Crise pode limitar financiamento estudantil

As mudanças propostas pelo governo federal para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) mobilizaram intensamente o Congresso. Apresentada em 7 de julho, a Medida Provisória 785/2017, que reforma o Fies, recebeu 278 emendas de deputados e senadores

Edilson Rodrigues/Agência Senado

Faculdade em Taguatinga (DF): escolas precisam se adequar à MP.

André Falcão/Ag. Senado/Especial Cidadania

A comissão mista que analisa a MP já fez quatro das cinco audiências públicas programadas, discutindo o assunto com representantes de faculdades, estudantes, instituições financeiras e governo.

O presidente da comissão mista, senador Dalírio Beber (PSDB-SC), explicou que as novas regras vão adequar o programa à situação econômica.

— Sabemos das dificuldades que tem o país. Existe uma profunda crise fiscal. E o Fies está inserido nesse contexto. É necessário que reconheçamos que algumas coisas deverão ser acertadas no programa.

A questão fiscal é a principal preocupação do governo. A MP foi antecedida pela divulgação de um diagnóstico do Ministério da Fazenda que descreve o impacto do Fies sobre as contas públicas e aponta causas para a falta de sustentabilidade fiscal do modelo vigente. O ministério assinala que o número de contratos do Fies em vigor passou de 182 mil em 2009 para 1,9 milhão em 2015, um acréscimo de 280 mil matrículas em média por ano. A maior parte do aumento ocorreu a partir de 2012 (veja gráfico). Em relação às matrículas na rede privada, os contratos passaram de 5% em 2009 para 39% em 2015.

fies temproarioA causa desse forte aumento, segundo a Fazenda, foi a oferta de condições financeiras mais benéficas ao estudante, trazida por mudanças no programa feitas em 2010. Segundo o relatório, essas condições mais favoráveis “permitiram crescimento em ritmo incompatível com a disponibilidade de recursos no médio e longo prazo, bem como a transferência de parcela dos riscos de financiamento ao setor público”.

O ministro da Educação, Mendonça Filho, afirma que as regras propostas possibilitarão uma governança austera e gestão sustentável do Fies.

— Tínhamos um rombo fiscal sem controle e imprevisível, com inadimplência elevada na carteira de 46,4%, ante previsão de 10%. O risco do crédito era totalmente concentrado no Tesouro.

Mudanças
A MP muda as formas de concessão e pagamento do financiamento, altera o modelo de gestão, criando o Comitê Gestor do Fundo de Financiamento Estudantil, e inclui como fontes de recursos para o Fies os Fundos Constitucionais do Centro-Oeste, do Nordeste e do Norte.

Pela proposta do governo, a partir de 2018 a concessão de financiamentos pelo Fies terá três modalidades. Na primeira, serão até 100 mil vagas para estudantes com renda familiar de no máximo três salários mínimos. As mensalidades serão isentas de taxa de juros real e o financiamento, bancado com recursos do Tesouro.

Para as outras duas modalidades, voltadas a estudantes com renda familiar entre 3 e 5 salários mínimos, as taxas de juros serão de 3%, mais correção. Nessas modalidades serão oferecidas 150 mil vagas para Norte, Nordeste e Centro-Oeste, com recursos dos fundos constitucionais, e outras 60 mil para o restante do país, com recursos do BNDES ou de bancos privados. As taxas de juros anunciadas pelo governo, no entanto, não constam da MP sob a justificativa de que isso tornaria mais difíceis mudanças na regra diante de novos cenários econômicos.

493891e92b495925a451d40cbd1086de temproarioO início da amortização será imediato após a conclusão do curso. O governo propõe que o desconto das prestações possa ser feito diretamente no contracheque do beneficiário, logo que ele adquirir seu primeiro emprego formal. O desconto direto será limitado a 10% dos rendimentos. Caso a pessoa não tenha renda formal após a conclusão do curso, ela continuará pagando a taxa de coparticipação que já era paga ao longo dos anos de estudo.

Repercussão
Os debates, durante as audiências públicas, entre parlamentares e representantes dos setores afetados mostram, em linhas gerais, uma concordância sobre a utilidade do Fies para melhorar a educação no país e a necessidade de dar sustentabilidade fiscal ao programa. Mas as medidas encontram resistência.

Para a senadora Fátima Bezerra (PT-RN), o governo erra ao estabelecer o número máximo de contratos. Ela também criticou a extinção da carência de 18 meses para que os estudantes comecem a pagar as prestações após a formatura.

— Não podemos aceitar mudanças como reduzir os investimentos da União, na medida em que limita a oferta de vagas a apenas 100 mil. Isso está na contramão — protestou.

As discussões na comissão mostram tensão entre duas visões de financiamento estudantil: como política educacional ou como operação econômica. Ex-ministro da Educação, Luiz Claudio Costa argumentou que não se pode esperar retorno integral nesse tipo de crédito.

— O governo nunca pode ter 100% do que colocou porque, senão, não estamos falando de algo subsidiado, e sim de operação financeira. Isso é assim em qualquer política que tenha o cunho social de inclusão.

