ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Reforma trabalhista formalizou mais empregos, mas continua contestada

No inicio de novembro, a reforma trabalhista completou seu primeiro ano. A Lei 13.467, de 2017, foi o mais profundo conjunto de alterações já realizado nos dispositivos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e representou uma das principais medidas tomadas pelo governo Michel Temer, que se encerrará no fim do ano

imagem materia 01 14 12 2018 temproario

Imagens: Jose Cruz/Agencia Brasil

Senador Paulo Paim (4º à esq.) preside debate na Subcomissão Temporária do Estatuto do Trabalho: colegiado realizou 23 audiências públicas desde agosto de 2017.

Guilherme Oliveira/Ag. Senado/Especial Cidadania

Para a aprovação da proposta, foram quase sete meses de intensas discussões no Congresso e mais de 1.600 emendas apresentadas pelos parlamentares. No Senado, um dos pareceres emitidos pelas comissões temáticas rejeitava o projeto (PLC 38/2017). O relatório do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), favorável ao texto, foi rejeitado pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS), que aprovou o voto em separado de Paulo Paim (PT-RS) em junho. Mesmo assim, a reforma foi aprovada em outras comissões e em Plenário, e promulgada em julho de 2017.

A lei entrou em vigor quatro meses depois, como previsto no texto. A ideia era dar tempo para que os setores produtivo e jurídico se adaptassem às novas normas.

Após um ano de experiência, a avaliação sobre a reforma ainda está sujeita a divergências. A aplicação jurídica de muitas das novas regras não foi imediatamente pacificada, e a regulamentação de diversos trechos não está completa. Em termos de resultado, os efeitos da legislação na geração de emprego são imprecisos.

É possível afirmar, entretanto, que em uma área a reforma vem tendo sucesso verificável: a natureza das relações de trabalho vem se alterando consistentemente e o panorama do mercado no país já é outro em comparação com o quadro existente no final de 2017. Especialistas divergem se essa mudança é positiva ou negativa, mas ambos os lados reconhecem que ela veio para ficar.

Empregos formais
São dois os principais indicadores de desemprego no Brasil. A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) registra a porcentagem dos brasileiros em idade ativa que estão desocupados. Já o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) compila a diferença entre contratações e demissões no mercado formal. A Pnad incorpora no seu cenário a informalidade, enquanto o Caged detecta apenas a situação de quem possui carteira assinada.

indiceA Pnad mostra que, no ano de vigência da reforma trabalhista, a oscilação da taxa de desemprego ficou num patamar ligeiramente abaixo do anterior, quando a crise econômica estava no seu auge.

O Caged, porém, mostra uma variação mais drástica. O saldo entre contratações e demissões se manteve consistentemente positivo ao longo de 2018, ao contrário dos anos anteriores.

Na interpretação da assessora especial da Casa Civil Martha Seillier, que trabalhou na elaboração da nova legislação, isso significa que a reforma não reduziu o desemprego geral de forma significativa, mas foi bem-sucedida em trazer mais trabalhadores para regimes formais.

— No Brasil, havia várias pessoas trabalhando sem conseguir se encaixar num contrato formal, porque o modelo não existia. Se a pessoa não ia trabalhar regularmente no mesmo local, no mesmo horário, para o mesmo empregador, tinha dificuldade de encontrar um contrato assinado com os direitos garantidos. Quem estava fazendo “bicos” hoje já pode ter carteira assinada — diz.

As figuras da jornada intermitente (no qual a prestação de serviços não é contínua, mas alterna períodos de inatividade) e da jornada parcial (que não cobre o dia inteiro, apenas determinados períodos) foram inovações introduzidas pela reforma que, segundo Martha, permitiram a mudança. O público mais beneficiado, na sua análise, foi o dos jovens. Muitos deles, quando entram no mercado de trabalho, precisam conciliar o tempo com estudos. Sem um modelo de contrato adequado a essa necessidade, não havia incentivo para empregá-los.

A assessora considera que a retomada do emprego como um todo ainda depende de uma recuperação econômica mais robusta do país.

