Chaplin a serviço de Chaplin

Em 1925, ainda na época do cinema mudo, o ator e diretor britânico Charles Chaplin lançou o filme The Gold Rush (Em Busca do Ouro, no título em português), com o qual gostaria de ficar conhecido, segundo uma de suas biografias. Decorridos 17 anos, Chaplin relançou a produção com adaptações

Chaplin 3 temproario

 

Manuel Alves Filho/Jornal da Unicamp

A principal novidade foi a inclusão do som. Além de trilha sonora composta especificamente por ele para a nova versão, o intérprete de Carlitos inseriu também diálogos e narração, todos apresentados na sua voz. As versões de Em Busca do Ouro são discutidas na dissertação de mestrado do linguista aplicado Diogo Rossi Ambiel Facini, defendida no Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) da Unicamp, sob a orientação da professora Maria Rita Salzano Moraes.

De acordo com o autor do trabalho, Em Busca do Ouro não foi o único filme que Chaplin relançou com adaptações, mas talvez tenha sido o que mais sofreu intervenções por parte dele. “Chaplin não promoveu alterações profundas no roteiro ou no enredo. As mudanças foram sutis, mas significativas em muitos aspectos”, afirma Diogo Facini. A inclusão de recursos sonoros, considera, deu outra dimensão à obra. Isso pode ser constatado, diz, nos diálogos dos personagens e também na narração, todas feitas pelo próprio Chaplin.

O ator e diretor empresta sua voz à obra, de modo a chamar a atenção do público para os aspectos que ele, Chaplin, considera mais relevantes. “Ao modular, por exemplo, a entonação dos diálogos ou ironizar um dos personagens, ele tenta exercer um maior controle sobre a interpretação que o público pode fazer do filme”, entende o autor da dissertação. Outra inserção importante é a trilha sonora, composta pelo próprio ator e diretor. No período do cinema mudo, observa Diogo Facini, existia a trilha sonora, mas ela era executada ao vivo e mais como acompanhamento, espécie de pano de fundo para o desenrolar da trama. No caso da segunda versão de Em Busca do Ouro, Chaplin se preocupou em relacionar as músicas ao enredo.

Além dessas alterações, o diretor interviu, também sutilmente, na montagem do longa-metragem. Ele suprimiu algumas passagens, como a cena final do beijo entre Carlitos e a mocinha da história, interpretada pela atriz Georgia Hale. Há controvérsias sobre as motivações de Chaplin para ter feito esse corte. “Existe uma versão segundo a qual Chaplin mantinha um relacionamento amoroso com a protagonista durante as gravações do filme original, mas não na época do relançamento, daí a supressão da cena”, explica o linguista aplicado.

Chaplin na famosa cena de "Em Busca do Ouro", na qual utiliza dois garfos e dois pães para simular uma dança. O artista exercia o total domínio sobre suas produções.Outra explicação é que Chaplin queria dar um tom mais moralista à obra, adaptando-a ao contexto da época. Na década de 1940, destaca Diogo Facini, o ator e diretor já não era unanimidade entre o público, especialmente o norte-americano. Ele enfrentava sérios problemas políticos, que mais tarde levaram à sua expulsão dos Estados Unidos. “Penso que é possível considerar essas duas versões, mas é difícil apontar qual delas é a mais correta. Possivelmente, ambas influenciaram Chaplin, em maior ou menor grau, a cortar a cena do beijo”, infere o pesquisador.
Essa hipótese pode ser explicada, conforme Diogo Facini, pelo fato de Chaplin ter colocado suas funções como ator, diretor, roteirista, adaptador e compositor a serviço do personagem. “Chaplin tinha domínio completo sobre a sua obra, dado que também era produtor e distribuidor dos próprios filmes. Aliás, esta é, a meu ver, a principal razão que fez com que ele se mantivesse como uma referência na indústria cinematográfica por tanto tempo. Muitos artistas da sua época, inclusive o comediante Buster Keaton, considerado o seu principal rival, não alcançaram essa independência e tiveram que se submeter ao controle artístico exercido pelos estúdios de Hollywood”, pontua.

Na dissertação, o linguista aplicado também discute a função desempenhada por Chaplin como tradutor. Tradução, nesse caso, é tratada sob o conceito da intersemiótica, que considera não a transposição de um idioma para outro, mas sim de uma linguagem para outra. No caso, Chaplin fez a tradução da linguagem visual para a verbal entre as versões de Em Busca do Ouro. Esse processo também serviu ao objetivo do artista de reforçar a as mensagens que pretendia transmitir com o filme. Um exemplo prático dessa intervenção, aponta Diogo Facini, pode ser visto numa das primeiras cenas do longa-metragem.

