País ainda precisa avançar no combate ao racismo

Desde a Constituição de 1988, que completa 30 anos no ano que vem, o combate ao racismo vem avançando no Brasil

Rovena Rosa/ABr

Integrantes de movimentos negros fazem manifestação em São Paulo.

Guilherme Oliveira/Ag. Senado/Especial Cidadania

O próprio texto constitucional deu o primeiro passo quando considerou o racismo crime inafiançável. De lá para cá, outras iniciativas e políticas foram surgindo e se consolidando, em grande parte como resultado da luta do movimento negro. Bons exemplos são o sistema de cotas nas universidades públicas e a criação do Dia Nacional da Consciência Negra, instituído em 2011 e comemorado todo dia 20 de novembro.

Mas muito ainda resta a ser feito. O preconceito e a desigualdade social são enfrentados todos os dias pela população negra. O perfil penitenciário brasileiro pode ser considerado a face mais cruel dessa desigualdade.

Na sexta-feira, o Ministério da Justiça divulgou o Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen) segundo o qual, em junho de 2016, 64% da população carcerária eram negros (pretos e pardos), na maioria jovens. De acordo com o levantamento, o Brasil possui hoje 726 mil presos e é o terceiro país em número de pessoas encarceradas, atrás apenas dos Estados Unidos e da China.

O Atlas da Violência de 2017, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), avaliou que uma pessoa negra tem 23,5% mais chance de sofrer assassinato em relação a cidadãos de outras raças. Esse cálculo desconta todos os efeitos de idade, sexo, escolaridade, estado civil e bairro de residência, deixando apenas a influência da cor da pele.

O mesmo estudo mostrou que, entre 2005 e 2015, a taxa de mortalidade para pretos e pardos subiu mais de 18%, enquanto o mesmo indicador para os demais cidadãos caiu cerca de 12%.

A mais recente Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), divulgada no início de novembro pelo IBGE e referente ao terceiro trimestre do ano, quantifica a desigualdade de forma clara (veja infográfico).

100Crise
A crise que o país atravessa desde 2014 contribuiu para agravar esses indicadores. De acordo com a deputada Benedita da Silva (PT-RJ), qualquer piora do quadro social afeta principalmente os negros, que são, em geral, mais desprotegidos diante das intempéries econômicas.

Ela destaca a violência como uma das principais mazelas que atingem esse segmento da população. Além de estarem mais sujeitos ao crime, os negros também sofrem com a má conduta policial, segundo ela.

— A pauta da segurança pública interessa à população negra. Falta um projeto nacional e isso prejudica. Os negros continuam desprotegidos e com medo de serem abordados [pela polícia] — observa a parlamentar.

O aprimoramento da formação dos agentes policiais é uma das medidas que ela cita como urgentes. Outra é o fim dos autos de resistência. Atualmente, no caso de resistência à prisão, o Código de Processo Penal autoriza o uso de quaisquer meios necessários para que o policial se defenda ou vença a resistência, e determina que seja feito um documento, o auto, assinado por duas testemunhas, explicando a situação. No entanto, críticos apontam que essa ferramenta inibe a investigação de ações abusivas.

DESIGUALDADEUm projeto de lei que propõe o fim dos autos de resistência foi aprovado pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) em maio deste ano. O PLS 239/2016 resultou da CPI do Assassinato de Jovens (2015-2016).

Outro projeto no mesmo sentido, em análise na Câmara dos Deputados, está mais avançado: o PL 4.471/2012 entrou em regime de urgência no Plenário daquela Casa no início deste mês.

Racismo
A violência não preocupa apenas pela sua expressão física ou socioeconômica. Apresenta-se também em palavras e gestos, em ofensas e em formas discriminatórias de tratamento. Casos de racismo circulam pelos veículos de notícias e pelas redes sociais com frequência, não permitindo que esse problema seja ignorado. O fenômeno relativamente recente da internet e das redes sociais provoca a sensação de que as manifestações de racismo aumentaram.

Para a senadora Regina Sousa (PT-PI), presidente da Comissão de Direitos Humanos (CDH), a prática de racismo nem sempre é premeditada, o que revela característica da própria sociedade. — A essência do racismo é o sentimento que as pessoas têm dentro de si e que expressam, às vezes sem querer. Muita gente solta coisas porque elas estão incorporadas por meio da cultura e da educação. Este país tem uma memória escravista — disse.

Independentemente da motivação, manifestações com teor de discriminação ou ofensa racial são criminalizadas, tanto pela Constituição Federal quanto pelo Código Penal.

