Revelando o turista-fotógrafo

Com o Taj Mahal ao fundo, centenas de pessoas se transformam em fantasmas, ocupando os jardins que cercam o monumento indiano. A obra da artista suíça Corine Vionnet é emblemática

 ju601 p12 a 0 temporaro

 

Patrícia Lauretti/Jornal da Unicamp

Faz parte da série Photo Opportunities, iniciada em 2005, que sobrepõe fotografias tiradas por turistas. Fala de imagens feitas praticamente sob o mesmo ponto de vista. Repetem-se não somente os locais e objetos, mas os ângulos, as poses, as distâncias das tomadas. Um olhar construído ao longo da história da fotografia e do turismo e que é matéria-prima da tese “Picture ahead: a Kodak e a construção de um turista-fotógrafo”, de Lívia Afonso de Aquino. A pesquisa, orientada pela professora Iara Lis Schiavinatto, foi apresentada no Instituto de Artes (IA).
A pesquisadora aponta, por meio do trabalho de diversos artistas, um processo de acumulação e repetição das fotografias que torna a viagem uma estratégia para sua realização. “Nota-se um processo de reconhecimento e registro de tensões entre turismo e fotografia, bem como um exercício crítico acerca das imagens, principalmente aquelas feitas por amadores, ao deslocá-las no tempo e no espaço, produzindo nova percepção e subjetivação da experiência da viagem”, afirma Lívia.
Fotografia e turismo são compreendidos pela autora como um dispositivo por se estabelecerem como um jogo ou um programa a ser seguido. “Para o teórico Michel Foucault, a rede que se estabelece por meio dos discursos, rituais e organizações é o dispositivo. Nessa perspectiva, no contexto da tese, nota-se o processo de massificação da fotografia vinculado a uma indústria que, além de criar produtos fotográficos de fácil manuseio, torna-os acessíveis ao público leigo, tanto economicamente como pelo modo de usar”. Este processo tem o dedo da Kodak, primeira empresa a lançar câmeras pequenas e fáceis de usar, próprias para amadores. A Kodak ajudou, sobretudo, a constituir um sujeito que Lívia denominou de “turista-fotógrafo” e que surge a partir do entrelaçamento entre o turista e o fotógrafo amador, aquele que carrega uma câmera e está pronto para registrar a viagem em todos os detalhes, como forma de validá-la.
Para a autora, o turista-fotógrafo surge paulatinamente no contexto das viagens que aconteciam antes do crescimento do turismo como atividade econômica e cultural. “O turista já tinha imagens que ele comprava: postais, vistas estereoscópicas ou imagens fotográficas que circulavam de diferentes modos, mas era sempre o olhar do outro. Com a Kodak, ele passou a fazer suas próprias fotos, aprendendo um modo de olhar comercializado em escala global pela empresa”, assinala. Tratava-se de uma ação em massa da Kodak, apoiada nas estratégias de atuação e de publicidade nos cinco continentes. Lívia recuperou e analisou uma série de propagandas, anúncios, manuais, revistas, material direcionado aos lojistas e outras ações da empresa na oportuna aliança com o turismo. As propagandas de TV lançadas a partir dos anos 1960 também foram estudadas.
Lívia recuperou e analisou uma série de propagandas, anúncios, manuais, revistas, material direcionado aos lojistas e outras ações da empresa na oportuna aliança com o turismo.Durante os primeiros 40 anos da empresa, fundada em 1888, mais que criar um mercado, “a Kodak precisava, além de vender seus produtos, educar o público sobre a fotografia feita pelo próprio sujeito”. O resultado é que a empresa foi uma das maiores responsáveis na disseminação de uma cultura que ensinou as pessoas o quanto o registro em imagens de uma viagem realizado pelo próprio turista, seria importante, até crucial de acordo com a pesquisa.
“Logo que a fotografia foi inventada, viajantes e exploradores absorveram as técnicas como uma forma de mostrar o mundo. Mas para ir a campo, o fotógrafo tinha que carregar uma câmera muito grande e pesada, precisando levar, também, todo o laboratório para processar as imagens”, conta Lívia.
Uma das primeiras câmeras da Kodak, voltada para os amadores, era uma pequena caixa preta que trazia um sistema inovador: um rolo de filme para fotografar até 100 poses. Quando terminava de fotografar, o cliente enviava a câmera para a empresa que revelava, fazia as cópias e devolvia não apenas as fotografias, mas também o equipamento recarregado. A Kodak ensinava a fotografar em manuais que abordavam como tratar a luz, dirigir as pessoas, sugerindo como enquadrar.

Predadores do mundo

Algumas das publicidades antigas da Kodak trazem um fotógrafo cuja imagem é colada à do caçador: junto com suas armas e embornais, ele carrega uma câmera a tiracolo, acoplada à cartucheira. Lívia destaca que ele exibe suas presas para que os amigos fotografem, registra o troféu conquistado e utiliza um vocabulário com palavras como capturar, caçar, prova ou tiro para se referir à ação de fotografar. A caça era atividade comum realizada por homens, nas viagens e momentos de lazer. “A escritora Susan Sontag fala da troca simbólica entre a arma e a câmera. Penso que essa mudança implica uma condição de saber e poder do dispositivo; o turista-fotógrafo pode ser considerado um tipo de predador – um sujeito devorador de paisagem ou um consumidor da natureza, segundo define o historiador francês Marc Boyer – que tem como objetivo consumir lugares, vivências e vistas, e a fotografia se torna sua parceira constante”. O fundador da empresa, George Eastman, foi também um caçador e autor de diversos anúncios que aproximam o fotógrafo do caçador.

Histórias de viagem

download 6 temporaroO turista-fotógrafo também necessita mostrar suas imagens e, com o tempo, as exibições vão se transformando em rituais. De acordo com a pesquisadora, “desde os primeiros anúncios, a Kodak reconhece o apelo à memória com a fotografia, principalmente a partir do potencial de histórias que podem ser criadas – o relato das férias, o feriado de verão, a viagem de inverno: tudo é motivo para ser lembrando”. Para a Kodak, a fotografia seria capaz de conter o tempo e, sobretudo, de preservar a memória, que é falha e sujeita ao esquecimento, um instantâneo que possibilita rever em imagem a própria experiência.
A autora reitera que esse discurso mostra-se eficaz no contexto da cultura da memória, proposto pelo historiador alemão Andreas Huyssen, ou na lógica do mito da durabilidade, assinalado pelo sociólogo italiano Fausto Colombo. “Uma série de práticas políticas e culturais a fazer da lembrança uma garantia de continuidade diante das fragilidades vividas, como salienta Colombo”, afirma a pesquisadora. Com a estratégia da facilidade e do acesso difundidos pela Kodak, o álbum de viagem torna-se, portanto, objeto feito pela própria família, dando início a um modo de “roteirização e de visualidade das histórias” junto com as projeções de slides.
A tese analisa um período de cem anos, da fundação da Kodak até os anos 1980, quando ocorrem grandes mudanças na empresa, na fotografia e também no turismo. “Sentir-se turista em algum lugar é uma das práticas que a Kodak ajuda a engendrar. Viajar de carro, trem ou avião passa a ser símbolo de status, e a publicidade faz grandes investimentos em campanhas que geram demanda e desejo de consumo. O turista-fotógrafo é frequentemente representado nos anúncios de diversos produtos, sempre com a câmera pronta para fotografar o mundo que se descortina a sua frente. E a Kodak o mostra circulando nos mais diversos locais – praia, campo ou cidade; estações de trem, automóveis ou navios – e que, junto com sua bagagem, carrega uma câmera a tiracolo”. O discurso construído pela Kodak ao longo de sua história, contribuiu, segundo Lívia, para que esse sujeito vivenciasse a posse do mundo por meio das imagens. Também é peça fundamental para “a compreensão dos modos de subjetivação que produzem e enredam o turista-fotógrafo”.

Mais artigos...

  1. Cidades pretendem reduzir quase pela metade emissões de CO2 até 2020
  2. O Estatuto do Desarmamento sob ameaça
  3. Getúlio e Collor também passaram por processo de impeachment
  4. Políticas públicas também tratam a saúde como mercadoria
  5. Estudo indica que Zika vírus está cada vez mais eficiente para infectar humanos
  6. Padronizar tamanho de roupas é possível, mostra estudo
  7. Pesquisador investiga a privatização e a concentração de capital no ensino superior
  8. Desmatamento reduz tamanho de peixes em região amazônica
  9. Mobilização marca vida dos encarcerados nas prisões
  10. Decreto regulamenta publicidade de alimentos infantis
  11. Chá verde e cacau protegem contra complicações causadas por diabete
  12. Lei de drogas vem causando lotação no sistema penitenciário
  13. Paleontólogos descrevem anfíbio gigante de 260 milhões de anos
  14. O padre aviador
  15. Presídio paraibano ilustra realidade do cárcere no Brasil
  16. Às vésperas da Rio 2016, legado da Olimpíada ainda é incógnita
  17. Rota de ônibus é definida com base no conforto do passageiro
  18. Filmes levam discussão sobre cultura indígena para a escola
  19. Entenda o que é a microcefalia e porque há um aumento dos casos em Pernambuco
  20. Pesquisas na Argentina dão vantagem ao candidato da oposição Mauricio Macri
  21. Modelo de governança é adaptado para clubes de futebol
  22. Estudante precisará de carteira padronizada para pagar meia
  23. Filha de Carolina de Jesus diz que não conseguiu ler livro mais famoso da mãe
  24. Envelhecimento da população precisa ser priorizado nas políticas públicas
  25. Entenda as novas regras para aposentadoria
  26. Elefante no Cerrado exerceria papel que já foi de mastodontes
  27. Fórmula auxilia médicos a lidarem com pé diabético
  28. Trotes telefônicos podem custar R$ 1 bilhão por ano ao país
  29. Tecnologia 29/10/2015
  30. Pesquisadores criam métodos estatísticos para prever fraudes em operações financeiras
  31. As particularidades da linguagem humorística brasileira
  32. Pílula da USP usada em tratamento contra o câncer divide opiniões
  33. Como identificar infarto, AVC e angina
  34. Viagens longas propiciam uso de drogas por caminhoneiros
  35. Jogos Mundiais: com máquinas ainda trabalhando, indígenas se instalam em Palmas
  36. Religiosidade traz alívio para idosos em hemodiálise
  37. Pequeno agricultor minimiza efeito do agrotóxico à saúde
  38. Educação financeira e previdenciária deve e pode começar na infância
  39. Uma em cada quatro pessoas morre no mundo por causas relacionadas à trombose
  40. Aviação também é um negócio bizarro!
  41. Material particulado veicular predomina no nível de poluição
  42. Alunos com tendência antissocial buscam segurança na escola
  43. 15 motivos para amar/odiar a palavra “kamikaze”
  44. Brasil perde R$ 156,2 bilhões do PIB com a morosidade do trânsito em São Paulo
  45. Santos pode se tornar mais suscetível a inundações
  46. 01 de Outubro - Dia Mundial do Idoso: Como os idosos veem a saúde
  47. Tecnologia permite fabricação de gelo por meio da luz solar
  48. Sistema prevê a ocorrência de raios com 24 horas de antecedência
  49. 11 (+1) músicas que falam sobre aviões e aeroportos
  50. Dez dúvidas mais frequentes sobre o diabetes
  51. Prática de atividade física pelos pais pode proteger filhos da obesidade
  52. Práticas corporais são eficientes para a saúde coletiva
  53. Amostras de pescado apresentam conservação inadequada
  54. Postura errada pode levar a graves problemas de saúde
  55. Subfertilidade feminina: o que é e como tratar
  56. Deputados votam texto que altera Estatuto do Desarmamento
  57. Os 50 anos do TUCA – Teatro da Universidade Católica
  58. Estudo traça panorama da transição do Brasil para TV Digital
  59. Realidade de times femininos vai de atletas sem chuteiras a clubes bem equipados
  60. Não há limites para quem sonha em pilotar
  61. Mudanças climáticas causam alterações no comportamento de beija-flores
  62. Os sentidos do “jeitinho brasileiro” em nossa cultura
  63. Mulheres engravidam mais velhas e congelamento de óvulos cresce
  64. Metodologias propõem olhares diferentes para alfabetização
  65. Vacinas de terceira geração terão “vetores de DNA”
  66. Terapias complementares ajudam no combate à infertilidade
  67. Incor comprova eficácia de exercícios fonoaudiológicoas no combate ao ronco
  68. Anil é anti-inflamatório e antioxidante, revela estudo
  69. MPF recebe 614 ossadas de possíveis desaparecidos políticos
  70. Deslocamento com bicicleta caiu em São Paulo de 2007 a 2012
  71. Guia Alimentar propõe novo olhar sobre a alimentação
  72. O colapso dos grandes herbívoros
  73. Marcha das Margaridas: 32 anos depois, líder ainda influencia mulheres do campo
  74. Cientistas procuram por abelha invasora na América do Sul
  75. Julgamento no STF pode levar Brasil a descriminalizar porte de drogas
  76. Mais fogo e menos água
  77. As novas cores da (des)igualdade racial no país
  78. Escolas rompem barreiras e levam crianças para ocupar e aprender na cidade
  79. Férias. É hora de aprender
  80. Biometria adaptativa é novo modo de avaliar identidade
  81. Demência vascular é mais comum que Alzheimer em idosos
  82. Imigrantes: as brechas para o acolhimento
  83. Pesquisa busca resgatar espaço memorial do teatro paulistano
  84. Santos Dumont, o Pai da Aviação, sim, senhor!
  85. Avaliação positiva do governo Dilma caiu para 7,7% em julho, mostra pesquisa
  86. Estatuto da Igualdade Racial completa 5 anos com desafio de equiparar direitos
  87. Estudo analisa a pluralidade do espiritismo kardecista
  88. Aumento de tamanho da próstata é normal e tem tratamento
  89. Brasil pode ser pioneiro em defensivos agrícolas naturais
  90. Crianças iam para a cadeia no Brasil até a década de 1920
  91. Especialistas dizem que intolerância é principal causa de linchamentos no Brasil
  92. Como transformar crise em oportunidade?
  93. Fruto amazônico tem efeito anti-inflamatório contra câncer
  94. Reservatórios de água ajudam sertanejos a conviver com a seca
  95. Divergência marca visões sobre patrimônio histórico
  96. Raul Seixas: o mito faz 70 anos e permanece vivo 25 anos após a morte
  97. Imigrantes atuam como embaixadores do Brasil nos Estados Unidos
  98. País pode ter Justiça mais ágil com a mediação
  99. Cadê o chinelo? Chi-ne-lo! Cadê o chinelo?!
  100. O papa ofuscaria todos os demais na Cúpula da ONU
Mais Lidas