e pela organização do partido entre os operários das fábricas do bairro da Mooca, conforme relatório da Comissão Nacional da Verdade. “Meu marido morreu e salvou a turma que estava lá [no DOI-Codi]”, disse Thereza, ressaltando que o episódio provocou mudanças no tratamento dado aos presos políticos da época.Manoel4 temporario

A morte de Manoel Fiel Filho só foi tornada pública dias depois, por meio de nota: “O Comando do 2º Exército lamenta informar que foi encontrado morto, às 13h do dia 17 do corrente, sábado, em um dos xadrezes do DOI-Codi/2º Exército, o Sr. Manoel Fiel Filho. Para apurar o ocorrido, mandou instaurar Inquérito Policial-Militar (IPM), tendo sido nomeado o coronel de Infantaria Murilo Fernando Alexander, chefe do Estado-Maior da 2ª Divisão de Exército”.

Manoel2temporarioO IPM foi concluído no prazo previsto de 30 dias. O procurador militar Darcy de Araújo Rebello, em 28 de abril de 1976, pediu o arquivamento do processo. “As provas apuradas são suficientes e robustas para nos convencer da hipótese do suicídio de Manoel Fiel Filho, que estava sendo submetido a investigações por crime contra a segurança nacional”, alegou o procurador. Foi a mesma conclusão a que chegou o encarregado do Inquérito Policial Militar, o coronel Murilo Fernando Alexander.


O citado crime contra a segurança nacional nada mais era do que uma acusação de receber exemplares do jornal Voz Operária, do PCB. Uma acusação feita com base em informação conseguida sob tortura de outro preso político. O IPM, apesar das evidências de tortura e de assassinato, concluiu que Manoel Fiel Filho cometeu suicídio. Mais adiante, o documento diz “que não se pode chegar a nenhuma outra conclusão, senão aquela de suicídio, na sua expressão mais simples”. Os responsáveis pelo IPM, em nenhum momento, se interessaram em investigar uma série de evidências de que o metalúrgico foi torturado e assassinado.

Mais artigos...