— Consideramos que os caminhos abertos pela reforma, tudo que ela fez para adequar o mercado à legislação existente, vão ser muito importantes quando a economia de fato aquecer.

Menos direitos
A formalização de regimes diferenciados é entendida por críticos da reforma como a “normalização” de atividades mais precárias. O diretor técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Clemente Ganz Lúcio, afirma que a reforma incluiu uma massa trabalhadora, mas à custa de menos direitos.

— Em parte, a formalização de contratos é verdade. Mas ela vem acompanhada do rebaixamento do padrão protetivo. A nova tendência é reconhecer que há uma desigualdade enorme e estabelecê-la como patamar.

empregosClemente destaca que uma flexibilização da legislação para trazer para a CLT trabalhadores que persistem na informalidade seria uma medida bem-vinda, desde que fosse atrelada à retomada econômica e pensada para ser revertida à medida que o mercado comportasse um retorno às condições anteriores:

— O processo de formalização tem que vir acompanhado de iniciativas do poder público. Poderia ser uma transição gradativa. Isso é uma coisa. Reconhecer o mercado informal como patamar significa fazer com que ele não se altere na frente.

Outra crítica de Clemente diz respeito ao fim do imposto sindical obrigatório, à possibilidade de homologação individual de acordos e à prevalência de negociações coletivas sobre a legislação. O diretor diz temer um desaparecimento gradual dos sindicatos e das entidades representativas dos trabalhadores. Para ele, essa consequência significaria a hegemonia dos regimes precários, pois não haveria mais atores com força suficiente para reivindicar o contrário.

Estatuto
Durante a análise do projeto de reforma, o governo, num esforço para garantir a anuência do Congresso, se comprometeu a vetar os pontos mais polêmicos antes da sanção. No entanto, isso não ocorreu porque o presidente Temer preferiu editar uma medida provisória com novas regulamentações (MP 808/2017). Jamais debatida ou votada, a MP caiu por encerramento do seu prazo de validade.

O Senado, então, se mobilizou. Em agosto de 2017, foi instalada uma subcomissão destinada à análise de uma proposta de Estatuto do Trabalho. A ideia é que o texto se torne uma nova CLT, se sobrepondo tanto à reforma quanto à legislação trabalhista anterior e estabelecendo ainda mais direitos e garantias.

O texto do estatuto foi apresentado em maio, como sugestão legislativa, tendo Paulo Paim como relator. Foi assinado por entidades de auditores, magistrados e procuradores do trabalho, depois de discutido com entidades sindicais de trabalhadores e de patrões, autoridades e especialistas diversos.

Paim explica que, pela sua complexidade, o projeto deverá levar anos para ser aprovado.

— Faremos muito debate. A centro-direita ganhou as eleições com um projeto ultraliberal, temos que entender isso, e temos que dialogar. A subcomissão já realizou 23 audiências públicas desde a sua instalação — destacou o senador.

Não há prazo definido para a apresentação de um relatório sobre a sugestão (SUG 12/2018). Martha Sellier considera que a evolução do mercado de trabalho exige disposição para adaptar constantemente as regras.

— A legislação trabalhista tem que estar sempre sendo revista para acomodar mudanças que estão se verificando na prática. Seria um retrocesso voltar aos modelos de antes.

Situação jurídica
Assim que entrou em vigor, a reforma suscitou dúvidas quanto ao impacto das novas regras sobre processos trabalhistas. Empregados, patrões, advogados e juízes não se entendiam em relação ao marco inicial de aplicabilidade das normas. Questionavam se elas já incidiriam nos processos e contratos em andamento, ou se apenas sobre os abertos depois do novo código.

A indefinição foi agravada pela situação da MP 808/2017. As suas regras geraram efeitos enquanto ela estava no prazo, mas, após o vencimento, o Congresso precisaria editar um decreto legislativo para pacificar as relações jurídicas decorrentes desses efeitos produzidos na vigência. Como isso não aconteceu, houve três períodos de regras diferentes em vigor: o pré-reforma, o período em que a reforma era modificada pela MP e o período em que a reforma vigorou sozinha.
O presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Guilherme Feliciano, diz que a entidade considera muitas das inovações da reforma trabalhista inconstitucionais, como a regulamentação do trabalho intermitente. A Anamatra defende a prerrogativa dos juízes de não aceitarem a aplicação automática das normas e afirma que a avaliação prévia de constitucionalidade é um pressuposto.

— Há pontos de dúvida, inclusive entre advogados e procuradores, e os juízes têm reconhecido, sem anormalidade.

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) aprovou, em junho, a Instrução Normativa 41/2018, afirmando que a aplicação das regras da reforma seria imediata, mas, em sua maioria, não afetaria situações iniciadas ou consolidadas antes do dia 11 de novembro de 2017. A instrução, porém, não valeria para questões de direito material (como férias, trabalho intermitente e teletrabalho), que devem ser analisadas caso a caso.

As instruções do TST, no entanto, não têm natureza vinculante. Assim, as instâncias inferiores (juízes e tribunais regionais) não são obrigadas a seguir essa determinação.

Mais artigos...

  1. Dependência econômica e fé se misturam em Abadiânia, em Goiás
  2. Professor da USP conta suas memórias da época do AI-5
  3. Senado busca desburocratizar serviços públicos
  4. Assassinato de Chico Mendes faz 30 anos
  5. Como o brasileiro vê o cumprimento das leis
  6. Ipea: 23% dos jovens brasileiros não trabalham e nem estudam
  7. “Internet dos animais” entrará em operação em 2019
  8. Divórcio demorou a chegar no Brasil_01
  9. Chesf inicia estudo com painéis solares em reservatório de Sobradinho
  10. Comércio, clima e trabalho são prioridades do Brasil na Cúpula do G20
  11. Em busca do trem perdido
  12. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens no País
  13. Tratamento com fitoterápicos aumenta na rede pública de saúde
  14. Atual modelo hospitalar deixa saúde cara e não inibe erros
  15. Brasil começa a levar imigrantes para o interior
  16. Biodiversidade é estratégica para o desenvolvimento do Brasil
  17. Brasil já teve 2 presidentes militares eleitos nas urnas
  18. Tecnologia poderá ajudar na implantação do novo Ensino Médio
  19. Inadimplência atinge 62 milhões de brasileiros e afeta 3% do crédito
  20. Encerrada há um século, Primeira Guerra extinguiu impérios
  21. Estigmas e tabus: por que o câncer de ontem não é o mesmo de hoje
  22. ONG oferece assessoria a empreendedores no Brasil
  23. Ministros do STF defendem necessidade de reforma política
  24. Sem obras em dois distritos, moradores de Mariana mostram apreensão
  25. Em novembro de 1955, crise fez Brasil ter 3 presidentes numa única semana
  26. General Heleno defende uso de atiradores de elite contra criminosos
  27. Preservar a Constituição e unir sociedade são prioridades de Bolsonaro
  28. Negros e brancos de alta renda moram em locais distantes e distintos
  29. Antes da Eletrobras, Brasil vivia rotina de apagões
  30. A água no Brasil: da abundância à escassez
  31. Alimentação está na pauta do novo Congresso
  32. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens
  33. Projeto pretende retardar o envelhecimento do sistema imune humano
  34. Comida síria transporta imaginário de refugiados para lugar que não existe mais
  35. ONU: nenhum país consegue garantir direitos reprodutivos das mulheres
  36. Estudo destaca estreita relação entre álcool, drogas e violência
  37. Brasil avança, mas tem desafio para cumprir meta de emissão de carbono
  38. Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores
  39. Na primeira eleição presidencial, Brasil teve eleitor de menos e candidato demais
  40. Oito em cada dez idosos têm percepção positiva da terceira idade
  41. Senado analisa aposentadoria especial para condutores de ambulância
  42. Metade das cidades do país ainda não dá voz aos idosos
  43. Prédio do Museu Nacional já preocupava Senado do Império
  44. Referência da história contemporânea, Constituição completa 30 anos
  45. Desemprego pauta candidatos e será desafio ao próximo presidente
  46. Em 15 anos, Estatuto do Idoso deu visibilidade ao envelhecimento
  47. 30 anos da Constituição: Principal símbolo do processo de redemocratização nacional
  48. Rebanho de bovinos e produção de leite caem, diz pesquisa do IBGE
  49. Cresce preocupação com desperdício de alimentos em todo o mundo
  50. Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
  51. Secretário admite que pode fechar o ano sem elucidar caso Marielle
  52. Futuro presidente terá de enfrentar financiamento do SUS
  53. Apesar de aumento, menos de 40% das cidades têm política de saneamento
  54. Metade das mulheres férteis em SP usaram pílula do dia seguinte
  55. Animais criados livres no Pampa fornecem carne mais saudável
  56. Primeiro transhomem a ser operado no Brasil, João Nery prepara livro
  57. Avança o Indicador de inadimplência do consumidor; país tem 62,9 milhões de negativados
  58. Filtro colorido aumenta velocidade de leitura de crianças com dislexia
  59. Manual ensina a cuidar da saúde bucal de crianças com autismo
  60. Iniciativas do Judiciário combatem e reparam violência contra a mulher
  61. Epidemia de gripe espanhola no Brasil mata presidente, faz escolas aprovarem todos os alunos e leva à criação da caipirinha
  62. Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971
  63. Museu do Ipiranga questiona os sentidos da independência
  64. Governo vai liberar recursos emergenciais para o Museu Nacional no Rio
  65. Alunos deixam ensino fundamental com desempenho pior do que entraram
  66. Câmara discute propostas polêmicas sobre orgânicos e agrotóxicos
  67. Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil
  68. Foco de instabilidade, impacto migratório é desafio em Pacaraima
  69. Há 55 anos, Senado ajudou a derrubar parlamentarismo
  70. Especialistas debatem soluções tecnológicas para ajudar o agronegócio
  71. Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato chegam a 10 mil
  72. Merenda escolar é vigiada no país por 80 mil “detetives”
  73. Dos 27,4 mil registros de candidaturas, 8,4 mil são de mulheres
  74. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa_2
  75. Subutilização da força de trabalho atinge 27,6 milhões no Brasil
  76. Ofensiva contra o lixo: país se engaja em debate sobre a coleta seletiva
  77. Seis em cada dez crianças no Brasil vivem na pobreza, diz Unicef
  78. Manifestações afros são incorporadas à cultura sem valorização dos negros
  79. Ruy Barbosa desafiou elite e fez 1a campanha eleitoral moderna
  80. Sarampo: especialista alerta sobre a importância da vacinação
  81. Casos de suicídio motivam debate sobre saúde mental nas universidades
  82. Mortes de presos aumentam 10 vezes em quase vinte anos no Rio
  83. Petróleo, combustíveis e Refis reforçam receitas da União este ano
  84. Mulheres que fizeram aborto relatam momentos de medo e desespero
  85. Supremo Tribunal Federal debate hoje a descriminalização do aborto
  86. 44% dos empresários do varejo e de serviços estão otimistas com economia para o segundo semestre
  87. Ecossistemas tropicais abrigam mais de três quartos das espécies de plantas e animais
  88. Metade dos docentes no país não recomenda a própria profissão
  89. Projeto cria regras para proteger dados pessoais
  90. Censo mostra aumento da área destinada à agricultura no país
  91. População brasileira deve chegar a 233,2 milhões em 2047, diz IBGE
  92. Construtoras acreditam em multa maior por distrato; Procons condenam
  93. Museu Paulista e Sesc Ipiranga apresentam “Papéis Efêmeros”
  94. Radiografia do ativismo indica revitalização do papel político das cidades
  95. Canecão foi referência para música brasileira e revelou grandes nomes
  96. Saúde alerta que as baixas coberturas vacinais acendem a luz vermelha
  97. Em minoria, mulheres buscam liderar negócios de inovação e tecnologia
  98. Lei de proteção de dados vai mudar cotidiano de cidadãos e empresas
  99. Estudo destaca papel central da música nos ritos de incorporação da Umbanda
  100. Cientistas vão treinar robôs para identificação automática de plantas

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171