O crime de racismo foi regulamentado por lei em 1989. Ele corresponde à recusa de tratamento igualitário por questões raciais — por exemplo, quando um estabelecimento nega acesso a um cliente negro ou um empregador rejeita um candidato em um processo seletivo em decorrência da cor da pele.

Já a injúria racial é a ofensa verbal à honra de outra pessoa com elementos relativos à cor ou à raça. Ela foi instituída por uma alteração no Código Penal, realizada em 1997. Uma das modalidades de racismo se confunde com a injúria — quando um indivíduo pratica, incita ou induz à discriminação e ao preconceito, de forma verbal, contra todo o coletivo de pessoas de um determinado grupo étnico.

Exemplos
A diferença pode ser ilustrada a partir de dois casos que ganharam a atenção das redes virtuais nas últimas semanas. Num deles, o jornalista William Waack, em vídeo de 2016 divulgado neste ano, reage a uma buzina na rua durante uma gravação como “coisa de preto”. O episódio foi interpretado como crime de racismo, sob o entendimento de que o jornalista reproduziu um estereótipo pejorativo a respeito de uma coletividade.

No outro caso, a youtuber Day McCarthy publicou um vídeo em que profere ofensas raciais direcionadas à filha adotiva do casal de atores Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank. Nessa circunstância, como os xingamentos têm como alvo uma pessoa específica, o ato enquadra-se em injúria racial.

Em ambas as situações, a pena é a mesma: um a três anos de prisão, além de multa. O motivo para a legislação fazer distinção entre as duas atitudes é de ordem prática, conforme explica o promotor Thiago Pierobom, do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).

— Quando a lei do racismo entrou em vigor, dificilmente conseguíamos enquadrar os casos de ofensas como racismo porque os tribunais sempre diziam que a intenção não teria sido de discriminar. Para contornar essa resistência, houve a alteração no Código Penal estabelecendo o crime de injúria racial. Aí sim conseguimos ter uma elevação substancial nos casos que eram levados ao Judiciário e passamos a ter mais condenações.

O promotor destaca que a existência de uma distinção legal entre racismo e injúria racial não implica qualquer diferenciação valorativa entre as duas práticas, nenhuma delas é menos grave do que a outra.

— Do ponto de vista sociológico, não tem diferença nenhuma. Xingar uma pessoa de “preto safado” é, obviamente, um ato de racismo. É só uma questão de estratégia legislativa, de como dizer isso na legislação para ter mais facilidade de se chegar ao mesmo resultado.

Regina Sousa acredita no “trabalho pedagógico” das leis. Ela vê a punição não como um veículo de suplício para o perpetrador de racismo, mas como uma sinalização para o restante da sociedade de que esse comportamento não é aceitável e não será tolerado:

— Não acho que a pessoa tenha que ser execrada, ir para uma prisão. Mas tem que pagar uma pena porque praticou um ato de racismo. Se pagar, mesmo que tenha feito sem querer, os outros vão se policiar.

Boa parte dos casos que envolvem crimes raciais são concluídos com a aplicação de penas alternativas à restrição de liberdade. Entre elas, estão indenização às vítimas e presença obrigatória do agressor em cursos de conscientização racial.

Para a senadora Regina Sousa (PT-PI), é preciso não apenas reprimir o racismo, mas também educar.Educação
Regina Sousa acredita que o aspecto punitivo é apenas um dos lados da luta contra o racismo. Enquanto a criminalização dos atos pode contribuir para coibir a expressão do preconceito, ele continuará influenciando a mentalidade das pessoas a menos que seja combatido na origem, afirma ela.

— Não é que a gente bote todas as esperanças nas leis. O processo legislativo é demorado, leva anos para uma lei ser aprovada nas duas Casas. Fazemos a lei justamente para podermos ter respaldo para reivindicar, mas é preciso trabalhar a educação. A gente tem que colocar o dedo na ferida na escola, fazer esse debate desde pequeno. O racismo não vai acabar de vez, mas pode diminuir bastante — argumenta.

Outra diferença entre os crimes de racismo e de injúria racial está na forma como se inicia o processo contra o agressor. O racismo deve ser objeto de uma ação penal incondicionada, o que significa que não é necessário nenhum pedido da vítima para que a acusação seja levada adiante.

Por sua vez, a injúria racial depende da representação específica da pessoa atacada. Caso a vítima não deseje se manifestar, o processo não avança. Além disso, a qualquer momento ela pode retirar a queixa e interromper a investigação, mesmo que já esteja praticamente concluída.