Segundo o linguista aplicado Diogo Facini, autor da dissertação, alterações promovidas por Chaplin tinham como propósito destacar o personagem Carlitos e dar maior relevância ao longa-metragem.Na versão original, Carlitos começa a descer a montanha, mas para repentinamente. O vagabundo pensa por alguns instantes e decide cumprir o restante do percurso escorregando. Na segunda versão, Chaplin acrescenta uma pequena frase, um jogo de palavras, para descrever a ação. “Na minha interpretação, Chaplin utiliza o recurso para ir além da construção do significado. Ele traz o efeito do humor contido na imagem para a construção verbal, reforçando assim a narrativa”, avalia Diogo Facini.
O autor da dissertação de mestrado observa que, quando apresentada sem o suporte verbal, a imagem é mais aberta a intepretações. Quando a voz é adicionada, por meio de diálogos e narração, a interpretação é, em boa medida, direcionada. “No meu trabalho, não faço juízo de valor sobre se isso é bom ou ruim. Particularmente, considero o cinema como uma arte com dupla narrativa, uma representada pela imagem e outra, pelo som”. Retornando à participação de Chaplin como narrador na readaptação de Em Busca do Ouro, Diogo Facini compreende que a decisão contribui para tornar a obra um pouco mais distanciada do público.

A voz de Chaplin, segundo o especialista, não representa a fala de nenhum dos personagens, nem mesmo a do protagonista Carlitos. “A voz é do Chaplin diretor, o que, de certa forma, é a voz do próprio filme. Isso atenua a sensação de ilusão normalmente proporcionada pelo cinema, ou seja, a sensação de que estamos vendo algo real. Dessa forma, o filme acaba se mostrando como filme. Isso é interessante porque distancia a obra do contexto em que ela foi produzida e a aproxima de filmes feitos posteriormente, nas décadas de 50 e 60. Nesse sentido, considero a segunda versão de Em Busca do Ouro bastante moderna”, assinala o linguista aplicado, que contou com bolsa de estudo concedida pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), órgão de fomento do Ministério da Educação.

Mais artigos...

