Mais de 40% dos brasileiros até 14 anos vivem em situação de pobreza

O número representa 17,3 milhões de jovens, aponta estudo da Abrinq

 mais temporario

As regiões mais pobres concentram os piores indicadores de educação, de acesso
à água e saneamento, e de acesso a creches.

Camila Boehm/Agência Brasil

Mais de 40% de crianças e adolescentes de até 14 anos vivem em situação domiciliar de pobreza no Brasil, o que representa 17,3 milhões de jovens. Em relação àqueles em extrema pobreza, o número chega a 5,8 milhões de jovens, ou seja, 13,5%. O que caracteriza a população como pobres e extremamente pobres é rendimento mensal domiciliar per capita de até meio e até um quarto de salário mínimo, respectivamente.

Os dados são da publicação “Cenário da Infância e da Adolescência no Brasil”, que foi divulgado ontem (24) pela Fundação Abrinq. O estudo relaciona indicadores sociais aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da ONU, compromisso global para a promoção de metas de desenvolvimento até 2030, do qual o Brasil é signatário junto a outros 192 países.

“Algumas metas [dos ODS] certamente o Brasil não vai conseguir cumprir, a menos que invista mais em políticas públicas voltadas para populações mais vulneráveis. Sem investimento, fica muito difícil cumprir esse acordo”, avaliou Heloisa Oliveira, administradora executiva da Fundação Abrinq. “Se não houver um investimento maciço em políticas sociais básicas voltadas à infância, ficamos muito distantes de cumprir o acordo”.

Um dos exemplos de metas difíceis de serem cumpridas está relacionada à educação, mais especificamente ao acesso à creche. “Você tem uma meta, que entra no Plano Nacional de Educação [PNE], de oferecer vagas para 50% da população de 0 a 3 anos [até 2024]. Se você não aumentar o investimento e a oferta de vagas em creches – hoje estamos com 27% de cobertura –, não chegaremos em 50% para atender o PNE. Essa é também uma meta dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável [da ONU]”, explica Heloisa.

bfca56 temporarioOutra meta distante do cumprimento é sobre a erradicação do trabalho infantil. “O acordo [com a ONU] prevê que, até 2025, os países erradiquem todo tipo de trabalho escravo e trabalho infantil. Nós [Brasil] ainda temos 2,5 milhões crianças em situação de trabalho. Se não houver investimento na erradicação do trabalho infantil, essa meta certamente não vai ser alcançada”, avaliou.

Jovens vulneráveis
Segundo Heloisa, o relatório ressalta o quanto os jovens são vulneráveis à pobreza. Ela compara que, enquanto as crianças e adolescentes representam cerca de 33% da população brasileira, entre os mais pobre esse patamar é maior. “Se você fizer um recorte pela pobreza cruzado com a idade, você vai perceber que entre a população mais pobre tem um contingente ainda maior de crianças e adolescentes [40,2%]. Esse é um ponto importante que ressalta o quanto as crianças são vulneráveis à pobreza”, diz.aac temporario

A representante destaca ainda a importância de analisar os indicadores do ponto de vista regional, uma vez que a média nacional não reflete o que se passa nas regiões mais pobres. Em relação à renda, o Nordeste e o Norte continuam apresentando os piores cenários, com 60% e 54% das crianças, respectivamente, vivendo na condição de pobreza, enquanto a média nacional é de 40,2%.

“Quando olhamos para uma média nacional, tendemos a achar que a realidade está um pouco melhor do que de fato ela está. O Brasil é um país muito grande, muito desigual, então se você olhar os dados regionais, vai ver que as regiões mais pobres concentram os piores indicadores de educação, de acesso à água e saneamento, de acesso a creches, por exemplo”.

Violência
O relatório mostra que 18,4% dos homicídios cometidos no Brasil em 2016 vitimaram menores de 19 anos de idade, um total de 10.676. A maioria desses jovens (80,7%) foi assassinada por armas de fogo. O Nordeste concentra a maior proporção de homicídios de crianças e jovens por armas de fogo (85%) e supera a proporção nacional, com 19,8% de jovens vítimas de homicídios sobre o total de ocorrências na região.

istock637482404 temporarioA violência é a consequência da falta do investimento nas outras políticas sociais básicas, segundo Heloisa. “Os outros índices influenciam diretamente a estatística da violência. Se você investir na manutenção das crianças e adolescentes na escola até completar a educação básica – que está prevista na lei brasileira, que seria até 17 anos –, se investir na proteção das famílias, na disponibilização de atividades e espaços esportivos para crianças e adolescentes, você vai ter um número muito menor de jovens envolvidos com a violência”, conclui

Heloisa destaca que há uma relação direta dos altos índices de violência com as estatísticas de pobreza. “A prova de que isso é uma relação direta é que, entre esses 10,6 mil crianças e adolescentes assassinados [em 2016], a maioria deles, mais de 70%, são jovens negros, pobres e que vivem em periferia. Portanto, são adolescentes que vivem em situação de vulnerabilidade social, ou seja, poderia ser evitado com investimento em enfrentamento da pobreza, melhorando a qualidade de moradia, educação e saúde”, acrescenta.

Para reduzir a violência e os homicídios nessa faixa etária, Heloisa alerta que não basta investir em segurança pública. “O melhor indicador da segurança pública é a evasão escolar zero”, diz. Ela cita um estudo, realizado pelo sociólogo Marcos Rolim, do Rio Grande do Sul, com jovens que ficaram na escola e outros que saíram precocemente. “O resultado que ele encontrou é que os jovens que permanecem na escola não se envolvem com violência, portanto, há uma relação direta e o melhor investimento para segurança pública é a escolarização, é a manutenção dessas crianças na escola”.

Os indicadores selecionados para o Cenário da Infância e da Adolescência podem ser encontrados no portal criado pela Fundação Abrinq Observatório da Criança e do Adolescente.

Mais artigos...

  1. Um milhão de indígenas brasileiros buscam alternativas para sobreviver
  2. Cuba elege 1º presidente após 60 anos de governo dos irmãos Castro
  3. Oito em cada dez brasileiros não se preparam para aposentadoria
  4. Vida de Adoniran Barbosa é tema de documentário
  5. Proximidade entre animais domésticos e silvestres traz riscos de doenças a humanos
  6. IBGE: ricos receberam 36 vezes acima do que ganharam os pobres em 2017
  7. Pesquisa revela que 58% dos brasileiros não se dedicam às próprias finanças
  8. Os mano e as mina na mira dos homi
  9. Maior virtuose do bandolim é lembrado no seu centenário
  10. Ferramenta auxilia na preparação tática de goleiros
  11. "Eu tenho um sonho!" - morte de Martin Luther King completou 50 anos e ex-assessor relembra lutas
  12. Multiculturalismo no futebol deve se expandir em seleções europeias
  13. Dia da Constituição comemorou avanços na cidadania desde a independência do Brasil
  14. Três anos depois de aprovada, Lei do Feminicídio tem avanços e desafios
  15. BC: Selic deve voltar a ter redução em maio e cortes se encerram em junho
  16. Em busca de um novo modelo de gestão para o uso da água
  17. Lei poderá dar segurança ao Farmácia Popular
  18. Acesso dos pobres à água só é possível com controle social, dizem especialistas
  19. Por que as mulheres “desapareceram” dos cursos de computação?
  20. Interiorização de venezuelanos para São Paulo e Manaus começa em abril
  21. Relatório da Unesco sobre água propõe soluções baseadas na natureza
  22. Veja quem luta contra quem no conflito na Síria
  23. Surto de febre amarela desafia vigilância de epidemias
  24. São Paulo, uma metrópole para poucos
  25. Mesmo com decisão do TST, governo não descarta privatização dos Correios
  26. Documento único estará disponível em julho
  27. Mulheres são donas de 31% de empresas nos Estados Unidos
  28. IBGE: mulheres ganham menos que homens mesmo sendo maioria com ensino superior
  29. Cadastro Positivo: Entenda o que é e quais são os reais benefícios ao consumidor
  30. CNI recomenda desburocratização, educação e pesquisa para indústria crescer
  31. Seu próximo negócio poderá ser de outro planeta
  32. Soluções sertanejas ajudam a vencer a seca no semiárido nordestino
  33. Pesquisador destaca papel da irrigação na sustentabilidade ambiental
  34. Laser infravermelho ajuda a combater gordura no fígado
  35. Leis não alteraram perfil dos caminhoneiros no Brasil, mostra estudo
  36. Técnicas de redução de ansiedade ajudam a acertar pênaltis
  37. Cremes dentais não resolvem sozinhos erosão dental e hipersensibilidade dos dentes
  38. Pesquisa diz que, de 69 milhões de casas, só 2,8% não têm TV no Brasil
  39. Hábitos alimentares deram nova identidade a japoneses na Amazônia
  40. Vitória antitabagista
  41. Desmatamento vai aquecer clima do planeta mais que o estimado
  42. Medida Provisória que altera reforma trabalhista ainda não começou a tramitar
  43. De Picasso a Chagall – Conheça o Carnaval retratado na arte
  44. Portela lembra na avenida os imigrantes judeus que se instalaram no Recife
  45. Beija-Flor fecha grupo especial com desfile sobre monstros e seus criadores
  46. União da Ilha desfila os sabores da culinária brasileira
  47. Na Marquês de Sapucaí, Imperatriz conta enredo dos 200 anos do Museu Nacional
  48. Haitianos são maioria entre os imigrantes no mercado formal brasileiro
  49. 60% das lesões no futebol atingem as coxas e joelhos
  50. Mídia representa pessoas em situação de rua de forma negativa
  51. Rap e jazz facilitam formação cultural e engajamento na escola
  52. Nova lei dá esperança a quem aguarda adoção
  53. Conheça 10 receitas 'italianas' que só existem no Brasil
  54. Brasileiros beneficiados pelo Daca vivem incerteza nos Estados Unidos
  55. Aumento de bilionários em 2017 poderia acabar com a extrema pobreza por 7 vezes
  56. Confira dez perguntas e curiosidades sobre a febre amarela
  57. Cai percepção de piora da economia entre comerciantes
  58. O escritor portenho Jorge Luis Borges continua dando o que falar
  59. Hepatite A: saiba como se pega o vírus, quais são os sintomas e tratamentos
  60. Queda da inflação beneficiou mais a classe de renda baixa, diz Ipea
  61. Psicanálise também tem lugar para pessoas em vulnerabilidade social
  62. Pesquisa identifica populações mais vulneráveis a transtornos mentais graves
  63. Promoções impulsionam comércio e vendas no varejo cresceram 0,7% em novembro
  64. Etanol brasileiro pode substituir 13,7% do petróleo consumido no mundo
  65. Eleições e Copa do Mundo devem afetar pauta de votações no Congresso
  66. Livro em tupi moderno busca fortalecer o idioma na Amazônia
  67. Retrospectiva/2017: Fim da recessão, queda de juros e da inflação marcaram a economia
  68. Retrospectiva/2017: O ano dos ataques cibernéticos
  69. Retrospectiva/2017: O ano em que o Brasil mostrou que se importa com a Amazônia
  70. Lado brasileiro de Itaipu também poderá ser reserva de biosfera da Unesco
  71. Simplificar para melhorar (e muito): a urgente Reforma Tributária
  72. Fake news e controle na internet são desafios para as eleições de 2018
  73. Condições de vida são mais baixas em áreas longe dos centros
  74. Bichos de pelúcia substituem animais de laboratório em aulas na USP
  75. IBGE: 50 milhões de brasileiros vivem na linha de pobreza
  76. Em 2015 sete municípios respondiam por 25% do PIB do país, mostra IBGE
  77. País ainda precisa avançar no combate ao racismo
  78. Com política eficiente, país pode reverter prazo para cumprir objetivos estipulados pela ONU
  79. 70 anos da maior descoberta arqueológica bíblica: Manuscritos do Mar Morto
  80. Bitcoin passa de US$ 13 mil e vira 'desejo de consumo'
  81. Pesquisa do IBGE mostra trabalho "invisível" feito em 2016 no país
  82. Divórcio demorou a chegar no Brasil
  83. Prédios públicos ficam vermelhos contra a aids
  84. Estudo resgata a história do Movimento do Custo de Vida
  85. Anabolizantes comprometem funcionalidade do “colesterol bom”
  86. Presença de árvores reduz casos de câncer de pulmão em idosos
  87. Proximidade do verão aciona alerta para desastres naturais
  88. Nova lei regula situação de estrangeiros no país
  89. SP e Prefeitura de Humaitá atendem ribeirinhos no Amazonas
  90. O desaparecimento de pessoas é um problema grave, que atinge milhares de famílias no Brasil
  91. Alimentos e cosméticos podem ter alerta sobre substância cancerígena_02
  92. OIT diz que há mais de 70 milhões de jovens desempregados no mundo
  93. Lixo no mar brasileiro vai de drogas a plástico
  94. Livro 'Vestígios da Memória' mostra a riqueza da arquitetura paulista
  95. Atenção dos pais pode reduzir risco de abuso de drogas na adolescência
  96. Reforma trabalhista entrou em vigor neste sábado com novas formas de contratação
  97. Alimentos e cosméticos podem ter alerta sobre substância cancerígena
  98. Dois anos depois, atingidos por barragem em Mariana ainda não foram indenizados
  99. População não entende rótulos, diz pesquisa
  100. Ética no esporte: uma poderosa ferramenta de formação de caráter
Mais Lidas