Costa acrescentou que os recursos destinados ao Fies correspondem a menos de 3% de todo o crédito público ofertado pelo Estado brasileiro.

De acordo com a MP, as universidades que antes contribuíam com 6,5% para o fundo garantidor do Fies agora passarão a contribuir com 13% no primeiro ano. A contribuição poderá variar entre 10% e 25% entre o segundo e o quinto ano do curso. A capacidade do fundo garantidor de absorver contratos inadimplentes vai passar de 10% para 25%. Se o índice for maior, o custo será repassado para as universidades.

O deputado Moses Rodrigues (PMDB-CE) acredita que o aumento da contribuição pode inviabilizar a participação das escolas no programa. Ou elas reajustam a mensalidade, ou não vão conseguir sustentabilidade financeira, avaliou.

Carência
A representante da União Nacional dos Estudantes (UNE), Bruna Brelaz, defendeu a necessidade de aperfeiçoamento do Fies, mas ressaltou que ele deve ser feito em prol do aluno.

— A diminuição do prazo de carência nos preocupa muito, porque prejudica o estudante que precisa estruturar sua vida profissional após o término da graduação. É contraditório com o período em que estamos vivendo, de crise econômica. Hoje o estudante sai da universidade e não consegue um emprego em três meses ou até mesmo em um ano — disse.
Catarina de Almeida, da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, vê na discussão da MP uma oportunidade para debater a permanência do programa de empréstimo subsidiado, que gira em torno de R$ 24 bilhões por ano, ou para pensar numa ação a longo prazo que possa expandir a educação superior pública.

— Temos a Meta 12 do PNE [Plano Nacional da Educação], que define que devemos aumentar em 50% o número de vagas na educação superior durante o decênio do PNE, sendo que, desses 50%, 40% das novas vagas precisam ser nas universidades públicas. As universidades federais precisam praticamente dobrar o número de vagas nos próximos dez anos. Hoje estamos fazendo o inverso.

A última audiência sobre a MP será Hoje (20), às 14h30, com representantes do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e dos Ministérios da Educação, da Fazenda e do Planejamento, entre outros.

Mais artigos...

  1. Gorduras boas: saiba a importância desses nutrientes e porque eles devem fazer parte do nosso dia a dia
  2. Mercado de trabalho dá sinais de recuperação no segundo trimestre
  3. Cientistas dizem que furacões como o Irma são evidência de aquecimento global
  4. Programa Identidade Jovem enfrenta baixa adesão e resistência dos empresários
  5. Crescimento de ataques virtuais acende alerta sobre suicídio
  6. Na Georgia, brasileiros criam rede de apoio e acolhem mais de 300 pessoas
  7. O Império do Brasil
  8. Cabelos fracos, quebradiços e com queda? A solução pode estar no cardápio
  9. Microplásticos ameaçam 529 espécies da fauna marinha em todo o mundo
  10. Enade: matrículas em instituições públicas crescem e rede privada tem redução
  11. Pesquisadores descrevem 381 novas espécies de animais e plantas da Amazônia
  12. Direito à saúde bucal pode virar lei
  13. Casa da Moeda: Economistas não acreditam que privatização traga risco de fraude
  14. Taxa de feminicídios no Brasil é a quinta maior do mundo
  15. Travessia longa até um trânsito civilizado no país
  16. Intestino preguiçoso: saiba quais alimentos consumir para evitar esse mal e ter uma vida saudável
  17. Cerca de 58% dos alunos da rede pública têm rendimento abaixo da média em matemática
  18. Pelo terceiro ano seguido, desemprego é a principal causa da inadimplência, mostra levantamento do SPC Brasil e CNDL
  19. De concurso de miss a maternidade, cadeirantes contam como resgataram autoestima
  20. Verba de multas poderá ir para o trânsito
  21. Como seria uma guerra entre EUA e Coreia do Norte?
  22. Fundo Amazônia vai investir R$ 150 milhões em novos projetos de conservação
  23. Duração de licença-paternidade reforça desigualdade na criação dos filhos
  24. Há 80 anos, União Nacional dos Estudantes faz história no país
  25. Barriga tanquinho: regra 80/20 é o segredo para conquistar e manter o abdômen definido
  26. Estudo mostra que o uso de etanol nos veículos reduz a poluição por nanopartículas
  27. Aleitamento materno ainda enfrenta obstáculos
  28. Segurança pública: solução depende de participação social
  29. “Memórias Póstumas de Brás Cubas” observa a condição humana
  30. Do sertão à ‘selva’ paulistana, o rito de passagem dos pankararu
  31. Dieta pós 40: veja o que deve mudar no cardápio para garantir vigor durante a meia idade
  32. Uerj pesquisa influência da atividade física das mães na obesidade dos filhos
  33. A desigualdade “racial” nas eleições
  34. Pediatras lançam guia para promover atividade física a criança e adolescente
  35. Sem aumento do PIS/Cofins, governo perde R$ 78 milhões por dia, diz AGU
  36. Pesquisa diz que a cada 16,8 segundos uma tentativa de fraude é aplicada no país
  37. O ano de 2016 bateu um novo recorde de deslocamentos forçados - Quais países mais geram refugiados pelo mundo?
  38. Pesquisa revela como o exercício físico protege o coração
  39. Laerte: heroína trans ou homem vestido de mulher?
  40. Declínio de Temer no exterior ajuda Macri a projetar Argentina
  41. O mundo, para as crianças, é a sua comunidade
  42. Misto de sentimentos marca saída dos militares brasileiros do Haiti
  43. Desemprego e informalidade assolam mulheres da América Latina
  44. Automedicação pode ter graves consequências
  45. Lei de Cotas em concurso é julgada constitucional, mas ainda motiva ações
  46. Migração: nova lei assegura direitos e combate a discriminação
  47. Grande São Paulo precisa controlar a emissão dos veículos a diesel
  48. O perfil dos corredores de rua amadores
  49. Há 100 anos, greve geral parou São Paulo
  50. Desvendando o cártamo: o que esse óleo pode fazer por sua dieta?
  51. Expectativa de vida de transexuais é de 35 anos, metade da média nacional
  52. Dalva de Oliveira
  53. Sem espaço adequado, Câmara guarda 1,2 mil obras de arte longe do público
  54. Doenças do inverno: Como fortalecer a alimentação e afastar os males típicos dessa época
  55. São Paulo precisa redescobrir a relação com seus rios
  56. Intervenções na Amazônia maquiam problemas, aponta pesquisador
  57. Plano Nacional de Educação completa três anos com apenas 20% das metas cumpridas
  58. Ao completar 9 anos, Lei Seca não impede que motoristas dirijam alcoolizados
  59. COOs e CTOs: corram para as montanhas!
  60. Crianças com microcefalia têm atendimento especializado
  61. Cruz Vermelha alerta para retorno da guerra urbana no Oriente Médio
  62. O que você come à noite pode atrapalhar o emagrecimento?
  63. Brasil registra aumento de trabalho infantil entre crianças de 5 a 9 anos
  64. Senado do Império estudou transposição do Rio São Francisco
  65. Projeto reacende debate sobre alimentos transgênicos
  66. Lei cria documento único de identificação nacional
  67. Pesquisa e desenvolvimento são principais ferramentas para eficiência energética
  68. Cidades costeiras são mais vulneráveis a mudanças do clima
  69. As empresas precisam “sair do armário”
  70. Eleitores jovens se afastam da democracia tradicional
  71. Brasil poderá ter evento nacional destinado à prevenção do suicídio
  72. Brasil reduz mortalidade materna, mas continua longe do ideal, diz especialista
  73. Consumo excessivo de álcool na balada expõe homens e mulheres a riscos diferentes
  74. Conheça as regras para adotar uma criança no Brasil
  75. Ciclovias em expansão influenciam mercado imobiliário de São Paulo
  76. Em dias de intolerância, pesquisadores destacam valor das mensagens de Gentileza
  77. O fim do carro próprio?
  78. Congresso avalia projetos para atender configurações familiares modernas
  79. BGE: 123 milhões de jovens com 15 anos ou mais não praticam esporte no Brasil
  80. Metabolismo lento: como identificar e reverter o problema que pode prejudicar a perda de peso
  81. Temer nega ampliação da faixa de isenção do Imposto de Renda
  82. Sinal verde para o emagrecimento: combine chá e café para turbinar a queima de gordura
  83. Tese revela luta das brasileiras por direitos civis e trabalhistas
  84. Estudo investiga como vida conjugal influencia carreira feminina
  85. Maio Amarelo quer reduzir acidentes e vítimas de trânsito
  86. Reposição de vitaminas na terceira idade: o que é fundamental para manter o vigor e garantir mais saúde?
  87. Dorival Caymmi, a pedra que ronca no meio do mar
  88. Em São Paulo, 97,8% dos idosos não conseguem atravessar a rua no tempo dos semáforos
  89. Direito do preso de trabalhar é realidade só para minoria
  90. 10 alimentos para aliviar os sintomas do estresse e da ansiedade
  91. Veja o que muda com a reforma trabalhista aprovada na Câmara
  92. Mulheres podem ter direito a escolher o alistamento militar
  93. Cardápio energizante: Como vencer o cansaço e a fraqueza causados pela má alimentação
  94. Um em cada dez estudantes no Brasil é vítima frequente de bullying
  95. Livros infantis ganham espaço no mercado brasileiro
  96. Pesquisas resgatam história genética de remanescentes de quilombos
  97. Gorduras do bem: Conheça os diferentes tipos de Ômega e saiba porque eles são itens obrigatórios no cardápio
  98. Direto da Amazônia, livro revela como a castanha-do-pará ganhou o mundo
  99. Modo de vida camponês ainda resiste entre pequenos agricultores
  100. São Paulo de Todos os Tempos e o sentido de respeito à cidade