  1. 7 de abril – Dia Mundial da Saúde: Um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes
  2. Métodos substituem animais vivos nas aulas de veterinária
  3. Relatório revela privatização da educação pública no país
  4. Mobilizados, estudantes querem maior participação nas decisões nacionais
  5. Regimes jurídicos distintos afetam negociação da dívida pública
  6. Em vigor há 18 anos, Código de Trânsito Brasileiro é alvo de propostas de atualização
  7. Amigos e vizinhos estimulam a prática de atividade física
  8. Em meio à crise, microfranquias crescem no Brasil
  9. Veja 3 efeitos imediatos da crise política no Brasil
  10. Projetos miram caixa-preta das tarifas de ônibus
  11. Frutas nativas brasileiras podem ser alternativa de renda
  12. O pêndulo demográfico
  13. Código de Processo Civil entrou em vigor com a promessa de agilizar ações
  14. Promotor da 'Mãos Limpas' elogia Moro e diz temer retaliação
  15. Congresso combate violência obstétrica
  16. Sob a lona, o poder do riso
  17. Projeto de alunos concorre em competição internacional
  18. Oswaldo Cruz, o médico que derrotou o Aedes
  19. Engenheiro define carreira até 3 anos após o primeiro emprego
  20. 58 milhões de devedores estão negativados, indica SPC Brasil
  21. Mulheres lutam por igualdade, mas problemas históricos persistem
  22. Atuações de mulheres no setor de franquias crescem e redes comemoram
  23. Desperdício de comida desafia sociedade moderna
  24. Sífilis avança e deve chegar a quase 42 mil casos entre gestantes neste ano
  25. Quando as emoções entram em pane
  26. Medalha de ouro em Los Angeles, Joaquim Cruz busca sucessor em Brasília
  27. Remédio comum pode salvar da morte vítimas de escorpiões
  28. Voto impresso começa a valer em 2018, mas já é alvo de críticas
  29. PE: mais da metade das famílias de bebês com microcefalia são de baixa renda
  30. Crise de refugiados e violência ameaçaram direitos humanos em 2015
  31. Sistema ajuda portador de deficiência visual a se locomover
  32. Intervenções espirituais e religiosas na saúde são benéficas
  33. Livro resgata ideias econômicas de Roberto Simonsen
  34. Ensino de literaturas africanas precisa de melhorias
  35. Arqueologia na Amazônia elucida mistério de 500 anos
  36. Cérebro induz à escolha de alimentos calóricos para armazenar energia
  37. Obesidade pode interferir na aprendizagem das crianças
  38. Um dia na maior universidade de aviação do mundo
  39. Jornada de refugiados inclui perigos da travessia e desafios da integração
  40. Engraxates ambulantes influenciaram no samba paulistano
  41. Mais tempo para mães de prematuros
  42. Com diferentes estilos e histórias, 355 blocos animam carnaval paulistano
  43. Mesmo com crise, escolas prometem carnaval luxuoso em São Paulo
  44. Perda de emprego leva pessoas para o trabalho informal
  45. Eleição de líderes partidários movimenta retomada dos trabalhos legislativos
  46. Comissões de frente surpreendem por inovações a cada carnaval
  47. Desemprego fecha dezembro em 6,9% e atinge maior taxa para o mês desde 2007
  48. Escolas de samba apostam na especialização para produzir alegorias e adereços
  49. Vegetais: crus ou cozidos?
  50. Ano Novo Chinês: conheça as tradições milenares que marcam a data_a
  51. Travestis comemoram entrada em universidades e esperam diálogo mais saudável
  52. Aída foi a primeira a voar
  53. Aquífero Guarani: estudo analisa as negociações do acordo
  54. Cães reconhecem o significado de expressões emocionais
  55. DOI-Codi sequestra e mata Manoel Fiel e diz que metalúrgico cometeu suicídio
  56. Modernidade traz novos significados aos contos de fadas
  57. Distúrbios na tireoide podem causar ansiedade e depressão
  58. Atletas se destacam pela persistência; relembre momentos das Olimpíadas
  59. Oferta de frutas é similar em regiões ricas e pobres de São Paulo
  60. Pesquisa traça panorama dos acidentes de trânsito no Brasil
  61. Liga acadêmica une teoria e prática em ação para a sociedade
  62. Licença para voar
  63. Economias de aglomeração podem ampliar desigualdade espacial
  64. A supressão da cidadania nas celas
  65. 2015: O ano que o futebol começou a limpar as chuteiras
  66. Crise migratória e atentados terroristas marcam cenário internacional em 2015
  67. Conheça mitos e verdades sobre a osteoporose
  68. Peixe do rio Negro coletado por Alfred Wallace há 160 anos é finalmente descrito
  69. Projeto proíbe revista vexatória de visitante de jovem infrator internado
  70. Pequeno príncipe, grande aviador
  71. Patrimônio histórico nas mãos das Geociências
  72. Mudança no crime organizado ajudou a reduzir homicídios
  73. Universalização da pré-escola traz desafio gigantesco aos municípios
  74. Falta de assistência no nascimento de bebês incomoda mães
  75. Gastar menos energia é melhor ação contra aquecimento global
  76. Revelando o turista-fotógrafo
  77. Cidades pretendem reduzir quase pela metade emissões de CO2 até 2020
  78. O Estatuto do Desarmamento sob ameaça
  79. Getúlio e Collor também passaram por processo de impeachment
  80. Políticas públicas também tratam a saúde como mercadoria
  81. Estudo indica que Zika vírus está cada vez mais eficiente para infectar humanos
  82. Padronizar tamanho de roupas é possível, mostra estudo
  83. Pesquisador investiga a privatização e a concentração de capital no ensino superior
  84. Desmatamento reduz tamanho de peixes em região amazônica
  85. Mobilização marca vida dos encarcerados nas prisões
  86. Decreto regulamenta publicidade de alimentos infantis
  87. Chá verde e cacau protegem contra complicações causadas por diabete
  88. Lei de drogas vem causando lotação no sistema penitenciário
  89. Paleontólogos descrevem anfíbio gigante de 260 milhões de anos
  90. O padre aviador
  91. Presídio paraibano ilustra realidade do cárcere no Brasil
  92. Às vésperas da Rio 2016, legado da Olimpíada ainda é incógnita
  93. Rota de ônibus é definida com base no conforto do passageiro
  94. Filmes levam discussão sobre cultura indígena para a escola
  95. Entenda o que é a microcefalia e porque há um aumento dos casos em Pernambuco
  96. Pesquisas na Argentina dão vantagem ao candidato da oposição Mauricio Macri
  97. Modelo de governança é adaptado para clubes de futebol
  98. Estudante precisará de carteira padronizada para pagar meia
  99. Filha de Carolina de Jesus diz que não conseguiu ler livro mais famoso da mãe
  100. Envelhecimento da população precisa ser priorizado nas políticas públicas

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP