Estudo da USP mostra como o álcool em dose moderada protege o coração

Há pelo menos 20 anos estudos têm mostrado que o consumo moderado de álcool pode ter efeito cardioprotetor em grande parte das pessoas, mas ainda não se sabia ao certo por quê                                                                                   

19-05 temporario

Karina Toledo/Agência FAPESP

Dados de uma pesquisa conduzida no Instituto de Ciências Biomédicas da USP indicam que essa proteção pode estar relacionada com a ativação de uma enzima mitocondrial chamada ALDH2 (aldeído desidrogenase-2), que ajuda a eliminar do organismo tanto os subprodutos tóxicos gerados pelo metabolismo do álcool como também um tipo de molécula reativa produzido nas células cardíacas quando estas sofrem um dano importante – como o causado pelo infarto, por exemplo.

“Nossos dados sugerem que a exposição moderada ao etanol causa um pequeno estresse nas células do coração, não suficiente para matá-las. Como consequência, ocorre uma reorganização no sinal intracelular e a célula cardíaca acaba criando uma memória bioquímica contra estresse, também chamada de precondicionamento. Quando a célula é submetida a um estresse maior, já sabe como lidar”, disse Julio Cesar Batista Ferreira, professor do Departamento de Anatomia do ICB-USP e coordenador da pesquisa apoiada pela FAPESP.

estudo 24 05 2018 temporarioO trabalho vem sendo feito em parceria com cientistas da Stanford University, nos Estados Unidos. Resultados recentes, obtidos durante o pós-doutorado de Cintia Bagne Ueta, foram publicados na revista Cardiovascular Research. Para estudar os efeitos cardioprotetores do álcool em nível celular, os pesquisadores simularam uma condição semelhante ao infarto em corações de camundongo mantidos vivos em um sistema artificial. Nesse modelo, chamado ex vivo, o órgão permanece batendo fora do corpo durante várias horas, sendo alimentado por uma solução rica em nutrientes e oxigênio.

Os cientistas então simulam uma condição clínica conhecida como isquemia e reperfusão interrompendo o fluxo nutritivo para o coração durante 30 minutos. Quando a solução nutritiva volta a correr, o órgão recomeça a bater lentamente e, após uma hora, os pesquisadores conseguem avaliar o tamanho do dano. Em média, nesse modelo, cerca de 50% das células cardíacas morrem caso não seja feito nenhum tipo de intervenção.

“Acreditava-se, antigamente, que o dano principal era consequência do período sem oxigênio. Mas estudos mostraram que, durante a isquemia, as células mudam seu metabolismo e entram em uma espécie de estado dormente. Quando a artéria é desobstruída [reperfusão], o tecido recebe uma enxurrada de sangue com nutrientes e oxigênio e acaba ocorrendo um colapso metabólico nas células”, explicou Ferreira.

Em resposta ao estresse, as células cardíacas começam a produzir grandes quantidades de uma molécula reativa conhecida como 4-HNE (4-hydroxy-2-nonenal), pertencente à classe química dos aldeídos. Em excesso, essa substância tóxica começa a destruir estruturas celulares essenciais. A enzima mitocondrial ALDH2 é a principal responsável por livrar o organismo dos aldeídos acumulados – tanto o 4-HNE das células cardíacas em estresse quanto o acetaldeído resultante da quebra da molécula de etanol no fígado após uma noite de bebedeira.

No entanto, em trabalhos anteriores, o grupo de Ferreira em parceria com pesquisadores de Stanford coordenados por Daria Mochly-Rosen mostraram que, durante o processo de isquemia e reperfusão, a atividade da enzima ALDH2 era significativamente reduzida. Esses achados foram divulgados na revista Science Translational Medicine e no Circulation Journal. “A quantidade de 4-HNE se torna tão grande dentro da célula cardíaca que a molécula acaba atacando a própria enzima responsável pelo seu metabolismo”, contou Ferreira.

vinho-1523625184210 v2 615x300 temporario“Em nosso novo estudo, observamos que no coração exposto ao etanol antes do processo de isquemia e reperfusão a atividade da ALDH2 se manteve igual à de um órgão que não sofreu injúria. Acreditamos que o estresse causado pelo etanol em dose moderada deixa uma memória e, assim, a célula aprende a manter a enzima ALDH2 mais ativa”, acrescentou.

Cinco grupos de estudos foram montados com o objetivo de esmiuçar os mecanismos por trás do efeito protetor observado. No primeiro, considerado como grupo-controle, os corações não sofreram nenhum tipo de dano e não receberam nenhum tratamento ou intervenção. No segundo grupo, os corações foram apenas submetidos à isquemia e reperfusão e, como consequência, perderam em torno de 50% das células.

No terceiro grupo, antes de induzir o dano, os pesquisadores expuseram durante 10 minutos os órgãos extraídos de camundongos machos a uma dose de etanol equivalente a duas latas de cerveja ou duas taças de vinho para um humano médio do sexo masculino. A dose foi ajustada de acordo com a massa dos animais. “Procuramos seguir a recomendação da OMS, que é de até uma dose por dia para mulheres [18 gramas de álcool] e até duas doses para homens. No caso de camundongos, foi algo em torno de 50 milimolar”, explicou Ferreira.

Os órgãos foram depois lavados por outros 10 minutos para retirar o excesso de álcool e, em seguida, tiveram o fluxo nutritivo interrompido, como ocorreu com o grupo dois. Na análise feita cerca de uma hora após a reperfusão, apenas 30% das células haviam morrido, ou seja, o dano foi reduzido em quase 60% na comparação com o grupo dois. Além disso, os cientistas observaram que a atividade de ALDH2 estava duas vezes maior que no grupo não tratado – e em nível equivalente ao do grupo-controle, que não sofreu dano.

No quarto grupo de estudo, além do tratamento com etanol, os corações foram expostos a uma droga capaz de inibir a atividade de ALDH2. Nesse caso, o índice de morte celular subiu de 50% para 80%, confirmando que a proteção promovida pelo etanol de fato é dependente da ação da enzima. Já no último grupo experimental foram usados corações de camundongos que apresentam uma mutação no gene codificador da ALDH2, que reduz a atividade da enzima em quase 80%. Como explicou Ferreira, os animais são modificados geneticamente para simular essa mutação, que é muito comum na população oriental e afeta quase 600 milhões de pessoas no mundo.

“Nesse grupo, quando expusemos os corações ao etanol, o dano causado pela isquemia e reperfusão foi aumentado. O índice de morte celular passou de 50% para 70%. Porém, quando tratamos os órgãos desse grupo com uma droga experimental capaz de ativar a ALDH2 – conhecida como Alda-1 – o índice de morte celular caiu para 35%”, contou Ferreira. Segundo o pesquisador, não foi observado benefício ao tratar com a Alda-1 os corações de animais sem a mutação na enzima ALDH2 expostos ao etanol. “Isso sugere que tanto a droga experimental quanto o álcool estão atuando no mesmo mecanismo molecular para ativar ALDH2”, disse.

A molécula Alda-1 já passou pela primeira fase de ensaios clínicos nos Estados Unidos, nos quais se mostrou segura para uso em humanos saudáveis. Deve ter início em breve uma nova fase de testes onde a substância será oferecida a portadores de cardiopatias. Na avaliação de Ferreira, é possível fazer um paralelo entre o consumo regular de pequenas quantidades de álcool por seres humanos e os resultados observados nos corações de camundongos tratados em laboratório com etanol.

figado temporario“Mas tudo depende do que a pessoa carrega no DNA”, ressaltou. “O acetaldeído resultante do metabolismo do etanol pode ser protetor em pequenas quantidades para a maioria da população, mas também pode maximizar o dano do infarto em um indivíduo com a mutação no gene da ALDH2. Essas pessoas são fáceis de serem identificadas, pois com apenas um copo de cerveja ficam com o rosto vermelho, dor de cabeça e não ganham resistência ao álcool com o tempo”, disse.

cerebro temporarioO dano ao coração também pode ser agravado caso o álcool seja ingerido em quantidades elevadas, alertou Ferreira, pois isso resulta na produção excessiva de acetaldeído e torna o trabalho de limpeza promovido pela ALDH2 ainda mais difícil. “O grupo tratado com a droga inibidora da ALDH2 [no qual o índice de morte celular chegou a 80%] mimetiza o que aconteceria em um caso de consumo excessivo de álcool. O difícil é estabelecer a dose segura para cada indivíduo, pois há muitas variáveis que afetam o metabolismo”, disse o pesquisador.

O grupo do ICB-USP tenta agora entender como a presença do acetaldeído resultante do metabolismo do álcool na célula cardíaca cria a memória que mantém a ALDH2 mais ativa. A ideia seria desenvolver uma droga capaz de mimetizar o efeito benéfico do etanol sem expor os indivíduos a riscos – entre eles o desenvolvimento de dependência química. “A molécula Alda-1 é um possível candidato. Entretanto, é necessário dar continuidade aos estudos de segurança e eficácia em humanos”, comentou Ferreira.

Mais artigos...

  1. Brasil pretende atrair mão de obra estrangeira qualificada para o país
  2. Bossa nova completa 60 anos: conheça a história do gênero musical
  3. Saí da Igreja do Rosário, andei por São Paulo e tropecei na história
  4. País busca soluções para aumento de judicialização na saúde
  5. Divisão de tarefas domésticas ainda é desigual no Brasil
  6. Cuidar da saúde é principal motivação dos que se planejam para aposentadoria
  7. Economia brasileira ainda não sentiu efeitos da Copa 2018
  8. Senado e Câmara aprovaram Lei Áurea em apenas 5 dias
  9. Dimension Data e Cisco expandem tecnologia anticaça na África
  10. Proteção de dados ganha importância na política e economia no Brasil
  11. Mais de 80 mil brasileiros migraram para Portugal em busca de segurança
  12. A cinco meses das eleições, Câmara e Senado trabalham em ritmo lento
  13. Jornais noticiaram Esquadrão da Morte de acordo com clima político
  14. Famílias sonham com clínica-escola gratuita para autistas
  15. Senado avança na definição de código que defende contribuintes
  16. Livro explica o poder e a consolidação dos Estados Unidos
  17. Pediatras lançam campanha para elucidar mitos sobre saúde infantil
  18. Mais de 40% dos brasileiros até 14 anos vivem em situação de pobreza
  19. Um milhão de indígenas brasileiros buscam alternativas para sobreviver
  20. Cuba elege 1º presidente após 60 anos de governo dos irmãos Castro
  21. Oito em cada dez brasileiros não se preparam para aposentadoria
  22. Vida de Adoniran Barbosa é tema de documentário
  23. Proximidade entre animais domésticos e silvestres traz riscos de doenças a humanos
  24. IBGE: ricos receberam 36 vezes acima do que ganharam os pobres em 2017
  25. Pesquisa revela que 58% dos brasileiros não se dedicam às próprias finanças
  26. Os mano e as mina na mira dos homi
  27. Maior virtuose do bandolim é lembrado no seu centenário
  28. Ferramenta auxilia na preparação tática de goleiros
  29. "Eu tenho um sonho!" - morte de Martin Luther King completou 50 anos e ex-assessor relembra lutas
  30. Multiculturalismo no futebol deve se expandir em seleções europeias
  31. Dia da Constituição comemorou avanços na cidadania desde a independência do Brasil
  32. Três anos depois de aprovada, Lei do Feminicídio tem avanços e desafios
  33. BC: Selic deve voltar a ter redução em maio e cortes se encerram em junho
  34. Em busca de um novo modelo de gestão para o uso da água
  35. Lei poderá dar segurança ao Farmácia Popular
  36. Acesso dos pobres à água só é possível com controle social, dizem especialistas
  37. Por que as mulheres “desapareceram” dos cursos de computação?
  38. Interiorização de venezuelanos para São Paulo e Manaus começa em abril
  39. Relatório da Unesco sobre água propõe soluções baseadas na natureza
  40. Veja quem luta contra quem no conflito na Síria
  41. Surto de febre amarela desafia vigilância de epidemias
  42. São Paulo, uma metrópole para poucos
  43. Mesmo com decisão do TST, governo não descarta privatização dos Correios
  44. Documento único estará disponível em julho
  45. Mulheres são donas de 31% de empresas nos Estados Unidos
  46. IBGE: mulheres ganham menos que homens mesmo sendo maioria com ensino superior
  47. Cadastro Positivo: Entenda o que é e quais são os reais benefícios ao consumidor
  48. CNI recomenda desburocratização, educação e pesquisa para indústria crescer
  49. Seu próximo negócio poderá ser de outro planeta
  50. Soluções sertanejas ajudam a vencer a seca no semiárido nordestino
  51. Pesquisador destaca papel da irrigação na sustentabilidade ambiental
  52. Laser infravermelho ajuda a combater gordura no fígado
  53. Leis não alteraram perfil dos caminhoneiros no Brasil, mostra estudo
  54. Técnicas de redução de ansiedade ajudam a acertar pênaltis
  55. Cremes dentais não resolvem sozinhos erosão dental e hipersensibilidade dos dentes
  56. Pesquisa diz que, de 69 milhões de casas, só 2,8% não têm TV no Brasil
  57. Hábitos alimentares deram nova identidade a japoneses na Amazônia
  58. Vitória antitabagista
  59. Desmatamento vai aquecer clima do planeta mais que o estimado
  60. Medida Provisória que altera reforma trabalhista ainda não começou a tramitar
  61. De Picasso a Chagall – Conheça o Carnaval retratado na arte
  62. Portela lembra na avenida os imigrantes judeus que se instalaram no Recife
  63. Beija-Flor fecha grupo especial com desfile sobre monstros e seus criadores
  64. União da Ilha desfila os sabores da culinária brasileira
  65. Na Marquês de Sapucaí, Imperatriz conta enredo dos 200 anos do Museu Nacional
  66. Haitianos são maioria entre os imigrantes no mercado formal brasileiro
  67. 60% das lesões no futebol atingem as coxas e joelhos
  68. Mídia representa pessoas em situação de rua de forma negativa
  69. Rap e jazz facilitam formação cultural e engajamento na escola
  70. Nova lei dá esperança a quem aguarda adoção
  71. Conheça 10 receitas 'italianas' que só existem no Brasil
  72. Brasileiros beneficiados pelo Daca vivem incerteza nos Estados Unidos
  73. Aumento de bilionários em 2017 poderia acabar com a extrema pobreza por 7 vezes
  74. Confira dez perguntas e curiosidades sobre a febre amarela
  75. Cai percepção de piora da economia entre comerciantes
  76. O escritor portenho Jorge Luis Borges continua dando o que falar
  77. Hepatite A: saiba como se pega o vírus, quais são os sintomas e tratamentos
  78. Queda da inflação beneficiou mais a classe de renda baixa, diz Ipea
  79. Psicanálise também tem lugar para pessoas em vulnerabilidade social
  80. Pesquisa identifica populações mais vulneráveis a transtornos mentais graves
  81. Promoções impulsionam comércio e vendas no varejo cresceram 0,7% em novembro
  82. Etanol brasileiro pode substituir 13,7% do petróleo consumido no mundo
  83. Eleições e Copa do Mundo devem afetar pauta de votações no Congresso
  84. Livro em tupi moderno busca fortalecer o idioma na Amazônia
  85. Retrospectiva/2017: Fim da recessão, queda de juros e da inflação marcaram a economia
  86. Retrospectiva/2017: O ano dos ataques cibernéticos
  87. Retrospectiva/2017: O ano em que o Brasil mostrou que se importa com a Amazônia
  88. Lado brasileiro de Itaipu também poderá ser reserva de biosfera da Unesco
  89. Simplificar para melhorar (e muito): a urgente Reforma Tributária
  90. Fake news e controle na internet são desafios para as eleições de 2018
  91. Condições de vida são mais baixas em áreas longe dos centros
  92. Bichos de pelúcia substituem animais de laboratório em aulas na USP
  93. IBGE: 50 milhões de brasileiros vivem na linha de pobreza
  94. Em 2015 sete municípios respondiam por 25% do PIB do país, mostra IBGE
  95. País ainda precisa avançar no combate ao racismo
  96. Com política eficiente, país pode reverter prazo para cumprir objetivos estipulados pela ONU
  97. 70 anos da maior descoberta arqueológica bíblica: Manuscritos do Mar Morto
  98. Bitcoin passa de US$ 13 mil e vira 'desejo de consumo'
  99. Pesquisa do IBGE mostra trabalho "invisível" feito em 2016 no país
  100. Divórcio demorou a chegar no Brasil
Mais Lidas