Animais criados livres no Pampa fornecem carne mais saudável

A carne de bovinos criados livres no Pampa é mais saudável do ponto de vista nutricional

Animais ciados temproario

Fotos: Keke Barcelos

A alimentação dos animais, composta pela rica variedade dos pastos naturais,
dá origem a um produto com perfil de gordura mais saudável.

Felipe Rosa/Embrapa Pecuária Sul

Além do importante fornecimento de nutrientes como ferro e vitaminas do complexo B, a proteína desses animais apresenta maiores teores de ômega 3, se comparada aos criados em confinamento. As pesquisas que comprovam isso são referenciadas pelo Laboratório de Ciência e Tecnologia de Carne da Embrapa Pecuária Sul, sob liderança da pesquisadora Élen Nalério, e mostram que a carne produzida nos campos naturais do bioma Pampa tem perfis de gorduras benéficos aos consumidores.

“No Pampa, a alimentação dos animais, composta em sua maior parte pela rica variedade dos pastos naturais, dá origem a um produto com perfil de gordura mais saudável, já que possui mais ômega 3 do que ômega 6”, explica a cientista. Essa razão de ômega 6 por ômega 3 é equilibrada quando está em níveis de até 4:1. No entanto, as dietas das populações ocidentais se caracterizam por terem relações entre ômega 6 e 3 de até 15:1, o que representa potencial risco para desenvolvimento de doenças cardiovasculares, autoimunes e outras doenças inflamatórias. Fato derivado do aumento do consumo de carboidratos pelos humanos, principalmente os cereais.

“O mesmo ocorre na alimentação dos ruminantes. Quando eles são alimentados com dietas baseadas em forragens, nos fornecem carnes com maior teor de ácidos graxos do tipo ômega 3. Paralelo a isso, animais terminados com dietas mais intensivas, com altos teores de grãos, rendem carnes com maior teor de ômega 6. Importante frisar que a dieta do homem, antes do advento da agricultura moderna, era composta de uma relação perfeita entre ômega 6 e ômega 3, de 1:1”, destaca Nalério.

Produtos diferentes
É no campo que quase tudo acontece, com a alimentação do animal cumprindo papel determinante nesse processo. “O sistema de criação e terminação do animal interfere diretamente nas características da carne. Entre um extremo, de produção extensiva, somente com pastagens, até o outro extremo, de confinamento total, com alimentação por grãos, há a formação de produtos totalmente diferentes”, afirma a pesquisadora.

17509975 temproario

Foto: Divulgação

 

Essa diferença se dá não apenas no tipo de gordura formada. “Os bovinos são animais naturalmente prontos para fazer a digestão de fibras, de pasto. Para fazer a digestão de grãos, eles precisam passar por uma adaptação. Essa variação de alimentação faz com que sejam formadas gorduras totalmente diferentes, e isso interfere também no sabor e no aroma do produto”, ressalta a pesquisadora.

Enquanto a carne produzida nos campos tem uma cor viva e gordura mais amarelada, a de confinamento é mais pálida e possui gordura mais branca. “O pasto tem carotenoides, que conferem a cor amarela à gordura. Já a cor da carne sofre influência de maior ou menor presença das mioglobinas. O animal no pasto caminha mais, e precisa oxigenar a musculatura, o que aumenta o teor de mioglobina e origina a cor vermelha mais intensa na carne”, explica a cientista.

Oportunidade de diferenciação no mercado
A pesquisadora ressalta que não há como afirmar que a carne produzida no Pampa é melhor, uma vez que a avaliação envolve diversos fatores subjetivos. “No entanto, podemos garantir que ela é diferenciada por vários motivos. Um deles é que a alimentação do gado nos campos nativos pode formar um tipo de gordura com melhor qualidade nutricional, que é uma característica que tem despertado grande interesse do público”, conta a cientista.

“O perfil lipídico dessa carne é comprovadamente mais saudável. Isso é um diferencial importante que pode e deve ser trabalhado como oportunidade de valorização no mercado”, recomenda. Conforme a chefe de Transferência de Tecnologia da Embrapa Pecuária Sul, Estefanía Damboriarena, diversas iniciativas de valorização dessa carne por meio da diferenciação com uso de marcas coletivas já estão em andamento.
"Temos como exemplo a Alianza del Pastizal, que coloca produtos com sua marca em uma grande rede de supermercados; a Apropampa, que está em fase de negociação para colocar no mercado produtos com uma marca coletiva; além das iniciativas das Associações de Raças, como a Associação Brasileira de Criadores de Hereford e Braford e Associação Brasileira de Criadores de Angus,” conta.

IMG-20171016-WA0077 temproario

Fotos: Divulgação

 

Relação histórica entre a pecuária e o Pampa
Debate intenso na atualidade, a forma de produção animal cada vez mais interfere na decisão do consumidor no momento da compra. Pesquisas já demonstraram que o cliente está disposto a pagar mais por produtos saudáveis, nutritivos e produzidos de forma sustentável, ainda que o sabor provado não seja aquele ao qual está mais acostumado.

“Existe um forte conceito na produção de carne na região do Pampa: o animal é criado livre, a presença da pecuária nesses campos ajudou a preservar o bioma, sua fauna e flora, além de ter constituído a história e a cultura do povo. O bioma é adaptado para a pecuária: aqui se conserva produzindo”, conta a pesquisadora da Embrapa.

Pastagem bem manejada acumula carbono
Associada frequentemente a emissões de gases de efeito estufa (GEE), a pecuária praticada no Pampa tem mostrado uma outra faceta. Pesquisas da Embrapa mostram que há um balanço positivo e sustentável entre o que é emitido de GEE pelos animais e o que de carbono é fixado pelas raízes das plantas.

“Nossas pesquisas comprovam que os animais terminados em pastagens naturais bem manejadas, além de emitirem menos metano, estão em um sistema que acumula bastante carbono, prestando assim um importante serviço ecossistêmico”, explica a pesquisadora da Embrapa Cristina Genro. Durante um ano, os cientistas mediram as emissões de metano em novilhos da raça Hereford submetidos a diferentes níveis de intensificação em pastagens naturais do Pampa.

Os animais permaneceram em campo nativo com ajuste de carga para 12% PV (12 quilos de pasto seco para cada 100 quilos de peso vivo animal), com três níveis de intensidade de utilização: campo natural, campo natural fertilizado e campo natural fertilizado e sobressemeado com azevém e trevo-vermelho. Nesse último nível é que foram registradas as menores emissões de metano por animal, 31,6 kg/ano. Já no campo natural fertilizado a emissão foi de 42,8 kg/ano e no campo natural foi de 46,35 kg/ano.

“É importante ressaltar que as estimativas do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) são de uma emissão de 56 kg/ano de metano por animal dessa mesma categoria no Brasil. Ou seja, os resultados mostram que a emissão de metano por animal no bioma Pampa é bem inferior à estimada pelo IPCC”, afirma Cristina, coordenadora do Projeto Pecus no bioma Pampa. Segundo a cientista, se for multiplicada essa diferença por milhões de cabeças de bovinos criadas no Pampa, o montante de metano emitido pelos animais ficaria extremamente menor do que aquele preconizado pelo organismo internacional.

Mais de dois séculos de pecuária extensiva

O bioma Pampa é formado basicamente por campos naturais com rica biodiversidade de espécies vegetais e animais. Nesse cenário, há mais de dois séculos vem sendo praticada a pecuária, atividade econômica que utiliza os recursos naturais de forma sustentável, contribuindo para manutenção do ecossistema. Estudos apontam a existência de cerca de 450 espécies de gramíneas e 150 de leguminosas, muitas delas com enorme potencial forrageiro.

Pesquisas realizadas na Embrapa Pecuária Sul apontam que a exploração sustentável desse ambiente campestre pode ser uma estratégia muito bem-sucedida para a produção pecuária na região. Para o pesquisador da Embrapa José Pedro Trindade, o manejo do campo nativo é o segredo para o desenvolvimento de uma pecuária rentável, com qualidade e que preserve o meio ambiente.

Ou seja, a interação entre o produtor e o meio ambiente é essencial para que a atividade obtenha êxito. “Nós estamos propondo um novo olhar do produtor em relação ao campo nativo. Um reconhecimento da riqueza dos recursos naturais dos campos sul-brasileiros e do seu potencial que possa resultar em processos produtivos duráveis e de qualidade”, ressalta.

A conservação dos campos é também responsável por uma série de serviços ambientais. De acordo com o pesquisador da Embrapa Leandro Volk, entre esses serviços, a riqueza de espécies do campo, quando bem manejada, proporciona a conservação e a manutenção de vida do solo. “A diversidade de tipos e formas de raízes das espécies, mesmo as sem valor forrageiro, proporciona maior infiltração e armazenamento de água no solo, entre outros serviços”, finaliza.

Mais artigos...

  1. Primeiro transhomem a ser operado no Brasil, João Nery prepara livro
  2. Avança o Indicador de inadimplência do consumidor; país tem 62,9 milhões de negativados
  3. Filtro colorido aumenta velocidade de leitura de crianças com dislexia
  4. Manual ensina a cuidar da saúde bucal de crianças com autismo
  5. Iniciativas do Judiciário combatem e reparam violência contra a mulher
  6. Epidemia de gripe espanhola no Brasil mata presidente, faz escolas aprovarem todos os alunos e leva à criação da caipirinha
  7. Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971
  8. Museu do Ipiranga questiona os sentidos da independência
  9. Governo vai liberar recursos emergenciais para o Museu Nacional no Rio
  10. Alunos deixam ensino fundamental com desempenho pior do que entraram
  11. Câmara discute propostas polêmicas sobre orgânicos e agrotóxicos
  12. Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil
  13. Foco de instabilidade, impacto migratório é desafio em Pacaraima
  14. Há 55 anos, Senado ajudou a derrubar parlamentarismo
  15. Especialistas debatem soluções tecnológicas para ajudar o agronegócio
  16. Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato chegam a 10 mil
  17. Merenda escolar é vigiada no país por 80 mil “detetives”
  18. Dos 27,4 mil registros de candidaturas, 8,4 mil são de mulheres
  19. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa_2
  20. Subutilização da força de trabalho atinge 27,6 milhões no Brasil
  21. Ofensiva contra o lixo: país se engaja em debate sobre a coleta seletiva
  22. Seis em cada dez crianças no Brasil vivem na pobreza, diz Unicef
  23. Manifestações afros são incorporadas à cultura sem valorização dos negros
  24. Ruy Barbosa desafiou elite e fez 1a campanha eleitoral moderna
  25. Sarampo: especialista alerta sobre a importância da vacinação
  26. Casos de suicídio motivam debate sobre saúde mental nas universidades
  27. Mortes de presos aumentam 10 vezes em quase vinte anos no Rio
  28. Petróleo, combustíveis e Refis reforçam receitas da União este ano
  29. Mulheres que fizeram aborto relatam momentos de medo e desespero
  30. Supremo Tribunal Federal debate hoje a descriminalização do aborto
  31. 44% dos empresários do varejo e de serviços estão otimistas com economia para o segundo semestre
  32. Ecossistemas tropicais abrigam mais de três quartos das espécies de plantas e animais
  33. Metade dos docentes no país não recomenda a própria profissão
  34. Projeto cria regras para proteger dados pessoais
  35. Censo mostra aumento da área destinada à agricultura no país
  36. População brasileira deve chegar a 233,2 milhões em 2047, diz IBGE
  37. Construtoras acreditam em multa maior por distrato; Procons condenam
  38. Museu Paulista e Sesc Ipiranga apresentam “Papéis Efêmeros”
  39. Radiografia do ativismo indica revitalização do papel político das cidades
  40. Canecão foi referência para música brasileira e revelou grandes nomes
  41. Saúde alerta que as baixas coberturas vacinais acendem a luz vermelha
  42. Em minoria, mulheres buscam liderar negócios de inovação e tecnologia
  43. Lei de proteção de dados vai mudar cotidiano de cidadãos e empresas
  44. Estudo destaca papel central da música nos ritos de incorporação da Umbanda
  45. Cientistas vão treinar robôs para identificação automática de plantas
  46. Combate a Lampião quase entrou na Constituição de 1934
  47. Estudo aponta 30 profissões que estão surgindo com a indústria 4.0
  48. Na era Trump, imigrantes buscam espaço na política dos Estados Unidos
  49. Acompanhar tramitação de lei ainda é desafio
  50. O maravilhoso universo das plantas e a força dos nutrientes
  51. Junho deixou sementes de participação popular
  52. Número de brasileiros em áreas de risco passa de 8 milhões, diz IBGE
  53. Vida verde: benefícios do vegetarianismo e veganismo à saúde atraem cada vez mais brasileiros
  54. Uso de energia solar no campo cresce com usinas flutuantes
  55. Vinho é a bebida alcoólica preferida dos brasileiros na melhor idade, aponta pesquisa
  56. Músicos amadores criam grupos para reviver antigos sambas esquecidos
  57. Projetos buscam evitar tragédias como o desabamento de edifício em São Paulo
  58. Quilombo a 50 km de Brasília luta para manter território e identidade
  59. Lei Seca soma dados positivos após 10 anos, mas levanta questões
  60. Junho aumenta riscos de acidente com fogos e balões
  61. Dom Pedro I criou Supremo Tribunal com poderes esvaziados
  62. "Sem solução, quem matou terá carta branca", diz pai de Marielle
  63. Livro sobre intelectuais negros põe em xeque ideia de democracia racial no país
  64. Carro elétrico ainda espera incentivos para crescer no Brasil
  65. Cora Coralina é inspiração para artesãs e doceiras na Cidade de Goiás
  66. Ascensão e queda de José Bonifácio, o 'Patriarca da Independência'
  67. Brasil perdeu mais de 430 mil empregos na construção entre 2015 e 2016
  68. Desmatamento e ocupação desordenada ameaçam conservação do Cerrado
  69. Poluição sonora prejudica a saúde e preocupa especialistas
  70. Senado deve aprovar incentivo para combater cartéis
  71. Cade propõe medidas para reduzir preços dos combustíveis
  72. O Brasil ocupa o oitavo lugar no ranking de número de tabagistas no mundo
  73. Entenda a composição do preço da gasolina e do diesel no Brasil
  74. Guimarães Rosa é recriado em prosas, pinturas e bordados
  75. Verdades e mentiras sobre o Cadastro Positivo
  76. Estudo da USP mostra como o álcool em dose moderada protege o coração
  77. Brasil pretende atrair mão de obra estrangeira qualificada para o país
  78. Bossa nova completa 60 anos: conheça a história do gênero musical
  79. Saí da Igreja do Rosário, andei por São Paulo e tropecei na história
  80. País busca soluções para aumento de judicialização na saúde
  81. Divisão de tarefas domésticas ainda é desigual no Brasil
  82. Cuidar da saúde é principal motivação dos que se planejam para aposentadoria
  83. Economia brasileira ainda não sentiu efeitos da Copa 2018
  84. Senado e Câmara aprovaram Lei Áurea em apenas 5 dias
  85. Dimension Data e Cisco expandem tecnologia anticaça na África
  86. Proteção de dados ganha importância na política e economia no Brasil
  87. Mais de 80 mil brasileiros migraram para Portugal em busca de segurança
  88. A cinco meses das eleições, Câmara e Senado trabalham em ritmo lento
  89. Jornais noticiaram Esquadrão da Morte de acordo com clima político
  90. Famílias sonham com clínica-escola gratuita para autistas
  91. Senado avança na definição de código que defende contribuintes
  92. Livro explica o poder e a consolidação dos Estados Unidos
  93. Pediatras lançam campanha para elucidar mitos sobre saúde infantil
  94. Mais de 40% dos brasileiros até 14 anos vivem em situação de pobreza
  95. Um milhão de indígenas brasileiros buscam alternativas para sobreviver
  96. Cuba elege 1º presidente após 60 anos de governo dos irmãos Castro
  97. Oito em cada dez brasileiros não se preparam para aposentadoria
  98. Vida de Adoniran Barbosa é tema de documentário
  99. Proximidade entre animais domésticos e silvestres traz riscos de doenças a humanos
  100. IBGE: ricos receberam 36 vezes acima do que ganharam os pobres em 2017

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP