Em minoria, mulheres buscam liderar negócios de inovação e tecnologia

O crescimento no número de startups do Brasil nos últimos anos tem chamado a atenção para a liderança de mulheres no setor

Em minoria 1 temproario

Foto: Reprodução

Durante o Startup Summit, foram apresentados cases de sucesso liderados por mulheres, que se tornaram referências no mercado de inovação.

Débora Brito/Agência Brasil

Apesar das empreendedoras representarem pouco mais de 10% das comandantes das startups, seus empreendimentos têm gerado impacto significativo em alguns segmentos da economia. Empreendedorismo feminino foi um dos temas debatidos no Startup Summit, primeiro evento nacional de startups realizado em Florianópolis, nos últimos dias 12 e 13 de julho.

Pesquisa da Associação Brasileira de Startups (ABStarups) aponta que 74% das equipes de startups são formadas por homens e quase 90% das empresas de inovação e base tecnológica são comandadas por eles.

Cristina Bittencourt, cofundadora da Agriness, startup que gerencia soluções de gestão e melhoria de produtividade no mercado de suinocultura, já está há 17 anos no mercado. A empresa já atende 90% dos produtores de suínos do país e metade do mercado argentino.

“Eu estava em dois setores resistentes, que é a tecnologia e o agronegócio. Para mim, o que fez a diferença foi ter a parceria certa, meus sócios me deram espaço, eu conquistei meu espaço, mas a gente conseguiu construir essa relação junto”, disse. A empreendedora conta que várias vezes participou de reuniões com outras empresas em que era a única mulher. “Acontecia bastante isso, era como se eu não estivesse na reunião. Mas, eu sabia que meu papel naquela reunião era importante, que eu precisava perguntar o que precisava saber, e eu comecei a conquistar meu espaço. A gente não pode se acanhar”, afirma.

shutterstock 556373581-770x433 temproario

Foto: Reprodução

Potencial para liderar
A engenheira civil Paula Lunardelli, 31 anos, também teve que aprender a se impor em um ambiente ocupado majoritariamente por homens. Ela é a única mulher da recém-iniciada startup Welog, que desenvolve software e soluções para planejamento e gestão de obras da construção civil, com o objetivo de garantir maior previsibilidade e evitar atrasos. Em experiências profissionais anteriores, Paula conta que enfrentou dificuldades na sua trajetória como mulher.

“Eu lido com o meio masculino há muito tempo, então sendo engenheira civil eu já fiz uma escolha lá atrás que me fez trabalhar com pessoas, estudar e conviver com um mercado muito machista. Já passei por preconceitos, já recebi assédio, já perdi contratos”, relata. Hoje, enquanto se dedica a firmar o novo negócio, Paula afirma que se sente mais preparada e não tem enfrentado mais tantas situações de discriminação. Depois de ter já ter atuado no mercado como engenheira e consultora de empresas, ela sentiu confiança para iniciar o desafio da startup ao lado de dois sócios da área tecnológica e comercial.

Startup Mesa625 temproario

Foto: Reprodução

De acordo com levantamento da Associação Brasileira de Startups, o maior número de startups no país está concentrado nos estados de São Paulo (41%), Minas Gerais (12%) e Rio de Janeiro (9,7%).

“A gente entende que obras bem planejadas podem ser muito mais rentáveis e acabam gerando benefícios para o consumidor; e podem ser muito mais sustentáveis, trazendo benefícios para a própria construtora e para o país em geral”, explica. A empresa passou pela fase de incubação com apoio da Associação Catarinense de Tecnologia (Acate) e do Sebrae de Santa Catarina e foi selecionada em vários programas de aceleração. Hoje, a startup está em fase de captação de recursos, enquanto já vende o principal produto.

Diversidade para inovar
As empresárias declaram que as mulheres têm habilidades que podem agregar mais valor aos negócios, como criatividade, sensibilidade, visão sistêmica e capacidade de lidar com vários problemas ao mesmo tempo. Mas, elas ressaltam que as habilidades femininas e masculinas devem se complementar no ambiente de inovação e que as mulheres podem aprender a trabalhar com dinheiro e gerir finanças.

“Quando a gente fala em inovação, a gente fala em diversidade, então é muito importante ter uma equipe com mulheres, trabalhar junto com homens e ter essa diversidade dentro das empresas, é assim que vai gerar inovação”, declarou Tatina Takimoto, gerente de programas estratégicos da Acate.

