Saúde alerta que as baixas coberturas vacinais acendem a luz vermelha

Os primeiros sinais de queda nas coberturas vacinais em todo o país começaram a aparecer ainda em 2016. De lá para cá, doenças já erradicadas voltaram a ser motivo de preocupação entre autoridades sanitárias e profissionais de saúde

Saude temporario

Foto: Arquivo/ABr

Sociedade Brasileira de Imunizações defende uma taxa de imunização de 95% do público-alvo.

Paula Laboissière /Agência Brasil

Amazonas, Roraima, Rio Grande do Sul, Rondônia e Rio de Janeiro são alguns dos estados que já confirmaram casos de sarampo este ano. Em 2016, o Brasil recebeu da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) o certificado de eliminação da circulação do vírus.

Dados do Ministério da Saúde mostram que a aplicação de todas as vacinas do calendário adulto está abaixo da meta no Brasil – incluindo a dose que protege contra o sarampo. Entre as crianças, a situação não é muito diferente – em 2017, apenas a BCG, que protege contra a tuberculose e é aplicada ainda na maternidade, atingia a meta de 90% de imunização. Em 312 municípios, menos de 50% das crianças foram vacinadas contra a poliomielite. Apesar de erradicada no país desde 1990, a doença ainda é endêmica em três países – Nigéria, Afeganistão e Paquistão.

O grupo de doenças pode voltar a circular no Brasil caso a cobertura vacinal, sobretudo entre crianças, não aumente. O alerta é da Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim), que defende uma taxa de imunização de 95% do público-alvo. O próprio Ministério da Saúde, por meio de comunicado, destacou que as baixas coberturas vacinais identificadas em todo o país acendem o que chamou de "luz vermelha".

Confira as principais doenças que ensaiam um retorno ao Brasil caso as taxas de vacinação não sejam ampliadas.

Sarampo
O sarampo é uma doença infecciosa aguda, de natureza viral, grave, transmissível e extremamente contagiosa. Complicações infecciosas contribuem para a gravidade do quadro, particularmente em crianças desnutridas e menores de um 1 ano de idade.

Os sintomas incluem febre alta acima de 38,5°C; erupções na pele; tosse; coriza; conjuntivite; e manchas brancas que aparecem na mucosa bucal, conhecidas como sinais de Koplik e que antecedem de um a dois dias antes do aparecimento da erupção cutânea.

A transmissão do sarampo acontece de quatro a seis dias antes e até quatro dias após o aparecimento do exantema (erupção cutânea). O período de maior transmissibilidade ocorre dois dias antes e dois dias após o início da erupção cutânea.

Poliomielite
Causada por um vírus que vive no intestino, o poliovírus, a poliomielite geralmente atinge crianças com menos de 4 anos de idade, mas também pode contaminar adultos.

A maior parte das infecções apresenta poucos sintomas e há semelhanças com as infecções respiratórias como febre e dor de garganta, além das gastrointestinais, náusea, vômito e prisão de ventre.

Cerca de 1% dos infectados pelo vírus pode desenvolver a forma paralítica da doença, que pode causar sequelas permanentes, insuficiência respiratória e, em alguns casos, levar à morte.

Rubéola
A rubéola é uma doença aguda, de alta contagiosidade, transmitida pelo vírus do gênero Rubivirus. A doença também é conhecida como sarampo alemão.

No campo das doenças infectocontagiosas, a importância epidemiológica da rubéola está associada à síndrome da rubéola congênita, que atinge o feto ou o recém-nascido cujas mães se infectaram durante a gestação. A infecção na gravidez acarreta inúmeras complicações para a mãe, como aborto e natimorto (feto expulso morto) e para os recém-nascidos, como surdez, malformações cardíacas e lesões oculares.

Os sintomas da rubéola incluem febre baixa e inchaço dos nódulos linfáticos, acompanhados de exantema. A transmissão acontece de pessoa para pessoa, por meio das secreções expelidas pelo doente ao tossir, respirar, falar ou respirar.

Difteria
Doença transmissível aguda causada por bacilo que frequentemente se aloja nas amígdalas, na faringe, na laringe, no nariz e, ocasionalmente, em outras mucosas e na pele. A presença de placas branco-acinzentadas, aderentes, que se instalam nas amígdalas e invadem estruturas vizinhas é a manifestação clínica típica da difteria.

