Intestino preguiçoso: saiba quais alimentos consumir para evitar esse mal e ter uma vida saudável

Quem sofre de prisão de ventre sabe o quanto esse problema pode atrapalhar a rotina. O abdômen fica inchado e dolorido, o humor fica péssimo e cada visita ao banheiro é um verdadeiro desafio (muitas vezes longo e frustrado)

intestino-preso-detona temproario

 

E por mais corriqueiro que o distúrbio possa parecer, a constipação intestinal inspira cuidados: quando o corpo não consegue “eliminar” regularmente as fezes, toxinas se acumulam no organismo, causando vários prejuízos à saúde.

Felizmente, em muitos casos é possível contornar e, até mesmo, prevenir o problema por meio de mudanças simples, especialmente quando o causador do intestino preguiçoso é a má qualidade da dieta. Certos alimentos são verdadeiros aliados na hora de combater a prisão de ventre e são essenciais para deixar tudo novamente no ritmo. Quer saber mais? Então confira:

Embora muitas pessoas associem apenas a baixa frequência das evacuações ao problema, a principal característica da prisão de ventre é a resistência do bolo fecal, ou seja, quando o ato de evacuar requer muito esforço, é pouco produtivo, causando, até mesmo, dores. Isso acontece, pois as fezes estão ressecadas e se movimentam com muita dificuldade no trato gastrointestinal. Contudo, essa característica também faz com que os intervalos entre uma evacuação e outra se prolonguem, provocando inúmeros sintomas desagradáveis. Ainda que possa ser desencadeada por diversos fatores, a causa mais comum da constipação é, sem dúvidas, a alimentação desequilibrada – sobretudo pobre em fibras.

intestino-preso temproarioEsse cenário que poderia ser revertido com pequenas mudanças, de acordo com a nutricionista Gabriela Domingues “Geralmente desprezamos cascas, talos e folhas e é justamente nessas estruturas que estão a maior parte das fibras. Mas não é só isso, atualmente há um consumo elevado de alimentos que irritam o intestino, além de baixa ingestão de água – uma combinação nada amigável para o intestino”.

De acordo com a especialista da Nova Nutrii, preservar o hábito intestinal regular depende, principalmente, do equilíbrio de três itens da dieta: uma boa hidratação, uma quantidade adequada de fibras e um bom aporte de nutrientes. Isso porque cada um desses fatores contribui para o fluxo das fezes no intestino:

A água, por exemplo, é essencial quando o alimento ingerido chega ao intestino grosso. Portanto, quem sofre de constipação precisa beber muita água: “Se o indivíduo não se hidrata adequadamente, as fezes ficam ressecadas e, consequentemente, mais difíceis de serem eliminadas. Por isso, o primeiro hábito a ser corrigido é atentar para a hidratação. Não só a quantidade ingerida, mas a regularidade, lembrando-se de beber água várias vezes ao dia”. – explica Domingues.

saud temproario“A quantidade recomendada de fibras varia muito de pessoa para a pessoa, mas uma forma de não errar é consumir diariamente uma variedade de frutas, verduras, legumes. Contudo, é preciso atentar para alguns pontos: preservar, sempre que possível, cascas, folhas e talos; além de optar por cereais e grãos integrais. Também é fundamental preservar a hidratação, bebendo água ao longo do dia, senão o efeito da ingestão de fibras pode ser contrário”.

O terceiro cuidado básico é apostar ao máximo em “comida de verdade”, ou seja, fugir dos industrializados na hora de compor o cardápio. Isso porque, de acordo com Gabriela “Uma dieta rica em alimentos refinados, que possuem alta concentração de químicos e corantes desestabiliza a colônia de microrganismos que existe no intestino, mais conhecida como flora intestinal. Além de propiciar disfunções como a constipação, o desequilíbrio da microbiota enfraquece o organismo, deixando-o mais vulnerável à inflamações. Por outro lado, uma dieta abundante em alimentos naturais fornece o que o corpo precisa: vitaminas, minerais, antioxidantes e, principalmente fibras que podem, até mesmo, ajudar na proliferação das boas bactérias no intestino, ajudando a regular o trabalho do órgão”.

Os melhores alimentos para tratar a constipação:
• Ameixa: rica em fibras solúveis – presentes principalmente na sua polpa, e insolúveis, concentradas na casca do alimento, melhora o trânsito das fezes por aumentar a absorção de água durante a formação do bolo fecal. As fibras insolúveis ajudam a equilibrar a flora e melhorar o contingente de bactérias benéficas do trato gastrointestinal. Do ponto de vista nutricional, a ameixa preta é a mais recomendada, pois tem maior concentração de compostos fenólicos – antioxidantes capazes de beneficiar o organismo em diversos aspectos.

• Alho: esse alimento tão comum é rico em inulina, uma fibra que serve de “alimento” para as bactérias amigas do intestino, ajudando a aumentar seu número. Além disso, acelera o trânsito das fezes, pois seu processo de fermentação no trato gastrointestinal estimula a absorção de água e o aumento do bolo fecal.

intestino-preguicoso temproario• Mamão: outro alimento famoso quando o assunto é hábito intestinal, o mamão, especialmente o papaia, é rico tanto em fibras solúveis, que ajudam a “irrigar” o bolo fecal, quanto em fibras insolúveis que, por sua vez, ajudam a dar “volume” às fezes. Contudo,
o grande diferencial dessa fruta é sua concentração de papaína, uma enzima digestiva que auxilia na diminuição do esvaziamento gástrico, ou seja, ajuda a acelerar o processo digestivo e, por consequência, a evacuação.

• Farelo de aveia: riquíssimo em fibras solúveis, o farelo de aveia é a parte mais externa do tradicional cereal, mais especificamente a casca da aveia antes do refinamento. Por essa característica resistente, estimula não só o crescimento das bactérias boas do intestino, como melhora a consistência das fezes e sua mobilidade no intestino. De acordo com Gabriela, uma das maiores vantagens do cereal, além do seu alto valor nutritivo, é sua versatilidade.

O segredo de um cardápio capaz de prevenir ou, até mesmo, tratar a constipação é o equilíbrio entre a boa hidratação e consumo de fibras. Para assegurar que essas “aliadas” vão cumprir adequadamente seu papel de “condutor” das fezes, é fundamental que a ingestão de água esteja de acordo, senão, corre-se o risco de agravar os sintomas da prisão de ventre. Para saber tanto a quantidade adequada de fibras para sua alimentação, bem como a hidratação ideal para que seu intestino funcione como um reloginho, não deixe de consultar seu médico/nutricionista, somente esses profissionais saberão indicar um tratamento individualizado para sua condição!

Fonte: Nova Nutrii