Essa diferença é considerada mais relevante pelo promotor Pierobom. Ele explica que a lei do racismo não demanda a iniciativa da vítima porque é do interesse de todo o conjunto da sociedade que o crime seja solucionado e o seu autor, punido, justamente para coibir futuras ocorrências. Quando se exige a vontade da vítima, como é o caso da injúria, essa dimensão pública se perde, afirma Pierobom.

— A regra para a injúria, na minha opinião, deveria ser alterada. O interesse público transcende a esfera de disponibilidade da vítima. A análise que ela faz é individual: “me senti ofendido, registrei uma ocorrência, mas a investigação demora meses e com o tempo eu superei aquela situação, quero tocar a vida”. Mas a questão é que há um interesse público de que essa conduta não seja aceita — explica o promotor.

O conselho do Ministério Público para quem presenciar atos de racismo e de injúria motivada por discriminação racial é chamar a polícia imediatamente, de modo a viabilizar a prisão em flagrante. É importante anotar o nome e o contato das testemunhas porque crimes dessa natureza são comumente praticados em público, na presença de pessoas que não se conhecem. Caso elas não sejam identificadas de pronto, há o risco de elas não poderem mais ser localizadas para auxiliar no processo.

Se o crime for praticado pela internet, a orientação é imprimir uma cópia da página para que sirva como documento comprobatório. Caso aconteça numa rede social, recomenda-se imprimir também os dados pessoais do ofensor, publicados em seu perfil público.

Mais artigos...