A transmissão acontece ao falar, tossir, espirrar ou por lesões na pele. Portanto, pelo contato direto com a pessoa doente. O período de incubação da difteria é, em geral, de um a seis dias, podendo ser mais longo. Já o período de transmissibilidade dura, em média, até duas semanas após o início dos sintomas.

Saiba quais são os sintomas do sarampo e como evitar

Saiba quais temporario

Foto: OMS/ONU/ABr

Vacinação é a melhor forma de evitar a doença.

A ocorrência de centenas de casos confirmados de sarampo em Manaus e Roraima e a morte de um bebê em Manaus deixaram o país em alerta. Outros três estados - Rio Grande do Sul, Rondônia e Rio de Janeiro - também já registraram pacientes com diagnóstico positivo para a doença. O Brasil não registrava casos desde 2014 e a volta da doença preocupa. O sarampo já foi uma das principais causas de mortalidade infantil no país e pode deixar sequelas neurológicas. O vírus provoca manchas vermelhas no corpo, febre alta, tosse, coriza, conjuntivite e pontos brancos na mucosa bucal.

A vacina contra o sarampo está disponível na rede pública. A mais comum é a Tríplice Viral, que protege ainda contra rubéola e caxumba. A Tetra Viral fornece ainda proteção adicional contra a varicela. São indicadas duas doses em um intervalo de um a dois meses. Em crianças, o intervalo deve ser um pouco maior, sendo a primeira dose entre os primeiros 12 e 15 meses de vida. De acordo com a médica Isabella Ballalai, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm): "Vacinar e combater a circulação do vírus não é só um ato individual, é um ato de solidariedade e de responsabilidade coletiva".

• Como se pega o sarampo? - O vírus é facilmente transmissível. A doença se dissemina de forma similar à gripe, por vias respiratórias, através de um espirro, tosse, beijo e também pelas mãos. Então, é fácil ocorrer um surto de sarampo. Ele se alastra rapidamente;

• Quais os riscos para quem contrai? - Em caso de suspeita, a pessoa precisa procurar uma unidade de saúde. Ela não deve usar medicamentos por conta própria. O sarampo não tem tratamento e o papel do sistema de saúde é dar suporte à pessoa. Pode ocorrer necessidade de hospitalização, mas é raro. Na maioria dos casos, o paciente fica em casa. Mas quadros graves ocorrem e a doença pode inclusive levar à morte;

• Como se proteger? - A única maneira eficaz é através da vacina. Crianças, adolescentes e adultos devem se imunizar não apenas para se protegerem, mas para proteger também os que não podem se vacinar e que são os que correm o maior risco de complicações e de terem quadros que evoluem ao óbito. Estamos falando de pessoas com câncer, pessoas que vivem com HIV e estão imunodeprimidas, pessoas que estão fazendo quimioterapia ou outro tratamento com drogas que causam imunossupressão;

• Quem já teve sarampo precisa se vacinar? - Não. Quem tem certeza que teve a doença não precisa. O sarampo não ocorre duas vezes;

• Quem não se lembra ou não sabe se foi vacinado precisa se vacinar? - Quem não tem certeza, mesmo que ache que já tenha se vacinado, deve se vacinar. Se não tem a carteirinha que comprove a vacinação, não há nenhum prejuízo para a saúde do indivíduo receber uma nova dose. Caso não tenham se vacinado na infância, pessoas com até 29 anos conseguem obter duas doses da vacina na rede pública. Já entre 30 e 49 anos, recebem uma dose apenas. O Ministério da Saúde opta por não vacinar maiores de 50 anos, porque a maioria das pessoas dessa faixa etária teve o sarampo na infância.

• Onde se vacinar? - Em postos de saúde espalhados pelas cidades. O Ministério da Saúde disponibiliza a vacina há muito tempo. É importante destacar que a vacina não é só para a criança. O adulto pode ser o responsável pelo início de um surto no país ou na sua região. Apenas uma minoria que recebe as duas doses não cria imunidade. São cerca de 2%. Mas se toda a população estiver vacinada, essas pessoas também estarão protegidas.

Há alguma situação em que a vacina não é recomendada, por exemplo, após o consumo álcool ou drogas? - Situações de vida comum, como o consumo de álcool, não contraindicam a vacinação. Uma das contraindicações é relacionada com as situações de imunodepressão. Grávidas não podem ser vacinadas. Para que estas pessoas fiquem protegidas, as demais precisam se vacinar;

• Qual estação do ano ocorre mais transmissão da doença? - Antigamente, o sarampo tinha maior ocorrência na primavera. Hoje, o que podemos dizer é que ambientes fechados ampliam as chances de disseminação das doenças que são transmitidas por via respiratória;

• Como está o cenário atual? - Temos atualmente surtos secundários decorrentes da importação do vírus. De 2000 a 2013, tivemos casos pontuais e todos importados. Não tivemos surtos. Em 2013, importamos o vírus, provavelmente da Europa, e tivemos surtos no Ceará e em Pernambuco. De 2014 pra cá, não tivemos mais casos. Em 2016, recebemos o certificado de erradicação da circulação do vírus do sarampo no país. E agora, em 2018, fomos surpreendidos pela importação da Venezuela. E temos uma preocupação grande quando vemos, por exemplo, casos em Porto Alegre, onde o vírus foi trazido de Manaus (ABr).

Mais artigos...

  1. Em minoria, mulheres buscam liderar negócios de inovação e tecnologia
  2. Lei de proteção de dados vai mudar cotidiano de cidadãos e empresas
  3. Estudo destaca papel central da música nos ritos de incorporação da Umbanda
  4. Cientistas vão treinar robôs para identificação automática de plantas
  5. Combate a Lampião quase entrou na Constituição de 1934
  6. Estudo aponta 30 profissões que estão surgindo com a indústria 4.0
  7. Na era Trump, imigrantes buscam espaço na política dos Estados Unidos
  8. Acompanhar tramitação de lei ainda é desafio
  9. O maravilhoso universo das plantas e a força dos nutrientes
  10. Junho deixou sementes de participação popular
  11. Número de brasileiros em áreas de risco passa de 8 milhões, diz IBGE
  12. Vida verde: benefícios do vegetarianismo e veganismo à saúde atraem cada vez mais brasileiros
  13. Uso de energia solar no campo cresce com usinas flutuantes
  14. Vinho é a bebida alcoólica preferida dos brasileiros na melhor idade, aponta pesquisa
  15. Músicos amadores criam grupos para reviver antigos sambas esquecidos
  16. Projetos buscam evitar tragédias como o desabamento de edifício em São Paulo
  17. Quilombo a 50 km de Brasília luta para manter território e identidade
  18. Lei Seca soma dados positivos após 10 anos, mas levanta questões
  19. Junho aumenta riscos de acidente com fogos e balões
  20. Dom Pedro I criou Supremo Tribunal com poderes esvaziados
  21. "Sem solução, quem matou terá carta branca", diz pai de Marielle
  22. Livro sobre intelectuais negros põe em xeque ideia de democracia racial no país
  23. Carro elétrico ainda espera incentivos para crescer no Brasil
  24. Cora Coralina é inspiração para artesãs e doceiras na Cidade de Goiás
  25. Ascensão e queda de José Bonifácio, o 'Patriarca da Independência'
  26. Brasil perdeu mais de 430 mil empregos na construção entre 2015 e 2016
  27. Desmatamento e ocupação desordenada ameaçam conservação do Cerrado
  28. Poluição sonora prejudica a saúde e preocupa especialistas
  29. Senado deve aprovar incentivo para combater cartéis
  30. Cade propõe medidas para reduzir preços dos combustíveis
  31. O Brasil ocupa o oitavo lugar no ranking de número de tabagistas no mundo
  32. Entenda a composição do preço da gasolina e do diesel no Brasil
  33. Guimarães Rosa é recriado em prosas, pinturas e bordados
  34. Verdades e mentiras sobre o Cadastro Positivo
  35. Estudo da USP mostra como o álcool em dose moderada protege o coração
  36. Brasil pretende atrair mão de obra estrangeira qualificada para o país
  37. Bossa nova completa 60 anos: conheça a história do gênero musical
  38. Saí da Igreja do Rosário, andei por São Paulo e tropecei na história
  39. País busca soluções para aumento de judicialização na saúde
  40. Divisão de tarefas domésticas ainda é desigual no Brasil
  41. Cuidar da saúde é principal motivação dos que se planejam para aposentadoria
  42. Economia brasileira ainda não sentiu efeitos da Copa 2018
  43. Senado e Câmara aprovaram Lei Áurea em apenas 5 dias
  44. Dimension Data e Cisco expandem tecnologia anticaça na África
  45. Proteção de dados ganha importância na política e economia no Brasil
  46. Mais de 80 mil brasileiros migraram para Portugal em busca de segurança
  47. A cinco meses das eleições, Câmara e Senado trabalham em ritmo lento
  48. Jornais noticiaram Esquadrão da Morte de acordo com clima político
  49. Famílias sonham com clínica-escola gratuita para autistas
  50. Senado avança na definição de código que defende contribuintes
  51. Livro explica o poder e a consolidação dos Estados Unidos
  52. Pediatras lançam campanha para elucidar mitos sobre saúde infantil
  53. Mais de 40% dos brasileiros até 14 anos vivem em situação de pobreza
  54. Um milhão de indígenas brasileiros buscam alternativas para sobreviver
  55. Cuba elege 1º presidente após 60 anos de governo dos irmãos Castro
  56. Oito em cada dez brasileiros não se preparam para aposentadoria
  57. Vida de Adoniran Barbosa é tema de documentário
  58. Proximidade entre animais domésticos e silvestres traz riscos de doenças a humanos
  59. IBGE: ricos receberam 36 vezes acima do que ganharam os pobres em 2017
  60. Pesquisa revela que 58% dos brasileiros não se dedicam às próprias finanças
  61. Os mano e as mina na mira dos homi
  62. Maior virtuose do bandolim é lembrado no seu centenário
  63. Ferramenta auxilia na preparação tática de goleiros
  64. "Eu tenho um sonho!" - morte de Martin Luther King completou 50 anos e ex-assessor relembra lutas
  65. Multiculturalismo no futebol deve se expandir em seleções europeias
  66. Dia da Constituição comemorou avanços na cidadania desde a independência do Brasil
  67. Três anos depois de aprovada, Lei do Feminicídio tem avanços e desafios
  68. BC: Selic deve voltar a ter redução em maio e cortes se encerram em junho
  69. Em busca de um novo modelo de gestão para o uso da água
  70. Lei poderá dar segurança ao Farmácia Popular
  71. Acesso dos pobres à água só é possível com controle social, dizem especialistas
  72. Por que as mulheres “desapareceram” dos cursos de computação?
  73. Interiorização de venezuelanos para São Paulo e Manaus começa em abril
  74. Relatório da Unesco sobre água propõe soluções baseadas na natureza
  75. Veja quem luta contra quem no conflito na Síria
  76. Surto de febre amarela desafia vigilância de epidemias
  77. São Paulo, uma metrópole para poucos
  78. Mesmo com decisão do TST, governo não descarta privatização dos Correios
  79. Documento único estará disponível em julho
  80. Mulheres são donas de 31% de empresas nos Estados Unidos
  81. IBGE: mulheres ganham menos que homens mesmo sendo maioria com ensino superior
  82. Cadastro Positivo: Entenda o que é e quais são os reais benefícios ao consumidor
  83. CNI recomenda desburocratização, educação e pesquisa para indústria crescer
  84. Seu próximo negócio poderá ser de outro planeta
  85. Soluções sertanejas ajudam a vencer a seca no semiárido nordestino
  86. Pesquisador destaca papel da irrigação na sustentabilidade ambiental
  87. Laser infravermelho ajuda a combater gordura no fígado
  88. Leis não alteraram perfil dos caminhoneiros no Brasil, mostra estudo
  89. Técnicas de redução de ansiedade ajudam a acertar pênaltis
  90. Cremes dentais não resolvem sozinhos erosão dental e hipersensibilidade dos dentes
  91. Pesquisa diz que, de 69 milhões de casas, só 2,8% não têm TV no Brasil
  92. Hábitos alimentares deram nova identidade a japoneses na Amazônia
  93. Vitória antitabagista
  94. Desmatamento vai aquecer clima do planeta mais que o estimado
  95. Medida Provisória que altera reforma trabalhista ainda não começou a tramitar
  96. De Picasso a Chagall – Conheça o Carnaval retratado na arte
  97. Portela lembra na avenida os imigrantes judeus que se instalaram no Recife
  98. Beija-Flor fecha grupo especial com desfile sobre monstros e seus criadores
  99. União da Ilha desfila os sabores da culinária brasileira
  100. Na Marquês de Sapucaí, Imperatriz conta enredo dos 200 anos do Museu Nacional