Estudo traça panorama da transição do Brasil para TV Digital

A partir de 29 de novembro, em Rio Verde (Goiás), começa o desligamento do sinal analógico de televisão aberta e a sua substituição pelo sinal do Sistema Brasileiro de Televisão Digital Terrestre (ISDB-t), processo conhecido como switch off

 Marcos Santos/USP Imagens

Estudo aponta desconhecimento da população sobre processo de switch off.

Júlio Bernardes/Agência USP de Notícias

Os desafios de infraestrutura e de preparação de recursos humanos do Brasil para realizar o desligamento, previsto para ser concluído em 2018, são mostrados na tese de doutorado da jornalista Deisy Fernanda Feitosa, defendida na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP. Entre outros problemas, a pesquisa aponta o desconhecimento da população em relação à TV Digital (TVD), seus recursos de interatividade e do próprio processo de switch off.

A tese "A televisão na era da convergência digital das mídias. Uma reflexão sobre a comunicação comunitária", orientada pelo professor Sérgio Bairon, da ECA, teve apoio da Fapesp. A transmissão simultânea do sinal digital com o analógico no Brasil começou em 2007. A interrupção do sinal analógico de televisão terrestre (canais abertos) será realizada por etapas — em São Paulo está prevista para 15 de maio de 2016 — e deverá terminar em 2018. “Muitos desafios ainda devem ser superados, até em grandes cidades como São Paulo”, ressalta Deisy.

“A pesquisa identificou problemas como o desconhecimento da população em relação à TVD, à interatividade e ao desligamento, independentemente do segmento social. As pessoas ainda confundem o conceito de transmissão digital terrestre (gratuita) com o de transmissão digital a cabo e satélite (paga)”, acrescenta a pesquisadora, que aponta a ausência no mercado de conversores digitais com o Middleware Ginga e o alto custo de televisores digitais e conversores. O Ginga é o sistema operacional do ISDB-Tb, que permite, por meio de aplicativos, a troca de informações do telespectador com a emissora de televisão, por meio de áudio, vídeo ou dados (interatividade).

03 temproarioDeisy assinala ainda o pouco conhecimento por parte dos próprios distribuidores e vendedores sobre a tecnologia de TVD ofertada e repassada ao cliente. “No Reino Unido, que desligou o sinal analógico em 2012, eles receberam treinamento sobre o funcionamento do sistema, sobre como melhor orientar as pessoas acerca do processo de transição e sobre a utilização do equipamento digital”, informa a pesquisadora.

Apagão Analógico
A ausência de políticas informativas adequadas e direcionadas sobre o “apagão analógico”, nos anos que o precederam no Brasil, também é destacada pela pesquisadora. O estudo analisou a transição para o sinal digital no Reino Unido e na Itália (que realizaram o switch off em 2012). “Os dois países optaram por uma forma de atuação local, por intermédio de uma força-tarefa formada por várias representações (governos, indústria, sociedade civil e radiodifusores), para divulgar a transição e dar suporte às famílias”, afirma.

De acordo com Deisy, especialistas apontam que entre as recomendações para um “apagão analógico” bem-sucedido, está a necessidade de que as mensagens de conscientização divulgadas sejam claras e tenham formatos direcionados a diferentes perfis de público. “O modo humanizado pelo qual o Reino Unido conduziu a transição no tocante aos idosos, às comunidades de cidadãos estrangeiros e às pessoas com deficiência pode servir de exemplo para o Brasil”, destaca. “Mais do que a simples troca de sistema, foram estabelecidas estratégias para gerar laços de confiança e solidariedade entre os colaboradores e as famílias, a começar pelo trabalho dos antenistas”.

como-assistir-tv-digital temproarioEm parceria com o Intermídia Cidadã, grupo de jovens da periferia da zona leste de São Paulo ligado à Fundação Tide Setubal, a pesquisadora elaborou a proposta do aplicativo “Cidade Adentro”, apresentado na tese como um recurso a ser implementado no Ginga e para celulares. Ele leva em conta os artigos 12 e 13 do Decreto 5.820/2006, que implanta o ISDB-t e estabelece a criação de quatro canais digitais de serviço, entre os quais o da Cidadania, destinado à transmissão de programações das comunidades locais. “A proposta do aplicativo é fortalecer e qualificar a participação comunitária nos processos de pensar a cidade e os seus espaços geográficos. Seus recursos foram criados visando provocar o ativismo e o monitoramento social”, ressalta.

Segundo Deisy, o switch off é uma oportunidade de trazer a televisão para mais perto do cidadão e das suas necessidades e transformá-la em uma ferramenta política, de monitoramento social e curadoria. “Em nome da própria sobrevivência e credibilidade, os canais tradicionais de televisão aberta, principalmente as TVs públicas, devem começar a se inserir neste processo de envolvimento e sentimento coletivo de participação e intervenção, como parte do tripé Assistir/Olhar, Participar e Intervir”, conclui.

Mais artigos...

  1. Realidade de times femininos vai de atletas sem chuteiras a clubes bem equipados
  2. Não há limites para quem sonha em pilotar
  3. Mudanças climáticas causam alterações no comportamento de beija-flores
  4. Os sentidos do “jeitinho brasileiro” em nossa cultura
  5. Mulheres engravidam mais velhas e congelamento de óvulos cresce
  6. Metodologias propõem olhares diferentes para alfabetização
  7. Vacinas de terceira geração terão “vetores de DNA”
  8. Terapias complementares ajudam no combate à infertilidade
  9. Incor comprova eficácia de exercícios fonoaudiológicoas no combate ao ronco
  10. Anil é anti-inflamatório e antioxidante, revela estudo
  11. MPF recebe 614 ossadas de possíveis desaparecidos políticos
  12. Deslocamento com bicicleta caiu em São Paulo de 2007 a 2012
  13. Guia Alimentar propõe novo olhar sobre a alimentação
  14. O colapso dos grandes herbívoros
  15. Marcha das Margaridas: 32 anos depois, líder ainda influencia mulheres do campo
  16. Cientistas procuram por abelha invasora na América do Sul
  17. Julgamento no STF pode levar Brasil a descriminalizar porte de drogas
  18. Mais fogo e menos água
  19. As novas cores da (des)igualdade racial no país
  20. Escolas rompem barreiras e levam crianças para ocupar e aprender na cidade
  21. Férias. É hora de aprender
  22. Biometria adaptativa é novo modo de avaliar identidade
  23. Demência vascular é mais comum que Alzheimer em idosos
  24. Imigrantes: as brechas para o acolhimento
  25. Pesquisa busca resgatar espaço memorial do teatro paulistano
  26. Santos Dumont, o Pai da Aviação, sim, senhor!
  27. Avaliação positiva do governo Dilma caiu para 7,7% em julho, mostra pesquisa
  28. Estatuto da Igualdade Racial completa 5 anos com desafio de equiparar direitos
  29. Estudo analisa a pluralidade do espiritismo kardecista
  30. Aumento de tamanho da próstata é normal e tem tratamento
  31. Brasil pode ser pioneiro em defensivos agrícolas naturais
  32. Crianças iam para a cadeia no Brasil até a década de 1920
  33. Especialistas dizem que intolerância é principal causa de linchamentos no Brasil
  34. Como transformar crise em oportunidade?
  35. Fruto amazônico tem efeito anti-inflamatório contra câncer
  36. Reservatórios de água ajudam sertanejos a conviver com a seca
  37. Divergência marca visões sobre patrimônio histórico
  38. Raul Seixas: o mito faz 70 anos e permanece vivo 25 anos após a morte
  39. Imigrantes atuam como embaixadores do Brasil nos Estados Unidos
  40. País pode ter Justiça mais ágil com a mediação
  41. Cadê o chinelo? Chi-ne-lo! Cadê o chinelo?!
  42. O papa ofuscaria todos os demais na Cúpula da ONU
  43. Senado incorpora visão humanista à legislação para migrantes no país
  44. Conheça o mundo bizarro da visão
  45. Pioneirismo e modernidade em surdina
  46. Treino combinado atenua obesidade
  47. Sistema carcerário não atende a Lei de Acesso à Informação
  48. É a vez de proteger os oceanos
  49. Lei das Estatais pode preencher vazios legais da administração pública
  50. Ano Novo Chinês: conheça as tradições milenares que marcam a data
  51. Acordo com ditadura possibilitou eleição de Havelange à FIFA
  52. Gestão de áreas verdes em São Paulo apresenta falhas
  53. As cinco regras para líderes em experiência do cliente
  54. Integrado, ma non troppo
  55. O poder do boca a boca
  56. Especial 22/04/2015
  57. Especial 19/03/2015
Mais Lidas