Vitória antitabagista

STF proibiu o uso de aditivos que conferem aroma e sabor aos cigarros; argumento contrário contou com parecer de docente da Unicamp

2018-02-02-145842cigarros-com-sabores temporario

Manuel Alves Filho/Jornal da Unicamp

O movimento antitabagista brasileiro registrou uma importante vitória no último dia 1º de fevereiro, quando o Supremo vetou o uso de aditivos nos cigarros, entre eles os que conferem aroma e sabor ao produto. O emprego dessas substâncias tem por finalidade tornar o tabaco mais palatável, favorecendo desse modo o aumento do consumo, especialmente por parte de crianças e adolescentes. Os argumentos contrários aos interesses da indústria tabagista foram reforçados por pareceres do professor da Faculdade de Ciências Aplicadas da Unicamp, Luís Renato Vedovato, que também é integrante do Comitê pelos Direitos Humanos da Universidade.

O julgamento da matéria pelo Supremo encerrou uma contenda iniciada em 2011, quando a Anvisa baixou uma resolução proibindo o uso de aditivos nos cigarros. A medida teve como base um tratado internacional formulado em 2003, do qual o Brasil é signatário, que sugere aos países que impeçam a utilização dessas substâncias. Segundo a norma da Anvisa, a colocação de aditivos no cigarro somente seria possível se o fabricante explicasse o motivo e as características destes.

24341130 temporarioEntretanto, um dia antes de a resolução entrar em vigor, a ministra do STF, Rosa Weber, concedeu liminar suspendendo seus efeitos, atendendo a uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) proposta pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). “A decisão do STF veio somente agora. Dos dez ministros votantes [Luís Roberto Barroso se declarou impedido de votar], cinco se posicionaram pela manutenção da resolução da Anvisa e outros cinco, contra. Com isso, a proibição ao uso dos aditivos foi mantida”, explica o professor Vedovato. Entretanto, segundo ele, como a decisão não foi tomada pela maioria dos integrantes do Supremo, a CNI ou as empresas tabagistas podem apresentar novas ações às instâncias inferiores do Judiciário.

“O fato é que a posição do Supremo representou uma vitória muito importante para o movimento antitabagista. Não podemos nos esquecer de que a outra parte já havia obtido uma liminar e detém um forte poderio econômico, o que facilita bancar os altos custos de uma ação dessa envergadura. Para se ter uma ideia, eu fui nove vezes a Brasília ao longo da tramitação do processo”, conta o docente da FCA, que fez a sustentação oral no STF representando a Associação Mundial Antitabagismso.

Enquanto as indústrias do tabaco recolhem R$ 13 bilhões ao ano em impostos, os custos com as doenças relacionadas custam ao Brasil R$ 56,9 bilhões no mesmo período.Doença pediátrica
O uso de aditivos que conferem aroma e sabor aos cigarros, afirma o docente, representa um risco às pessoas, notadamente crianças e adolescentes. “O aditivo com sabor de frutas, por exemplo, torna o cigarro mais palatável especialmente para os jovens, que acabam por se tornar mais rapidamente dependentes do tabaco. Um relatório do Surgeon General [EUA], de 2010, demonstra que 90% dos fumantes experimentam o cigarro antes dos 18 anos. Justamente por isso a OMS considera o tabagismo não somente como um grave problema de saúde pública, mas uma doença pediátrica”, aponta.

Em anos anteriores, assinala Vedovato, o poder Judiciário norte-americano tomou conhecimento de documentos internos da indústria do tabaco, que indicam como esse tema é importante para a atuação do setor. Uma das frases encontradas na documentação é a seguinte: "Várias crianças, quando começam, não gostam do sabor do cigarro e começam a tossir. Mas um cigarro com sabor, digamos cereja, pode parecer melhor. E pode matar o gosto [ruim do cigarro] para eles, de forma que possam começar mais cedo".

Professor Luís Renato Vedovato, que fez sustentação oral no STF: “O aditivo com sabor de frutas torna o cigarro mais palatável especialmente para os jovens”.As argumentações apresentadas pelas empresas tabagistas em favor do uso dos aditivos, continua o docente, não se sustentam diante da realidade. Segundo ele, o setor alegou que a proibição dos aditivos poderia afetar o comércio de cigarros no Brasil e, consequentemente, provocar desemprego. “Ocorre que 88% da produção de tabaco brasileira são destinados à exportação. Ou seja, uma regulação mais rigorosa não trará tanto impacto assim para o mercado interno”, considera.

Outra alegação do segmento é de que ele é um importante pagador de impostos. A justificativa também é contestada pelo professor da FCA. Conforme dados do Instituto de Efectividad Clinica y Sanitária (América Latina), as indústrias do tabaco recolhem anualmente cerca de R$ 13 bilhões aos cofres públicos. “Analisadas de forma isolada, essas cifras parecem grandiosas. No entanto, as doenças relacionadas ao uso do tabaco custam anualmente ao Estado brasileiro perto de R$ 56,9 bilhões. Ou seja, existe uma diferença de quase R$ 44 bilhões, que saem do bolso dos contribuintes. Isso sem contabilizar os gastos adicionais das famílias com remédios e cuidados com os pacientes”, elenca.

O docente lembra que a Constituição brasileira determina que a saúde é um direito de todos e um dever do Estado. “Ora, se a saúde é um direito de todos, o Estado tem a obrigação de regular produtos que representem um risco ao bem-estar da população”, entende. Aliás, a questão de fundo do julgamento no STF tinha relação justamente com a competência das agências reguladoras, no caso a Anvisa.

O uso de aditivos que conferem aroma e sabor aos cigarros representa um risco às pessoas, notadamente crianças e adolescentes.Se o Supremo tivesse derrubado a resolução, conforme Vedovato, teria sido o mesmo que dizer que a Anvisa não pode desempenhar o papel para o qual foi criada, ou seja, regular produtos e processos que possam representar um risco à saúde da população. “Isso não somente afetaria as atividades da Anvisa, mas também abriria precedente para a contestação da competência das demais agências reguladoras”, assinala o docente.

Justiça na contramão
O diretor-presidente da Anvisa, Jarbas Barbosa, considerou a decisão do STF como uma vitória do órgão. “Foi uma importante vitória para assegurar que a Anvisa possa regulamentar os cigarros. Há várias iniciativas da indústria do tabaco, como a inclusão de aditivos que disfarçam o sabor, que podem induzir crianças e adolescentes a experimentarem cigarros e se tornarem fumantes. Isso pode reverter a tendência de redução do tabagismo verificada nos últimos 25 anos em nosso país, com gravíssimo impacto na saúde pública. Continuaremos a apresentar os argumentos técnicos e legais sempre que houver novas ações”, declarou.

Além do Brasil, outros países também proíbem o uso de aditivos do tabaco. Canadá, Espanha e Alemanha, por exemplo, venceram os obstáculos impostos pelas discussões internas e optaram por essa postura. Se nesse aspecto o Brasil está alinhado com as nações desenvolvidas, em outro deixa a desejar, como observa Vedovato. Ele se refere ao posicionamento da Justiça brasileira, que tem transitado na contramão do judiciário de outros países.

Aqui, nenhuma ação proposta por ex-fumantes pleiteando indenização das indústrias tabagistas pelos danos provocados pelo cigarro obteve êxito até hoje. “Em outros países, a concessão de indenização para ex-fumantes ou suas famílias já é uma realidade. O recado dado pela Justiça, nesses casos, é o seguinte: quem fabrica um produto que pode causar dano a alguém deve tomar mais cuidado tanto com essa produção quanto com a sua divulgação”, pondera o Vedovato. Segundo ele, um dos objetivos do Comitê pelos Direitos Humanos da Unicamp é refletir e propor questões fora do âmbito do Direito, de forma a contribuir para as ações do MP e para as decisões do Judiciário.

Mais artigos...

  1. Desmatamento vai aquecer clima do planeta mais que o estimado
  2. Medida Provisória que altera reforma trabalhista ainda não começou a tramitar
  3. De Picasso a Chagall – Conheça o Carnaval retratado na arte
  4. Portela lembra na avenida os imigrantes judeus que se instalaram no Recife
  5. Beija-Flor fecha grupo especial com desfile sobre monstros e seus criadores
  6. União da Ilha desfila os sabores da culinária brasileira
  7. Na Marquês de Sapucaí, Imperatriz conta enredo dos 200 anos do Museu Nacional
  8. Haitianos são maioria entre os imigrantes no mercado formal brasileiro
  9. 60% das lesões no futebol atingem as coxas e joelhos
  10. Mídia representa pessoas em situação de rua de forma negativa
  11. Rap e jazz facilitam formação cultural e engajamento na escola
  12. Nova lei dá esperança a quem aguarda adoção
  13. Conheça 10 receitas 'italianas' que só existem no Brasil
  14. Brasileiros beneficiados pelo Daca vivem incerteza nos Estados Unidos
  15. Aumento de bilionários em 2017 poderia acabar com a extrema pobreza por 7 vezes
  16. Confira dez perguntas e curiosidades sobre a febre amarela
  17. Cai percepção de piora da economia entre comerciantes
  18. O escritor portenho Jorge Luis Borges continua dando o que falar
  19. Hepatite A: saiba como se pega o vírus, quais são os sintomas e tratamentos
  20. Queda da inflação beneficiou mais a classe de renda baixa, diz Ipea
  21. Psicanálise também tem lugar para pessoas em vulnerabilidade social
  22. Pesquisa identifica populações mais vulneráveis a transtornos mentais graves
  23. Promoções impulsionam comércio e vendas no varejo cresceram 0,7% em novembro
  24. Etanol brasileiro pode substituir 13,7% do petróleo consumido no mundo
  25. Eleições e Copa do Mundo devem afetar pauta de votações no Congresso
  26. Livro em tupi moderno busca fortalecer o idioma na Amazônia
  27. Retrospectiva/2017: Fim da recessão, queda de juros e da inflação marcaram a economia
  28. Retrospectiva/2017: O ano dos ataques cibernéticos
  29. Retrospectiva/2017: O ano em que o Brasil mostrou que se importa com a Amazônia
  30. Lado brasileiro de Itaipu também poderá ser reserva de biosfera da Unesco
  31. Simplificar para melhorar (e muito): a urgente Reforma Tributária
  32. Fake news e controle na internet são desafios para as eleições de 2018
  33. Condições de vida são mais baixas em áreas longe dos centros
  34. Bichos de pelúcia substituem animais de laboratório em aulas na USP
  35. IBGE: 50 milhões de brasileiros vivem na linha de pobreza
  36. Em 2015 sete municípios respondiam por 25% do PIB do país, mostra IBGE
  37. País ainda precisa avançar no combate ao racismo
  38. Com política eficiente, país pode reverter prazo para cumprir objetivos estipulados pela ONU
  39. 70 anos da maior descoberta arqueológica bíblica: Manuscritos do Mar Morto
  40. Bitcoin passa de US$ 13 mil e vira 'desejo de consumo'
  41. Pesquisa do IBGE mostra trabalho "invisível" feito em 2016 no país
  42. Divórcio demorou a chegar no Brasil
  43. Prédios públicos ficam vermelhos contra a aids
  44. Estudo resgata a história do Movimento do Custo de Vida
  45. Anabolizantes comprometem funcionalidade do “colesterol bom”
  46. Presença de árvores reduz casos de câncer de pulmão em idosos
  47. Proximidade do verão aciona alerta para desastres naturais
  48. Nova lei regula situação de estrangeiros no país
  49. SP e Prefeitura de Humaitá atendem ribeirinhos no Amazonas
  50. O desaparecimento de pessoas é um problema grave, que atinge milhares de famílias no Brasil
  51. Alimentos e cosméticos podem ter alerta sobre substância cancerígena_02
  52. OIT diz que há mais de 70 milhões de jovens desempregados no mundo
  53. Lixo no mar brasileiro vai de drogas a plástico
  54. Livro 'Vestígios da Memória' mostra a riqueza da arquitetura paulista
  55. Atenção dos pais pode reduzir risco de abuso de drogas na adolescência
  56. Reforma trabalhista entrou em vigor neste sábado com novas formas de contratação
  57. Alimentos e cosméticos podem ter alerta sobre substância cancerígena
  58. Dois anos depois, atingidos por barragem em Mariana ainda não foram indenizados
  59. População não entende rótulos, diz pesquisa
  60. Ética no esporte: uma poderosa ferramenta de formação de caráter
  61. Desafios para o cumprimento do Acordo de Paris
  62. Historiador desconstrói mitos sobre Teatro Municipal de São Paulo
  63. Dia mundial de combate ao abuso infantil
  64. Bullying na escola está ligado à má relação familiar, diz estudo
  65. Naufrágios chamam a atenção para a segurança nas hidrovias brasileiras
  66. Com frete rodoviário abaixo do custo, CNI defende fiscalização para evitar crise
  67. Livro analisa educação clandestina no gueto de Varsóvia
  68. Igualdade entre homem e mulher pode agregar US$ 28 trilhões ao PIB até 2025
  69. Os acordes dissonantes da contracultura nos anos de chumbo
  70. Reforma eleitoral abre espaço para propaganda paga em sites
  71. Rotina de jovens com HIV inclui estigma e mudança de hábitos
  72. Gravidez precoce ainda é alta, mostram dados
  73. Rede de apoio é fundamental para combater violência contra a mulher
  74. FAO sugere que jovens de países em desenvolvimento não deixem áreas rurais
  75. Conheça a trajetória do Velho Guerreiro
  76. O que as crianças estão aprendendo sobre o amor?
  77. Outubro Rosa conscientiza sobre prevenção do câncer de mama
  78. Indústria fecha primeiros oito meses do ano com crescimento de 1,5%, diz IBGE
  79. Perda de renda e medo do desemprego fazem brasileiros diminuírem consumo
  80. Desconfiança e preconceito da sociedade dificultam ressocialização de presos
  81. Açaí teve maior valor de produção na extração vegetal em 2016, diz pesquisa
  82. Fécula de mandioca poderá substituir parte da farinha de trigo na composição do pão
  83. Pesquisa aponta saídas para combater desigualdade no Brasil
  84. No Brasil, 45% da população ainda não têm acesso a serviço adequado de esgoto
  85. Integrar história da ciência nas escolas pode revolucionar ensino
  86. Cerca de 11 mil pessoas tiram a própria vida todos os anos no Brasil
  87. Estudo feito na Unicamp permite traçar o roteiro da obesidade
  88. Crise pode limitar financiamento estudantil
  89. Gorduras boas: saiba a importância desses nutrientes e porque eles devem fazer parte do nosso dia a dia
  90. Mercado de trabalho dá sinais de recuperação no segundo trimestre
  91. Cientistas dizem que furacões como o Irma são evidência de aquecimento global
  92. Programa Identidade Jovem enfrenta baixa adesão e resistência dos empresários
  93. Crescimento de ataques virtuais acende alerta sobre suicídio
  94. Na Georgia, brasileiros criam rede de apoio e acolhem mais de 300 pessoas
  95. O Império do Brasil
  96. Cabelos fracos, quebradiços e com queda? A solução pode estar no cardápio
  97. Microplásticos ameaçam 529 espécies da fauna marinha em todo o mundo
  98. Enade: matrículas em instituições públicas crescem e rede privada tem redução
  99. Pesquisadores descrevem 381 novas espécies de animais e plantas da Amazônia
  100. Direito à saúde bucal pode virar lei
Mais Lidas