  1. Modernidade traz novos significados aos contos de fadas
  2. Distúrbios na tireoide podem causar ansiedade e depressão
  3. Atletas se destacam pela persistência; relembre momentos das Olimpíadas
  4. Oferta de frutas é similar em regiões ricas e pobres de São Paulo
  5. Pesquisa traça panorama dos acidentes de trânsito no Brasil
  6. Liga acadêmica une teoria e prática em ação para a sociedade
  7. Licença para voar
  8. Economias de aglomeração podem ampliar desigualdade espacial
  9. A supressão da cidadania nas celas
  10. 2015: O ano que o futebol começou a limpar as chuteiras
  11. Crise migratória e atentados terroristas marcam cenário internacional em 2015
  12. Conheça mitos e verdades sobre a osteoporose
  13. Peixe do rio Negro coletado por Alfred Wallace há 160 anos é finalmente descrito
  14. Projeto proíbe revista vexatória de visitante de jovem infrator internado
  15. Pequeno príncipe, grande aviador
  16. Patrimônio histórico nas mãos das Geociências
  17. Mudança no crime organizado ajudou a reduzir homicídios
  18. Universalização da pré-escola traz desafio gigantesco aos municípios
  19. Falta de assistência no nascimento de bebês incomoda mães
  20. Gastar menos energia é melhor ação contra aquecimento global
  21. Revelando o turista-fotógrafo
  22. Cidades pretendem reduzir quase pela metade emissões de CO2 até 2020
  23. O Estatuto do Desarmamento sob ameaça
  24. Getúlio e Collor também passaram por processo de impeachment
  25. Políticas públicas também tratam a saúde como mercadoria
  26. Estudo indica que Zika vírus está cada vez mais eficiente para infectar humanos
  27. Padronizar tamanho de roupas é possível, mostra estudo
  28. Pesquisador investiga a privatização e a concentração de capital no ensino superior
  29. Desmatamento reduz tamanho de peixes em região amazônica
  30. Mobilização marca vida dos encarcerados nas prisões
  31. Decreto regulamenta publicidade de alimentos infantis
  32. Chá verde e cacau protegem contra complicações causadas por diabete
  33. Lei de drogas vem causando lotação no sistema penitenciário
  34. Paleontólogos descrevem anfíbio gigante de 260 milhões de anos
  35. O padre aviador
  36. Presídio paraibano ilustra realidade do cárcere no Brasil
  37. Às vésperas da Rio 2016, legado da Olimpíada ainda é incógnita
  38. Rota de ônibus é definida com base no conforto do passageiro
  39. Filmes levam discussão sobre cultura indígena para a escola
  40. Entenda o que é a microcefalia e porque há um aumento dos casos em Pernambuco
  41. Pesquisas na Argentina dão vantagem ao candidato da oposição Mauricio Macri
  42. Modelo de governança é adaptado para clubes de futebol
  43. Estudante precisará de carteira padronizada para pagar meia
  44. Filha de Carolina de Jesus diz que não conseguiu ler livro mais famoso da mãe
  45. Envelhecimento da população precisa ser priorizado nas políticas públicas
  46. Entenda as novas regras para aposentadoria
  47. Elefante no Cerrado exerceria papel que já foi de mastodontes
  48. Fórmula auxilia médicos a lidarem com pé diabético
  49. Trotes telefônicos podem custar R$ 1 bilhão por ano ao país
  50. Tecnologia 29/10/2015
  51. Pesquisadores criam métodos estatísticos para prever fraudes em operações financeiras
  52. As particularidades da linguagem humorística brasileira
  53. Pílula da USP usada em tratamento contra o câncer divide opiniões
  54. Como identificar infarto, AVC e angina
  55. Viagens longas propiciam uso de drogas por caminhoneiros
  56. Jogos Mundiais: com máquinas ainda trabalhando, indígenas se instalam em Palmas
  57. Religiosidade traz alívio para idosos em hemodiálise
  58. Pequeno agricultor minimiza efeito do agrotóxico à saúde
  59. Educação financeira e previdenciária deve e pode começar na infância
  60. Uma em cada quatro pessoas morre no mundo por causas relacionadas à trombose
  61. Aviação também é um negócio bizarro!
  62. Material particulado veicular predomina no nível de poluição
  63. Alunos com tendência antissocial buscam segurança na escola
  64. 15 motivos para amar/odiar a palavra “kamikaze”
  65. Brasil perde R$ 156,2 bilhões do PIB com a morosidade do trânsito em São Paulo
  66. Santos pode se tornar mais suscetível a inundações
  67. 01 de Outubro - Dia Mundial do Idoso: Como os idosos veem a saúde
  68. Tecnologia permite fabricação de gelo por meio da luz solar
  69. Sistema prevê a ocorrência de raios com 24 horas de antecedência
  70. 11 (+1) músicas que falam sobre aviões e aeroportos
  71. Dez dúvidas mais frequentes sobre o diabetes
  72. Prática de atividade física pelos pais pode proteger filhos da obesidade
  73. Práticas corporais são eficientes para a saúde coletiva
  74. Amostras de pescado apresentam conservação inadequada
  75. Postura errada pode levar a graves problemas de saúde
  76. Subfertilidade feminina: o que é e como tratar
  77. Deputados votam texto que altera Estatuto do Desarmamento
  78. Os 50 anos do TUCA – Teatro da Universidade Católica
  79. Estudo traça panorama da transição do Brasil para TV Digital
  80. Realidade de times femininos vai de atletas sem chuteiras a clubes bem equipados
  81. Não há limites para quem sonha em pilotar
  82. Mudanças climáticas causam alterações no comportamento de beija-flores
  83. Os sentidos do “jeitinho brasileiro” em nossa cultura
  84. Mulheres engravidam mais velhas e congelamento de óvulos cresce
  85. Metodologias propõem olhares diferentes para alfabetização
  86. Vacinas de terceira geração terão “vetores de DNA”
  87. Terapias complementares ajudam no combate à infertilidade
  88. Incor comprova eficácia de exercícios fonoaudiológicoas no combate ao ronco
  89. Anil é anti-inflamatório e antioxidante, revela estudo
  90. MPF recebe 614 ossadas de possíveis desaparecidos políticos
  91. Deslocamento com bicicleta caiu em São Paulo de 2007 a 2012
  92. Guia Alimentar propõe novo olhar sobre a alimentação
  93. O colapso dos grandes herbívoros
  94. Marcha das Margaridas: 32 anos depois, líder ainda influencia mulheres do campo
  95. Cientistas procuram por abelha invasora na América do Sul
  96. Julgamento no STF pode levar Brasil a descriminalizar porte de drogas
  97. Mais fogo e menos água
  98. As novas cores da (des)igualdade racial no país
  99. Escolas rompem barreiras e levam crianças para ocupar e aprender na cidade
  100. Férias. É hora de aprender