  1. Com política eficiente, país pode reverter prazo para cumprir objetivos estipulados pela ONU
  2. 70 anos da maior descoberta arqueológica bíblica: Manuscritos do Mar Morto
  3. Bitcoin passa de US$ 13 mil e vira 'desejo de consumo'
  4. Pesquisa do IBGE mostra trabalho "invisível" feito em 2016 no país
  5. Divórcio demorou a chegar no Brasil
  6. Prédios públicos ficam vermelhos contra a aids
  7. Estudo resgata a história do Movimento do Custo de Vida
  8. Anabolizantes comprometem funcionalidade do “colesterol bom”
  9. Presença de árvores reduz casos de câncer de pulmão em idosos
  10. Proximidade do verão aciona alerta para desastres naturais
  11. Nova lei regula situação de estrangeiros no país
  12. SP e Prefeitura de Humaitá atendem ribeirinhos no Amazonas
  13. O desaparecimento de pessoas é um problema grave, que atinge milhares de famílias no Brasil
  14. Alimentos e cosméticos podem ter alerta sobre substância cancerígena_02
  15. OIT diz que há mais de 70 milhões de jovens desempregados no mundo
  16. Lixo no mar brasileiro vai de drogas a plástico
  17. Livro 'Vestígios da Memória' mostra a riqueza da arquitetura paulista
  18. Atenção dos pais pode reduzir risco de abuso de drogas na adolescência
  19. Reforma trabalhista entrou em vigor neste sábado com novas formas de contratação
  20. Alimentos e cosméticos podem ter alerta sobre substância cancerígena
  21. Dois anos depois, atingidos por barragem em Mariana ainda não foram indenizados
  22. População não entende rótulos, diz pesquisa
  23. Ética no esporte: uma poderosa ferramenta de formação de caráter
  24. Desafios para o cumprimento do Acordo de Paris
  25. Historiador desconstrói mitos sobre Teatro Municipal de São Paulo
  26. Dia mundial de combate ao abuso infantil
  27. Bullying na escola está ligado à má relação familiar, diz estudo
  28. Naufrágios chamam a atenção para a segurança nas hidrovias brasileiras
  29. Com frete rodoviário abaixo do custo, CNI defende fiscalização para evitar crise
  30. Livro analisa educação clandestina no gueto de Varsóvia
  31. Igualdade entre homem e mulher pode agregar US$ 28 trilhões ao PIB até 2025
  32. Os acordes dissonantes da contracultura nos anos de chumbo
  33. Reforma eleitoral abre espaço para propaganda paga em sites
  34. Rotina de jovens com HIV inclui estigma e mudança de hábitos
  35. Gravidez precoce ainda é alta, mostram dados
  36. Rede de apoio é fundamental para combater violência contra a mulher
  37. FAO sugere que jovens de países em desenvolvimento não deixem áreas rurais
  38. Conheça a trajetória do Velho Guerreiro
  39. O que as crianças estão aprendendo sobre o amor?
  40. Outubro Rosa conscientiza sobre prevenção do câncer de mama
  41. Indústria fecha primeiros oito meses do ano com crescimento de 1,5%, diz IBGE
  42. Perda de renda e medo do desemprego fazem brasileiros diminuírem consumo
  43. Desconfiança e preconceito da sociedade dificultam ressocialização de presos
  44. Açaí teve maior valor de produção na extração vegetal em 2016, diz pesquisa
  45. Fécula de mandioca poderá substituir parte da farinha de trigo na composição do pão
  46. Pesquisa aponta saídas para combater desigualdade no Brasil
  47. No Brasil, 45% da população ainda não têm acesso a serviço adequado de esgoto
  48. Integrar história da ciência nas escolas pode revolucionar ensino
  49. Cerca de 11 mil pessoas tiram a própria vida todos os anos no Brasil
  50. Estudo feito na Unicamp permite traçar o roteiro da obesidade
  51. Crise pode limitar financiamento estudantil
  52. Gorduras boas: saiba a importância desses nutrientes e porque eles devem fazer parte do nosso dia a dia
  53. Mercado de trabalho dá sinais de recuperação no segundo trimestre
  54. Cientistas dizem que furacões como o Irma são evidência de aquecimento global
  55. Programa Identidade Jovem enfrenta baixa adesão e resistência dos empresários
  56. Crescimento de ataques virtuais acende alerta sobre suicídio
  57. Na Georgia, brasileiros criam rede de apoio e acolhem mais de 300 pessoas
  58. O Império do Brasil
  59. Cabelos fracos, quebradiços e com queda? A solução pode estar no cardápio
  60. Microplásticos ameaçam 529 espécies da fauna marinha em todo o mundo
  61. Enade: matrículas em instituições públicas crescem e rede privada tem redução
  62. Pesquisadores descrevem 381 novas espécies de animais e plantas da Amazônia
  63. Direito à saúde bucal pode virar lei
  64. Casa da Moeda: Economistas não acreditam que privatização traga risco de fraude
  65. Taxa de feminicídios no Brasil é a quinta maior do mundo
  66. Travessia longa até um trânsito civilizado no país
  67. Intestino preguiçoso: saiba quais alimentos consumir para evitar esse mal e ter uma vida saudável
  68. Cerca de 58% dos alunos da rede pública têm rendimento abaixo da média em matemática
  69. Pelo terceiro ano seguido, desemprego é a principal causa da inadimplência, mostra levantamento do SPC Brasil e CNDL
  70. De concurso de miss a maternidade, cadeirantes contam como resgataram autoestima
  71. Verba de multas poderá ir para o trânsito
  72. Como seria uma guerra entre EUA e Coreia do Norte?
  73. Fundo Amazônia vai investir R$ 150 milhões em novos projetos de conservação
  74. Duração de licença-paternidade reforça desigualdade na criação dos filhos
  75. Há 80 anos, União Nacional dos Estudantes faz história no país
  76. Barriga tanquinho: regra 80/20 é o segredo para conquistar e manter o abdômen definido
  77. Estudo mostra que o uso de etanol nos veículos reduz a poluição por nanopartículas
  78. Aleitamento materno ainda enfrenta obstáculos
  79. Segurança pública: solução depende de participação social
  80. “Memórias Póstumas de Brás Cubas” observa a condição humana
  81. Do sertão à ‘selva’ paulistana, o rito de passagem dos pankararu
  82. Dieta pós 40: veja o que deve mudar no cardápio para garantir vigor durante a meia idade
  83. Uerj pesquisa influência da atividade física das mães na obesidade dos filhos
  84. A desigualdade “racial” nas eleições
  85. Pediatras lançam guia para promover atividade física a criança e adolescente
  86. Sem aumento do PIS/Cofins, governo perde R$ 78 milhões por dia, diz AGU
  87. Pesquisa diz que a cada 16,8 segundos uma tentativa de fraude é aplicada no país
  88. O ano de 2016 bateu um novo recorde de deslocamentos forçados - Quais países mais geram refugiados pelo mundo?
  89. Pesquisa revela como o exercício físico protege o coração
  90. Laerte: heroína trans ou homem vestido de mulher?
  91. Declínio de Temer no exterior ajuda Macri a projetar Argentina
  92. O mundo, para as crianças, é a sua comunidade
  93. Misto de sentimentos marca saída dos militares brasileiros do Haiti
  94. Desemprego e informalidade assolam mulheres da América Latina
  95. Automedicação pode ter graves consequências
  96. Lei de Cotas em concurso é julgada constitucional, mas ainda motiva ações
  97. Migração: nova lei assegura direitos e combate a discriminação
  98. Grande São Paulo precisa controlar a emissão dos veículos a diesel
  99. O perfil dos corredores de rua amadores
  100. Há 100 anos, greve geral parou São Paulo
Mais Lidas