Grupo de apoio
Tatiana também coordena o grupo Acate Mulheres, lançado no início deste ano para valorizar a figura feminina nas empresas de tecnologia. O grupo trabalha o fortalecimento das mulheres dentro da cultura organizacional e prepara as funcionárias para alcançar cargos de liderança. O ambiente de confiança criado pelo grupo promove ainda a interação entre as empreendedoras, que trocam experiências, conhecimentos, ideias e firmam parcerias para novos negócios entre elas.

muitas-mulheres-conseguem-consilia temproario

Foto: Reprodução

As participantes são beneficiadas com acesso a informações e serviços de fundos de investimentos, por exemplo, para facilitar e diminuir os custos físicos e emocionais da jornada dupla geralmente vivida pelas mulheres. “Conversando com ela, a gente descobre algumas coisas que acontecem nas empresas e não deveriam acontecer, como assédio moral. Isso acontece e a gente quer mudar essa cultura. E a gente entende que é a mulher que vai ter que ser protagonista disso”, explica Tatiana.

O grupo pretende trabalhar com estudantes do ensino médio e universitárias para encorajá-las a ter uma visão empreendedora. O objetivo, segundo a coordenadora, é mudar a cultura de que inovar e liderar, na área de tecnologia são habilidades masculinas. “Estive em Toronto, fui em algumas incubadoras e parques tecnológicos e vi como a presença feminina é quase 50% lá, e aqui é muito pouco. Nosso objetivo é esse: mudar a cultura, empoderar a mulher e trabalhar a sociedade como um todo para que seja mais justa”, relata.

Ato político
Durante o Startup Summit, foram apresentados cases de sucesso liderados por mulheres, que se tornaram referências no mercado de inovação. É o caso da startup Foodpass, fundada pela nutricionista Priscila Sabará, que criou uma plataforma que promove a conexão entre pessoas e empresas de vários locais por meio do alimento. Por meio de ferramentas de tecnologia e marketing, o sistema cadastra eventos gastronômicos e articula com uma rede de contatos, o que possibilidade novos negócios em diferentes áreas.

A empresa só tem funcionárias. Segundo Priscila, a decisão por contratar somente mulheres foi tomada para reforçar o empreendedorismo feminino como um ato político pela busca de oportunidades iguais. “As pessoas desacreditam da sua capacidade de fazer negócio. Acho que isso vem de um abuso de poder. A gente tem que desconstruir, batalhar por eficiência, profissionalismo e não ser um objeto sexual. Acho que esse é um lugar importante para a mulher conquistar”, declarou Priscila.

Mais artigos...

  1. Lei de proteção de dados vai mudar cotidiano de cidadãos e empresas
  2. Estudo destaca papel central da música nos ritos de incorporação da Umbanda
  3. Cientistas vão treinar robôs para identificação automática de plantas
  4. Combate a Lampião quase entrou na Constituição de 1934
  5. Estudo aponta 30 profissões que estão surgindo com a indústria 4.0
  6. Na era Trump, imigrantes buscam espaço na política dos Estados Unidos
  7. Acompanhar tramitação de lei ainda é desafio
  8. O maravilhoso universo das plantas e a força dos nutrientes
  9. Junho deixou sementes de participação popular
  10. Número de brasileiros em áreas de risco passa de 8 milhões, diz IBGE
  11. Vida verde: benefícios do vegetarianismo e veganismo à saúde atraem cada vez mais brasileiros
  12. Uso de energia solar no campo cresce com usinas flutuantes
  13. Vinho é a bebida alcoólica preferida dos brasileiros na melhor idade, aponta pesquisa
  14. Músicos amadores criam grupos para reviver antigos sambas esquecidos
  15. Projetos buscam evitar tragédias como o desabamento de edifício em São Paulo
  16. Quilombo a 50 km de Brasília luta para manter território e identidade
  17. Lei Seca soma dados positivos após 10 anos, mas levanta questões
  18. Junho aumenta riscos de acidente com fogos e balões
  19. Dom Pedro I criou Supremo Tribunal com poderes esvaziados
  20. "Sem solução, quem matou terá carta branca", diz pai de Marielle
  21. Livro sobre intelectuais negros põe em xeque ideia de democracia racial no país
  22. Carro elétrico ainda espera incentivos para crescer no Brasil
  23. Cora Coralina é inspiração para artesãs e doceiras na Cidade de Goiás
  24. Ascensão e queda de José Bonifácio, o 'Patriarca da Independência'
  25. Brasil perdeu mais de 430 mil empregos na construção entre 2015 e 2016
  26. Desmatamento e ocupação desordenada ameaçam conservação do Cerrado
  27. Poluição sonora prejudica a saúde e preocupa especialistas
  28. Senado deve aprovar incentivo para combater cartéis
  29. Cade propõe medidas para reduzir preços dos combustíveis
  30. O Brasil ocupa o oitavo lugar no ranking de número de tabagistas no mundo
  31. Entenda a composição do preço da gasolina e do diesel no Brasil
  32. Guimarães Rosa é recriado em prosas, pinturas e bordados
  33. Verdades e mentiras sobre o Cadastro Positivo
  34. Estudo da USP mostra como o álcool em dose moderada protege o coração
  35. Brasil pretende atrair mão de obra estrangeira qualificada para o país
  36. Bossa nova completa 60 anos: conheça a história do gênero musical
  37. Saí da Igreja do Rosário, andei por São Paulo e tropecei na história
  38. País busca soluções para aumento de judicialização na saúde
  39. Divisão de tarefas domésticas ainda é desigual no Brasil
  40. Cuidar da saúde é principal motivação dos que se planejam para aposentadoria
  41. Economia brasileira ainda não sentiu efeitos da Copa 2018
  42. Senado e Câmara aprovaram Lei Áurea em apenas 5 dias
  43. Dimension Data e Cisco expandem tecnologia anticaça na África
  44. Proteção de dados ganha importância na política e economia no Brasil
  45. Mais de 80 mil brasileiros migraram para Portugal em busca de segurança
  46. A cinco meses das eleições, Câmara e Senado trabalham em ritmo lento
  47. Jornais noticiaram Esquadrão da Morte de acordo com clima político
  48. Famílias sonham com clínica-escola gratuita para autistas
  49. Senado avança na definição de código que defende contribuintes
  50. Livro explica o poder e a consolidação dos Estados Unidos
  51. Pediatras lançam campanha para elucidar mitos sobre saúde infantil
  52. Mais de 40% dos brasileiros até 14 anos vivem em situação de pobreza
  53. Um milhão de indígenas brasileiros buscam alternativas para sobreviver
  54. Cuba elege 1º presidente após 60 anos de governo dos irmãos Castro
  55. Oito em cada dez brasileiros não se preparam para aposentadoria
  56. Vida de Adoniran Barbosa é tema de documentário
  57. Proximidade entre animais domésticos e silvestres traz riscos de doenças a humanos
  58. IBGE: ricos receberam 36 vezes acima do que ganharam os pobres em 2017
  59. Pesquisa revela que 58% dos brasileiros não se dedicam às próprias finanças
  60. Os mano e as mina na mira dos homi
  61. Maior virtuose do bandolim é lembrado no seu centenário
  62. Ferramenta auxilia na preparação tática de goleiros
  63. "Eu tenho um sonho!" - morte de Martin Luther King completou 50 anos e ex-assessor relembra lutas
  64. Multiculturalismo no futebol deve se expandir em seleções europeias
  65. Dia da Constituição comemorou avanços na cidadania desde a independência do Brasil
  66. Três anos depois de aprovada, Lei do Feminicídio tem avanços e desafios
  67. BC: Selic deve voltar a ter redução em maio e cortes se encerram em junho
  68. Em busca de um novo modelo de gestão para o uso da água
  69. Lei poderá dar segurança ao Farmácia Popular
  70. Acesso dos pobres à água só é possível com controle social, dizem especialistas
  71. Por que as mulheres “desapareceram” dos cursos de computação?
  72. Interiorização de venezuelanos para São Paulo e Manaus começa em abril
  73. Relatório da Unesco sobre água propõe soluções baseadas na natureza
  74. Veja quem luta contra quem no conflito na Síria
  75. Surto de febre amarela desafia vigilância de epidemias
  76. São Paulo, uma metrópole para poucos
  77. Mesmo com decisão do TST, governo não descarta privatização dos Correios
  78. Documento único estará disponível em julho
  79. Mulheres são donas de 31% de empresas nos Estados Unidos
  80. IBGE: mulheres ganham menos que homens mesmo sendo maioria com ensino superior
  81. Cadastro Positivo: Entenda o que é e quais são os reais benefícios ao consumidor
  82. CNI recomenda desburocratização, educação e pesquisa para indústria crescer
  83. Seu próximo negócio poderá ser de outro planeta
  84. Soluções sertanejas ajudam a vencer a seca no semiárido nordestino
  85. Pesquisador destaca papel da irrigação na sustentabilidade ambiental
  86. Laser infravermelho ajuda a combater gordura no fígado
  87. Leis não alteraram perfil dos caminhoneiros no Brasil, mostra estudo
  88. Técnicas de redução de ansiedade ajudam a acertar pênaltis
  89. Cremes dentais não resolvem sozinhos erosão dental e hipersensibilidade dos dentes
  90. Pesquisa diz que, de 69 milhões de casas, só 2,8% não têm TV no Brasil
  91. Hábitos alimentares deram nova identidade a japoneses na Amazônia
  92. Vitória antitabagista
  93. Desmatamento vai aquecer clima do planeta mais que o estimado
  94. Medida Provisória que altera reforma trabalhista ainda não começou a tramitar
  95. De Picasso a Chagall – Conheça o Carnaval retratado na arte
  96. Portela lembra na avenida os imigrantes judeus que se instalaram no Recife
  97. Beija-Flor fecha grupo especial com desfile sobre monstros e seus criadores
  98. União da Ilha desfila os sabores da culinária brasileira
  99. Na Marquês de Sapucaí, Imperatriz conta enredo dos 200 anos do Museu Nacional
  100. Haitianos são maioria entre os imigrantes no mercado formal brasileiro